Archives for posts with tag: Jardim de Camões
Extraído de «TSYK»- III Ano, n.º 18 de 1 de Fevereiro de 1866, p. 77

O busto (e a sua inauguração que foi anteriormente publicada neste blogue)(1), já em 1862, mereceu um “apontamento” no «Boletim do Governo de Macau» (VIII-17 de 19-03-1862, p. 66):

Retrato de Camões – Desenho de F. Gerard e L. Visconti – Gravura de F. Lignon (1817) POSTAL  (14, 5 cm x 10,3 cm) – Colecção “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas “, 1987

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/28/noticia-de-28-de-janeiro-de-1866-busto-de-camoes/

28-01-1866 – “Para solenizar a colocação do busto de Camões, encomendado por Lourenço Marques, proprietário da gruta do mesmo nome, a Bordalo Pinheiro, busto este cuja chegada a Macau foi noticiada, no Boletim do Governo n.º 17 de 29 de Março de 1862, realizou-se «uma escolhida reunião de damas e cavalheiros, nacionais e estrangeiros, n´aquelle ameno e delicioso recinto». Compareceu também, S. Exa. O Governador e mais autoridades, bem como os estudantes do seminário, tocando a interessante banda marcial dos alunos, composta de mais de 20 músicos. Alguns estudantes recitaram, a propósito, várias poesias escolhidas e adequadas, em português, latim, francês e italiano. O Sr. Sá Camello, alferes do batalhão de linha recitou poesia do Sr. António Serpa Pimentel intitulada «Camões na gruta de Macau» ”(GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954, pp. 26-27

1866 – O primeiro busto de Camões, na Gruta do Jardim de Manuel Pereira (1757-1826) foi substituído nesta data, por iniciativa do genro do rico negociante, Lourenço Caetano Cortela Marques, casado com Maria Ana Josefa Pereira. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p.177) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/28/noticia-de-28-de-janeiro-de-1866-busto-de-camoes/

Continuação da reportagem já postada no ano passado – 2019 (1) de Adam M´Cay publicada no jornal “The Sun”.

«The Sun, Vol. VI, Issue 1774, 21 October 1919», p. 6.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/21/noticia-de-21-de-outubro-de-1919-imperial-portugal-colony-of-macao-i/

Continuação da leitura do livro “CHRONICA PLANETARIA (Viagem à Volta do Mundo) ” de José Augusto Correa, publicado em 1904 (1), referido em anteriores postagens (2)

“Uma das primeiras curiosidades de Macau que, naturalmente, o forasteiro procura vêr, é a afamada Gruta de Camões. A collina que a encerra é um pedaço do Bussaco transplantado ao extremo-oriente, assim como a avenida da Praia Grande é, em miniatura, a Promenade des Anglais, em Nice. Visitei a Gruta em um Domingo (22 de Junho). Ao aproximar-me do portão que, ao canto de uma pequena praça, dá entrada ao famoso recinto, ouvi canticos religiosos. Á direita de onde eles partiam vi uma fachada de egreja com uma porta aberta e entrei. Era um templo protestante, e na ocasião um padre inglez discursava. Retrocedendo tranpuz o portão e achei-me em face de um bello prédio azul que serve de repartição de obras públicas. (3) Na frente há um jardim. Contornando este, transpondo outro portão e descendo uma escada, penetra-se na pequena eden que inspirou o grande vate.

Segue-se no bosque um arruado amenisado por massiços de cannas e copado arvoredo, até que um caminho á esquerda, subindo o suave outeiro, nos leva ao local onde uma grande pedra, pousada sobre outras duas, cobre o busto, em bronze, do sublime épico, assente em um pedestal de granito. Sobre as quatro faces de base, estão gravadas outras tantas estancias dos Lusíadas e ao lado esquerdo, quatro grande pedras graníticas, encostadas as rochedo conteem sonetos dedicados ao cantor immortal. Este logar é impropriamente chamado gruta, visto que lhe falta a concavidade interior.

BUSTO DE CAMÕES NA GRUTA . 1957

É de crer que Camões se inspirasse alguns passos mais acima, no vértice da collina que domina o esplendoroso panorama do porto, da cidade, das ilhas circunvizinhas e de liquida imensidade. N´este alto está uma guarita de pedra e cal, onde de abrigou La Perouse, (4) ao acertar os instrumentos nauticos com que navegou para a imortalidade.”

(1) CORREA, José Augusto – Cronica Planetaria (Viagem à volta do mundo), 2.ª edição. Editora: Empreza da História de Portugal, Lisboa, 2.ª edição, 1904, 514 p. Illustrada com 240 photogravuras; 15,5 cm x 21 cm.

(2)https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/04/leitura-chronica-planetaria-de-jose-augusto-correa-i/

(3) Esta casa (Casa Garden) construída em 1770, era originalmente a residência de um rico comerciante português, conselheiro Manuel Pereira. Posteriormente, foi alugado para a Companhia das Índias Orientais.

Em 1885, o seu genro Lourenço Marques, que herdou a propriedade, vendeu-a ao Governo. Em 1887, instalou-se aí a Direcção das Obras Ppblicas, e depois em 1931, a Imprensa Nacional de Macau. Tornou-se parte integrante do Património Mundial da UNESCO Centro Histórico de Macau em 2005. Hoje em dia, é a sede da Fundação Oriente.

(4) Em 3 de Janeiro de 1787, fundearam, no ancoradouro da Taipa, os vasos de guerra franceses «Astrolabe» e «Boussole», e os seus oficiais, sob a direcção do Conde Jean François de Lapérouse. (1714-1788), que por ordem de Luís XVI fazia uma viagem de exploração científica à volta do mundo  Estiveram instalados no recinto da Gruta de Camões, onde efectuaram várias observações astronómicas. (SILVA, Beatriz Basto de – Cronologia da História de Macau, Volume 2, 1997)

Ver anteriores referências à Gruta de Camões, em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/07/15/macau-e-a-gruta-de-camoes-iv/

Extraído de «BGU», n.º 314, Ano XXVII, Agosto de 1951

Aspecto da assistência à celebração da Festa de Portugal (10 de Junho), levada a efeito na gruta de Camões, vendo-se ao centro a tribuna de honra presidida pelo Governador Capitão-tenente Albano Rodrigues de Oliveira (1) e o Dr. José Tertuliano Cabral a discursar. O outro orador foi Lei Chong Meng, director da Escola Secundária chinesa. No fim da sessão desfilaram numerosas delegações de escolas portuguesas e chinesas que depuseram flores na base do monumento.

(1) Nesse ano, em 23 de Novembro de 1951 tomava posse novo governador, Joaquim Marques Esparteiro https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/albano-rodrigues-de-oliveira/

Postal MO-75 publicado por “Ming Shun Dim Published” (Macau), impresso em Hong Kong, em chinês e inglês, com as seguintes dimensões: 17,6 cm x 12, 5 cm. Fotografia de Wong Wai Hong, (1) intitulada “Dia de Camões

Alunos das escolas portuguesas e chinesas com os respectivos professores no desfile tradicional à frente do Busto de Camões, neste caso, a delegação da Escola Pui Tou.  Foto de 1995 pois reconhece-se a presença do Governador de Macau, Vasco da Rocha Vieira e a presidir às cerimónias de 10 de Junho desse ano, o ministro da Administração Interna, Dias Loureiro,  em representação do Estado Português  (2)

Verso

Camoes Day. Luís de Camões is the greatest Portugueses poet. He came to Macao in self-exile where he completed his masterpiece “Os Lusíadas” became the national epic of Portugal. His work was composed in a rocky cave in nowadays Camoes Garden. Each 10th June, people gather in the Garden to commemorate the great poet”

(1) Referências anteriores a este fotógrafo Wong Wai Hong em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-wai-hong/

(2) No dia 10 de Junho de 1995, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades além das cerimónias oficiais, teve um sarau musical no Forum com a presença de artistas portuguesas, José Cid e os Delfins de Miguel Ãngelo.

Na sua primeira e única visita a Macau, acompanhado pela esposa, a Profª Drª Andreia Crabbé Rocha, Miguel Torga (1), em Junho de 1987 proferiu no Salão Nobre do Leal Senado uma conferência sobre Camões, (2) que ficou registada no seu Diário Vol. XV. Esta conferência foi transcrita para uma edição, impressa na Gráfica de Coimbra em Novembro de 1987 (3)

Miguel Torga in Poemas ibéricos, 1965.

 (1) Sobre Miguel Torga (pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha) (1907-1995),   galardoado com o Prémio Luís de Camões, em 1989,  ver neste blogue em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/miguel-torga/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/06/09/noticia-de-9-de-junho-de-1987-macau-camoes-e-miguel-torga/

3) TORGA, Miguel – Camões. Coimbra, 1987, 19 p., 19, 5 cm x 21 cm x 0,2 cm

Para os festejos que se realizaram em Macau, nos dias 17 a 20 de Maio de 1898, (1) em comemoração do 4.º centenário da descoberta do caminho marítimo para a Índia, criou-se uma sub-comissão encarregada de organizar um cortejo cívico para depor uma coroa de bronze junto ao busto de Luís de Camões, a realizar do dia 18 de Maio.

Assim, surgiu esta circular – convite que foi publicado no jornal «Echo Macaense» de 28 de Abril de 1898.

Extraído de «Echo Macaense», V-95 de 8 de Maio de 1898 in http://purl.pt/33024/3/html/index.

(1) O Programa dos festejos de gala para a celebração do IV Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia foi publicado no Boletim Oficial n-º 20, desse ano. O programa formulado em 1897 foi autorizado pelo governo. Os festejos começaram a 17 de Maio sendo o ponto alto das comemorações no dia 20 de Maio que foi de completo feriado. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)

Parada junto da Sé de Macau

É celebrado um Te-Deum na Sé Catedral, aberta solenemente a Avenida Vasco da Gama, lançamento da 1.ª pedra para o seu monumento no jardim do mesmo nome e publicação do jornal «Jornal Único». https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jornal-unico/

Gruta de Camões, Macau
George Chinnery
Aguarela em papel sem data
c. 1833-38

Em homenagem a Luís de Camões e à sua hipotética estadia em Macau, o comerciante Lourenço Caetano Marques que herdou do sogro, o rico comerciante Manuel Pereira, os terrenos onde estão o jardim e a gruta, mandou esculpir em Paris um busto em bronze do poeta, que lhe custou a pequena fortuna de 600 francos, que foi colocada no interior da gruta que ele terá frequentado e que, a partir de então, passou a ser conhecida por “Gruta de Camões”.
Mas porque razão o Jardim onde fica a gruta é conhecido em chinês por Pak Kap Chao, 白鴿巢 (1) ou seja, “Jardim do Ninho das Pombas Brancas”?
Tal como a mal conhecida vida de Camões, também neste caso os registos são vagos sobre a origem do topónimo chinês, a versão popular é que está associado ao rico comerciante que gostava muito de pombas e mantinha um numeroso pombal no seu quintal. No entanto tal versão é de autenticidade duvidosa, poiso termo já aparece em muitos documentos e literatura da época, tantos chineses como portugueses, e muito antes de Lourenço Caetano Marques se ter mudado pata tal mansão em 1838.
Uma outra versão defende que o termo “Ninho das Pombas Brancas” deriva de um jardim botânico e zoológico na mansão de um homem rico, ao qual as pessoas se referiam como “Ninho dos Cem Pássaros”, pronunciado em chinês “Pak Liu Chao” (2) e que nos documentos teriam confundido os dois termos (“Pak Kap Chao”» e “Pak Liu Chao” (3)
(1)白鴿巢mandarim pīnyīn: bái gē cháo; cantonense jyutping: baak6 gaap3 caau4
(2) 白鳥巢– mandarim pīnyīn: bái niǎo cháo; cantonense jyutping: baak6 niu5 caau4
(3) As Ruas Antigas de Macau, versão em português. IACM, 2016, p. 86
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jardim-de-camoes/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gruta-de-camoes/

Mais dois “slides” digitalizados da colecção “MACAU COLOR SLIDES – KODAK EASTMAN COLOR” comprados na década de 70 (século XX), se não me engano, na Foto PRINCESA. (1)

Pormenor do templo de Kun Iam – mesa de pedra

 No jardim, anexo ao templo de Kun Yâm ou Kwan Yin existe uma mesa de pedra, na qual se diz ter assinado, a 3 de Julho de 1844, o primeiro tratado Sino-Americano, por Ki-ying, governador -geral de Kuangtung (Cantão), ministro e comissário extraordinário do imperador da China e Caleb Cushing, comissário, enviado extraordinário e ministro plenipotenciário dos Estados Unidos na China.) Este tratado ficou conhecido como Tratado de Wang-hia ou Whangshia (望廈條約), nome do local em mandarim, em cantonense, Mong há (望廈)

Fotografia de 1957

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tratado-de-wanghia/

Busto de Camões no Jardim do mesmo nome

A Gruta foi adquirida pelo Conselheiro Manuel Pereira; pela morte deste em 1826, foi herdada pelo seu genro Lourenço Marques, que ali colocou o busto  do poeta entre três rochedos, um disposto horizontalmente sobre os outros dois,. Em 1885, ele vendeu-a ao Governo por 30 mil patacas.

Fotografia de 1957

Ver anteriores referências:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gruta-de-camoes/
(1) https://www.google.com/search?sxsrf=ACYBGNSn7Rmv6jkuR-8RXyab3nyp4y78NQ:1567866434430&q=nenotavaiconta+slides+coloridos+de+Macau

A 22 de Julho de 1828, o procurador do Senado, Joaquim José Ferreira da Veiga publicou um edital, proibindo a abertura de uma casa de despejo para o negócio, no chalé de Matapau, (1) pertencente a António Pereira, (2) por ser chamariz de vadios com prejuízo para todos os vizinhos.
A 5 de Novembro de 1834, arderam todas essas barracas, segundo consta do ofício do procurador de Macau, António Pereira, do dia seguinte, aos mandarins do distrito: «Verificou-se no incêndio de ontem à noite, tudo o que eu e meus antecessores disseram ao Snr. Mandarim, de que as barracas da Praia Pequena e outras deram ocasião ao incêndio, pelo qual perigavam a existência do estabelecimento, as vidas e os bens; e com efeito os haos (lojas) chinas de muitas e valiosas fazendas, os matapaus e todas as propriedades chinas da beira-mar incendiaram-se; a e a minha própria casa principiou a incendiar-se, sendo de tudo a causa as barracas do mar».
Pedia que não se construíssem ali mais.
A 17 de Mesmo mês, o procurador insistia com o mandarim Tsó-tang que os matapaus, que estavam dentro da cidade, se mudassem para Patane.
A 19 de Janeiro de 1835, novamente  o procurador João de Deus Castro chamava a atenção do mandarim para o perigo de incêndio dessas barracas; e a 8 de Janeiro de 1936, o Procurador Francisco José de Paiva insistia no mesmo assunto, dizendo que os chinas estavam construindo barracas junto à propriedade de António Pereira no Matapau. (3)
(1) Matapau é uma planta da família das gutíferas – tangerinas como indica o nome chinês da Rua do Matapau (1)- Kat Chai Kai ( 桔仔街 ), isto é, Rua da Tangerina. Aos vendedores de tangerinas dava-se o nome de Matapáus, os quais estabeleceram nesse local as suas lojas ou barracas.
A Rua do Matapau fica situada entre a Avenida de Almeida Ribeiro e a Rua da Barca da Lenha, começando um pouco antes da Travessa de Hó Ló Quai, junto do tardoz do prédio n.º 63 da Avenida Almeida Ribeiro  e terminando entre o prédio n.º 106-B da Rua dos Mercadores e o prédio n.º 2 da Travessa do Aterro Novo.
(2) António Vicente Pereira, filho do Conselheiro Manuel Pereira e de Ana Pereira Viana (3) ou Rosa Pires Viana (4) era casado com Aurélia Susana Viana Mendes, filha de Mateus Mendes e de Maria Mendes (3) ou Mónica Viana (4), de quem teve onze filhos. O Conselheiro Manuel Pereira (1757 – 1826) chegou a Macau entre 1772 e 1780, grande negociante da praça de Macau, fundador, tesoureiro e vice-presidente da «Casa de Seguros de Macau», provedor da Santa Casa da Misericórdia (1798-1806) juiz ordinário da Câmara de Macau (1798) , procurador do conselho 81801, 1804 e 1808) e vereador durante muitos anos. Fidalgo cavaleiro da Casa Real, conselheiro de Sua Magestade entre outros títulos da nobreza, comprou a propriedade onde se encontrava a Gruta de Camões e comprou e colocou aí o primeiro busto do poeta.(4)
(3) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, 1997.
(4) FORJAZ Jorge, Famílias Macaenses, Volume II, 1996.
NOTA: Embora os caracteres chineses da Rua do Matapau sejam: 桔仔街mandarim pīnyīn: xié zǐ jié; cantonense jyutping: gat1 zai2  gaai1, os caracteres de “tangerina” são 橘子mandarim pīnyīn: jú zǐ,; cantonense jyutping:qwat1 zi2