Archives for category: Educação

Outras fotografias de José Neves Catela (tiradas entre 1934 e 1936) publicadas e legendadas em português, inglês e chinês no «Directório de Macau de 1936». 

Liceu Central de Macau – O Ginásio

NOTA I: “1933 – Foi determinado que o Liceu Central de Macau passe à categoria de Nacional (Boletim Geral das Colónias, Ano IX, Dezembro 1933, n.º 102 pp. 222)

Nos anos lectivos 1933/34 e 1934/35, o professor (interino) de Educação Física era Artur António Tristão Borges. No ano lectivo 1935/36, o professor era Firmino José Miranda da Costa e no ano lectivo seguinte encontrava-se vago.

24-11-1934 – BOGCM N.º 2 DE 12 DE Janeiro de 1935, p. 25

NOTA II: “16-08-1937 – É escolhido e dado ao Liceu o nome de Infante D. Henrique (P.P. n.º 2366 – B. O. n.º 34, p. 560 (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 259)

Igreja do Seminário de S. José
Um dos motores “Diesel” da estação geradora da Companhia de luz eléctrica

NOTA III: “1933 – Publicado no BO n.º 46 de 18 de Novembro de 1933, a escritura de contrato de concessão do exclusivo de fornecimento de energia eléctrica à Cidade de Macau pela Melco: ”The Macao ElectrIc Lighting Company Limited” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III,  2015, p. 239)

Sobre este fotógrafo, ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-neves-catela/

No dia de 23 de Agosto celebra-se a festa litúrgica de Santa Rosa de Lima (1).

Recordo o papel missionário ligado ao ensino do Colégio de Santa Rosa de Lima, em Macau, nomeadamente a acção educativa das Franciscanas Missionárias de Maria transcrevendo parte dum artigo (com fotos) não assinado, publicado no Boletim de Macau (2)

As alunas numa aula prática de Físico-Química

“O Colégio de Santa Rosa de Lima ficou debaixo da direcção das Franciscanas Missionárias de Maria (F.M.M.) (3) a partir de 1903. Foi no dia de 17 de Novembro de 1903, que as Franciscanas chegaram a Macau, tendo assistido ao seu embarque a própria fundadora do seu Instituto, a Reverenda Madre Maria da Paixão. Anos antes havia ela visitado Portugal por ocasião do sétimo centenário de Santo António de Lisboa, pelo qual ela tinha grande devoção, e daí levou gratas recordações do país.

Professoras dão aulas de costura

Assim não recusou o pedido (insistente) de D. João Paulino de Azevedo e Castro, para a vinda de um grupo de Religiosas para Macau. Foram instaladas na primitiva habitação das monjas de Santa Clara (4) (5) e, transformado o mosteiro em colégio de educação feminina, com o nome de Santa Rosa de Lima. Assim decorreram anos, quando em 1910, as Religiosas se viram obrigadas a tomar outro rumo, deixando atrás de si uma obra.

Preparando-se para a vida, aprendem também dactilografia

Retomaram esse lugar, quando D. José da Costa Nunes desejando haver uma casa de educação onde fossem instruídas meninas de origem portuguesa, resolveu fazer de Santa Rosa de Lima, um centro intelectual e religioso, admitindo alunas de todas as nacionalidades, qualquer que fosse a crença que professassem. Assim em 1932 era entregue a direcção às F.M.M. este estabelecimento, que, pouco a pouco, vai ampliando e remodelando surgindo do antigo edifício, um novo que foi inaugurado no dia de 24 de Março de 1934. Posteriormente, foi construída a igreja de Santa Clara que liga o Convento com o Colégio, benzida e inaugurada no dia 25 de Outubro de 1936, festa de Cristo Rei.

As alunas escuteiras numa aula de sinalização

No ano lectivo de 1955/1956 estavam inscritas um total de 929 alunas inscritas nas três sessões de ensino, (6) respectivamente: secção portuguesa com 220; secção chinesa com 355 e secção inglesa com 354. Os Cursos Secundários das Sessões Chinesa e Inglesa estavam oficialmente reconhecidos, dando o primeiro ingresso às Universidades da Ilha Formosa e o segundo à Universidade Católica de Washington.

Os desportos fazem parte das actividades diárias das alunas

Há ainda uma escola gratuita primária, para meninas pobres, chinesas, cujas aulas eram diários das 5 h às 7h da tarde. Essas aulas eram frequentadas por 158 crianças. Ministrava-se no Colégio o ensino de línguas estrangeiras, assim como o da música, tendo muitas alunas feito os exames do «Trinity College of Music» em Hong Kong.”

Na Igreja,durante uma festa religiosa no mês de Maio

(1) Rosa de Lima (Lima, 20 de abril de 1586 – Lima, 30 de agosto de 1617), nome de baptismo de Isabel Flores y Oliva, foi uma mística da Ordem Terceira Dominicana, beatificada em15 de Abril de 1668 por Papa Clemente IX e canonizada em 2 de Abril de 1671, Roma por Papa Clemente X. Santa Rosa é a primeira santa nativa da América e padroeira do Peru.

(2) Macau, Boletim Informativo da Repartição Provincial dos Serviços de Economia e Estatística Geral, Ano III, n.º 60, de 31 de Janeiro de 1956, pp. 8-9.

(3) 4-10-1903 – Partiram para Macau, vindas da Europa, (chegaram a 17-11-1903), as religiosas Missionárias Franciscanas de Maria, para dirigirem o Colégio de Sta. Rosa de Lima (iniciativa de D. João Paulino de Azevedo e Castro (1902-1918) para educação de pensionistas, e órfãs, esta gratuitamente). Acolhia, como internas, raparigas de vários pontos do Extremo Oriente – incluindo Tailândia. Depois de um interregno (1916-1932), voltaram, já em tempo de D. José da Costa Nunes. Em 1933 abriu a secção chinesa. Em 1936 é inaugurado o novo Colégio-Sede, resultante de ampliação. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 17)

 (4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/convento-de-santa-clara/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-santa-clara/

 (5) Até 1903, era dirigido pelas Filhas Canossianas da Caridade desde 1889. Antes das canossianas, o colégio, naquela altura chamado de recolhimento, albergou as clarissas, cujo convento foi destruído por um incêndio em 1824. As irmãs foram albergadas no Recolhimento de Santa Rosa de Lima. Com o falecimento da última clarissa em 1875, o recolhimento passou a chamar-se de Colégio de Santa Rosa de Lima.

(6) As línguas de ensino do colégio foram o português, o Inglês e o cantonense. O ano lectivo 1992-1993 foi o último ano do ensino em português do Colégio Santa Rosa Lima. 

No dia 4 de Agosto de 1882, foi a abertura duma escola de ensino da língua chinesa, (não havia nas ilhas crianças portuguesas) em Coloane, para crianças do sexo masculino de famílias pobres daquela vila. O tenente José Correa de Lemos (administrador do concelho) oficiou em 2 de Agosto de 1882, ao Governador Joaquim José Graça através do secretário do Governo o seguinte:

O China da firma Ngui-Ki offereceu a madeira precisa para as mesas dos estudantes e os cidadãos Sic Long Gui, Sic Kin Chau e a família Thin Vó tem fornecido os outros utensílios necessários. A despesa certa com esta escola é de $70 annuaes. (1) Esperava que no mesmo dia se abrissen as duas escolas, mas na Taipa não encontrei ainda casa apropriada para tal fim e talvez tenha de a estabelecer, pelo menos até fim d´este ano n´um recinto do pagode Thin Ao Mio, (2) – n´este caso só depois do dia 15, (3)  ella se poderá alli estabelecer, do que antecipadamente darei conhecimento a V. Sa.

Os chineses de Colovan a quem fiz traduzir o officio de V. Sa. Aprovando a criação da escolas, pedem me par a apresentar a V. Sa. Os seus protestos de infinita gratidão, esperando ve-lo recompensado de uma maneira justa pela vontade expressa e tendência natural para o desenvolvimento intellectual  da mocidade d´este concelho que revelou, mandando abrir duas escolas de instrucção; acrescentando que lhes é muito lisonjeiro ter sido este concelho a que pertencem onde se criaram escolas gratuitas para os chineses. “ (4)

(1) As escolas eram subsidiadas pelo Cofre Municipal do concelho

(2) Pagode Tin Hau, onde funcionou posteriormente a escola Kong Kau. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/11/postal-da-ilha-de-coloane-da-decada-de-90-seculo-xx-v/

(3) A escola da Taipa foi inaugurada a 21 de Agosto de 1882. Posteriormente a 12 de Fevereiro de 1884, abriria a terceira escola na Ilha de D. João.

(4) TEIXEIRA, Padre Manuel – Taipa e Coloane, p. 98 e 100-101

CAPA

Revista (creio ser, número único uma publicação dos alunos finalistas, sem indicação do ano de impressão provavelmente da década de 80, depois de 1986 (ano da inauguração do novo complexo escolar no Porto Exterior, denominado Liceu de Macau) (1) com 26 p. intitulada “OS LUSITANOS” (29, 5 cm x 20,5 cm)
Era habitual surgirem este tipo de publicações que eram preparadas no período inicial do ano lectivo e impressas depois como forma de financiar (com a publicação de anúncios) a viagem dos finalistas desse ano (por altura da Páscoa)

CAPA -verso

A “Introdução” (p.3) é de Alfredo Vaz, presidente da Comissão de finalistas.

Página 4
CONTRACAPA

(1) O Decreto-Lei n.º 2/86/M; BO n.º 1 de 4-01-1986) designa o Complexo Escolar por Liceu de Macau, depois corrigida em novo diploma (Decreto-Lei n.º 38/86/M; BO n.º 36 de 6-09-1986) com a designação de Complexo Escolar de Macau. Em 1993 volta a designar-se Liceu de Macau. O Complexo Escolar englobava a “Escola Secundária do Infante D. Henrique” e a “Escola Preparatória do Dr. José Gomes da Silva”

Folheto (20 cm x 10 cm) da Direcção dos Serviços de Turismo promovendo a Livraria do Centro de Promoção e Informação Turística de Macau, em Lisboa (1)

(1) Avenida 5 de Outubro, 115 r/c . 1069-204 LISBOA

Extraído de «BPMT», XIII-27 de 8 de Julho de 1867, p. 157

José Martinho Marques (S. Lourenço 20-03-1810 – S. Lourenço 4-7-1867; sepultado no dia seguinte no Cemitério de S. Miguel) estudou no Colégio de S. José, onde se especializou em chinês, e foi aluno do Padre Joaquim Afonso Gonçalves. (1) Seguiu depois a carreira de intérprete do Governo de Macau e de várias legações estrangeiras Casou com Vicência Maria Baptista (1811-1885), em 1835. Tiveram 12 filhos. Publicou um “Tratado de Geografia” (em chinês) e “Princípios elementares da Música ao alcance de todos” (Macau, 1852), deixando inédito um “Dicionário china- portuguez”. Em prémio dos serviços prestados à legação francesa, foi condecorado com o grau de cavaleiro da Legião de Honra de França (2)

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-martinho-marques/

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-joaquim-afonso-goncalves/

(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século Dezanove”, 1942, pp.153-156

Primeiro número, Volume 1, do ”Boletim de Estudos de Macau”, do Instituto de Estudos de Macau da Universidade da Ásia Oriental. Publicado em Junho de 1988. (1)
Director: Prof Paul T.K.Lin, reitor da Universidade da Ásia Oriental.

O Preâmbulo ao Boletim é do Prof. Paul T.K. Lin.
O Índice geral e o resumo de cada umas das publicações em chinês, português e inglês.

O Índice em português

Os trabalhos apresentam-se todos em chinês à excepção de cinco, que estão em inglês sendo destes, dois deles do Dr. Jorge Rangel “A localização dos Serviços Públicos – Uma Tarefa Urgente” e “O Papel da Educação na Modernização de Macau”
(1) «Boletim de Estudos de Macau», Volume 1, publicação do Instituto de Estudos de Macau, da Universidade da Ásia Oriental, Macau, Junhode1988, 144 p., 25,5 cm x 18,5 cm

Extraído de «BGC», ANO XIII, Julho de 1937 p. 173-174

O bispo era D. José da Costa Nunes

NOTA: Ver anteriores referências a estas personalidades e o Instituto Canossiano https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-jose-da-costa-nunes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/artur-tamagnini-barbosa/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/maria-anna-acciaioli-tamagnini/

Porta-chaves circular (5 cm de diâmetro) com o emblema da Universidade de Macau, nos dois lados, com argola de 2, 5 cm de diâmetro, da década de 90 (Século XX).

UNIVERSIDADE DE MACAU 澳門大學

O emblema da Universidade de Macau (UM) apresenta uma crista de cinco torres rodeada por círculos de ouro e o nome da universidade em chinês e em português. A chave sobre o livro representa a chave para o conhecimento, e as ondas representam a universidade localizada inicialmente na ilha da Taipa. (1). A ponte liga as culturas Oriental e Ocidental. Na fita está inscrita uma divisa chinesa, enumerando as cinco virtudes de um académico ideal: humanidade, integridade, propriedade, sabedoria e sinceridade. As cores são o vermelho para a esperança, o azul para a alegria do bem-estar, e o ouro para o avanço da humanidade.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_de_Macau)

(1) No lugar da Universidade da Ásia Oriental. Hoje, o campus da UM está localizado no leste da ilha de Hengqin (antiga ilha da Montanha/Tai Vong Cam).

https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ilha-da-montanha-tai-vong-cam-%E5%A4%A7%E6%A8%AA%E7%90%B4%E5%B3%B6-da-hengqin/

11-05-1987- Edição do livro «Elementos para a História de Macau» de Beatriz Basto da Silva, em que se aborda a metodologia do ensino da História de Macau”. (1)

Esta data, de lançamento do livro, é apontada pela autora na sua Cronologia da História de Macau, Volume 5 de 1998, p. 208 (não vem referido na actualização da sua Cronologia de 2015), embora o livro fosse impressa em Agosto de 1986.

 Independentemente das datas, não queria deixar de salientar o valor desta obra pedagógica (2) da historiadora e professora Dra. Beatriz Basto da Silva, trabalho de grande valia e mérito no domínio historiográfico.


A capa: Leimotiv da ornamentação de uma certa arquitectura macaense.
Fotografia: Humberto Abreu

Design gráfico: Rui de Carvalho
ÍNDICE DO PLANO GERAL DA OBRA

 (1) SILVA, Beatriz Basto da – Elementos de História de Macau, Volume I – Ensino Primário Elementar, de Expressão Portuguesa e Ensino Preparatório. Direcção dos Serviços de Educação, Imprensa Oficial de Macau, Agosto de 1986, 227 p.

(2) Estava projectada para ser 4 volumes. O Volume II – Ensino Primário Elementar, de Expressão Luso-Chinesa; Volume III – Curso Geral – Ensino Secundário; Volume IV – Curso Complementar e Magistério Primário.