Archives for category: Mapas de Macau

Parte dum mapa – carta náutica – de 1808, desenhado por Chretien-Louis-Joseph de Guignes, onde se visualiza Macau, Hong Kong  e Cantão.
Esta carta náutica (com pormenores de marcação de profundidade, tipo de fundo marítimo) mostra o estuário /delta do Rio das Pérolas  (珠江三角洲), Macau e arredores e à direita, Hong Kong com as ilhas ao seu redor (Lantau, Lamma, etc)
Este mapa encontra-se incluída no livro “Voyages a Peking, Manille et l’Île de France faits dans l’Intervalle des Annees 1784 à 1801” (1)
(1) Sobre Chretien-Louis-Joseph de Guignes que esteve cerca de 10 anos em Macau e este livro (três volumes) ver anterior postagem:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/chretien-l-j-de-guignes/

“Por Provisão de El-Rei D. João VI de 19 de Dezembro de 1821, se faz saber ao Governador do Estado da Índia que as Cortes Gerais e Extraordinárias da nação ordenam que os Governadores das Províncias Ultramarinos se não chamem mais Capitães-gerais mas usem somente o título de Governadores.”
Macau conheceu sucessiva, alternada ou concomitantemente os seguintes agentes de Governo: Chefe Ocasional, (1) Capitão de Terra, (2) Capitão-mor da Viagem ao Japão, (3) Capitão da cidade, (4) Capitão de Guerra, (5) Capitão-mor da cidade, (6), Conselho do Governo ou Junta governativa, (7) Governador e Capitão-Geral, (7) (8), Capitão-Geral (9) e Governador-Geral (10) 

MACAO – António Mariz Carneiro
1639

Alguns exemplos dos titulares do governo de Macau:
(1) 1557-1558 – Governo ocasional de Leonel de Sousa.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-de-sousa/
(2) Nos primeiros tempos de Macau havia um Senado, cujos membros eram eleitos a intervalos regulares. Um capitão-mor, nomeado pelo vice-rei da Índia, que seguia anualmente para o Japão, aguardava em Macau a monção favorável para a viagem e, durante este tempo era-lhe confiada a presidência do Senado.
1558-1587 – Governo de Diogo Pereira – capitão de terra nomeado pela população, governado com 2 homens-bons, sem prejuízo para o capitão da viagem ao Japão que sobrepõe enquanto permanecia em Macau, e sempre na dependência do Vice-Rei da Índia.
(3) 1558-1559 – Rui Barreto – Capitão-Mor da Viagem ao Japão.
(4) 1600 – D. Paulo de Portugal – Capitão da Cidade.
(5) 1616 – Francisco Lopes Carrasco foi nomeado governador permanente de Macau, mas não chegou a tomar posse efectiva do cargo. Deveria encarregar-se das fortalezas. Viria no entanto mais tarde, como Capitão de Guerra, independente do Capitão-Mor da Viagem ao Japão.
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/31/noticia-de-31-de-agosto-de-1616-governador-francisco-lopes-carrasco/
(6) 1616-1617 – Lopo Sarmento de Carvalho – Capitão-Mor da Cidade. Cargo que repetiu em 1621-1622. 1632 e 1634.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lopo-sarmento-de-carvalho/
(7) 1622 – 1623 – Um conselho de Governo de quatro membros, presidido por frei António do Rosário, tomou conta do governo, até à chegada, nesse ano, do primeiro governador e capitão-geral, D. Francisco Mascarenhas.
(8) 7 de Julho de 1623 – Posse de D. Francisco Mascarenhas (cercou de muralha a cidade). Governou então, a chamada Primeira Capitania Geral de Macau,  até 18 de Julho de 1626.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-mascarenhas/
(9) 1628 – D. Jerónimo da Silveira – Capitão-Geral
(10) Nessa data de 18 de Dezembro de 1821 estava no governo de Macau, José Osório de Castro de Albuquerque que foi substituído em 23 de Setembro de 1823, por uma comissão absolutista chefiada pelo Major Paulino da Silva Barbosa. O primeiro governador com regalias legais de Governador, depois do liberalismo (1822), foi Bernardo José de Sousa Soares Andrea.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bernardo-jose-de-s-s-de-andrea/
Informações retiradas de:
SILVA, Beatriz Basto da – Elementos de História de Macau, Volume 1, 1986 e Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1998;
Anuário de Macau de 1980.

Faleceu a 14 de Julho de 1870, dum ataque repentino que o privou dos sentidos, o padre Jorge António Lopes da Silva, nascido em Macau, em 8 de Maio de 1817. Foi muito estimado por toda a população, tendo recebido, em Manila, aos 24 anos de idade a sagrada ordem de presbítero. Na volta a Macau, regeu a cadeira de Português, no Colégio de S. José e abriu, em sua casa, uma escola, donde saíram alguns padres e muitos guarda-livros. Foi depois convidado, pela Câmara Municipal para exercer a cadeira de professor de liceu, que fora então aberto, em Macau (1)
Não foi professor de liceu pois não havia ainda liceu em Macau. O Senado de Macau convidou a 14 de Abril de 1847 o Padre Jorge António Lopes da Silva para ser um dos primeiros mestres da futura Escola Principal de Instrução Primária. (2) O Padre respondeu a 27 do mesmo mês que aceitava ser um dos mestres das primeiras letras com o ordenado de 350 patacas anuais, pondo no entanto as seguintes condições: 1) levar consigo os meninos que estudavam em sua casa; 2) os requerimentos para admissão deveriam ser dirigidos não a ele, mas ao Senado; 3) que se alterasse o horário de inverno, pois o tempo do meio-dia às 2 horas lhe parecia curto para descanso de professores e alunos”, O Senado concordou e o Padre Jorge foi nomeado director e mestre da Escola Principal de Instrução Primária que foi inaugurada a 16 de Junho de 1847. A Escola ficou instalada em metade das casas do Recolhimento de S. Rosa de Lima. (3) (4)
A 14 de Junho de 1847, dois pretendentes oficiaram ao Senado: José Vicente Pereira oferecendo-se para mestre de inglês e francês dessa escola e John Hamilton pedindo-lhe um lugar de professor; a 22 de Novembro de 1847, o Senado comunicou ao Padre Jorge a nomeação de José Pereira e perguntando-lhe se carecia de mais outro professor. A Escola compreendia 3 cadeiras: uma de ensino primário, a cargo de Joaquim Gil Pereira, outra de português a cargo do Padre Jorge Lopes da Silva e outra de inglês e francês a cargo de José Vicente Pereira (3)
Apesar do seu limitado pessoal chegou a ter mais de 300 alunos.
Em fim de 1853, o Padre Jorge António Lopes da Silva pediu a demissão de director e mestre da escola. (5) Para a direcção da Escola foi nomeado o Padre Vitorino José de Sousa Almeida (6) que ficou só um ano pois o Senado teve de o despedir, ou por ter achado nele inaptidão ou por sua severidade pois que no cabo de um ano, estava deserta a aula das línguas portuguesas e latina.

Planta da Colónia Portuguesa de Macau
1870
Desenhada  por M. Azevedo Coutinho (7)

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954
(2) A 27 de Janeiro de 1847, o Senado de Macau oficiou a José Vicente Jorge, Francisco António Pereira da Silveira, Francisco João Marques e Padre António José Victor, comunicando-lhes que haviam sido nomeados para fazer parte duma comissão a fim de elaborar um plano de educação para a mocidade deste estabelecimento. A Escola Principal de Instrução Primária foi fundada pelo Senado de Macau por meio de uma subscrição pública. O  Senado comunicou a João Maria Ferreira do Amaral, governador de Macau entre 1846 e 1849, a 17 de Fevereiro de 1847 que
deliberou com os eleitos das freguesias  solicitar dentre os moradores abastados desta Cidade
Huma subscrição, cujo produto incorporado ao Capital agora existente de $ 5 000 (doado pelo inglês james Matheson feita a Adrião Acácio da Silveira Pinto, governador de Macau de 1837 a 1843), constitua hum fundo capaz de produzir hum rendimento, que junto  ao que este Senado agora despende com a sua escola de primeiras letras seja sufficiente para cubrir as despezas de huma Escola Principal de Instrução Primária: e na qual … se ensine também as línguas Ingleza e Franceza, cujo conhecimento he hoje reconhecidamente de suma utilidade, senão indispensável neste pais”. (3)
(3) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982
(4) Em Abril de 1849, a escola foi transferida para o Convento de S. Francisco; mas a 28 do mesmo ano, o Conselho de Governo comunicou ao Senado que, tendo de aquartelar nesse convento a força auxiliar vinda de Goa, a escola devia ser mudada para outro lugar; regressou então ao Recolhimento. (3)
(5) Segundo artigo publicado no «Echo do Povo» n.º 68 de 15-07-1960, o Padre Jorge Lopes da Silva rdeixou a direcção que ocupava porque obrigaram-no a aceitar o vicariato de S. Lourenço. Foi portanto, nomeado pároco de S. Lourenço e a 5 de Fevereiro de 1866, foi nomeado Governador do Bispado. O Padre Jorge Lopes da Silva foi nomeado em 1867 presidente duma comissão encarregada de estudar as necessidades da Santa Casa de Misericórdia, nomeadamente do recolhimento das raparigas abandonas à porta da Santa Casa, que levou posteriormente ao decreto do Governador José Maria da Ponte e Horta à abolição da Roda dos Expostos da Santa Casa, a 2 de Fevereiro de 1867.
(6) Padre Vitorino José de Sousa Almeida chegou a Macau a 2 de Janeiro de 1832 no Novo Paquete. Foi pároco de S. Lourenço de 1842 a 1852. (3)
(7) Ver referência a este Capitão em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/08/22/noticia-de-agosto-de-1952-clube-militar/

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-capaFolheto turístico em inglês (41 páginas), “ A Visitor´s Hanbook to Romantic Macao”, publicado em 1928, pelo “The Publicity Office Port Works Department, Macao”. Impresso no “N. T. Fernandes e Filhos” (1). Este folheto de 1928 é da 2.ª edição (a 1.ª edição foi em 1927)
PREFACE TO SECOND EDITION
The active demand for this booklet has proved the need for such a publication, and the complete exhaustion of the first edition in less than two weeks has prompted the issue of a second edition, considerably added to with new sections and much further useful information.
The additionod a Bibliography as an appendix was suggested by that in the recently publishedResumo da Historia de Macauby Eudore de Colomban and Captain Jacinto N. Moura, and it is to be hoped that visitors will find Macao sufficiently interesting to make full use of the works enumerated in the short list to gain a better knowledge of “ Romantic Macao”
                                                                           THE PUBLISHERS
                                                                      Macao, 4th February, 1928

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-1-a-pagina1-ª Página

Tópicos abordados: “The Charm of Old Macao”; “Topographical”; “Clmate”; “Historical”; “A Suggeste Itenerary”; “ Beautiful Macao”; “General Information”; “Harbour Works”; “Shipping”; “ Banking”; “ Hotels, & C.”; “Transport”; “ Commerce and Enterprise”; “ Industry and Crade”; “Buyers Guide”; “ Public Services”; “Bibliography”.

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-mapa-1928MAPA DE MACAU E ILHA DA TAIPA (escala 1:80.000)

Na página 12, uma interessante sugestão de um percurso a pé por Macau pelos pontos turísticos principais, com a romanização para o inglês dos caracteres chineses desses locais.

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-sugestao-de-itenerarioComeça na Avenida Almeida Ribeiro, passando pelo Jardim de São Francisco e Jardim de Vasco da Gama; subindo para a Colina da Guia, descendo para Flora, passando pela Montanha Russa e a Praia da Areia Preta (inexistente actualmente) até à Porta do Cerco. Depois, o Hipódromo (inexistente hoje) e o Templo Lin Fong. A seguir o Cemitério Protestante (antigo),  a Gruta de Camões e as Ruínas de S. Paulo. Depois a Sé Catedral e o Colégio de S. José, subindo para a Penha. Descida para a Santa Sancha e seguindo pela Avenida da República até ao Templo de Á Má, terminando o percurso pelo Porto Interior até à Avenida Almeida Ribeiro.

“Macau, 13 de Janeiro de 1927 (1)
… (…) … Eramos convidados do celebre cabeça Lei-lam, que há muito insistia pela minha visita, assegurando a abundância de perdizes na ilha, onde poderíamos caçar com toda a segurança até à hora do almoço que ofereceria em minha honra.
Tentado pela originalidade do convite e confiado na palavra do pirata, acedi ao pedido, saindo um belo dia de Macau com um grupo de caçadores a bordo da canhoneira Pak-tou das Alfândegas chinesas.
A certa altura do rio passámos por uma sampana de Lei-Iam, seguindo pelos enredados canais que recortam o famoso delta, transpondo barragens sobre barragens até ao cais de desembarque em Pakchiu. No cais eramos aguardados pelo filho do pirata, um verdadeiro gentleman educado na América, vestido à europeia em traje de caça, que me saudou em correcto inglês.
mapa-do-rio-de-cantao-1927-o-cruzador-republica-na-chinaUma escolta de polícias bem uniformizados e armados de pistola fazia a guarda de honra, seguindo-nos depois a distância durante todo o tempo que nos demorámos na ilha.
A caçada foi muito feliz, cabendo as honras ao Dr. Serrasqueiro Rossa, médico do República e exímio atirador.
O almoço foi uma magnífica comida china, com a indispensável sôpa de barbatanas de tubarão, ovos pôdres e outros pratos exquisitos, tudo regado com vinhos portugueses e lipum.
Depois do almoço os caçadores saíram a dar mais uma volta, mas eu fiquei com Lei-Iam que insistiu comigo para fumar um cachimbo do ópio. Ora eu que nem tabaco fumo, lá acedi às instâncias do meu hospedeiro, ficando a dormitar na cama apropriada à complicada operação.
embarcacoes-de-pesca-1927-o-cruzador-republica-na-chinaA certa altura senti que alguém me tocava. Entre-abri um ôlho desconfiado. Era o velho pirata que carinhosamente me cobria com um edredão de sêda, porque fazia muito frio.
Ficámos depois a conversar, e Lei-Iam, um dos mais temidos piratas nesta região, explicou-me que era muito amigo dos portugueses, tendo por isso dado ordens terminantes para que os seus homens não praticassem qualquer atentado contra gente de Macau. E era verdade.
(1) Um dos relatórios do Comandante em Chefe das Forças Navais Portuguesas no Extrêmo Oriente do Comodoro Guilherme Ivens Ferraz, publicado nas pp. 362-363 de:
FERRAZ, Guilherme Ivens – O Cruzador “República” na China. Subsídios para a História da Guerra Civil na China e dos Conflitos com as Potências. Academia de Marinha, 2.ª edição (fac-simile da 1.ª edição de 1932),  2006, 654 p.

A ilha de Tai-Vong-K´âm ou da Montanha foi ocupada no dia 28 de Dezembro de 1937, por uma força de polícia, pelo facto de os japoneses terem invadido o Sul da China. (1)
Junto a um pequeno pagode da Ilha, improvisou a Polícia Portuguesa um «campo de armas» para impedir ali o desembarque dos japoneses, que rondavam a zona pela madrugada desse dia. A ocupação portuguesa firmou-se por esse motivo e a data foi assinalada numa tabuleta onde se lê «28 de Dezembro de 1937 / Praça de Armas / Cap. Gorgulho» (2)

mapa-de-macau-e-territorios-visinhos-1950MAPA – PLANTA DE MACAU E TERRITÓRIOS VISINHOS – 1950

Outra força policial portuguesa ocupará em 20 de Março de 1940, a ilha da Lapa, em consequência da invasão da China pelo Japão (1) mas essa força é retirada a 25 de Abril de 1940 ficando a ilha da Lapa nas mãos dos japoneses.
A tomada da posse da Ilha da Lapa pelos portugueses foi a 18 de Abril de 1596 mas manteve-se sempre a sua posse em litígio com a China. Somente entre 1947-1951, Portugal abandona definitivamente as reclamações de soberania e jurisdição portuguesa da Ilha da Lapa ao assinar (o Governador Albano Rodrigues de Oliveira) dois acordos bilaterais com as autoridades nacionalistas. (2)
NOTAS:06-04-1949 – Foi arvorada na Ilha da Montanha a bandeira nacionalista chinesa (2)
14-08-1949 -Foi ocupada pelos nacionalistas a Ilha de D. João. (2)
Agosto até Dezembro de 1949 – O posto da polícia destacado na Ilha de D. João situada a uns escassos metros a ocidente da Ilha da Taipa, é abandonado” (2)

mapa-de-macau-2016Ilha da Montanha ou Tai-Vong-Cam  (大横琴島 – Da Hengqin ) e a ilha de D. João ou Macarira (小横琴島 – Xiao Hengqin) estão hoje ligadas por um aterro de terra. A ilha, agora única, denomina-se Ilha de Henqin  横琴島.
大横琴島- mandarin pīnyīn:  dà héng qín dao ; cantonense jyutping: daai6 waang4 kam4 dou2
小横琴島 – mandarin pīnyīn:  xiao héng qín  dao ; cantonense jyutping: siu2 waang4 kam4 dou2
(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(2) «A Voz de Macau», 28 de Dezembro de 1937, sob a epígrafe de «Manobras japonezas» in SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, 4.º Vol.

atlas-de-geographia-1923-capaUm pequeno livro com encardenação antiga (19,5 cm x 13,5 cm), lombada em pele acastanhada, bastante gasta pelo uso, intitulado “Atlas de Geographia” de J. Monteiro, contendo “21 mappas”, publicado pelas Livrarias Ailaud e Bertrand (Paris e Lisboa), em 1923.
atlas-de-geographia-1923-primeiras-paginasO mapa n.º 20 é o de “PROVÍNCIA DE MACAU
atlas-de-geographia-1923-mapaEste exemplar possui, numa das  1.ªs páginas, uma original e curiosa assinatura de posse.
atlas-de-geographia-1923-assinatura-de-posse“Este livro Pertence a Silvio Pelico Lopes Ganilho Mendes, Coimbra, 1 de Setembro de 1923. Agora pertence à menina Lúcia Nascimento Ganilho Mendes, Coimbra, 1-9-1924, Liceu Femenino, 2.ª classe