Nos dias 20 e 21 de Abril de 1892 verificou-se em Macau uma greve que se estendeu pela primeira vez há muitos anos, a todo o comércio chinês, devido à questão dos monopólios do vinho chinês liu-pun (vinho de fermentação do arroz) que foi arrematado por um chinês de Hong Kong.
A questão foi encaminhada para resolução da corte, em Lisboa e o Visconde de Sena Fernandes (1) assumiu a questão do pagamento das taxas que o arrematante exigia, até vir resposta, o que de momento acalmou os ânimos (2) (3)
O jornal macaense “ O Oriente português”, (4) publicava no dia 21 de Abril, um artigo noticiando e comentando (uma picardia com outro jornal local “O Macaense”: «Mas também foi a primeira vez em que um jornal portuguez a procedeu de perto com a propaganda de que a greve é ilícita, o que é significativo?»)
………………………………………………………continua
Poderá visualizar todo o artigo, disponível em:
http://purl.pt/32515/3/html/index.html#/4-5
(1) Sobre o Visconde de Sena Fernandes, ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bernardino-de-senna-fernandes/
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)
(3) Os monopólios eram uma das fontes de receita para o território (taxas e impostos), mas por outro lado, encareciam os produtos (indirectamente atingiam os mais pobres, pois muitos  deles viviam dessas fontes de subsistência) e enriqueciam os comerciantes principalmente os que ganhavam a concessão. Estavam em causa os monopólios dos vinhos chineses, dos panchões, do salitre e do enxofre.
(4) «O Oriente Portuguez» Ano I, n.º 1. 26 de Abril de 1892. Redacção e Administração: Rua dos Prazeres n.º 1; Adm: A. V. da Silva; Por ano $5,00; Por Mês 50; N.º avulso: 20.

Faleceu na madrugada do dia 16 de Abril, o único matador de touros africano, Ricardo Chibanga, aos 76 anos de idade. (1)
Em sua memória lembro aqui a faena na corrida inaugural (que terminava ajoelhado e de costas perante o touro) que se realizou em 1 de Agosto de 1966, na praça de touros construída em bambu nos aterros do Porto Exterior (sensivelmente à frente do Quartel de S. Francisco onde actualmente está o comando da PSP), integrada na 1.ª tourada realizada em Macau, organizada pelo empresário Alfredo Ovelha e patrocinada pela STDM. (2)

Cerimónia de abertura da 1.ª tourada à Portuguesa em Macau
Foto de Lei Chiu Vang 李超宏 (3)

O toureiro Manuel dos Santos foi o cabeça de cartaz e efectuaram-se nove corridas entre 1 e 20 de Agosto desse ano. (4)
(1) Natural de Moçambique, Ricardo Chibanga veio para Portugal nos anos 76, tendo sido apoiado por Manuel dos Santos (toureiro e empresário). A alternativa de matador de touros foi na Real Maestranza de Caballaria de Sevilha (Espanha) a 15 de agosto de 1971, tendo sido apadrinhado por António Bienvenida, com o testemunho de Rafael Torres. Em Portugal, apresentou-se como matador de touros na praça do Campo Pequeno, em Lisboa, no dia 19 de agosto de 1971, tendo toureado ao lado do matador espanhol José Luis Galloso.
Na Golegã onde vivia existe uma rua com o seu nome: “Rua Ricardo Chibanga, Matador de Touros, Aluno da Escola de Toureio da Golegã”
(2) Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/02/04/slide-colorido-de-macau-turistico-da-decada-de-60-seculo-xx-v-touradas-em-macau/
(3) Lei Chiu Vang,-  李超宏  (mandarim pīnyīn: lǐ chāo hóng; cantonense jyutping: lei5 ciu1 wang4). Ver pequena biografia em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/10/27/postais-fotografias-de-ou-ping-ii-e-lei-chiu-vang/
(4) Para quem ainda não conheça parte da vida do toureiro Manuel dos Santos, nomeadamente a sua vinda a Macau em 1966, aconselho a leitura da reportagem de Helena Matos intitulada “Suerte entre dos”, disponível em:
http://observador.pt/especiais/suerte-entre-dos/

Outra caixa de fósforo do “Hotel Lisboa”, esta mais recente comparada às outras caixas já publicadas. (1)
Tamanho: 5,5 cm x3,5 cm x0,8 cm; de fundo preto e gráfico com tinta amarela dourada

HOTEL LISBOA
澳門葡京酒店 (2)

Outro lado da caixa com as indicações em chinês e inglês
Lateral com o endereço electrónico
Outro lateral aonde se encontra a lixa, com um design moderno.
Palitos de fósforo com cabeças de cor vermelha

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/06/28/caixas-de-fosforos-do-hotel-lisboa-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/04/caixas-de-fosforos-do-hotel-lisboa-ii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/09/07/caixas-de-fosforos-do-hotel-lisboa-iii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/09/21/caixas-de-fosforos-do-hotel-lisboa-iv/
(2) 澳門葡京酒店mandarim pīnyīn: ào mén pú jīng jiǔ diàn; cantonense jyutping: ou3 mun4 pou4 ging1 zau2 dim3

Saco comercial de plástico (44 cm x 31 cm) com uma pega de bordos de cor preta. O saco é de cor verde e o design a preto.
O centro comercial TAI  PING´S  太平 時 奘 (1) estava situado na Rua da Palha賣草地街, (2) n.º 7ª (Tel: 82460) na década de 80 (século XX).
(1) 太平 –  mandarim pīnyīn: tài píng  shí zàng; cantonense jyutping: taai3 peng4/ping4  si4 zong1
(2) 賣草地街mandarim pīnyīn: mài cǎo dì jiē; cantonense jyutping: maai6 cou2 dei6 gaai1; tradução literal: rua do terreno ((sítio) venda palha/erva.

Fotografia da capa – Ferreira de Castro na Porta do Cerco

Livro de 1998, com o título “Macau e a China”, (1) uma edição especial bilingue (em português e em chinês) da Câmara Municipal das Ilhas (por ocasião das comemorações do Dia das Ilhas) contendo parte do relato de viagem que o escritor Ferreira da Castro (2) efectuou entre 1939 e 1944 com a sua mulher, Elena Muriel, nomeadamente a passagem por Macau e China, publicada no Capítulo “China” do seu livro de viagem “ Volta ao Mundo” (nas pp 467 – 522. (3)
Com um pequeno prefácio (p. 5) de Joaquim Ribeiro Madeira de Carvalho (então Presidente da Câmara Municipal das Ilhas) e introdução/nota bibliográfica de Ricardo António Alves intitulada «Ferreira de Castro na “Cidade de Lilipute”».
A propósito de uma foto do escritor na Gruta de Camões (p. 13), escreve Ferreira de Castro: (pp. 36-37)
“Atravessamos os bairros novos e subimos a outra colina, a de Camões. No seu glauco sopé fecha-se um vetusto cemitério protestante, com as suas marmóreas sepulturas em forma de caixas quadrilongas. Nestas velhas tumbas encontram-se alguns dos primeiros europeus que morreram no Extremo-Oriente, sobretudo alguns magnates ingleses da famigerada Companhia das Índias, senhores que foram de milhentas traficâncias e de fabulosas riquezas, agora em repouso e olvido entre as bravas ervas que crescem em derredor de seus mausoléus. Poetas, missionários, nautas britânicos e esbeltas loiras de Albion dormem também, sob o sol da Ásia, na vizinhança dos feros homens que só o oiro adoravam. Uma indiscrição, um lagarto sobre as letras já a desvanecerem-se e o silêncio que vai dum extremo a outro do cemitério, como presença inexorável.
Mais acima da necrópole, topa-se um pequeno museu e, depois, entramos nas verdes sendas da colina de Camões. É um admirável parque, cheio de amáveis recantos, de árvores seculares, de flores, de chineses que meditam sobre os bancos, de pares que buscam as sombras e de crianças que brincam nas clareiras. Situado junto ao porto interior, o outeiro oferece belas perspectivas sobre os juncos ancorados, a Ilha Verde, no flanco da península, e as distantes montanhas de Chung-Shan. A única coisa feia é , justamente, a gruta onde o épico teria escrito parte dos “Lusíadas”. Dois penedos verticais, sobre eles um penedo horizontal, eis o sítio que se julga eleito por Camões para nele trabalhar. Sugestivo seria, sem dúvida, o lugar no tempo em que o poeta desempenhou, talvez, em Macau, o burocrático ofício de “Provedor dos defuntos e ausentes”..Mas, hoje, com um pobre busto de Camões entre as rochas e várias lápides portugueses e chinas em derredor, o que houve, aqui, de rude, de beleza selvagem, transformou-se numa espécie de fruste necrópole. “

Macau – A Gruta de Camões onde o poeta teria escrito parte de «Os Lusiadas»
Legenda e foto da p. 482 do livro “A Volta ao Mundo” (3)

(1) CASTRO, Ferreira de – Macau e a China. Câmara Municipal das Ilhas. Direcção da edição: António Aresta e Celina Veiga de Oliveira, 1998,115 p. ISBN972-8279-23-X (Versão Portuguesa)

Capa + contracapa

(2) Na contra-capa do livro: “No Romance português há um antes e um depois de Ferreira de Castro (1898-1974). Este escritor autodidacta, de origens camponesas humildes, nascido no litoral centro de Portugal, emigrado aos doze anos incompletos, em plena Amazónia (1911-1914) e, depois como afixador de cartazes, marinheiro e, por fim, jornalista em Belém (1914-1919), capital do estado brasileiro do Pará, em cuja biblioteca leu avidamente Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós, Balzac e Zola, Nietzsche e Gorki; o literato que após o regresso ao seu país continuou no jornalismo, apenas como meio de sustento que lhe possibilitasse escrever os seus primeiros livros; o jovem Ferreira de Castro, aos trinta anos, com o livro Emigrantes (1928), mudou o rumo da ficção narrativa portuguesa, passando a ser uma das figuras de proa – ou a figura de proa – entre os finais dos anos vinte e a primeira metade da década de cinquenta” (Ricardo António Alves)
(3) CASTRO, Ferreira de – A Volta ao Mundo. Emprêsa Nacional de Publicidade, 1944, 678 p.
Anteriores referências a este escritor em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/05/leitura-a-volta-ao-mundo-ferreira-de-castro/

Por lei desta data, 17 de Abril de 1884, foi efectivamente concedida pelo Governo de Sua Majestade, à Irmandade do Senhor de Bom Jesus dos Passos (1) a posse do Templo de Santo Agostinho, (2) obrigando-se aquela a prover a reedificação e conservação do edifício e sustentação do culto (3) (4)
Na verdade, foi a acção de Lourenço Caetano Cortela Marques (1811-1902) que foi durante muitos anos Presidente da Confraria e que ao ver desabar essa igreja em 27 de Setembro de 1872, (5) apressou-se a requerer a posse dessa Igreja para a Confraria
Assim o Governador Visconde Sam Januário em 28 de Janeiro de 1873 por portaria n.º 16, concedeu a posse, “requerida pela Confraria do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos, da igreja de Sto Agostinho, obrigando-se a mesma Confraria a reedificar a referida igreja, e a prover de futuro a sua conservação e asseio”.

Boletim da Província de Macau e Timor, XIX, n.º 5 de 1/2/1873.

(1) A Confraria de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos terá sido constituída, logo após a chegada a Macau dos agostinhos espanhóis, vindos das Filipinas em 1586 (2) pois nesse ano já se praticava o culto da Paixão de Cristo e se efectuava a procissão dos Passos. A Igreja de Nossa Sra. Da Graça, vulgarmente conhecida por Igreja de Sto Agostinho, está a cargo da Confraria do Senhor Bom Jesus dos Passos. Esta igreja foi sempre e continua a ser o centro do culto de Nosso Senhor dos Passos, cuja imagem é ali venerada (4)
(2) Fundado em Macau o convento de S. Agostinho, em fins de 1586 ou princípios de 1587, pelo agostinho espanhol Fr. Francisco Manrique, foi entregue aos agostinhos portugueses em 22 de Agosto de 1589. Encadeados nas múltiplas hipóteses da sua transferência, total ou parcial, para o sítio onde hoje existe, há manuscritos que nos afirmam ter-se mudado o local do convento para a Colina do Mato Mofino, em 1591, sítio actual da sua existência. Embora nos refiramos ao convento de S. Agostinho, o que realmente existe hoje é apenas a igreja e seus anexos, pois o que era o convento já não faz parte deste conjunto; é presentemente a «Vila Flor», residência dos religiosos da Companhia de Jesus” (“A Colina de Santo Agostinho e o seu Convento, artigo não assinado. in MACAU, Boletim Informativo III- 59,  15 de Janeiro de 1956, pp. 4-6)
(3) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954
(4) TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942 p. 193-195.

Boletim da Província de Macau e Timor XXX – n.º 25 de 21 de Junho de 1884

(5) O grande incêndio que em 1872 destruiu a capela‐mor, a sacristia e várias outras dependências. Não houve perdas de vida. No ano seguinte, a Confraria do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos requereu para si a igreja, com o compromisso de reedificar as partes derrubadas. Em 1887 já as obras estavam concluídas; no entanto, em 1889 a mesa da confraria resolveu reconstruir integralmente a igreja. O engenheiro Mateus Lima foi então requisitado para fazer a necessária vistoria e elaborar o caderno de encargos, vindo a empreitada a ser arrematada pelo mestre‐de‐obras chinês ou macaense Afoo. Foram também realizadas melhorias na sacristia, na torre e na casa da confraria. O templo voltou a ter culto a 9 de janeiro de 1900.
TEIXEIRA, Padre M. – Macau e a sua Diocese Volume I -Macau e as suas Ilhas. 1940, p. 180.
Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/27/noticias-queda-do-tecto-da-igreja-de-santo-agostinho/

Exemplo de uma dádiva à Confraria

Boletim do Governo de Macau, n.º 8 de 24 de Fevereiro de 1868 p. 46.

Referências anteriores à Igreja de Santo Agostinho e à Procissão do Senhor:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-agostinho/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/procissoes/<

Mais uma caixa de fósforo (5,5 cm x3,5 cm x0,8 cm) do restaurante “Macau Palace Restaurant” (1) em que uma das faces apresenta uma foto do junco adaptado que serviu como casino e restaurante e  igual à foto da caixa de fósforo do «Macau Palace Casino» (2) mas com o anúncio de

MACAU PALACE RESTAURANT
PONTE N0. 12B TEL 4480
Macau

O Restaurante “MACAU PALACE” que ficava no rés do chão do “barco” (junco adaptado) conhecido como o Casino/Restaurante Flutuante, começou a funcionar no ano de 1962, no Porto Interior, atracado à Ponte Cais n.º 12/B até 2006. Depois transferido para o então Terminal Marítimo do Porto Exterior e finalmente desactivado em 2007 (abandonado na zona de Fai Chi Kei).
Do lado oposto, uma imitação gráfica de um envelope de correio aéreo com o endereço em chinês:

澳門皇大酒家 (3)
Fósforos com a “cabeça” vermelha
Lateral com indicação de “BUSINESS HOUR: 24 HOURS SERVICE

(1) Referências anteriores ao “Macau Palace” quer o restaurante quer o casino em https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-macau-palace/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/16/caixa-de-fosforos-macau-palace-casino/
(3) 澳門皇大酒家mandarim pīnyīn: ào mén huáng gōng dà, jiǔ jiā; cantonense jyutping: ou3 mun4 wong4 gung1 daai6 zau2 gaa1 – tradução literal: (Macau) restaurante grande palácio imperial