Archives for posts with tag: Palácio do Governo / do Cercal
Extraído de «BPMT», XV – 24, de 14 de Junho de 1869, p. 120

NOTA I – Anton Freiherr von Petz (1819 – 1885) oficial da marinha real e imperial austríaca, atingindo o posto de vice-almirante; cavaleiro da Ordem Militar de Maria Teresa. Como comandante do navio Kaiser, é considerado herói da batalha de Lissa, em 1866. (1) Em 1869, como Ministro plenipotenciário da Áustria à China efectuou uma expedição a Asia e América do Sul. (https://en.wikipedia.org/wiki/Anton_von_Petz).

(1) https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Lissa_(1866)

NOTA II – Era governador, António Sérgio de Sousa (1868-1872) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-sergio-de-sousa/

Extraído de «BGC», XXII Agosto de1946, n.º 254/255, pp. 169-170

Continuação da reportagem do enlace matrimonial, do dia 17 de Abril de 1955, da filha do Governador da Província, Maria Helena Botelho da Costa Marques Esparteiro e do tenente miliciano de cavalaria Mário Nuno Borges do Canto Lopes da Costa. (1) (2) (3)

“  (…)  saída do templo, os simpáticos e felizes noivos passaram sob um arco de espadas empunhadas por camaradas portugueses e ingleses do Sr. Ten. Mário Nuno Lopes da Costa, formados em alas. Seguiu-se, um interminável cortejo de automóveis, em número superior a duas centenas, os quais, após terem feito um prolongado percurso através das principais ruas da cidade, fizeram o seu termo no Palácio do Governo, à Praia Grande.

O Palácio do Governo apresentava-se, nesse dia, como em grandes dias festivos. O vasto átrio e toda a escadaria tinham-se transformado num autêntico jardim, tal a profusão dos lindos ramos de gigantescas malvas-rosas, cravos e malmequeres com que haviam sido ornamentados. Cerca de 800 convidados, das mais variadas posições sociais e de nacionalidades diferentes, dentro de poucos minutos tinham enchido, literalmente, os vastos salões do Palácio.

Numa mesa redonda, colocada ao fundo da grande sala e ornamentada com toalha de cetim branco e apanhados de pequenas orquídeas brancas, revelando inexcedível bom gosto, via-se, imponente, o lindo bolo de casamento, todo ele enfeitado a primor, no estilo inconfundivelmente português. Feito no Hotel «Península», de Kowloon, por indicação expressa da Sr.ª Dr.ª D.ª Laurinda Marques Esparteiro, este bolo de sete andares era todo verdadeiro, reatando uma tradição que se perdera devido à carestia dos anos da guerra.

Com a ajuda de seu esposo, a Sr.ª D.ª Maria Helena Marques Esparteiro Lopes da Costa cortou, com a espada, o rico bolo. (…) “

Pelas prosperidades dos noivos brindou o Meritíssimo Juiz da Comarca Dr. Rafael Marques Mano
A mesa estava elegantemente ornamentada e coberta de variadas e delicadas iguarias de confecção retintamente portuguesa

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/04/17/noticia-de-17-de-abril-de-1955-enlace-matrimonial-i/

https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/04/19/continuacao-da-noticia-de-17-de-abril-de-1955-enlace-matrimonial-ii/

(2) Artigo não assinado em «MACAU Bol. Inf.», ANO II, n.º 42, de 30 de Abril de 1955, pp.2-7)

(3) Mário Nuno Borges do Canto Lopes da Costa (1922-2013) e Maria Helena Botelho da Costa Marques Esparteiro (1929-2013), pais do actor Luís Esparteiro (Luís Augusto Esparteiro Lopes da Costa) https://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_Esparteiro

Cumprimentos ao Governador comandante Albano Rodrigues de Oliveira, no Palácio do Governo pela Associação Comercial de Macau, por altura do novo ano chinês que nesse ano de 1950 foi em 17 de Fevereiro (início do Ano do Tigre/Metal)

Foto extraído de «BGC», XXVI-298, Abril de 1950, pp. 178 -181

A Associação Comercial Chinesa de Macau foi fundada em 1913. Em 1950 Ho Yin (He Xian) e Ma Man Kei (Ma Wanqi) foram escolhidos para presidente e vice-presidente, respectivamente. A sede da Associação Comercial de Macau, no Largo de S. Domingos foi inaugurada em 21 de Fevereiro de 1932. A partir da implantação do regime comunista em 1949, a Associação Comercial tornou-se informalmente na embaixada informal da China comunista em Macau pelo menos da comunidade sinófoba alinhada com Pequim. Em 1950, nos Corpos gerentes estavam já os homens que durante muitos anos foram os interlocutores com o governo, Hó Yin, Má Man Kei e Chui Tak Kei (FERNANDES, Moisés Silva – Macau nas Relações Sino-Portuguesas, 1949-1979 in Administração XII-46, 1999,p. 994)

Extraído de «BGC», XXIV-277, Julho de 1948, p.170
Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», II-15, de 30 de Dezembro de 1873, p.3

Continuação das aguarelas de George Vitalievich Smirnoff (1) de 194494 – 1945 que estavam no então Museu «Luís de Camões». (2)

Farol da Guia visto da Estrada de S. Francisco. Aguarela, 1945
Pavilhão e Lago do Jardim de Lou Lim loc. Aguarela, 1945
Macau visto do Hospital Conde de S. Januário. Aguarela, 1945
Palácio do Governo. Praia Grande. Aguarela, 1944.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-smirnoff/

(2) http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30026/1863

No seguimento da visita do Governador António Sérgio de Souza a Hong Kong no dia 5 de Novembro de 1869, para apresentar cumprimentos ao príncipe Alfredo, Duque de Edimburgo (1), este no regresso a Hong Kong, vindo de Cantão, no dia 9 de Novembro, visitou Macau (por um dia). Veio no navio “Fire Dart”, fundeando na Rada/Praia Grande, onde já estava a corveta inglesa “Rinaldo” (2) toda embandeirada em arco por ser aniversário do Príncipe de Gales (futuro rei Eduardo VII) (3) nascido em Londres a 9 de Novembro de 1841.

Extraído de «BPMT», XV-46 de 15 de Novembro de 1869, p. 206.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/11/05/noticia-de-5-de-novembro-1869-governador-de-macau-em-hong-kong-na-visita-do-principe-alfredo-da-inglaterra-i/

(2) «HMS Rinaldo», construído em Portsmouth em 1 March 1858; lançado em 26 March 1860 , esteve ao serviço da marinha inglesa até 1884. Vendido em Abril 1884, para desmantelamento.

British Camelion-class sloop HMS Rinaldo ”
https://en.wikipedia.org/wiki/Camelion-class_sloop

(3) Eduardo VII (9 de novembro de 1841 – 6 de maio de 1910) , filho da rainha Vitória e do príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, foi Rei do Reino Unido e da Irlanda, dos Domínios Britânicos e Imperador da Índia de 22 de janeiro de 1901 até sua morte, sendo o primeiro monarca britânico da Casa de Saxe-Coburgo-Gota. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Eduardo_VII_do_Reino_Unido)

Notícia das comemorações, em Macau, do aniversário natalício do rei D. Luiz I, publicada no jornal “O Independente” de 6 de Novembro (1) que originalmente (na sua maior parte) foi retirada do “Boletim da Província de Macau e Timor”. (2)   

Extraído de «O Independente», Vol. I, n.º 10 de 6 de Novembro de 1868, p. 88
Rei D. Luís I, 1862

NOTA: D. Luís I (Lisboa, 31 de outubro de 1838 – Cascais, 19 de outubro de 1889), apelidado “o Popular”, foi o Rei de Portugal e Algarves de 1861 até à sua morte. Era o segundo filho da rainha D. Maria II e seu marido, o rei D. Fernando II, tendo ascendido ao trono após a morte prematura do seu irmão mais velho, o rei D. Pedro V. https://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_I_de_Portugal

Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/10/31/noticias-31-de-outubro-de-1872/

(1) «O Independente», Vol. I, n.º 10 de 6 de Novembro de 1868, p. 88

(2) «BPMT» XIV-44 de 2 de Novembro de 1868, p. 202

Gravura apresentada na revista “A Illustração Luso Brasileira” de 1856, (1) com a legenda:

ILUMINAÇÃO DO PALÁCIO DO CONSUL BRASILEIRO EM MACAU

A gravura não é acompanhada de mais informações. No mesmo número deste jornal, na página 124, encontra-se uma pequena notícia do incêndio do bazar em Macau, notícia essa, com maior desenvolvimento, foi dada pelo correspondente Carlos José Caldeira, no mesmo jornal, número 12 de 22 de Março de 1856. (ver “Grande Incêndio do Bazar Chinez em Macau” na postagem de 04-01-2015) (2)

O cônsul do Brasil em Macau, nesse ano, muito provavelmente terá sido o 1.º Barão do Cercal , Alexandrino António de Mello (1809-1877) . Não tenho informações, qual a data da sua nomeação mas no Almanach Luso-Chinez de 1866”, consta o nome do Barão embora com a indicação de ausente. (3) (4)

O filho António Alexandrino foi posteriormente, em 1875, nomeado cônsul do Brasil em Macau, lugar que foi extinto com a sua morte (5)

A residência (gravura) terá sido, o original edifício, mandado construir pelo Barão do Cercal, em 1849, (arquitecto José Tomás de Aquino) e posteriormente adquirido pelo Governo (actual Palácio do Governo, na Praia Grande).

(1) “A Illustração Luso Brasileira”, n.º 16 de 19 de Abril de 1856, p. 125.

A Illustração Luso-Brasileira”, publicou-se nos anos 1856, 1858 e 1859 (Vol. 1, n.º 1 de 5 Jan. 1856 ao Vol. 3, n.º 52 de 31 Dez. 1859), por iniciativa de António José Fernandes Lopes, também editor do Jornal “O Panorama”. http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/FichasHistoricas/IlustrLusoBr.pdf

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/04/noticia-de-4-de-janeiro-de-1856-grande-incendio-do-bazar-chinez-em-macau/

(3) “Almanach Luso-Chinez de 1866”, p. 45

NOTA: Nesse ano 1866, o cônsul da Itália em Macau era António Alexandrino, 2.º Barão do Cercal (também ausente), filho de Alexandrino António (1.º Barão)

(4) Alexandrino António de Mello (1809-1877): 1.º Visconde (Decreto de 13 de Março e Carta de 5 de Abril de 1867) e 1.º Barão do Cercal (Decreto de 11 de Dezembro de 1851 e Carta de 5 de Janeiro de 1852) em duas vidas. Faleceu no «Hotel Beauvan» em Beauvan, junto a Marselha, a 21-05-1877. (6) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/barao-visconde-do-cercal/

(5)1.º Filho: António Alexandrino de Melo (S. Lourenço 7-06-1837 – faleceu na sua casa na Calçada da Paz em S. Lourenço a 27-05-1885) – 2.º Barão de Cercal. (recebeu o título em 16 de Setembro de 1863. Foi cônsul da Itália em Macau desde 1864.

28-05-1864 – TSYK I-47 de 25 de Agosto de 1864, p. 191

TSYK I-47 de 25 de Agosto de 1864, p. 191

https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-alexandrino-de-melo/

 (6) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, Vol II, 1996, pp. 646-647

Ordem Circular n.º 35 do Quartel General no Palácio do Governo na Província de Macau, Solor e Timor de 2 de Abril de 1845, para solenizar no dia 4 de Abril , o aniversário, 26 anos, da Rainha D. Maria II

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», II-6 de 10 de Abril de 1845

D. Maria II de Portugal (Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga), nasceu no Rio de Janeiro, a 4 de Abril de 1819; faleceu em Lisboa a 15 de Novembro de 1853). Rainha de Portugal e dos Algarves em duas ocasiões diferentes: primeiro de 1826 a 1828, quando foi deposta por seu tio Miguel, e depois de 1834 até à sua morte em 1853. Era a filha mais velha do imperador Pedro I do Brasil, que também reinou em Portugal brevemente como Pedro IV, https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_II_de_Portugal