Archives for posts with tag: Adolfo Loureiro
Extraído de «O Occidente» XXXIV-1186, de 10 de Dezembro de 1911, p.271
NOTA: a foto com canto inferior direito não é do biografado

Adolfo Ferreira Loureiro (1836-1911), militar, engenheiro, escritor, poeta e político, bacharel em Matemática em 1856 na Universidade de Coimbra e em Engenharia Civil em 1859. Entrou na escola do Exército, em 1858, onde seguiu carreira militar. Em 1883, foi em Comissão à Índia Britânica, a Ceilão, Singapura, China e Macau.

Veio para Macau, em 1883, como Capitão de Engenharia e Major do Estado Maior, no cumprimento da missão de assorear o porto de Macau, tendo elaborado o grande projecto dos aterros do porto interior (posteriormente o projecto foi alterado por diversas vezes). O trabalho desenvolvido em Macau foi elogiado, recebendo do Leal Senado (1884) a honra de ter o seu nome num arruamento executado entre 1882 e 1883 (1) (2)

Em Macau, desenvolveu interessantes apontamentos acerca da cultura e sociedade chinesa. Acresce que contactou e privou com várias personalidades da época, nomeadamente com Demétrio Cinatti, Capitão do Porto de Macau e, com Eduardo Marques, reputado sinólogo e intérprete da Procuratura dos Negócios Sínicos de Macau. Apoiado pelo Partido Progressista, foi eleito Deputado para Legislatura de 1890, pelo 1.° Círculo Eleitoral de Macau, de que prestou juramento a 15 de Janeiro de 1890, e, na Legislatura de 1890-1892, representou o referido Círculo Eleitoral como Deputado da Legislatura anterior, até ao dia 27 de Maio de 1890.

Foi autor de mais de duas dezenas de publicações de carácter literário e profissional, mas destacou-se com o seu diário de viagem, «No Oriente – De Nápoles à China (diário de viagem). Lisboa, 1896-1897: Imprensa Nacional, 1896. – 2 v.

Com referência a Macau, publicou: 1 – Porto de Macau. Ante-projecto para o seu melhoramento. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1884. – 286 p. 2 – Estudos sobre alguns portos commerciaes da Europa, Ásia, Africa e Oceania. Coimbra, 1885, 2 vol. 3 – Macau e o seu porto. Conferência na Sociedade de Geographia de Lisboa. Lisboa, 1896.

PLANTA da bacia geral dos rios Si-Kiang, Peh-Kiang e Han-Kiang ou rios do Oeste, Norte e de Este, desde a sua origem até desembocarem no mar da China pelos estuários de Cantão e do Broadway [Material cartográfico]: Nº 1 / Extrahida da planta da Província de Cantão, levantada por I. G. Lörcher e completada pelas cartas da China de I. Perthes e de Williams; Assumpção lith.  [Coimbra: Imprensa da Universidade, 1884]  – 1 mapa LOUREIRO, Adolfo Ferreira de, 1836-1911; ASSUNÇÃO, António José Saldanha, 1850-1900, litog. http://rnod.bnportugal.gov.pt/rnod/winlibsrch.aspx?

Loureiro demonstrou ainda envergar uma postura crítica relativamente à posição política de Portugal em Macau por altura do incidente subjacente à notícia da revolta de Cantão em Setembro de 1883, sem contudo deixar de mencionar que o seu próprio país, por falta de tratado com a China, não tinha ali cônsul para proteger o macaísta envolvido. Manifestou-se face ao sistema do mandarinato revelando e reforçando a ideia da própria singularidade de Macau. A abordagem à corrupção e ao suborno é inevitável e também o sistema judicial e penal mereceu acutilantes apontamentos críticos. A questão da pirataria mereceu-lhe uma especial atenção já que a estes marginais se referiu com frequência, fazendo referência ao episódio do White Cloud, embarcação que garantia a viagem Macau – Hong Kong – Macau.” (3)

Planta da PENÍNSULA E PORTO DE MACAU com as sondagens levantadas em 1884 e com o projecto do caes interior, molhe da Taipa, docas da ilha Verde e Praia Grande, dique da Taipa e revestimento marginal entre a Ilha Verde e Pac-Siac [Material cartográfico] / [Adolfo Ferreira de Loureiro]; gr. Samora. – [Coimbra: Imprensa da Universidade, 1884]. – 1 Planta, 5 folhas com informação hidrográfica, 1 folha com perfis e alçados. LOUREIRO, Adolfo Ferreira de, 1836-1911; SAMORA, Júlio César Júdice, 1845-post. 1913, litog. http://purl.pt/17239/service/media/pdf

(1) ”Macau deu o nome de Adolfo Loureiro a uma via pública. O projecto de Loureiro ficou apenas no papel, apesar das instâncias de Macau junto do Governo Central . Assim em 1891 subiu ao Terreiro do Paço um requerimento de 951 habitantes de Macau para se executarem as Obras; mas só 6 anos mais tarde é que de lá se pensou nisso; em 08-08-1903, o Capitão de Cavalaria Carlos Alexandre Botelho de Vasconcelos foi incumbido de sondagens no porto. Então o Governo dispôs-se a executar o plano de Loureiro, mas nada feito.” TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997, p. 408

(2) 羅利老馬路 – Estrada de Adolfo Loureiro: começa na Avenida Sidónio Pais e termina no cruzamento da Estrada de Coelho do Amaral com a Rua da Restauração. Executada em 1882/1883. CAÇÃO, Armando Azenha – Sankiu in http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30035/2019

(3) https://orientalistasdelinguaportuguesa.wordpress.com/adolfo-loureiro/

Ver Anteriores referências neste blogue de Adolfo Loureiro em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/adolfo-loureiro/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/estrada-adolfo-loureiro/

NOTA: Uma nota biográfica muito completa, em http://www.pianc.pt/pdfs/F2.pdf

Continuação da leitura da conferência realizada na Sociedade de Geografia de Lisboa, em 5 de Junho de 1946, pelo tenente-coronel de engenharia Sanches da Gama e publicada no Boletim Geral das Colónias de 1946. (1) (2)
………………………………………………………………………………..continua
(1) Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/06/05/noticia-de-5-de-junho-de-1946-leitura-macau-e-o-seu-porto-i/
(2)  «BGC» XXII -253, 1946.

Trabalho científico do professor J. Carrington da Costa (1) publicado numa separata do Boletim da Sociedade Geológica de Portugal, que se debruça sobre os problemas geológicos das colónias de Cabo Verde, Guiné, S. Tomé, Angola, Moçambique, Índia, Timor e Macau. (2)
Acerca de Macau, nas pp. 70-71:
1) João Carrington Simões da Costa (1891 – 1982) – geólogo, professor universitário e político português. Tendo frequentado o Colégio Militar, foi mobilizado durante a I Guerra Mundial e participado na Batalha de La Lys, França, a 9 de abril de 1918 onde acabou prisioneiro pelas tropas alemãs. Em 1919, com o fim da guerra e a sua libertação, volta a Portugal, junta-se aos republicanos e como ajudante de campo do Ministro da Guerra vai combater a revolta de Paiva Couceiro, que tencionava a restauração da Monarquia. Retoma os estudos e forma-se em Ciências Histórico-Naturais pela Universidade do Porto e pela Escola Normal Superior de Lisboa. Foi naturalista do Museu Mineralógico e Geológico da Universidade do Porto entre 1928 e 1936 e em 1931 doutorou-se em Geologia na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto
Em 1936 passa a fazer parte do corpo docente da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Ascendeu a professor catedrático em 1942. Foi chefe das Missões de Estudos Geológicos à Guiné nos anos de 1946 e 1947; presidente da Sociedade Geológica de Portugal; dirigiu o Centro de Mineralogia e Geologia da Comissão de Estudos de Energia Nuclear do Instituto para a Alta Cultura; presidente da Comissão Executiva da Junta de Investigações do Ultramar, entre outros cargos oficiais.
Carrington da Costa teve papel fundamental na renovação dos estudos e da investigação em Geologia em Portugal, sendo considerado como o mais importante líder da chamada “Escola de Geologia do Porto”.
http://cvc.instituto-camoes.pt/ciencia/p58.html
https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?p_pagina=antigos%20estudantes%20ilustres%20-%20jo%C3%A3o%20carrington%20da%20costa
(2) COSTA, J. Carrington da – Problemas Geológicos Coloniais. Separata do Boletim da Sociedade Geológica de Portugal, Vol. II, facs. 1, 1943, pp. 55-76.

O Governador Almirante António Sérgio de Sousa e outros funcionários da colónia, foram convidados para jantar, no dia 21 de Março de 1869, em casa que ficava em Lin Tin (1) do negociante chinês Hing- chong , um dos mais antigos «hãos» da cidade. (2)

Extraido de «BPMT», XV-12 de 22 de Março de 1869, p. 70

O jornal «O Independente» I-30 de 27 de Março de 1869, p. 263, também deu esta notícia:

(1) Nei Lingding, ou Ilha Nei Lingding, (內伶) também conhecida por Lintin ou Ilha Lin Tin, é uma ilha no estuário do Rio das Pérolas, no sudeste da província chinesa de Guangdong. Embora esteja localizado mais perto da costa oriental (Hong Kong e Shenzhen) do estuário, era até 2009 administrativamente parte da cidade de Zhuhai, cujo centro administrativo principal fica situado na costa ocidental do rio. Em 2009, a jurisdição de Nei Lingding foi entregue a Shenzhen. Em Maio de 1513, Jorge Álvares chegou a Lintin a que ele chamou de “Tamão”
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nei_Lingding
Mapa de Lintin em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/07/10/noticia-de-10-de-julho-de-1522-martim-afonso-de-melo-coutinho/
內伶mandarim pīnyīn: nèi líng dīng dǎo; cantonense jyutping: noi6 ling4 ding1 dou2
(2) Hão – Negociante chinês que era o intermediário oficial entre os europeus e os chineses
Hongs – associações de mercadores chineses que controlavam o comércio externo.
1868 – «As boticas d´aquelle bairro quasi se resumem em três géneros, que alternam em colocação: a casa de comida (cullao), a do jogo (latane) e a dos empréstimos sobre penhores (hão) » – João de Lacerda, Recordações de Viagem, 1868.
1884 – «Para montante divisam-se frondosos arvoredos e magníficos jardins, sendo nos arredores de Cantão que os hãos mais ricos possuem as suas casas de campo e vivendas de recreio» – Adolfo Loureiro, No Oriente.
1898 – «Depois da guerra entre a China, Inglaterra e França, foi abolida a instituição dos Hongs ou agentes officiaes, negociantes intermediarios» – Joaquim Calado Crespo, Cousas da China, p. 15
Segundo Padre Benjamin Videira Pires (3) “Em 1720 instituiu-se, em Cantão, o Cohão – companhia chinesa controlada pelos mandarins, que possuía o exclusivo do comércio com os estrangeiros. Foi dissolvido em 1771, mas restaurou-se em 1782, com 12 membros, primeiro, e mais tarde, 13. Gozava de muitos privilégios. As extorsões, porém, a que o sujeitaram os mandarins tornaram o Cohão odioso para os estrangeiros, contribuindo para bancarrota de vários deles
(3) PIRES, Benjamin Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII, 1993,pág 13.

Extraído da revista “As Colónias Portuguesas” ANNO VII, n.º 19, 20 de Outubro 1889.

Extraído doe «As Colónias Portuguesas», Supplemento n.º 15 de 21 de Setembro de 1890.

“20-08-1851 – O Governador António Gonçalves Cardoso fez ocupar a «Taipa Quebrada», (1) uma zona da Ilha que ficava afastada da actual vila, mas também a pedido dos moradores e suas embarcações, carecidos de defesa contra os piratas e outras espécies de lanchaes (ladrões). Entretanto Coloane servia-lhes de excelente esconderijo. Em contrapartida da protecção à Taipa, foi elaborado um pequeno mas eficaz articulado legislativo” (2)

MAPA - Esboço de Adolpho Loureiro - 1882Representação esquemática do projecto Adolpho Loureiro (1882)

(1) A Taipa, que em chinês é conhecida por  Tâm Tchai (3) ou Pequeno Lago.  após assegurada a sua posse em 1845 e ocupada por ordem do governador Ferreira do Amaral  (hasteada a bandeira portuguesa pela primeira vez em 9 de Setembro de 1847), (4) estava, ainda no início do século XX, dividida em duas ilhas – a Taipa Grande ou Taipa Quebrada e a Taipa Pequena – separadas por uma estreita língua de mar. Foram, mais tarde, unificadas por assoreamentos naturais e, posteriormente, por aterros. Foi junto a uma das suas colinas – na Taipa Pequena – que se constituiu a povoação da Taipa, com um ancoradouro. Aqui, desde o século XVII, “os barcos estrangeiros que se dirigiam a Cantão, subindo o rio das Pérolas e que deviam tomar a bordo, em Macau, piloto e intérprete, apenas eram autorizados a seguir viagem depois de fundearem na Taipa, local portanto bem conhecido dos marinheiros, a ponto de algumas cartas marítimas se referirem a Macau como “porto da Taipa”.
COSTA, Maria de Lourdes Rodrigues – História da Arquitectura em Macau. Instituto Cultural de Macau, 1997.
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 3, 1995.
(3) mandarim pīnyīn: dàng zǎi; cantonense jyutping: tam5 zai2

Esboço das Ilhas da Taipa 1912Esboço das Ilhas da Taipa (1912)

(4) “1847 – O Governador João Maria Ferreira do Amaral, na sequência de conversações diplomáticas encetadas com a China pelo seu antecessor resolve ocupar a Ilha da Taipa. De resto são mesmo os comerciantes que ali habitam que pedem protecção portuguesa contra os frequentes ataques de piratas que não só atacam do mar como se açoitam em grutas do litoral, de onde organizam investidas e roubos à população. O tenente Pedro José da Silva Loureiro constrói, no actual espaço da esquadra das Forças de Segurança, uma fortaleza, tendo em vista maior eficiência da defesa. Ali se ergue pela primeira vez a bandeira portuguesa, em Setembro deste ano. Pedro Loureiro (1792-1855) natural de S. Miguel (Açores), Oficial da Marinha de Goa foi também proprietário do brigue Genoneva e Capitão do Porto de Macau” (2)
Anterior referência à Taipa Quebrada:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ilha-da-taipa/page/2/

” … Ora é da construção do porto de Macau, em vias de acabamento, que nos falaram há dias as comunicações telegráficas.
Há 41 anos que foi elaborado pelo engenheiro Adolfo Loureiro o primeiro projecto para a construção  do porto, mas foi julgado grandioso de mais para as posses financeiras da província. A esse estudo seguiram-se outros até que o de general Castelo Branco  foi  definitivamente  aprovado iniciando-se os trabalhos em 1917 com as receitas já então muito grandes, cobradas anualmente pelo governo.
Este projecto visava especialmente a construção do chamado Porto Interior, do  este da peninsula, olhando portanto a ilha da Lapa e foi alterado, completando-se com novos traçados, de acordo com as exigências modernas.
Em 1919, resolveu-se  que o porto, para navios de grande calado, seria feito na costa leste da península – na “ráda” – e o acordo diplomático, feito com os chinezes em 1920, garantiu a tranquila execução do grandioso plano de engenharia que tornará Macau, aos seus antigos tempos de esplendor comercial.
O plano geral do porto pode vê-lo, o leitor, acompanhando na planta junta a breve descrição que vamos fazer
Comecemos pelo istmo onde se abrem as velhas Portas do Cerco.
Seguindo a costa do lado do Porto Interior temos: docas, varadouro e estaleiros, para embarcações de pequeno porte. Um canal, que atravessa o istmo ao norte, faz a ligação entre o Porto Interior e o Porto de Areia Preta, destinado a navios de pequena tonelagem e dispondo de uma doca seca. Um canal permite a comunicação deste Porto com o Porto artificial, para navios de grande calado.
Ao longo do caes verá o leitor o Bairro Industrial e operário, o Arsenal, o Depósito de Carvão, os Armazéns e caes acostáveis. Continuando a seguir a carta encontramos, sucessivamente, as docas n. 5 para vapores de carreira; n. 4; n.3 para juncos; n. 2 para embarcações de recreio e para as da capitania; n.1 para hidroaviões, cujo parque está situado entre esta doca e a doca n.2.
Longos molhes, cuidados e fortemenet construídos, defendem dos impetos do mar, quando revolto, os ancoradouros dos navios…(…)
…para que se possa fazer ideia da atividade com que tem caminhado as obras, bastará saber-se que os trabalhos executados pela MIssão de Melhoramentos e pela Direcção das Obras dos Portos, desde abril de 1919 ao fim de 1921, foram:
+Dragagens de Patane, ao norte da Ilha Verde, Macau Siac, Taipa, do Porto Interior (para conservação) num volume total de 1 milhão de metros cúbicos;
+Aterros correspondentes, em cêrca de 50 hectares;
+Defezas dos aterros, com môtas, n´uma extensão total (incluindo as praias artificiaes, para varadouros) de 4 quilometros.
+Obras hidraulicas marginais numa extensão total de 1500 metros;
+Molhes de abrigo (em enrocamentos) na extensão total de 1.100 metros; isto alem da organização e instalação dos serviços,  elaboração do plano geral e dos projectos, os respectivos  desenhos…
…(…)…
Olhando atentamente a planta verificará o leitor que, por detraz dos armazens que se alinham em frente ao cais, está indicada a Gare do Caminho de Ferro. D´ali, pois, ha-de partir a linha que ligará Macau a Cantão…”

Portas do Cerco (c 1925)

(1) Artigo não assinado “O porto de Macau” na revista PORTUGAL, n.º 46 de 30 de Junho de 1925