Archives for posts with tag: Padre Manuel Teixeira

Das cartas escritas por Rebecca Chase Kinsman (1) há a datada de 4 de Novembro de 1843, em que descreve as suas primeiras impressões de Macau, após a sua chegada:
“ Chegámos aqui a 13 de mês passado depois duma próspera viagem de 129 dias. As primeiras impressões são boas. Fomos cordialmente recebidos por Wm R. Lejee (2) e Wm. Cooper, membros da Casa de «Wetmore and Co.».
Ficámos hospedados em casa de R. Lejee, que é a mesma delicadeza; a casa é nova e uma das melhores de Macau, espaçosa e arejada, e agradavelmente situada na Praia Grande, que é uma larga rua marginal ao longo da praia-mar. É rodeada dum alto muro que cerca um lindo jardim, e tem dois andares, como é estilo aqui: o primeiro para os criados, o segundo para a família.
Da minha janela veja as árvores do jardim e, mais além, a baía, onde estão sempre ancorados um ou mais navios: neste momento, há lá dois navios de guerra franceses e um holandês além de vários mercantes e ainda ontem saiu de cá um navio inglês.
À esquerda, a terra descreve uma curva graciosa formando uma baía semi-circular. Na ponta extrema da terra, ergue-se uma igreja católica e um convento e um forte português (3), no qual tremula a bandeira nacional, ao passo que a cruz indica o edifício sagrado. Ao longo da curva, estendem-se em belas moradias, circundadas de árvores e arbustos e numa alta colina atrás delas, que parece quase inacessível, levanta-se outra igreja e outro forte. (4) Há aqui muitas e grandes igrejas e algumas delas com sinos de sonoros repiques. Gostamos muito deles, pois nos recordam a nossa terra.
No dias Santos que ocorrem frequentemente, eles repicam quase sem cessar mas não nos incomodam, visto não haver nenhum perto de nós, sobretudo na véspera do Natal, pode ouvir-se muita boa música na velha igreja de S. José, que nós pensamos visitar.
…………………………………..…………………………………continua (5)

Rebecca Chase Kinsman, ca.1842, by Charles Osgood.
Credit: Silk Damask.
http://hongkongsfirst.blogspot.pt/2012_02_01_archive.html………

(1) Rebecca Chase Kinsman (1810-1882) mulher de Nathaniel Kinsman, acompanhou o marido (e dois filhos, uma sobrinha e uma criada.) em 5 de Julho de 1843 com o destino: Macau. Rebecca permaneceu em Macau servindo de secretária dos negócios da empresa “Wetmore & Company”. (6). A família viveu em Macau 3,5 anos. Nathaniel morreu em Macau em 1 de Maio de 1847. Rebeca regressou a Salem em Junho de 1847. Tornou-se a casar em 1865 com Joseph Grinnell de “New Bedford”.

Os Jardins das fábricas americanas em Guangzhou c. 1845.
Artista chinês desconhecido
https://en.wikipedia.org/wiki/Old_China_Trade#/media/File:The_American_Garden.jpg

Nathaniel Kinsman (1798-1847), capitão e mercador, (comércio do chá) natural de Salem, Massachusetts, (E.U.A.) após eminência de falência económica, aceita em 1943, uma sociedade com “Wetmore & Company” e é enviado para Cantão (Guangzhou) para dirigir a firma e iniciar uma nova fábrica nesta cidade.
Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/03/17/leitura-macau-no-sec-xix-visto-por-uma-jovem-americana/
(2) “A família compõe-se de Lejee e do contabilista Whitney, sendo este de Nova-York; os amanuenses na repartição são portugueses, que vivem em suas casa. Lejee está na China há 10 anos e no próximo Fevereiro vai à América”. (5)
(3) Igreja, Convento e Forte de S. Francisco
(4) Ermida e Forte da Guia
(5) TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau no Séc. XIX visto por uma jovem americana, p. 53/54.
Sobre Rebecca Kinsman, aconselho trabalhos académicos, consultáveis na net:
“Rebecca Kinsman and the Architecture of Macao, 1843–1847” de Kimberly Sayre Alexander em:
http://worldhistoryconnected.press.illinois.edu/11.1/forum_alexander.html
Interpreting Macao through the Journals of Harriet Low and Rebecca Chase Kinsman” de  Rogério Miguel Puga em:
http://www.academia.edu/867552/Interpreting_Macao_through_the_Journals_of_Harriett_Ltrabalho deow_and_Rebecca_Chase_Kinsman
The Kinsmans: Love and Loss in Nineteenth-Century Macau” de Dane A. Morrison em:
https://www.amdigital.co.uk/about/blog/item/the-kinsmans
(6) William Shepard Wetmore (1801-1862) comerciante do “Old China Trade” (comércio entre o Império Qing e os Estados Unidos após o Tratado de Wanghia (Mong Há) de 1844.
Formou a empresa “Wetmore & Company” com Joseph Archer em 1833 – chá, seda, especiarias, vinhos, pérolas, objectos chineses, porcelanas, etc. Empresa que não alinhou com o comércio do ópio.
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b5/William_Shepard_Wetmore_of_Newport_Rhode_Island.jpg

Foi inaugurado no dia 28 de Setembro de 1894, o Liceu Nacional de Macau criado pelo decreto de 27 de Julho de 1893 (assinado pelo Ministro da Marinha, João António de Brissac das Neves Ferreira), instalado no Convento de Santo Agostinho com uma simples visita do Governador Horta e Costa. Não se realizou nenhuma solenidade por a família real se encontrar de luto. Estiveram presentes na inauguração os professores do Seminário e da Escola Central  (1)
Portaria n.º 92, de 14 de Abril de 1894: «Tendo sido posta em vigor na província por portaria provincial n.º 89 desta data a carta de lei de 27 de Julho de 1893 que criou o Lyceu Nacional de Macau: Hei por conveniente determinar que o edifício do extincto convento de Santo Agostinho seja entregue ao reitor do mesmo Lyceu para alli serem devidamente instalados os estabelecimentos criados pela citada carta de lei»

Convento de Santo Agostinho – o primeiro edifício que albergou o Liceu em Macau

Segundo Pedro Nolasco da Silva, o primeiro a solicitar do Governo da Metrópole a criação do liceu foi D. António Joaquim Medeiros, bispo de Macau. O Liceu era sustentado pelo Governo, mas recebeu para a sua criação de um subsídio do cofre municipal, atribuído pela vereação do
Leal Senado de 1893-1894, no valor de $ 4 000 anuais para a manutenção do ensino. Teve apoio também da Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (subsídio anual de 500 mil reis)
O Regulamento foi aprovado pelo Governador José Maria de Sousa Horta e Costa  por Portaria n.º 164, de 14-08-1894.
No dia 16 de Abril de 1894, no palácio do governo de Macau, foi conferido auto de posse aos seguintes professores:
1.ª cadeira – língua e literatura portuguesa – Horácio Poiares
2.ª cadeira – língua francesa –Mateus de Lima
3.ª cadeira – língua inglesa – P.e Baltazar Estrócio Faleiro
4.ª cadeira – língua latina – João Albino Ribeiro Cabral
5.ª cadeira  – matemática elementar – Wenceslau de Morias
6.ª cadeira – física, química e história natural – Dr. José Gomes da Silva
7.ª cadeira – geografia e história – João Pereira Vasco – tomou posse a 14-05-1894
8.ª cadeira – filosofia elementar – Camilo Pessanha
9.ª cadeira – desenho – Abreu Nunes
O reitor interino foi Dr. José Gomes da Silva.
No mesmo dia e local se fez a primeira reunião do Conselho Escolar, numa das salas do palácio (posta à disposição pelo Governador. Nessa sessão foi resolvido por unanimidade a eleição de Camilo Pessanha como Secretário do Conselho.
Começou apenas com 30 alunos.
O porteiro – Francisco Xavier Brandão
O contínuo – Clementino José Borges
Guarda da Biblioteca – Damião Maximiano Rodrigues (2)
(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(2) Informações retiradas do livro TEIXEIRA, Monsenhor Manuel – Liceu de Macau, 1986.

14-09-1880 – Esta madrugada, pelas duas horas, uma lancha dos postos fiscais chineses fez fogo contra um sampá com carga de ópio, que ia tripulado por dez chineses e navegava pela costa norte da Ilha de D. João. Os chinas do sampá saltaram em terra abandonando a embarcação que foi tomada pela lancha.
Pelas 4 horas, tenho eu sabido que o ataque tivera logar tao próximo da ilha e no sítio denominado “Vai Cap Siac”, e que alguns soldados da lancha andariam na montanha em perseguição dos tripulantes do sampá, embarquei com dois soldados do destacamento e oito remadores com o fim de ir prender os soldados do mandarim.
Quando dobrava a ponta da ilha, vi fundiadas, a uma distância de 100 metros de terra, duas lanchas dos postos fiscais, as quais levantaram logo ferro e seguiram a toda a força em para Macau-Barra, e a outra a Bugio, levando esta a reboque o sampá roubado. Saltei em Vai Cap Siac a fim de procurar os soldados da alfândega chinesa, mas foi-me dito ali, por alguns tripulantes do sampá, a quem encontrei na montanha, que os soldados já tinha retirado não tendo conseguido lançarem mão de nenhum dos seus camaradas.
Consta-me que ficaram feridos dois dos tripulantes da embarcação do ópio”. (1)

MAPA da COLÓNIA DE MACAU, década de 40 (século XX)

O ofício foi enviado (2) pelo Alferes José Correia de Lemos que foi nomeado a 5 de Maio de 1879, Administrador do Concelho das Ilhas (substituto) e Ajudante do Comandante Militar e passou a efectivo a 25 de Agosto de 1879. Seria substituído em 14 de Janeiro de 1890 pelo Capitão José Maria Esteves.
Anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-correia-de-lemos/
(1) TEIXEIRA, P. MANUEL – Taipa e Coloane, 1981.
(2) O Governador a quem se dirige era Joaquim Joze da Graça – 28 de Novembro de 1879 a 22 de Abril de 1883.
Anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joaquim-jose-da-graca/

Tal como o artigo publicado na revista ilustrada “O Occidente” de 1883 (1) sobre o “Palácio do Governo de Macau” e postado já neste blogue em (1), também nesse ano a revista ilustrada “As Colónias Portuguesas” (2) resumia assim a descrição deste palácio:
É um dos principais edifícios das nossas Colónias. Situado proximamente no centro da Praia Grande de Macau foi mandado construir pelo governador falecido visconde da Praia Grande, se bem nos recorda de empreitada por 35 mil pesos.
Não havia então na província engenheiros nem tão pouco serviço de obras públicas. Era urgente fazer-se uma residência para os governadores e nesse tempo principiava o falecido Visconde de Cercal o seu palácio. O governador que conseguira em sua administração tornar replectos de boa moeda sonante todos os cofres da província animou-se a empreender também a construção d´um edifício apropriado. Com um chin mestres d´obras (mata-pau) designou os cómmodos que desejava para esse edifício e estabeleceu as condicções a que devia satisfazer sua construção. Aquelle homem que conhecemos e também já falleceu, como sabia, lá riscou n´um papel pardo, a lápis de côres uma planta e alçado, que depois de soffrer algumas modificações, foi posto em execução.
Tem o edifício de frente, quarenta tantos metros e de suas extremidades seguem perpendicularmente à frente alas que para o lado interior fecham até certa altura o jardim do mesmo palácio, o qual depois é protegido por muros e prédios particulares, sendo os fundos do lado fronteiro ao palácio fechado pelas cavalariças e cocheiras pertencentes ao mesmo, cuja frente fica na calçada, se bem nos recorda, do Santo Agostinho. (1)
Comprehende o palacio dois pavimentos, no inferior, lado direito, são as repartições da secretaria do governo e, lado esquerdo, alojamentos dos oficiaes às ordens e adjudantes dos governadores. Nos fundos, arrecadações e quartos de ordenanças.
No primeiro pavimento à frente, salas de entrada e na primeira, à direita, mais duas sendo a do topo a do docel; à esquerda, de visitas ou dos retratos dos governadores, reservada, a gabinete particular do governador ou seu escriptorio.
(1) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/palacio-da-praia-grande/
(2) In pp. 10-12 de TEIXEIRA, Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, 1982.
(3) O que se conhece hoje por Rua do Padre Luís Fróis – 傅禮士神父街 – começou por se chamar Calçada do P. Fróis. Depois mudou o nome para Calçada do Governador e já mais recentemente recuperou o nome deste jesuíta que viveu algum tempo em Macau.

“A inscrição do Relicário Grande de S. Francisco Xavier, em prata, que está fechado à chave e selado exposto na Igreja de S. José (Seminário de S. José), consta o seguinte:

Aqui está depositada a reliquia do
Glorioso S. Francisco Xavier Apostolo do Oriente
Este relicário foi mandado fazer em Londres por
António Pereira
Seus filhos e noras
E oferecido a
Sé Cathedral de Macau
Em 1.º de Septembro do anno de
1865

Sala «Sacrarium» da Capela de S. Francisco na Igreja de S. José

A relíquia de S. Francisco Xavier que consiste em um grande pedaço de osso do braço do Santo Apóstolo do Oriente e que viera de Goa para a igreja de S. Paulo de Macau, onde se conservou posteriormente à expulsão dos Padres Jesuítas, foi salva do incêndio que destruiu o complexo de S. Paulo a 26 de Janeiro de 1835.
A Relíquia do Braço de S. Francisco estava exposta em S. Paulo durante a batalha contra os Holandeses (24-06-1622).
A 3 de Fevereiro de 1835, foram entregues por António Teixeira Machado Bastos, por parte do Procurador do Leal Senado aos Padres Lourenço Taveira de Lemos e Rafael A de Sousa (nomeados pelo Vigário Capitular para este efeito), três baús de ossos que foram tirados, a maior parte, da parede da capela de S. Francisco Xavier, onde o Bispo D.. Francisco de N. Sra. Da Luz (1) havia depositado e mais alguns bocados de ossos que estavam no Santuário. Entre os objectos entregues estava “o caixilho de prata queimado com a cana do braço do Gloriosos S. Francisco Xavier que se tirou do sítio chamado santuário, de cima da parede, onde estava guardada esta Relíquia…”

Pormenor do braço de S. Francisco Xavier, Macau, Igreja de S. José

Em 19 de Fevereiro de 1835, foi transportado para a Sé Catedral onde se acha inventariada com nota à margem de ter sido, por ordem do Bispo D. António Joaquim Medeiros, (2) e entregue aos Padres do Seminário de S. José para a guardarem.
Essa (e outras relíquias que então estavam no Seminário) foram confirmadas (“comprovativo da autenticidade”) pelo mesmo Bispo.de Macau D. António Joaquim de Medeiros (1884-1897).(3)
Em 1974, a relíquia de São Francisco Xavier juntamente com as ossadas de mártires portugueses e japoneses mortos em Nagasáqui, durante as perseguições no ano de 1597, e as ossadas dos mártires vietnamitas do séc. XVIII, foram transferidas para a Capela/Igreja de S. Francisco Xavier, em Coloane. (4) Posteriormente, o relicário de prata como o osso do braço de S. Francisco Xavier, foi transferido para a Igreja de S. José.(5)
(1) Francisco de Nossa Senhora da Luz Chacim, O. F. M – bispo de Macau de 1804 a
1928.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-francisco-de-n-s-da-luz-chacim/
(2) António Joaquim de Medeiros – bispo de Macau de 1884 a 1897.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-antonio-joaquim-de-medeiros/
(3) Informações extraídas de TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau e a Sua Diocese, Tomo II, 1940, p. 485 – 486).
(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-francisco-xavier/
(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-jose/

Continuação da publicação dos postais constantes da Colecção intitulada “澳門老照片 / Fotografias Antigas de Macau / Old Photographs of Macao”, emitida em Setembro de 2009 pelo Instituto Cultural do Governo da R. A. E. de Macau/Museu de Macau (1)
O templo Lin Fong (Lin Fong Miu -蓮峯廟 (2) ou Templo de Lótus ou, conforme Padre Teixeira “Pagode do Cume da Colina de Lótus”) fica na Estrada do Arco que começa entre as Avenidas do Almirante Lacerda e de Artur Tamagnini Barbosa, em frente da Avenida do Conselheiro Borja, e termina na Estrada da Areia Preta em frente da estrada Marginal do Hipódromo. Era vulgarmente conhecido por Pagode Novo e era ali que ficavam os mandarins quando vinham a Macau. Este templo não deve ter mais de dois séculos, visto ser chamado Pagode Novo em princípios do século XIX. O templo foi restaurado, reabrindo no dia 17-07-1980. (3)
(1) Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/postais/
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-lin-fonglin-fong-miu/
(3) TEIXEIRA, Padre Manuel – Pagodes de Macau, 1982.

Do diário de Harriet LOW   (1)
“6 de Agosto de 1830:
Desejaria dar-te a mais pequena ideia duma procissão que passou aqui esta tarde. Parece que estão a dedicar uma nova igreja ou pagode e fazem grande alarido na cidade. Mas, ainda que enchesse muitas páginas, receio que não te poderia dar uma boa ideia dela.
Em primeiro lugar, não se pode calcular o seu comprimento e a variedade de objectos, vestidos, música, etc. …
Muitos dos vestidos eram esplêndidos, com cores e materiais que podes imaginar, mas num estilo que não pode agradar aos olhos de qualquer pessoa dotada de bom gosto.
Havia mulheres esplendidamente adornadas, montadas em cavalos, indo escarranchadas; rapazinhos ataviados com os chapéus e vestidos mais grotescos, empunhando bandeiras trabalhadas com todo o esplendor e de todas as cores.
Iam crianças suspensas no ar e até parecia que se não apoiavam em coisa nenhuma, tal a forma engenhosa como havia sido aquilo disposto.
Havia ainda uma pequena Vénus, saindo da sua concha, e milhões de outras coisas de que não me posso lembrar.
E então a música! Música, disse eu? Ó céus! Se sons tão dissonantes se podem chamar música, aquilo deve ser o supra-sumo da perfeição, pois não podia haver maior ruído; os gongos batiam horrivelmente de sorte que não se podia ouvir de pessoa alguma, ainda que estivesse perto. Oh! Não devo esquecer-me dos porcos tão interessantes! Pobres porcos assassinados, assados e besuntados para essa ocasião, e levados nos carros.
Havia um cordeiro, pobre animalzinho, todo tosquiado, e colocado num carro como se ainda estivesse vivo.
Seguia-se um porco pronto para ser cortado, outro assado e outro besuntado.
Olha que em todas as procissões de casamento, nos funerais, e não sei que mais, são sacrificados os pobres e inocentes porcos.
Seguiam-se carros cheios de fruta – presentes aos deuses como suponho.”

Macau. 1832.
Gravura de W. Floyd  dum desenho de  W. Purser. Colorido à mão. (2)

(1)  Segundo Padre Teixeira (1) esta procissão seria a “festa anual de T´in Hau” (天后/Mazu/A Má), Imperatriz do Céu Deusa dos Mares/Pescadores, protectora dos pescadores e dos navegantes que ainda hoje em Hong Kong se celebra em Agosto, assistindo até o governador”. (TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau no Séc. XIX visto por uma jovem americana, 1981, p. 38/39.
A Procissão/Festival em honra a T´in Hau – 天后, em Hong Kong, desde 1963, celebra-se no 23.º dia do 3.ª mês lunar do ano (entre finais de Março e Maio dependendo do calendário lunar).
T´in Hau é a protectora do Pagode Da Barra e de grande devoção dos pescadores de Macau.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-tin-hau-coloane/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-tin-hau-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-tin-hau-taipa/
(2) Esta mesma pintura já foi apresentada em anterior postagem com a indicação de “Macau, 1935”
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/04/06/quadros-19th-century-macau-prints-iv-pintura-de-auguste-borget-e-robert-elliot/
Esta indicação “Macao, 1832” retirei-a de:
http://www.antique-prints.de/shop/catalog.php?list=KAT08&seg=2