Archives for category: LIvros

Os típicos paralelepípedos importados de Portugal chegaram a Macau no início dos anos 90, dando origem a vistosos tapetes de argila, rendilhados pelas mãos de experientes calceteiros portugueses e chineses. Verdadeiros cartões de visita, apreciados pela população residente e turistas.” (1)

(1) Texto e fotos extraídos das páginas 25 (foto de Lei Tak Seng) e 54 (foto de António Falcão) do livro de CUNHA, Luís (Direcção Editorial e Texto) “Leal Senado, Uma Experiência Municipal (1989-1997) ”, edição do Leal Senado de Macau, 1997, 89 p. 

Cartas do Extremo Oriente», livro de António da Santa Clara publicado em 1938, pela Livraria Editora (Lisboa) com Parceria António Maria Pereira. (1)

Impressão de viagem que o jovem oficial português António da Santa Clara realizou de Marselha a Hong Kong na década de 20 (séc. XX) com destino a Macau.  

O autor classifica –o como um “Romance que não chegou a ser escrito; na minha tenda – Ac. Sa – Ilha de Coloane” (2) na página 7 (Capítulo I)

António de Santa Clara que foi para Macau como ajudante do Governador, dedicou o livro (pág. 5):

A João Pereira Barbosa,

            com admiração pela maneira como governou Macau (3)

pp. 4-5
Índice p. 231

(1) SANTA CLARA, António de – Cartas do Extremo Oriente. Parceria António Maria Pereira/Livraria Editora, Lisboa, 1938, 230 p. + |1|, 18,5 cm x 12 cm x 2,3 cm. Exemplar com manchas de humidade nas capas e muitas das primeiras folhas.

(2) Aldeia de Hac Sá/Praia de Hac Sá na Ilha de Coloane (Macau) 

(3) O Governador era João Pereira Barbosa. Foi nomeado Governador interino em 4 de Janeiro de 1936 (exoneração do governador António José Bernardes de Miranda) e cessou funções a 24 de Dezembro de 1936., com a nomeação do Governador A. Tamagnini Barbosa (B.O. n.º 51)

O Dr. João Pereira Barbosa seguiu depois para Goa onde foi Director dos Serviços de Administração Civil. (4)

“Aliás conta-se que Pedro José Lobo, braço direito de todos os governadores do seu tempo excepto de um… precisamente do Governador João Pereira Barbosa, que o mandou prender e acabou talvez por isso, … por ser “demitido”. Recorda-se também que foi nesse ano de 1936 que a importação do ópio cru e sua posterior preparação foi colocada sob o exclusivo do Governo de Macau, fechando-se o licenciamento para mais fumatórios de ópio no Território.” (5)

(4) ”Enquanto não chegou o titular, ficou como Encarregado do Governo o Major de Engenharia António Joaquim Ferreira da Silva Júnior (B. O. n.º 15 de 10 de Abril de 1937). (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III,  2015, p. 255.)

(5) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Século XX, Volume 4. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1997, 454 p. ISBN-972-8091-11-7

Sobre António de Santa Clara, ver postagens anteriores: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/08/leitura-literatura-ultramari-na-a-lorcha/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-de-santa-clara/

Chega a Macau no dia 18 de Dezembro de 1669, o dominicano espanhol Frei Domingo F. Navarrete, autor dos Tratados históricos, políticos, éticos y religiosos de la Monarchia de China, 2 vols. Madrid, 1676-1679, grande crítico dos jesuítas (1)

Sai de Espanha, em 1646, rumo às Filipinas o dominicano Frei Domingo F. Navarrete  (1610-1689). Depois de intensa actividade missionária, ao regressar à Europa e por vicissitudes várias, aporta às Celebes, onde se encontra com missionários e prósperos comerciantes que ali se estabeleceram, depois da perda portuguesa de Malaca. Embarca então para a China num navio com rumo a Macau, onde viajam jesuítas. Chegado ao Oriente Extremo, juntou-se a uma incipiente missão dominicana em Fuquiam, onde se manteve até às perseguições chinesas de 1664. Esteve detido em Cantão. Adregou chegar a Macau em 1670 e regressou a Lisboa em 1672. Dirigiu-se a Roma para dar conhecimento da sua missão ao Papa. Fixou-se depois em Madrid e foi nomeado arcebispo de Santo Domingo de 1682 a 1686. (1)

É publicada em Madrid, Imprensa Real, em 1676, a obra do dominicano espanhol Fr. Domingo Fernández Navarrete Tratados históricos, políticos, éticos y religiosos de la Monarchia de China, que viria a ser fonte de informação para a Europa, não só sobre a Índia e as Celebes mas sobretudo sobre a China, nomeadamente sobre a Questão dos Ritos. A. RC, n.º 28, RAEM, 2008, contém um minucioso estudo sobre este pregador, entre pp. 42 e 54, sendo dele autor o Prof. Dr. Manel Ollé. (1)

 (1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume I, 2015, pp. 168, 183 e 188

Mais informações em: https://en.wikisource.org/wiki/Catholic_Encyclopedia_(1913)/Domingo_Fern%C3%A1ndez_Navarrete

È dada a estampa em Macau a obra de Diego Caldeira do Rego, Breve Relação do Estado da Cidade do Nome de Deos Reino da China do seu princípio até o anno de 1623. (Cfr. BARRETO, L. F., Macau: Poder e Saber … , p. 294). Data da “Breve Relação….” , escrita em Macau:

|Os portugueses| “|estiveram e contrataram com os chinas dezoito anos na ilha de Sanchoão, e doze em Lampacau, descobriram este porto de Amacao aonde por acharem mais comodidades, e melhores para seu trato e mercancia se foram deixando ficar esquecer nela ora uns, ora outros fazendo suas casas ao princípio de palha, e depois de taipa …”(In REGO, Diogo Caldeira do, Breve Relação do Estado da Cidade do Nome de Deos Reino da China do seu princípio até o anno de 1623, p. 606.)

Foi nesse ano de 1623 que o Imperador da China concede “privilégio de naturais da China” aos estrangeiros de Macau. Como chineses, deveriam pautar-se pelo código da etnia Han. Este “presente envenenado”, como lhe chama Jorge Flores em Os Jurubaças …,  não deixa dúvidas sobre o sentido da concessão da terra aos portugueses. Os línguas – Jurubaças – da embaixada de Tomé Pires à China foram executados e as mulheres vendidas como escravas. Não era conveniente manter vivos esses letrados conhecedores da burocracia chinesa e entretanto “aportuguesados” pelo convívio com os portugueses. A China evitou sempre que pôde a assimilação que resultava, para os seus naturais, da actividade de intérpretes. (Cfr. FLORES, Jorge M. , Actas …, p.109) (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia de História de Macau, Volume I, 2015, pp. 129, 130.)

27-11-1623 – O escrivão do Leal Senado, Diogo Caldeira do Rego informava: «Em número de oradores (Macau) he hoje hua das principais deste Oriente avendo nella mais de 400 portugueses casados entre os quais alguns fidalgos» (TEIXEIRA. Manuel – Os Macaenses, p.22)

CAPA
CAPA + CONTRACAPA

Lançamento do livro “POÉMA DI MACAU” de José dos Santos Ferreira (1)

Livro de poesia e prosa no dialecto macaense – língu maquista, com prefácio de Túlio Lopes Tomás datado de Setembro de 1983 e editado pelo Leal Senado em comemoração do 4.º centenário da sua fundação, em 1983.

O autor dedica “este meu modesto livro “À memória saudosíssima dos queridos Amigos, Alfredo José da Silva, Leonel Humberto Alves e Luís Gonzaga Gomes” (p. 3)

O “poéma” (singela poesia) “FULA DI PORTUGAL / FLOR DE PORTUGAL  (2) é dedicado “com muita saudade e admiração às chistosas damas minhas Amigas, macaenses de coração, para quem o nome de Macau tem sempre um significado muito especial”.

p. 48

(1) FERREIRA, José dos Santos – Poéma di Macau. Leal Senado de Macau, 1983, 285 p. (21cm x 14,7 cm x 1,4 cm)

(2) “FULA DI PORTUGAL” é composto por 4 sonetos em dialecto macaense seguidos cada um com o respectivo português. (pp. 47 – 54)

Publicação (1) do Vice-Almirante Pedro Fragoso de Matos, (2) com o título de “Acção Naval Portuguesa Contra os Piratas no Mar da China, de Maio de 1985, de 40 páginas, onde apresenta, como refere o autor na Introdução (pp. 5-6).”No presente artigo, resultante duma morosa investigação, com grande consulta de publicações e manuscritos coevos, será primeiramente apresentada uma ligeira abordagem sobre o estabelecimento dos portugueses em Malaca e Macau, o seu movimento comercial marítimo para o Extremo Oriente, e a pirataria no Mar da China, sendo, depois, referidos pequenos resumos das mais importantes acções navais para a sua repressão, tenho-as agrupado de acordo com as respectivas épocas e conforme os objectivos pretendidos, por vezes decisivos para a continuação da nossa presença naquelas conturbadas e distantes paragens do Sueste Asiático, num clima de paz e de harmonia com os nossos poderosos vizinhos.”

Contra-Almirante Pedro Fragoso de Matos, Comandante da Escola Naval (3)

(1) MATOS, Pedro Fragoso de – Acção Naval Portuguesa Contra os Piratas no Mar da China”, composto e impresso nas oficinas da Editorial Minerva, Maio de 1985, 49 p., 22,5 cm x 15,7 cm x 0,4 cm.

Adquirido na I Feira do Livro de Macau, organizada pelo Instituto Cultural de Macau, em Lisboa no Forum Picoas de 12 a 18 de Dezembro de 1988.

(2) Outras publicações deste autor relacionados com o Extremo Oriente:

O maior tufão de Macau: separata dos anais do clube militar naval: 1985 – Lisboa: Editorial Minerva, 1985. – 30 p. ; 23 cm.

Recordações do passado: Ano Novo China no porto interior de Macau – Lisboa: 1986. – 15 p.; 23 cm

A odisseia da corveta “iris” no mar da China: separata dos anais do clube militar naval: Lisboa: Editorial Minerva, 1986. – 30 p.

Navios de guerra portugueses nos tufões do Mar da China. Macau : Instituto Cultural de Macau, 1987, 128 p.

Cartas de um Comandante no Extremo Oriente. Macau: Obra Soc. Serv. da Marinha, 1987. – 195 p.

(3) http://www.reservanaval.pt/cforn17/cforn17.html

Um folheto de 68 páginas “MACAU e o seu Porto Artificial atravez a IMPRENSA PORTUGUESA (VOLUME I)”, impresso na Tipografia Mercantil de N. T. Fernandes e Filhos, em 1924, (24 cm x 16 cm x 0,5 cm) (1)

O folheto apresenta uma assinatura de posse “Armando Zuzarte Cortesão 1925” (2)

Contém uma colectânea de artigos publicados até então na imprensa portuguesa sobre o porto artificial. O prefácio é do Hugo de Lacerda “Macau como Porto Marítimo e Testa de Navegação Fluvial e de Viação Acelerada”) (3) (pp.3-4)

Outros artigos:

1-O Renascimento de MacauUma riquíssima possessão, cheia de vida e com um grande futuro – Lopo Vaz de Sampayo e Mello (Do jornal “A ÉPOCA”) (pp. 5-10)

2-Portugal no Oriente. Macau serve mais alguma coisa do que para converter umas centenas de patacas numas dezenas de contos – Henrique Correia da Silva (4) (De “O Diário Notícias”) (pp. 11-15)

3-Interesses Portugueses no OrienteAs obras do porto de Macau honram a engenharia portugueza e são a maior base para o engrandecimento d´esta província ultramarina – João Barbosa Pires (5) (De “O Século-1923) (pp. 16-19)

4-O Porto de Macau – Um repórter de “A Pátria” ouve o ilustre Almirante Snr. Hugo de Lacerda (P.J.M.L. do jornal “A PÁTRIA” de Macau, 1924) (pp. 20-36)

5-A exploração do porto artificial de MacauO que a República fez e o que precisa fazer ainda – Henrique Valdez (6) (De “O Século” – 1924) (pp. 37-40)

6-Problemas NacionaisPortugal no Extremo-Oriente –Thomé Pires (Do periódico “A PÁTRIA”-1924 (pp. 14-62.

7-Sobre as obras do porto de Macau – O que sobre elas diz o seu ilustre Director o sr. Almirante Hugo de Lacerda (pp.63-68)

(1) “ Por ordem superior do Conselho de Administração das Obras nos Portos de Macau, fez a Secção de Propaganda publicar este folheto acabado de imprimir aos trinta de Novembro de 1924. “ (p. 1)

(2) “ O mais importante historiador português da cartografia antiga do século XX, como também de um dos raros especialistas de projecção internacional que ensaiaram uma análise historiográfica geral deste campo de estudos que emergiu com uma identidade disciplinar e uma actividade prática próprias a partir da década de 1930”. (Oliveira, Francisco Roque de – Armando Zuzarte Cortesão (1891-1977): vida, exílio e mapas. Academia de Marinha, 2019 In: Matos, A. T. de (coord.). Homenagem aos Fundadores da Academia de Marinha (pp. 70-105). Lisboa: Academia de Marinha. ISBN: 978-972-781-150-2.) https://repositorio.ul.pt/handle/10451/43173

(3) O Engenheiro hidráulico Almirante Hugo de Lacerda Castelo Branco foi governador interino de Macau de 1-08-1926 a 8-12-1926. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

(4) O Capitão-tenente Henrique Monteiro Correia da Silva, foi governador de Macau de 23-08-1919 a 20-05-1922.

(5) João Barbosa Pires, jornalista vereador substituto do Leal Senado da Câmara de Macau

(6) Capitão-tenente Henrique Valdez, jornalista, senador https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/01/27/leitura-macau-e-seu-futuro-porto-1922/

O «Diário de Lisboa» publicado no dia 3 de Março de 1926, (1) na sua página 4 na rubrica “UMA FIGURA” (em duas colunas) anunciava a morte em Macau do grande poeta Camilo Pessanha (1 de Março de 1926) (2)

NOTA: Recentemente foi posta à venda uma nova edição de “Clepsydra, Poemas de Camilo Pessanha”, com edição, nota prévia e notas de Ilídio Vasco, volume n.º 50  da colecção de Clássicos da Guerra e Paz, Editores, Novembro de 2021, 155 p.  Esta edição distingue-se das anteriores por apresentar uma ordenação diferente dos poemas (explicada em nota prévia pelo editor). e pelas excelentes notas complementares. Incluiu fotos e reproduções de manuscritos de Camilo Pessanha.

(1) «Diário de Lisboa», 3 de Março de 1926, p. 4

 (2) Pode visualizar todo o artigo em: http://casacomum.org/cc/visualizador?pasta=05743.007.01867#!4

Anteriores referências de Camilo Pessanha neste blogue em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/camilo-pessanha/

Continuação da leitura de alguns trechos “Cousas da China, Costumes e Crenças”, de Joaquim Heliodoro Calado Crespo, cônsul de Cantão, “homem hábil e culto que deixou algumas obras interessantes sobre a China do seu tempo”. (1) (2)

A PRIMEIRA EXPEDIÇÃO PORTUGUEZA À CHINA (p. 37)

A LÍNGUA CHINEZA (pp. 41 -43)

(1) CRESPO, Joaquim Heliodoro Callado – Cousas da China, Costumes e Crenças. Contribuições da Sociedade de Geographia de Lisboa. Quarto Centenário do Descobrimento da Índia. Acabou de imprimir-se aos 31 dias do mez de Maio do anno M DCCC XCVIII nos prelos da Imprensa Nacional de Lisboa. 1898, 283 p., 25 cm x 17 cm.(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/03/19/leitura-cousas-da-china-costumes-e-crencas-i/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/07/13/leitura-cousas-da-china-costumes-e-crencas-ii/

CAPA

13 de Junho de 1888, data de nascimento do poeta e escritor Fernando Pessoa. Para recordá-lo nada melhor do que a leitura do livro de poesia “MENSAGEM”, traduzido para chinês por Jin Guo Ping, (1) edição do Instituto Cultural de Macau, “Em homenagem do 50º aniversário da morte de Fernando Pessoa e aos meus amigos que ficaram e que choraram quando eu parti.

Introdução “Elóquio” de António Manuel Couto Viana

Um dos mais conhecidos poemas do poeta:

(1) PESSOA, Fernando Pessoa – Mensagem. Tradução de Jin Guo Ping. Instituto Cultural de Macau, 1986, 133 p.