Archives for posts with tag: Banda de Música da Guarnição/Batalhão

Continuação da leitura do livro “CHRONICA PLANETARIA (Viagem à Volta do Mundo) ” de José Augusto Correa, publicado em 1904 (1) e referido em anteriores postagens (2)

“21 de Junho – Ainda não vi cidade onde dois bairros façam tão profunda e radical diferença um do outro, como em Macau o bairro chinez do portuguez. O primeiro é perfeita e completamente oriental, caracteristicamente mongólico com o seu conjunto interessante, curiosíssimo, fantástico e nauseabundo. O segundo é, nem mais nem menos, uma das melhores cidades portuguezas de província, Braga, por exemplo, coma diferença, a favor de Macau, da limpeza e do mar. Em compensação, pelas tardes amenas e estivaes, quando a musica toca no Jardim Publico, a população feminina da Jerusalem do occidente encanta os forasteiros pela sua numerosa e brilhantíssima presença, ao passo que por uma formosa tarde e noite de Domingo, (3) em Macau, vi apeas uma dúzia de senhoras, se tanto, disputando às flôres dos alegretes, as harmonias musicaes e ao meigo astro da noite, a primazia na belleza do rosto, na meiguice e suavidade do olhar, no encantador donaire do porte e na melodia suprema que resulta da conjunção dos maravilhosos primores da natureza.

Effectivamente, as macauenses, tanto as filhas de portuguezes, nascidas em Macau, como as cruzadas de chinez e portuguez, são geralmente bonitas e perguntam com muita graça:

 – Como gosta de Macau?

– Infinito.

É uma resposta que mais lhes agrada.

(1) CORREA, José Augusto – Cronica Planetaria (Viagem à volta do mundo), 2.ª edição. Editora: Empreza da História de Portugal, Lisboa, 2.ª edição, 1904, 514 p. Illustrada com 240 photogravuras; 15,5 cm x 21 cm.

 (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-augusto-correa/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/04/leitura-chronica-planetaria-de-jose-augusto-correa-i/

(3) O «Boletim Official do Governo da Província de Macau» n.º 25 de 21 de Junho de 1902, na sua p. 208 apresenta o programa musical que a “Banda de música” da guarnição de Macau executou no dia 22 de Junho (Domingo), no Jardim de S. Francisco, das “8 ½ às 10 ½ hs p. m.”. O programa terminava sempre com o Hino Nacional.

Ordem Circular n.º 35 do Quartel General no Palácio do Governo na Província de Macau, Solor e Timor de 2 de Abril de 1845, para solenizar no dia 4 de Abril , o aniversário, 26 anos, da Rainha D. Maria II

Extraído de «O Procurador dos Macaístas», II-6 de 10 de Abril de 1845

D. Maria II de Portugal (Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga), nasceu no Rio de Janeiro, a 4 de Abril de 1819; faleceu em Lisboa a 15 de Novembro de 1853). Rainha de Portugal e dos Algarves em duas ocasiões diferentes: primeiro de 1826 a 1828, quando foi deposta por seu tio Miguel, e depois de 1834 até à sua morte em 1853. Era a filha mais velha do imperador Pedro I do Brasil, que também reinou em Portugal brevemente como Pedro IV, https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_II_de_Portugal

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I- 6 de Novembro de 1872 p. 2 http://purl.pt/26918/1/PT/index.html

A reportagem continua na postagem seguinte.

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I-17de 14 de Janeiro de 1873.

Extraído de «TSYK» I-6 de 12 de Novembro de 1863

Devido ao tufão ocorrido a 12 de Julho (1) concentraram-se embarcações na Ribeira da Prata, porto e terriola na Ilha da Montanha. A pirataria no dia 20 de Julho de 1883, aproveitou para ir a bordo e roubar o que pôde. Por acção do Administrador das Ilhas, os objectos roubados foram recuperados e os malfeitores daquela povoação, que sempre ali se refugiaram da justiça chinesa, foram multados. O sistema de sobrevivência destes piratas, quando não atacavam embarcações, consistia em atormentar as pedreiras, as ostreiras, e os pescadores, mesmo em terra; toda esta gente preferia pagar-lhes para viver em paz, alimentando estes exploradores, impunes e numerosos, até aparecerem as forças portuguesas a limpar o mar e a costa (SILVA, Beatriz Basto de – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)
Estava prevista para o dia 12 de Julho, no coreto do Jardim de S. Francisco, a actuação da Banda da música da guarnição (adida à guarda policial de Macau) com um programa variado, anunciado no Boletim de 7 de Julho de 1883.
Embora não haja nenhuma informação disponível, de certeza que houve cancelamento dessa actuação tando mais que segundo as observações meteorológicas feitas pela canhoneira Tâmega a partir da 15.15 horas, os aguaceiros tornaram-se fortes anunciando a aproximação do tufão.

Boletim da Província de Macau e Timor, vol. XXIX,n.º 27 de 7 de Julho de 1883.

(1) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/12/noticia-de-12-de-julho-de-1883-temporal-ciclone-sobre-macau-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/14/noticia-de-14-de-julho-de-1883-ainda-sobre-o-temporal-ciclone-sobre-macau-ii/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/07/16/noticia-de-16-de-julho-de-1883-ainda-sobre-o-temporal-ciclone-sobre-macau-iii/