Archives for category: Notícias

A “Revista Colonial” (1) apresentava no seu número de Junho de 1914, na sua primeira página, um artigo sobre a “Bravura de portuguez”. É relatado a acção de valentia de dois portugueses, guardas do barco “Tai On” que fazia a carreira de Hong Kong para a China e que foi assaltado no dia 27 de Abril de 1914, no Rio Oeste, por piratas. Os guardas foram o macaense Leocádio Jorge da Silva e o antigo soldado da campanha dos cuamatos (2), António Dias.
(1) «Revista Colonial» ano II, n.º 18, 25 de Junho de 1914.
(2) Capitão José A. Alves Roçadas (1865-1926) que foi Governador de Macau (1908-1909), tendo sido nomeado governador do distrito de Huíla no Sul de Angola (1905) iniciou as operações militares de ocupação das terras do povo cuamato (no sul do distrito) onde fundou o Forte Roçadas.

Retirado do BGU, Abril de 1962.

O HOTEL SINTRA EM 1975

Uma nova unidade hoteleira foi inaugurada em Macau, em Abril de 1975, com uma capacidade 300 quartos (actualmente, segundo os anúncios publicitários, hotel de 3 estrelas, com 240 quatros com ar condicionado). (1) Fica na Avenida D. João IV n.º 58 a 62 – 澳門約翰四世大馬路, na esquina com a Avenida Dr. Mário Soares.
(1) Pode-se ver um anúncio deste hotel (actual) na net em
https://www.hotelsintra.com/

O Boletim Geral do Ultramar de Maio de 1969, faz referência a um artigo de 20 páginas publicado na revista «National Geographic» (1) desse ano do jornalista Jules B. Billard (2) e fotos de Joseph J. Scherschel, intitulado “Macao Clings to the Bamboo Curtain
(1) BILLARD, Jules B. – Macao Clings to the Bamboo Curtain. National Geographic 135 April 1969, p. 520-539.
“Macao Clings to the Bamboo Curtain – The West` s oldest trading post on the China coast, this overseas province of Portugal is European in outward appearance but Chinese in spirit and culture.”
(2) Jules B. Billard, jornalista, fotógrafo, escritor, foi durante anos o editor senior da «National Geographic». Faleceu aos 97 anos, em Dezembro de 2012.
http://www.legacy.com/obituaries/washingtonpost/obituary.aspx?pid=162102363#sthash.i92jx7Dd.dpuf
(3) No “Inventário dos Arquivos do Ministério do Ultramar” está arquivado o pedido de visto dos jornalistas  para a entrada em Macau.
http://arquivos.ministerioultramar.holos.pt/source/presentation/conteudo.php?id=PT/AHD/M

Realizaram-se em Tróia (Portugal) (1) de 20 a 25 de Abril de 1990, os VII JOGOS MÉDICOS NACIONAIS. (2) Uma delegação – médicos e um fisioterapeuta (um especial grande abraço a Emanuel Vital) – dos Serviços de Saúde de Macau, participou neste encontro nas modalidades de ténis, ténis de mesa e futebol (de cinco).

Como recordação deste encontro desportivo, uma “T-shirt” com o logótipo dos “Jogos” desse ano.
Dorsal da camisola

(1) A Península de Tróia é uma restinga arenosa com mais de 25 km de comprimento e 0,5 a 1,5 km de largura, no litoral da freguesia de Carvalhal, no concelho de Grândola, entre o oceano Atlântico (a oeste) e o estuário do rio Sado (a leste). A península formou-se nos últimos 5000 anos de sul para norte, desde a Comporta até Tróia em frente à cidade de Setúbal. Encontre na sub-região de Área Metropolitana de Lisboa.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pen%C3%ADnsula_de_Troia
(2) Não sei se ainda se realizam esses jogos. Na Net circula a divulgação de 2012 (30 de Maio a 4 de Abril) – 28.º Jogos Médicos Nacionais. Terá sido a última?

Dentro do intercâmbio desportivo escolar entre Macau e Hong Kong organizado pela «Associação para a Promoção do Desporto Escolar», por Macau e «Hong Kong Schools Sports Council», por Hong Kong, envolvendo sete modalidades desportivas em que os estudantes das duas cidades se encontraram, nas várias datas do ano de 1977, realizaram-se em Hong Kong, nos dias 20 e 21 de Abril, o torneio de ténis de mesa («ping-pong») e o encontro de hóquei em campo. (1)
No Ténis de mesa, as equipas masculina e feminina de Macau venceram: a masculina por 5/0 e a feminina por 3/0.

Entrega dos troféus às equipas de Macau que venceram em Ténis de Mesa pelo Secretário-Adjunto para os Assuntos Sociais e Cultura, Vítor M. de Oliveira Santos.

Em Hóquei em campo, a equipa de Macau perdeu por 4 a 3.

A equipa de hóquei em campo com os seus troféus e galhardetes e os dirigentes, José Vítor Rosário, António Lagariça e José Neves.

NOTA: nesse ano, o encontro de futebol realizou-se também em Hong Kong,no dia 16 de Maio, tenho a equipa macaense perdido por 1 a 0. Coube a Macau organizar a competição de natação, em 30 de Outubro, onde os estudantes macaenses conquistaram algumas medalhas e melhoraram os resultados em confronto com os do ano anterior; a modalidade de Badminton, que se realizou no dia 5 de Dezembro (nesta modalidade quer a equipa masculina quer a feminina de Macau perderam os respectivos encontros); e as modalidades de Voleibol e Basquetebol , nos dias 18 e 19 de Dezembro ( as equipas masculina e feminina perderam em voleibol e a equipa feminina perdeu em basquetebol; somente a equipa masculina ganhou em basquetebol)
(1) Fotos e reportagem de «MACAU B. I. T.» 1977.

Hoje comemora-se o centésimo aniversário do nascimento do Padre Salesiano César Brianza, (1) professor de Música e de Religião e Moral no Colégio D. Bosco. (2) Formado pelo Conservatório Nacional de Lisboa, fundou em 1959 o coral dos “Pequenos Cantadores do Colégio D. Bosco” (3) dirigindo-o durante 16 anos.
Em 1962, juntamente com o Padre Áureo Castro, fundou a “Academia de Música de São Pio X”. O Padre César Brianza também foi orientador artístico da Banda da Polícia de Segurança Pública entre 1966 e 1980.
Em sua homenagem recupero um artigo (não assinado) publicado na Revista “Macau – Boletim de Informação e Turismo, (4) acerca da viagem do Coro «Os Pequenos Cantores» às Filipinas, nos últimos dias do mês de Janeiro e primeiros dias de Fevereiro   de 1976.
Nas Filipinas repetiram os mesmos êxitos. Se bem que com menos demora por estas terras intimamente ligadas à história deste nosso território, as suas qualidades artísticas e particularmente a sua preparação como conjunto coral foram motivos de estranheza admirativa da numerosa assistência que as descobriu nos concertos a que teve oportunidade de assistir. E os aplausos com que sublinhavam o seu entusiasmo e a sua admiração, traduziam o testemunho duma autêntica consagração dos nossos jovens intérpretes duma arte que vence os limites de todas as fronteiras nacionais… (…) que nos pode representar em qualquer parte do mundo…(…)

Os «Pequenos Cantores» na execução dum concerto nas Filipinas

Claro que um bom escultor consegue transformar uma pedra tosca, bruta, dura e informe numa obra prima capaz a de desafiar os séculos e os mais desencontrados gostos humanos. E o padre Brianza, maestro do conjunto, da matéria impreparada que lhe colocaram entre mãos, teve a habilidade de a converter em vozes harmoniosas que arrebatam, com todo o seu poder de emoção, uma assistência inteira… (…)
E as nossas autoridades diplomáticas que, com compreensiva modéstia, se haviam referido ao Grupo, porque não o conheciam, convenceram-se, perante o comprovado nível artístico dos concertos executados, que tínhamos em Macau um conjunto musical de elevada categoria. (…)

Os «Pequenos Cantores» confraternizam com estudantes filipinos, na sua embaixada de arte e amizade.

(1) Foto de «JTM », Uma Vida Ligada à Música, 4 de Abril de 2014
http://jtm.com.mo/local/uma-vida-ligada-a-musica/
(2) “O Padre César Brianza iniciou os seus estudos de piano em Hong Kong sob a égide do conhecido maestro Elisio Gualdi. Partiu depois para Xangai, onde recebeu lições de Kostevich, outro grande maestro, até partir para Lisboa, em 1954, onde tirou o curso de piano no Conservatório Nacional. Dois anos mais tarde partiu para Viena, para um estágio de três meses no Augarten Palaiso, o que lhe permitiu assistir frequentemente aos ensaios do aclamado grupo coral «Viena Boys Choir» “. (1)
(3) “A sua dedicação ao grupo dos Pequenos Cantores em Macau, que fundou em 1959, teve um grande impacto não só nos próprios jovens, como também no território. Conhecido pela sua dedicação, o Padre Brianza conseguiu transmitir aos jovens do Colégio Salesiano Dom Bosco uma confiança na procura de atingir a perfeição, merecendo rasgados elogios em cada actuação. Levar os Pequenos Cantores ao Japão foi um sonho tornado realidade para o padre, mas não se ficou por aqui, havendo outras digressões às Filipinas, Portugal, Singapura e Malásia.” (1)
(4) Macau B. I. T. XI-1-2,1976
Anteriores referências a este sacerdote e à deslocação dos «Pequenos Cantores» ao Japão em:
https://www.google.pt/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-#q=nenotavaiconta+C%C3%A9sar+Brianza&*