Archives for posts with tag: Repartição Técnica do Expediente Sínico
Extraído de «BPMT», XIII-27 de 8 de Julho de 1867, p. 157

José Martinho Marques (S. Lourenço 20-03-1810 – S. Lourenço 4-7-1867; sepultado no dia seguinte no Cemitério de S. Miguel) estudou no Colégio de S. José, onde se especializou em chinês, e foi aluno do Padre Joaquim Afonso Gonçalves. (1) Seguiu depois a carreira de intérprete do Governo de Macau e de várias legações estrangeiras Casou com Vicência Maria Baptista (1811-1885), em 1835. Tiveram 12 filhos. Publicou um “Tratado de Geografia” (em chinês) e “Princípios elementares da Música ao alcance de todos” (Macau, 1852), deixando inédito um “Dicionário china- portuguez”. Em prémio dos serviços prestados à legação francesa, foi condecorado com o grau de cavaleiro da Legião de Honra de França (2)

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-martinho-marques/

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-joaquim-afonso-goncalves/

(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século Dezanove”, 1942, pp.153-156

Alfredo Pinto Lelo, (1864 (?) – ?) – advogado e tabelião público de notas, advogado privativo da Filial do Banco Nacional Ultramarino, foi Secretário-geral em Macau e Encarregado da Legação.(1) Foi eleito, em 25-09-1918 deputado pelo círculo de Macau (2)

(1) Apesar da sugestão e insistência de Artur Tamagnini de Abreu da Mota Barbosa, nada foi feito e o Boletim Oficial continuou a ser impresso na Mercantil, até que uma desavença entre o Dr. Alfredo Pinto Lelo (Secretário Geral em Macau e Encarregado da Legação) e Jorge Fernandes levou avante a ideia de Artur Tamagnini de Abreu da Mota Barbosa.

– Uma das suas últimas providências legislativas do governador Álvaro de Melo Machado até ao dia 14 de Julho de 1912- foi a Portaria de 21 de Fevereiro de 1912, que nomeia uma comissão composta por Alfredo Pinto Lelo, Carlos Melo Leitão, Manuel da Silva Mendes, José Maria de Carvalho e Rêgo e Luís Gonzaga Nolasco da Silva para estudar e dar parecer sobre a possível adaptação do decreto acerca da liberdade de imprensa e, ainda, saber se convirá que “o editor de qualquer periódico possa ser indivíduo de nacionalidade estrangeira”. A República precisava de saber com quem tinha de lidar. (Anuário de Macau 1921, p. 100)

(2) “25-09 -1918 – O Dr. Alfredo Pinto Lelo é eleito deputado pelo círculo de Macau. Viaja para Lisboa. É feita a entrega do cartório de tabelionato ao ajudante, Damião Rodrigues, nomeado por Decreto de 13-07-1918. (A. H. M. – F- A. C. P. n.º 552 –S-P)  (SILVA , Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 112)

João Mariano Gracias (1861-1942 (faleceu na sua casa na Rua Central n.º 1), proprietário e advogado provisionário. Gomes da Costa nas sua Memórias, diz que brincou com ele e que ele era «um verdadeiro diabo». Casou em 1889, com Carolina Ana Pereira Colaço

Filho de Vicente Miguel José Gracias (1819-1887), proprietário e vereador do Leal Senado e de Eufrosina Esmeralda dos Reis  (? – 1900) e pai de Vicente José Gracias (1893-1954),  interprete tradutor da Repartição do Expediente Sínico. FERRAZ, Jorge – Famílias Macaenses, II Volume, p. 135

Anuário de Macau 1921, pp II –III- IV

Edição Fac-similada da “Amplificação do Santo Decreto” (1) do Imperador Yongzheng, (2) versão portuguesa e compilação de  Pedro Nolasco da Silva ( Chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico de 1885 a 1892) inserido no 2.º volume do seu livro (edição de Autor, 1903, Tipografia Mercantil, Macau) “Manual da Língua Sinica Escripta e Fallada. Primeira Parte – Língua Sínica Escripta”
Do “PREFÁCIO” assinado por António Aresta, transcrevo:
Sob a capa de um manual escolar de língua sínica escrita, anódino e igual a tantos outros, podem encontrar-se inesperadas surpresas.
É o que sucede com a “Amplificação do Santo Decreto”, onde a para de um didactismo exemplar se empreende a pedagogia de uma ideologia, a pedagogia do neo-confucionismo, cujo remoçado fascínio permanece até à actualidade.
A “Amplificação do Santo Decreto” é um verdadeiro manual de instrução cívica, ética e política, obedecendo aos parâmetros da mais pura ortodoxia confuciana, destinado ao povo chinês (…)
O “ Santo Decreto”, santo com o significado de sábio, foi originalmente redigido prelo imperador Shunzhi, (3) o fundador da dinastia Qing, tendo sido sucessivamente amplificado ou desenvolvido por seu filho Kangxi (4) e por seu neto Yongzheng . Assim, o mesmo corpo doutrinal, o “Santo Decreto”, manteve-se em vigor durante dois séculos. (…)”
Da “INTRODUCÇÃO” de Pedro Nolasco da Silva, retiro o seguinte:
Em 1671, KANG-HSI, segundo imperador da actual dynastia tartara-manchú, publicou um decreto contendo 16 máximas, sendo cada uma escripta com 7 carateres chinezes; e em 1724, YUNG-CHÂNG, filho e sucessor de KANG-HSI, publicou um comentario d´essas 16 máximas, sob o título de Amplificação do Santo Decreto (Xâng-Iu Kuang-hsun).
É este o livro que escolhemos para exercício de traducção, não só porque está escripto em estylo moderno, elegante e claro, mas também porque n´elle se contém um esboço interessante e instructivo dos princípios da moral chineza. (…) “
(1) Amplificação do Santo Decreto do Imperador Yongzh:eng, edição fac-similada da versão portuguesa e organização de Pedro Nolasco da Silva. Prefácio de António Aresta, Fundação Macau, 1995, 145 p., 26,5 cm x 18,5 cm x 1 cm, ISBN: 972-8147-47-3
(2) Imperador Yongzheng (1678-1735) Imperador de 1723 a 1735 – 雍正帝mandarim pinyin: yōngzhèngdì; cantonense jyutping: jung1 zeng3 dai3.

(3) Imperador Shunzhi (1638-1661) Imperador de 1644 a 1661. 治帝mandarim pinyin: shùn chí dì; cantonense jyutping: seon6 ci4 dai3.

4) Imperador Kangxi, (1654-1722) – Imperador de 1661 a 1722. 熙帝帝– mandarim pinyin: Kāngxīdì; cantonense jyutping: hong1 hei1 dai3.

Ver anteriores postagens com as “Máximas do Imperador Kangxi” extraídas deste livro em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/imperador-kangxi/
NOTA: sobre Pedro Nolasco da Silva ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pedro-nolasco-da-silva/

Extraído de «BGC» X, Janeiro 1934, n.º 103.

Extraído de «BGC III -27, 1927»

Os leitores desta notícia (em Portugal de 1927) terão tomado conhecimento que não haveria biblioteca pública em Macau até esse ano. Mas “oficialmente” em 29-11-1895, o Governando José Maria de Souza Horta e Costa criou uma comissão de professores do Liceu para fazer um Regulamento para a «Biblioteca Pública de Macau» a qual teve como primeiro bibliotecário o macaense Matheus António de Lima. (1) Há, no entanto, outras notícias anteriores de tentativas de se estabelecer em Macau uma biblioteca pública.
Em 16-07-1838, é recomendado, em portaria régia, a formação de um jardim botânico, destinado à cultura de plantas medicinais, usadas pelos chineses, e bem assim a fundação de uma biblioteca, composta principalmente de livros e mapas chineses, japoneses ou escritos em outras línguas orientais e em 27-12-1873, o Governador Visconde de S. Januário aprovou os Estatutos da Sociedade chamada «Biblioteca Macaense», que, no entanto, não se sabe se existiu na prática. (2)
(1) Em 1898, o bibliotecário, Matheus de Lima, apresentava o número de utilizadores, em Boletim Oficial. Como amostra mensal, em Fevereiro, 34 leitores e 36 volumes consultados; em Maio, 24 leitores e obras consultadas. Não estavam descriminadas se eram consultas locais ou domiciliárias. A Biblioteca Nacional de Macau estava aberta das 9 horas da manhã às 4 da tarde (2)
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.

Notícia publicada no jornal “A Voz de Macau” no dia 5 de Julho de 1937 e republicada no BGC (1)
NOTA 1 – O Governador era Artur Tamagnini de Sousa (1880-1940), no seu terceiro mandato como governador de Macau: 11 de Abril de 1937 a 1940. (substituiu A. Bernardes de Miranda – B.O. n.º 15/1937)
NOTA 2 – Portaria de 30 de Janeiro de 1937 : o  capitão Afonso da Veiga Cardoso que foi nomeado, a partir de 26 de Dezembro do ano de 1936, para exercer interinamente o cargo de Administrador do Concelho das Ilhas, foi substituído pelo capitão de artilharia, Alexandre dos Santos Majer (B. O. n.º 4)
Quatro fotografias respeitantes a obras de construção e melhoramentos realizadas durante o ano de 1939 nas ilhas de Taipa e Coloane.

ILHA DA TAIPA – represa de água em construção
ILHA DA TAIPA – represa para abastecimento de água
ILHA DE COLOANE – abertura de novas estradas
ILHA DE COLOANE – abertura de novas estradas pelos militares africanos

(1) BGC XIII-146/147 , 1937.

Faleceu no dia 31 de Março de 1856, (1) com 53 anos de idade, o acreditado comerciante desta praça José Vicente Jorge, que ocupou por várias vezes o cargo de Procurador do Senado, tendo sido agraciado pelos relevantes serviços prestados ao governo, com várias condecorações (2)
Trata-se de José Vicente Caetano Jorge nascido em S. Lourenço a 17-03-1803 e falecido a 31.03.1857. Terceiro filho de Emídio Jorge e Ana Maria Baptista Suriano. Estudou ciência náutica no Colégio do Seminário de S. José, após o que enveredou por uma bem sucedida carreira de negociante e exportador, em navios próprios, granjeando uma sólida fortuna. Esteve também ligado ao negócio da emigração de trabalhadores chineses para as colónias espanholas da América Central e do Sul. Foi almotacé da Câmara em 1831, procurador do concelho em 1840 e 1845 e provedor da Santa Casa da Misericórdia.(1)
O primeiro filho do seu 2.º casamento chamava-se Francisco José Vicente Jorge (nascido em Macau a 1-11-1847 e falecido em Hong Kong a 2-04-1920). E é avô de José Vicente Jorge (nascido a 27-12-1872 e falecido em Lisboa a 22-11-1948) que foi chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico (autor de “San-Tok-Pun – Novo Método de Leitura”) (3), professor de inglês no Liceu e coleccionador de arte chinesa (autor do livro: “Notas sobre a Arte Chinesa”, 1940). (4)
(1) Jorge Forjaz na sua “Famílias Macaenses”, Vol. II (1996) refere a data do falecimento no dia 31 de Março de 1857.
(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
A mesma data encontra-se registada por Luís G. Gomes na Revista «MOSAICO» (n.º 7, 1951) e Beatriz Basto da Silva na sua “Cronologia da História de Macau”, Vol. 3, 1995.
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/07/07/leitura-novo-methodo-de-leitura-ii/
(4) Anteriores referências “deste” José Vicente Jorge em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-vicente-jorge/

Dicionário Português – Chinês / 葡中字典 (1), mandado elaborar pelo Governo da Província e impresso na  Imprensa Oficial de Macau, em 1969, com 1864 páginas. (20 cm x 14 cm x 7 cm ).
Dicionário Português-Chinês 1969 CAPANo Prefácio, a Comissão (2),  encarregada na elaboração deste dicionário, salienta:
“… Este dicionário didáctico foi baseado nos dicionários português-inglês, da autoria do Padre Júlio Albino Ferreira, e inglês-chinês  «A Comprehensive English-Chinese Dictitionary», editado pela «The Commercial Press, Limited Shanghai, China». Servimo-nos igualmente para consulta e selecção de vocábulos, do Dicionário Prático Ilustrado português, do «Chinese-English Dictitionary», de Mathew´s, e de várias outras obras auxiliares.
Dicionário Português-Chinês 1969 LOMBADA

É de fácil manuseamento e essencialmente prático, contendo mais de 50 000 vocábulos em português, e seus correspondentes, em caracteres sínicos, com diversos significados, além das expressões e frases mais usuais em ambas as línguas.
Seríamos injustos se deixássemos de mencionar a pessoa de Rolando Agostinho dos Reis Ângelo que primeiro teve a honra de presidir a esta Comissão, no início deste seu trabalho, e que tão incansavelmente se houve no exercício do seu mister…”
A romanização dos caracteres chineses baseia-se em dialecto cantonense e os caracteres chineses são em formato tradicional.
(1) 葡中字典mandarim  pinyin: pú zhōng zì  diǎn;  cantonense jyutping: pou4  zung1 zi6 din2
(2) Comissão : Armando Maria de Sequeira Basto, Carlos Maria de Siqueira e António T. G. Dias.Armando Maria de Sequeira Basto (1918-?) foi intérprete tradutor oficial e solicitador judicial, filho de Abílio Maria da Silva Basto (1889-1976) que foi sub-chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico e intérprete do Consulado de Portugal em Cantão.)

No ano de 1902, foi celebrado um contrato entre o Governo Português e o Banco Nacional Ultramarino (BNU) autorizando a emissão de notas no Ultramar; a 19-06-1902, são publicados no B.O. n.º 24-S, os Estatutos da BNU e a 20-09-1902, a  data da inauguração da filial do Banco Nacional Ultramarino, em Macau ( neste território, o BNU passou a ser Caixa do Estado em 1906) e durante 71 anos, foi o único banco europeu no Território.
As primeiras notas de 1 e 5 patacas (por uma questão programática, de melhor aceitação, seguindo de perto os modelos das notas  de 1 e 5 dólares de Hong Kong), entraram em circulação em Macau, a 19 de Janeiro de 1906 e as notas de 10, 25 e 100 patacas, em 1907 (1)
ANUÁRIO de 1927 - BNU em construçãoOcupava instalações provisórias (uma delas, no antigo Palácio das Repartições) (2)  e com a conclusão das obras de construção  da sua própria sede, no ano de 1925, a filial do  Banco Nacional Ultramarino em Macau fica sediado no topo Sul da Avenida Almeida Ribeiro, no local onde antes (até 1918) ficava uma velha e rica mansão, já muito deteriorada que pertencera ao chinês Lian. O edifício da sede bancária deve-se ao industrial de construções, de Hong Kong, He Guang.(1)
O edifício foi inaugurado a 1 de Março de 1926.

ANUÁRIO de 1927 - BNU em 1927Banco Nacional Ultramarino em 1927

Nesse ano de 1927, o Gerente da Filial do Banco Nacional Ultramarino de Macau era João F. Lopes do Rosário, nomeado em 31 de Abril de 1927. (1).

CALENDÁRIO 1989 - BNUBanco Nacional Ultramarino na década de 80 (século XX)
Calendário do ano 1989 (3)

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997.
(2) “11-12-1925 – Instalação definitiva da Repartição do Expediente Sínico na Palácio das Repartições, no compartimento onde se acha instalado o Banco Nacional Ultramarino“.(1)
(3) Calendário semelhante ao apresentado em 14/04/2014 – tamanho: 19 cm x 12 cm.
CALENDÁRIO 1989 - BNU versohttps://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/04/14/calendario-banco-nacional-ultramari-no-1985/
Referências anteriores do Banco Nacional Ultramarino ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/banco-nacional-ultramarino/

SUMÁRIO DOS LUZIADAS capaCAPA

Livro (26 cm x 15, 5 cm), com 34 folhas dobradas sendo 19 folhas (38 páginas, em português)  e 15 folhas (30 páginas, em chinês) “amarradas” à maneira tradicional chinesa.
A leitura em português faz-se nas primeiras 38 páginas.

SUMÁRIO DOS LUZIADAS contra-capaCONTRACAPA

A leitura em chinês  faz-se à maneira tradicional chinesa, da contra-capa, última página do livro para o princípio, de cima para baixo, da direita para a esquerda.
SUMÁRIO DOS LUZIADAS explicação préviaO autor do livro, António Maria da Silva, Chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico, explica em nota prévia, datada de  15 de Junho de 1937, nas primeiras páginas a razão da publicação do opúsculo.
SUMÁRIO DOS LUZIADAS Lviz de CamõesOs Lusíadas andam traduzidos em grego, latim, espanhol, francês, italiano, inglês, alemão, holandês, dinamarquês, sueco, húngaro, boémio, polaco, russo, árabe e hebreu.
Os chineses, porém, desconhecem-nos, por não possuírem na sua língua uma única tradução.
SUMÁRIO DOS LUZIADAS ampliação do discursoFoi por isso que S. Exa. o Governador de Macau, Sr. Dr. Artur Tamagnini de Sousa Barbosa, determinou que eu fizesse uma ampliação do discurso por mim proferido na Gruta de Camões , em 10 de Junho de 1937, dia de Camões e a publicasse em chinês, dando assim a conhecer  aos habitantes desta grande porção do continente asiático o conteúdo da nossa admirável epopeia…(…)
SUMÁRIO DOS LUZIADAS explicação em chinês... Finalmente, devo dizer que o texto chinês dêste apanhado sumário dos Lusíadas, não está em linguagem tão chã e são pobre como o original em português, visto que me auxiliou a redigi-lo na língua sínica o Sr. Ch´u-Pui-Chi, distinto letrado da Repartição Técnica do Expediente Sínico e profundo conhecedor da língua de Confúcio.”
SILVA, António Maria da – Sumário dos Luziadas. Edição ?,  68 p. (30 p. em chinês e 38 p. em português),  26 cm x 15,5 cm.