Extraído de «O Oriente», I-5 de 15 de Fevereiro de 1872, p.

Extraído de «O Oriente», I-5 de 15 de Fevereiro de 1872,

Caixa de fósforos do “Night Club King-Do”, da década de 80-90 (século XX), situado no 10.º andar do Edifício do Banco Wing Hang, na Avenida de Almeida Ribeiro. Tel: 76878

Fundo cor azulada; desenho do logo, e letras em branco
Dimensões: 5,6cm x 3,5 cm x 0,7cm
澳門京都夜總會 (1) Verso: fundo cor azulada; desenho do logo, e caracteres chineses em branco
Fósforos de cabeça vermelha

(1) 澳門京都夜總會 – mandarin pīnyīn: ào mén jīng dū yè zǒng huì; cantonense jyutping: ou3 mun4 ging1 dou1 je6 zung2 wui2

Extraído de «Gazeta de Macao», n.º IV de 24 de Janeiro de 1824, pp. 310 e 312

No dia 20 de Janeiro de 1824, embarcaram na fragata Salamandra o Comandante dela, Capitão de Mar-e-Guerra Joaquim Mourão Gracez Palha, futuro governador de Macau. (1) Foi muito obsequiado e saudado à hora da partida, tendo a fortaleza de S. Francisco salvado quando, dirigindo-se do Hopu da Praia Grande para bordo, a lancha que o conduzia passou a frente.“ (2) A fragata que esteve em Macau desde 23 de Setembro de 1823 até à partida em 20 de Janeiro de 1824, trouxe uma força de 200 marinheiros e oficiais vindos de Goa, (3) sob o comando do Major João Cabral de Estefique ocupando as fortalezas e impondo um Conselho do Governo. (2) (3) (4)

(1) De 1825 a 1827 é Governador de Macau, Joaquim Mourão Garcês Palha. Teve problemas financeiros e políticos, nomeadamente com as autoridades chinesas quer de Cantão quer de Pequim. Garcês Palha chegou a ser em 1848 governador geral da Índia. (2) Anteriores referências de Joaquim Mourão Garcez Palha em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joaquim-mourao-garces-palha/

(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 38-40.

(3) De 1 de Julho a 23 de Setembro de 1823, a Cidade de Macau, foi governada exclusivamente pelo Senado. Em 23-09-1823, toma posse, em substituição do Senado, um conselho presidido pelo Bispo D. Fr. Francisco de Nossa Senhora da Luz Chacim, dele fazendo parte p Major João Cabral d´Estefique e um vereador aos meses (liberal). O termo de posse foi lido no Senado, mas a provisão era do Governador de Goa, D. Manuel da Câmara. Exactamente por este motivo, as nomeações não foram bem acolhidas. Entre outras razões, foi invocado que “se o povo de Goa pode dar autoridade, por que o não poderá o de Macau? (2)

(4) “23-09-1823 – Segundo os liberais do Senado, a fragata Salamandra era o centro do alegado movimento despótico e anti-constitucional que ameaçava Macau.” (2)

NOTA: “03-01-1824- Primeiro número do periódico “Gazeta de Macao”, substituto de “A Abelha da China”. Durou até fins de Dezembro de 1826. De periodicidade semanal, era impresso na Tipografia do Governo, a cargo do Leal Senado. O parque tipográfico veio a ser posteriormente emprestado ao Superior do Colégio de S. José, P.e Nicolau Rodrigues Pereira de Borja. (2)

While the City Sleeps”, (em Portugal “Cidade nas Trevas”) filme de 1956 (“film noir”) dirigido pelo grande realizador e argumentista Fritz Lang com os actores: Dana Andrews, Rhonda Fleming, George Sanders, Howard Duff, Thomas Mitchell, Vincent Price, John Drew Barrymore e Ida Lupino. https://en.wikipedia.org/wiki/While_the_City_Sleeps_(1956_film)

NOTA: O filme esteve em cartaz três dias (19-21 de Janeiro) pois para os dias 22 a 24 de Janeiro a empresa do Teatro “Capitol” propunha os filmes possivelmente já estreados anteriormente, a $0,30 (trinta avos) por sessão, nomeadamente

Four Guns To the border”, western de 1954 – para o dia 22 de Janeiro; “Never say Good By”, comédia de 1946 – para o dia 23 de Janeiro; “Smoke Signal”, western de 1955 – para o dia 24 de Janeiro; no dia 25 de Janeiro estreou o filme “The Golden Blade”, já postado em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/01/25/noticia-de-25-de-janeiro-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-xlv-the-golden-blade/

Verso do folheto

Publicação em 18 de Janeiro de 1919 (1) de um AVISO da Repartição do Serviço de Saúde, datado de 12 de Dezembro de 1918, e assinado pelo Chefe de Serviço de Saúde, José António Filipe de Morais Palha, (2) sobre a vacinação antivariólica

(1) Extraído de «BOGCM», XIX-3 de 18 de Janeiro de 1919,p. 27

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-a-f-de-moraes-palha/

Extraído de «BPMT», XV-3 de 18 de Janeiro de 1869, p. 13

A expedição comandada pelo capitão António Joaquim Garcia que embarcou na corveta Sá de Bandeira, para Timor, tinha como missão “castigar os revoltosos timorenses de Cova”. Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/03/29/noticia-de-29-de-marco-de-1887-chegada-a-timor-do-governador-interino-antonio-joaquim-garcia/

Ordem às forças de segurança (praças dos corpos da guarnição), nesta época do ano novo china (1)  (prevenção de roubos que por esta ocasião se praticavam), para andarem armadas mesmo fora do serviço ordinário e não andassem isoladas (mínimo de três); aviso especial para a polícia de mar “vigiasse a rua marginal do porto interior”.

Extraído de «BPMT», XIX-3 de 18 de Janeiro de 1873

(1) O Ano Novo Chinês, em 1873, iniciou-se a 29 de Janeiro – Ano do Galo/Água

Caixa de fósforos do “Night Club TONNOCHY”, (1) muito popular na década de 80 (século XX), situado no Edifício Comercial “Si Toi”, 7.º e 8.º andares na Rua da Praia Grande n.º 73-75.

Dimensões: 5,5cm x 3,5 cm x 0,9cm

Fundo cor preta; design do logo, roxo e dourado

Verso – endereço, dourado
Fósforos de cabeça vermelha

(1) Havia um célebre “Tonnochy Ballroom” em Hong Kong , na Rua Tonnochy n.º 6 desde 1950. O prédio antigo já foi demolido. Ver informações em: https://gwulo.com/node/37563#8/22.563/113.942/Map_by_ESRI-Markers/100

Extraído de «Abelha da China», XVIII de 16 de Janeiro de 1823, p, 69

António José de Gamboa nasceu em Lisboa a 26 de Agosto 1754, veio para Macau (cerca de 1775) onde se entregou à vida comercial, vindo a ser um grande capitalista (com o comércio do ópio) e proprietário de navios. Desempenhou o cargo de Procurador do Senado em 1793 e em 1795. (1) Em sua memória, existe na toponímia de Macau, 4 vias com o seu nome.

Rua do Gamboa 夜 姆() (2) 街 – começa na Rua da Alfândega, em frente da Calçada do Gamboa e termina na Rua das Lorchas, entre os prédios n.º 25 e 27. Tem um arco alpedrado junto da Travessa da Louça. (1) 夜 姆 () mandarim pīnyīn: yè mǔ  jiē ; cantonense jyutping: je6 mou5 gaai1

Travessa do Gamboa夜姆() (2) 巷 – começa na Rua do Gamboa ao lado do prédio n.º 3, e termina na Travessa das Virtudes. (1) 夜姆巷- mandarim pīnyīn: yè mǔ hàng; cantonense jyutping: je6 mou5 hong6

Calçada do Gamboa夜姆() (2) 斜巷 – começa no cimo da Calçada do Tronco Velho, junto do Largo de Santo Agostinho, e termina na Rua da Alfândega, em frente da Rua do Gamboa. (1) 夜姆斜巷- mandarim pīnyīn: yè mǔ xié hàng; cantonense jyutping: je6 mou5 je3 hong6

Beco do Gamboa – 夜姆() (2)  里. Também conhecida como 深巷仔. 夜姆里 – mandarim pīnyīn: yè mǔ lǐ; cantonense jyutping: je6 mou5 lei5. 深巷仔mandarim pīnyīn: shēn hàng zǐ; cantonense jyutping: sam1 hong6 zai2

(1) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume II, 1997, pp.291-292.

(2) Questionei o meu amigo Manuel Basílio sobre a grafia chinesa desta rua e com a sua autorização da qual muito agradeço, publico o texto e os anexos que me enviou:

“Boa pergunta.  Este topónimo, em chinês, apesar de me ter dado muitas voltas à cabeça, acabei por chegar a uma conclusão, que me parece ser mais lógica. Como bem sabe, os topónimos em chinês não estavam fixados, nem inscritos em qualquer relação ou cadastro das vias públicas do século XIX, oficialmente publicados.  Naquela altura, certos topónimos em chinês variavam consoante o tradutor e até o próprio Pedro Nolasco da Silva, ora utilizava um caracter, ora outro, em traduções que fazia ou aprovava para publicação no B.O., e um dos exemplos é relativamente à Rua e à igreja de Santo António.

No caso da Rua do Gamboa, o registo oficial mais antigo que encontrei, em chinês, foi o que consta do Cadastro das Vias Públicas Macau do ano de 1905, em que está registado 夜母街  (yé, noite; mou, mãe; e kái, rua).  Mais tarde, no Cadastro de 1925, aparece então registado 夜呣街  (com o caracter  , formado por  mou, com o radical  hâu, boca).  O radical 口hâu, em caracteres chineses, é uma característica do dialecto cantonense, devido aos seus sons específicos, quando falado. No entanto, nos Anuários de Macau, em vez de mou ou , utilizaram um outro caracter –  mou  (mulher que cria ou cuida um filho de outrem, isto é, ama seca), tendo repetido a mesma chapa em todas as edições subsequentes até 1957.  Dado que os residentes chineses, desde longa data, chamavam àquela via 夜呣街  (Yé Mó Kái), portanto, com a publicação do Cadastro das Vias Públicas e Outros Lugares da Cidade de Macau, de 1957, fixou-se finalmente “Yé Mó Kai” para a designação, em chinês, da Rua do Gamboa (o mesmo caracter usado no Cadastro de 1925).  O termo “Yé Mó” é, sem dúvida, o que faz mais sentido, visto que naqueles tempos havia em Macau vadios e refugiados, sobretudo, no período da Rebelião Taiping  (1851-1864), conhecidos pelo nome de “lanchaes” (lán châi), que aqui não conseguiam trabalho e meios de subsistência e, por isso, praticavam roubos pela cidade e a Rua do Gamboa era um dos alvos, por ser uma via principal.  O topónimo 夜呣  (Yé Mó) deveria ter sido derivado do termo homófono 夜摩  (Yé Mó), que significa gatuno, conforme registado no Dicionário Chinês-Português, editado pelo Governo da Província no ano de 1962, sendo autores A. Melo, Pe. Ngan e Pe. Hó.  Infelizmente, em Macau, continua a haver designações em chinês cujos caracteres estão incorrectamente escritos, casos como a de “Tap Seac”, “Lou Seac T’óng” (antiga Rua do Mastro, hoje Rua Camilo Pessanha), etc., muitas vezes por culpa dos tradutores daqueles tempos e que, até agora, continuam sem a devida rectificação.  Macao sã assi! “

CADASTRO 1905
CADASTRO 1925

Aconselho a leitura de Manuel Basílio: “Uma rua em Macau com estranha denominação em chinês” disponível em: https://cronicasmacaenses.com/2020/02/12/rua-do-gamboa-uma-rua-em-macau-com-estranha-denominacao-em-chines/.

A começar em 13 de Janeiro de 195, no Teatro Capitol “o emocionante filme em tecnicolorido e cinemascópio”The King´s Thief (O Ladrão da corôa). Filme de aventura do género “capa e espada” (no tempo do rei Carlos II de Inglaterra), de 1955, dirigido por Robert Z. Leonard. Actores: Ann Blyth, Edmund Purdom, David Niven, George Sanders e Roger Moore.

Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=KmtJLo7XxBc

PROXIMA MUDANÇA: o filme em cinemascópio “To Hell and Back” – “Uma excitante história sobre a vida real de Audie Murphy, herói americano mais condecorado da II Guerra Mundial”. Ver referência a este filme em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/04/26/noticia-de-26-de-abril-de-1956-folheto-de-cinema-teatro-apollo-xxv-filme-de-alfred-hitchcock/

BREVEMENTE – “Lady Godiva

Lady Godiva of Coventry”, filme americano (pseudo histórico) de 1955, dirigido por Arthur Lubin. Actores: Maureen O’Hara no papel principal e George Nader, estreou-se no dia 27 de Janeiro de 1956, neste mesmo teatro – folheto de cinema já postado em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/10/27/folheto-de-cinema-teatro-capitol-xx-in-memoriam-maureen-o-hara/

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=WhQ6ad6YPg0