Archives for posts with tag: 1892

Extraído de «O Independente» XVII de 3 de Outubro de 1897, p. 3
Recorda-se que anteriormente houve um desabamento de uma parte do tecto acompanhado de vigas na Igreja de S. Lourenço no dia 24 de Abril de 1892, (domingo) quando os fiéis assistiam à missa conventual celebrando a novena de Nossa Senhora dos Remédios.
Anteriormente, deram-se três novas reconstruções nesta Igreja: uma, de 1801 – 1803; a segunda de 1844 a 1846 e a terceira (a que se refere esta notícia) em 1897 -1898, sob a supervisão do engenheiro Augusto de Abreu Nunes, director das Obras Públicas, sendo inaugurada e benzida pelo pároco o Cónego Francisco António de Almeida em 30 de Abril de 1898.
Foi depois novamete renovada em 1954.

Notícia publicada em «O Oriente Português» de 26 de Abril de 1892: desabamento de uma parte do tecto acompanhado de vigas na Igreja de S. Lourenço no dia 24 de Abril, (domingo) quando os fieis assistiam à missa conventual celebrando a novena de Nossa Senhora dos Remédios. Felizmente não houve vítimas pois os devotos logo que se começaram a cair o estuque, correram para fora da igreja.

“O Oriente Português”, Abril 26, 1892.

A Igreja de S. Lourenço cuja data de construção precisa se ignora, mas segundo o Padre Teixeira: (1)
Ao tempo da criação da Diocese de Macau, em 23 de Janeiro de 1576, existiam já nesta cidade, segundo se lê na bula “Super Specula”, algumas capelas e outros lugares sagrados. É provável que entre êssas capelas e lugares sagrados esteja indicada a igreja de S. Lourenço, que no seu início devia ser uma pequena igreja de S. Lourenço. Nos preciosos manuscrito intitulado «Asia Sinica, e Japonica: Macao conseguido, e perseguido, obra pósthuma  do R.Pe. Fr. Jozé de Jesus Maria Arrabino»,  missionário nos Estados da India, escrito entre 1744 e 1745, livro IV, e I, p.76 lê-se « em o seguinte anno de 1558 até o de 69, achando-se já aqui alguns Padres da Sagrada Companhia de Jesus, como nos Memoriaes se acha descrito, com sua boa assistencia e idéa entrarão a formar duas ou três pequenas Igrejas de S. Lázaro, S. Lourenço e S. António…» (…)
…Ljungstedt em «Historical Sketch, diz: «a julgar por uma inscrição, esta igreja foi reconstruía em 1618.». mas não fala em construção; contudo, noutro lugar do mesmo livro, p. 155, escreve êle: « em 1593, o Senado comunicou a Filipe, Rei de Portugal, que Macau tinha uma Catedral com duas freguesias, uma misericórdia com dois hospitais e quatro congregações  religiosas, isto é, Agostinhos, Dominicanos, Jesuítas e Capuchinhos»; daqui se conclui que, segundo o mesmo Ljungstedt, a Igreja de S. Lourenço já existia muito antes de 1618… (…)”
De certeza sabe-se que a Igreja foi reconstruída pela primeira vez em 1618, de novo reedificada de Novembro de 1801 a 1 Novembro de 1803, e de Março de 1844 a 1846 e da última vez, em 1892 (após este desabamento), à custa das Obras Públicas de Macau (arquitecto Abreu Nunes), sendo bispo desta Diocese D. António Joaquim de Medeiros. (2)
(1) TEIXEIRA, P. Manuel – Macau e a Sua Diocese, I, 1940, p. 166-
(2) Sobre a a Igreja de S. Lourenço, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-lourenco/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/10/noticia-de-10-de-agosto-de-258-morte-de-s-lourenco-e-leitura-paroquia-de-s-lourenco/

Nos dias 20 e 21 de Abril de 1892 verificou-se em Macau uma greve que se estendeu pela primeira vez há muitos anos, a todo o comércio chinês, devido à questão dos monopólios do vinho chinês liu-pun (vinho de fermentação do arroz) que foi arrematado por um chinês de Hong Kong.
A questão foi encaminhada para resolução da corte, em Lisboa e o Visconde de Sena Fernandes (1) assumiu a questão do pagamento das taxas que o arrematante exigia, até vir resposta, o que de momento acalmou os ânimos (2) (3)
O jornal macaense “ O Oriente português”, (4) publicava no dia 21 de Abril, um artigo noticiando e comentando (uma picardia com outro jornal local “O Macaense”: «Mas também foi a primeira vez em que um jornal portuguez a procedeu de perto com a propaganda de que a greve é ilícita, o que é significativo?»)
………………………………………………………continua
Poderá visualizar todo o artigo, disponível em:
http://purl.pt/32515/3/html/index.html#/4-5
(1) Sobre o Visconde de Sena Fernandes, ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bernardino-de-senna-fernandes/
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)
(3) Os monopólios eram uma das fontes de receita para o território (taxas e impostos), mas por outro lado, encareciam os produtos (indirectamente atingiam os mais pobres, pois muitos  deles viviam dessas fontes de subsistência) e enriqueciam os comerciantes principalmente os que ganhavam a concessão. Estavam em causa os monopólios dos vinhos chineses, dos panchões, do salitre e do enxofre.
(4) «O Oriente Portuguez» Ano I, n.º 1. 26 de Abril de 1892. Redacção e Administração: Rua dos Prazeres n.º 1; Adm: A. V. da Silva; Por ano $5,00; Por Mês 50; N.º avulso: 20.

“O Correio Macaense“, V-230 de 17 de Fevereiro de 1888

A “Herbert Dent & Ca.” foi uma empresa em Macau ligada a negócios com a China (seda, chá e  ópio) e por isso, como agentes, ligada às companhias seguradoras e empresas de navegação.
O representante em Macau era D. da Roza (muito possivelmente Daniel Francisco António Campos da Rosa.(1)
A empresa , em 1888, estava na Rua da Sé; em 1910 na Rua dos Prazeres n,º 2 e 4
Em 1910, apresentava-se em Macau como:
No mesmo ano, em Cantão
Herbert Fullartoon Dent foi baptizado a 5 de Fevereiro de 1849 (Londres). Faleceu a 6 de Fevereiro de 1920 com 71 anos de idade. Foi Comissário das alfândegas chinesas (sedas e chás) e fundador da companhia “Herbert Dent and Company”, para comércio com a China (principalmente com o ópio que introduzia em Cantão). Vivia com a família entre Cantão e Macau.(2)
Herbert Fullartoon Dent é da família DENT que fundou “Dent & Co.”  ou “Dent’s” que foi uma das maiores firmas britânicas (rival directa das outras duas mais conhecidas, a «Jardine, Matheson & Co» e a «Russell & Co.»), que com o comércio do ópio com a China, levaram à entrega de Hong Kong e onde depois sediaram e prosperaram.
O seu antepassado Thomas Dent foi o  fundador da firma . Chegou a Cantão em 1823 e com o sócio fundaram a «Davidson & Co».  Em 1824, Davidson saiu e a firma passou a denominar-se “Dent & Co.”. A firma “Dent & Co.” foi à falência em 1867. (2)

“The London Gazette, 9 September, 1921”

Herbert Dent adquiriu o Palacete de Santa Sancha em 1893, aos herdeiros do Barão do Cercal (neta) após o falecimento da Viscondessa do Cercal (em 16 de Dezembro de 1892.) por 8.000 patacas.
Em 1896, teve um processo entre a Administração e o proprietário, Herbert Dent, processo esse que envolveu a Direcção Geral das Obras Públicas, que não cedia que o proprietário murasse a propriedade.
A 28 de Janeiro de 1923, William Herbet Shelly Dent, filho de Herbert Dent vendeu essa propriedade ao Governo de Macau (governador Rodrigo José Rodrigues) por $32.500. Nesse ano 1923, um tufão provocou estragos consideráveis, levando à execução de obras no palácio.

A Chácara de Santa Sancha vista da Penha – c. 1925

(1) Daniel Francisco António Campos da Rosa (1850-1916), comerciante de chá e cônsul de França em Foochow (China). Faleceu em Macau na sua casa da Praça Lobo de Ávila.
FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Vol III, 1996
(2) http://www.thepeerage.com/p3627.html 

Edição Fac-similada da “Amplificação do Santo Decreto” (1) do Imperador Yongzheng, (2) versão portuguesa e compilação de  Pedro Nolasco da Silva ( Chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico de 1885 a 1892) inserido no 2.º volume do seu livro (edição de Autor, 1903, Tipografia Mercantil, Macau) “Manual da Língua Sinica Escripta e Fallada. Primeira Parte – Língua Sínica Escripta”
Do “PREFÁCIO” assinado por António Aresta, transcrevo:
Sob a capa de um manual escolar de língua sínica escrita, anódino e igual a tantos outros, podem encontrar-se inesperadas surpresas.
É o que sucede com a “Amplificação do Santo Decreto”, onde a para de um didactismo exemplar se empreende a pedagogia de uma ideologia, a pedagogia do neo-confucionismo, cujo remoçado fascínio permanece até à actualidade.
A “Amplificação do Santo Decreto” é um verdadeiro manual de instrução cívica, ética e política, obedecendo aos parâmetros da mais pura ortodoxia confuciana, destinado ao povo chinês (…)
O “ Santo Decreto”, santo com o significado de sábio, foi originalmente redigido prelo imperador Shunzhi, (3) o fundador da dinastia Qing, tendo sido sucessivamente amplificado ou desenvolvido por seu filho Kangxi (4) e por seu neto Yongzheng . Assim, o mesmo corpo doutrinal, o “Santo Decreto”, manteve-se em vigor durante dois séculos. (…)”
Da “INTRODUCÇÃO” de Pedro Nolasco da Silva, retiro o seguinte:
Em 1671, KANG-HSI, segundo imperador da actual dynastia tartara-manchú, publicou um decreto contendo 16 máximas, sendo cada uma escripta com 7 carateres chinezes; e em 1724, YUNG-CHÂNG, filho e sucessor de KANG-HSI, publicou um comentario d´essas 16 máximas, sob o título de Amplificação do Santo Decreto (Xâng-Iu Kuang-hsun).
É este o livro que escolhemos para exercício de traducção, não só porque está escripto em estylo moderno, elegante e claro, mas também porque n´elle se contém um esboço interessante e instructivo dos princípios da moral chineza. (…) “
(1) Amplificação do Santo Decreto do Imperador Yongzh:eng, edição fac-similada da versão portuguesa e organização de Pedro Nolasco da Silva. Prefácio de António Aresta, Fundação Macau, 1995, 145 p., 26,5 cm x 18,5 cm x 1 cm, ISBN: 972-8147-47-3
(2) Imperador Yongzheng (1678-1735) Imperador de 1723 a 1735 – 雍正帝mandarim pinyin: yōngzhèngdì; cantonense jyutping: jung1 zeng3 dai3.

(3) Imperador Shunzhi (1638-1661) Imperador de 1644 a 1661. 治帝mandarim pinyin: shùn chí dì; cantonense jyutping: seon6 ci4 dai3.

4) Imperador Kangxi, (1654-1722) – Imperador de 1661 a 1722. 熙帝帝– mandarim pinyin: Kāngxīdì; cantonense jyutping: hong1 hei1 dai3.

Ver anteriores postagens com as “Máximas do Imperador Kangxi” extraídas deste livro em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/imperador-kangxi/
NOTA: sobre Pedro Nolasco da Silva ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/pedro-nolasco-da-silva/

VIEW OF MACAO
A panorâmica da baía da Praia Grande vendo-se à esquerda o Forte de Nossa Senhora da Penha de França (demolido em 1892) (1), a meio, a Fortaleza de S. Paulo do Monte e à direita, a Fortaleza de Nossa Senhora da Guia.

Este desenho foi publicado, em 1842, no “The Illustrated London News” (2) acompanhado de uma informação: carta enviada de Macau por um oficial inglês relatando a expedição britânica na chamada I Guerra do Ópio entre 1839 e 1842, nomeadamente a ocupação de Ningpo (Ningbo) em 1842, pelas forças expedicionárias inglesas, na sequência das hostilidades entre a Grã-Bretanha e a China iniciada em 1839 e concretizada pela invasão inglesa em Agosto de 1841 – expedição comandada pelo General Sir Hugh Gough e o Almirante Parker, com dois navios de 74 canhões e sete outros navios, dois barcos a vapor e barcos de transporte de carga e tropas (cerca de 3500 militares). A expedição partiu de Hong Kong, ocupando Amoy (Xiamen) em 27 de Agosto, Ting-hai (Dinghai) (capital de Chusan/Zhoushan) em 1 de Outubro, Chinghai em 13 de Outubro e Ningpo em 7 de Maio. O tratado da paz (Tratado de Nanking) foi assinado em  29 de Agosto de 1842 e Ningpo foi um dos portos abertos ao comércio estrangeiro. (3)

Assinatura do Tratado de Nanking (4)
Pintura do Capitão John Platt. Gravado por John Burnet.

(1) GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau, 1984.
(2) O primeiro jornal ilustrado semanal do mundo, publicado em Londres, com desenhos (não havia ainda fotografias) que se publicou regularmente desde 1842 até 1971 e depois sem periodicidade regular até 2003 (data final da publicação).
https://pt.wikipedia.org/wiki/The_Illustrated_London_News
(3) DENNYS, Nicholas Belfield – The Treaty Ports of China and Japan: a complete guide to the Open Ports of those countries, together with Peking, Yedo, Hongkong and Macao. Cambridge University Press 2012, ISBN 078-1-108-04590-2
(4) https://en.wikipedia.org/wiki/Treaty_of_Nanking#/media/File:The_Signing_of_the_Treaty_of_Nanking.jpg

Fotografia (autor desconhecido), cerca 1890, retirada de (1) com as seguintes indicações:

Hong Kong Ferry Heung-Shan, moored at Macao

An early photograph  of the Hong Kong ferry Heung-Shan moored at Macao. On the river in the foreground there is a lot of activity with people on sampans.
– At the time pirates in the Pearl River would have made this a risky journey between Hong Kong and Macau, even on a large steam boat. A contrast to the modern day high speed Turbocat which gets you there in one hour.
Não consegui dados referentes a este navio em 1890 mas em 1892,  (2) o “Heung Shan” era propriedade da “Hong Kong, Canton & Macau Steam-Boat Company, Ld”, (3) empresa sediada em Hong Kong que tinha como seu agente em Macau, A. A. de Cruz.
O “Heung Shan” com pavilhão britânico, que fazia a carreira entre Hong Kong e Macau era um navio de 1055 toneladas, capitaneado por W. E. Clarke e entre a tripulação tinha como comissário de bordo (oficial encarregado do serviço de passageiros) o macaense C. M. d´Eça. (4)
(1) http://www.wattis.com.hk/gallery/photographs/9/6007/hong-kong-ferry-heung-shan-moored-at-macao.html
(2) The Directory & Chronicle for China, Japan, Corea, Indo-China, Straits Settlements, Malay States, Sian, Netherlands India, Borneo, the Philippines, &c. 1892
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/06/13/anuncio-de-1904-canton-macao-and-west-river-steamers/
(4) Celidónio Maria de Eça nasceu em Hong Kong (1862) e faleceu em Macau (1909). Primeiro filho de António de Eça Vaz Bernardes (1826-1888) que foi comissário de bordo do vapor «White Cloud»,um dos primeiros barcos da empresa «Hong Kong, Canton and Macao Steamboat Co» (de que era director o seu amigo Barão do Cercal) que fazia a ligação Hong Kong –Macau. (FORJAZ, Jorge – Famílias Macaense Volume I, 1996).