Archives for category: Missões

A TODOS UMA BOA PÁSCOA

As cerimónias da Semana Santa revestem-se todos os anos nesta cidade de Macau, da solenidade litúrgica que envolve tão grandiosas manifestações do culto católico. Os templos vestem-se de cores escuras, a pôr no ambiente uma nota de tristeza, e os fiéis acorrem a todas as igrejas paroquiais e demais capelanias a prestar o seu culto reverente àquele estranho Crucificado.
Assim foi em 1955. Na Sé Catedral, as cerimónias presididas pelo Prelado da Diocese desenrolaram-se com o simbolismo real do que, há dois mil anos, aconteceu em Jerusalém.
A imensa mó de gente que percorreu religiosamente as pedras das ruas da cidade acompanhando a Procissão do Enterro do Senhor e que assistiu devotamente ao cerimonial litúrgico da Vigília Pascal renovada, sintetizou a fé arreigada do macaense que sempre teve pelas cerimónias da Semana Santa o mais profundo respeito e a mais sincera e tradicional devoção.

Debaixo do pálio o esquife do Senhor Morto foi transportado através das ruas silenciosas da cidade, aos ombros de quatro sacerdotes, paramentados de alva branca, seguindo atrás O Bispo da Diocese, D. Policarpo da Costa Vaz
Acompanhavam o Senhor até ao sepulcro os seus três dedicados amigos: Sua Mãe, S. João, o discípulo amado e Santa Maria Madalena. A sua compostura e recolhimento inspiram nos fiéis a modéstia cristã que deve pautar a nossa vida de católicos, e simbolizam ainda aqueles que seguem com devoção e sinceridade os caminhos difíceis da salvação.
Macau, cidade tradicionalmente católica, acorreu em peso à Procissão do Enterro do Senhor

O Domingo de Páscoa amanheceu radioso, cheio de sol e de colorido, a exteriorizar o contentamento e alegria de todo o orbe católico pela ressurreição do redentor.
Extraído de «M. B. I.», II -41, 1955.

Extraído de «Boletim do Governo de Macau», 1868.

NOTA: o hábil macaense, Carlos Vicente da Rocha, foi também o autor do engenhoso maquinismo que funcionava com um candeeiro de petróleo e acendeu-se pela primeira vez a 24 de Setembro de 1865, no farol da Guia.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_Santo_Agostinho_(Macau)

O Convento de S. Agostinho (1) foi fundado por frei Francisco Manrique, natural de Espanha, donde partiu para Manila em 1575. Foi ali vigário provincial. Ao deixar este cargo em Março de 1584, embarcou para Macau, em Setembro seguinte, num navio português, de que era proprietário Bartolomeu Vaz Landeiro, no qual vinha o seu sobrinho Vicente Landeiro. O navio foi dar às costas do Japão devido a uma tempestade, e depois de dois meses de demora chegou a Macau, no dia 1 de Novembro de 1584. Foi obrigado a deixar Macau por má vontade que em Macau reinava contra os castelhanos e foi para Malaca. Regressou a Macau onde aportou a 1 de Novembro de 1586, trazendo consigo dois confrades padres Diego Despinal e Nicolau de Tolentim; dirigiram-se ainda a Cantão antes do dia 6 de Julho de 1587, mas foram obrigados a regressar a Macau. Fundou aqui um convento da sua ordem (embora intimidado por muitas oposições locais) em fins de 1586.
Três anos mais tarde, por ordem do rei de Espanha, (22 de Agosto de 1589) o convento passou para os portugueses. O Padre Provincial de Goa, Frei Luís do Paraíso, mandou a Macau o seu comissário Frei Pedro de S. Maria e com ele Frei Pedro de S. José e Frei Miguel dos Santos, que tomaram posse do convento a 22 de Agosto de 1589. Foram estes frades portugueses que em 1591 transferiram o convento (2) para o actual Largo de S. Agostinho e construíram a Igreja anexa de Nossa Senhora da Graça (vulgarmente conhecida por Igreja de Santo Agostinho). Foi reconstruída em 1814. (3)
(1) Anteriores referências da Igreja de Santo Agostinho
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-agostinho/
(2) Embora “Querem outros que só fosse a mudança de algumas portas, e não de todo o corpo do convento, por se não encontar notícia nem vestígios do que se pretende dar por mais antigo
PEREIRA, A. Marques – Ephemerides commemorativas da hostória de Macau, 1868
(3) TEIXEIRA, Pe. M. – Macau e as suas Ilhas , Volume I, 1940

Pequeno livro comprado numa feira de livros usados por 1 euro. (1)
Trata-se da biografia bem documentada do padre Miguel de Carvalho, natural de Braga (nasceu no ano de 1579), padre jesuíta que navegou para o Oriente (Índia, China, Filipinas e Japão) em fins do século XVI, e no primeiro quartel do século XVII e foi martirizado no Japão, por intolerância religiosa do Imperador do Japão. Foi beatificado pela Igreja em 1867 pelo Papa Pio IX. (2)
Estudou no Colégio de S. Paulo em Braga, onde completou os estudos de latim e de retórica, foi enviado pelos pais para finalizar a formação na Universidade de Coimbra. Abandonou a Universidade para ingressar aos 18 anos na Companhia de Jesus, em Coimbra. Em 1597 estava em Campolide (Lisboa) onde esteve seis anos como noviço. Em 31 de Agosto de 1599 (ou talvez 8 de Setembro) emitiu os seus votos religiosos. Partiu em 1599 (3 de Setembro) em direcção a Goa (demora média de seis meses). Recebeu a ordenação sacerdotal em Goa (1602 ou 1603). Lecionou em Goa, Teologia desde 1605 a 1620. A seu pedido já na casa dos 40 anos partiu para evangelização ao Japão. A caminho de Macau já ao largo do litoral da China, a galeota foi atacada por uma nau inglesa e o capitão decidiu salvar vidas do que ser cativos dos piratas ingleses, pelo que varreou a galeota para terra onde toda a carga se perdeu. Caminharam com os pés nus, calcorrearam léguas e mais léguas pelas praias ermas e penhascos da China até Macau. Chegaram magros e exaustos ao Colégio da Madre de Deus.
Em Macau iniciou estudos de japonês. Permaneceu em Macau desde Junho ou Julho de 1620 até fins de 1621 onde foi professor de Teologia no Colégio de S. Paulo.
Dado que as autoridades portuguesas não permitirem o embarque aos missionários por causa da perseguição religiosa iniciada pelo Xogun Ieiasu, em 1614, o Padre Miguel em 1622, vestiu-se de soldado português da Índia e navegou até Manila (na altura possessão espanhola) e dali seguiu para o Japão. Chegou a Nagasáki em Agosto de 1622. Em Julho de 1623 foi preso. E ficou no cárcere durante treze meses, até ao martírio, por imolação em Omura, a 26 de Agosto de 1624.
Deixou uma carta de despedida à família, (endereçada ao seu irmão Simão de Carvalho) escrita dois dias antes do martírio, a 24 de Agosto de 1624. Só em 1626 a carta chegou a Braga (a 2.ª via, pois a 1.ª extraviou-se. Era costume enviarem-se cartas em navios diversos). (3)
(1) PINA, A. Ambrósio de, S.J. – Nos Horizontes da Índia e do Japão … Agência Geral do Ultramar, n.º 16, Figuras e Feitos de Além-Mar, 197, 156 p. Edição comemorativa da Beatificação do mártir e missionário Miguel de Carvalho. (18 cm x 11,5 cm x 1 cm).
(2) Os designados de “Beatos Mártires do Japão”: são 205 beatos mártires que morreram entre 1617 a 1632 na perseguição movida pelos Xoguns Hidetada e Iemitsu em Nagasáki e Tóquio, beatificados por Pio IX, a 7 de Julo de 1867. São 166 cristãos leigos e 39 sacerdotes. Destes 13 eram jesuítas, 12 dominicanos, 8 franciscanos, 5 agostinhos e um diocesano japonês. Dos 13 Jesuítas, cinco eram portugueses.
https://martiresdojapao.wordpress.com/
(3) Esta carta esteve pela primeira vez em exposição integrada na programação cultural que o Museu de São Roque (da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa) organizou aquando da estreia do filme “Silêncio” de Martin Scorsese, em Fevereiro de 2017.

O cemitério de S. Miguel foi inaugurado no Dia de Finados, a 2 de Novembro de 1854. Anteriormente a esta data, os mortos eram sepultados no cemitério de S. Paulo. Como este estivesse muito arruinado e as paredes ameaçassem desmoronar-se, em 14 de Outubro de 1852, o governador Isidoro Francisco Guimarães por portaria, ordenou um empréstimo sem juros, por subscrição pública (que chegou a 720 patacas oferecidas por nove cidadãos, concorrendo o governo com 230 patacas) para construção dum novo cemitério a ser construído fora da porta da cidade.
O sítio escolhido foi num pequeno outeiro, o actual Cemitério de S. Miguel.
Excerto do relatório do Padre Francisco Anacleto da Silva, administrador do cemitério de S. Miguel, (1) nomeado presidente duma comissão em 1867, pelo governador José Maria da Ponte e Horta, para avaliar o estado do cemitério de S. Miguel e propor os melhoramentos necessários.
“Antigamente se enterrava nas igrejas e os rendimentos ficavam para a fabrica das mesmas, porem por decreto de 21 de setembro de 1835 foi prohibido esses enterramentos, e mandou se estabelecer cemitérios muralhados em todas as povoações e fora dos limites dellas, passando a sua administração ao municipio.
Em Macau, ao que parece, foi em 1836 que se observou esse decreto aproveitando-se para esse fim, as ruínas da igreja de S. Paulo, incendiada em 1835. Este cemitério foi construído pela Santa Casa de Misericordia, e depois reclamado pela autoridade ecclesiastica, indemnizando-a das despezas que nelle fizeram…” (2)
Do mesmo relatório, na conclusão, a Comissão propunha o seguinte:
A capela de maiores dimensões e com melhor ventilação”, proposta pela comissão só foi construída e inaugurada em 5 de Junho de 1875 pelo Governador do Bispado António Luís de Carvalho tendo a planta desse edifício sido desenhada pelo Barão do Cercal. (3)

A capela do cemitério de S. Miguel Arcanjo, um dos poucos edifícios de Macau em estilo manuelino, no ano de 1956 (4)

(1) A Administração do Cemitério de S. Miguel Arcanjo até 27 de Novembro de 1868 estava a cargo da Diocese; a partir desta data, a administração e a manutenção do cemitério foi transferida para o Leal Senado.
(2) «Boletim do Governo de Macau e Timor», Vol. XIV, n.º 14 de 6 de Abril de 1868.
(3) Ver anterior postagem em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/06/05/noticia-de-5-de-junho-de-1875-inaugura-cao-da-capela-do-cemiterio-s-miguel/
(4) «MBI» IV-79, 15NOV1956.

 A nova «Escola do Santíssimo Rosário / :聖玫瑰學校»  situado na Rua de S. Paulo (1), foi inaugurado no dia 14 de Janeiro de 1973.
O moderno edifício escolar destinado ao ensino infantil e primário, substitui um casarão velho e em ruínas que já não oferecia nenhumas condições de funcionamento. Este edifício tem 18 salas, amplas, bem arejadas e iluminadas. No dia 2 de Janeiro de 1973 começaram a funcionar as aulas já no novo edifício.
Nesse ano lectivo estava matriculados 400 alunos, de ambos os sexos. O seu director era o Padre Elias Marçal Periquito, S.J., há longos anos em Macau.(2)
Presidiu à inauguração o Bispo de Macau, D. Paulo José Tavares, tendo assistido representantes de ordens religiosas, masculinas e femininas que exerciam o apostado em Macau.

Paulo José Tavares, Bispo de Macau, procede à bênção das instalações da nova escola.
Na foto (esq para dir): ????, Pe. Joaquim Guerra, Bispo Paulo Tavares, Pe. Elias Periquito , Pe João Guterres, ????

A Diocese de Macau que exercia (e ainda exerce) um papel muito importante no ensino em Macau particularmente no sector da população chinesa tinha no ano de 1973 cerca de 22 250 alunos sendo 10 925 rapazes e 11 325 raparigas, distribuídos por 37 edifícios escolares, neles funcionando 87 escolas, assim discriminadas: 29 escolas infantis; 35 escola primárias; 17 escolas secundárias-liceais; 1 escola normal; 1 escola de enfermagem (Escola de Enfermagem das Franciscanas Missionárias de Maria desde 1958); 2 escolas profissionais; 1 academia de música e 2 seminário menor. Pertenciam ao quadro de professores 808 elementos leigos.

Um grupo de pequenos que se exibiu no dia da inauguração
Recreio no largo terraço da escola

(1) No princípio de 1954, o Padre Joaquim Guerra, S.J. que foi expulso da China em 1952, fundou o Centro de Nossa Senhora do Rosário. Destinava-se a dispensário e catecumenato. Presidiu à inauguração o Bispo D. João de Deus Ramalho. Era um rés-do-chão dum prédio na Rua de Estalagens n.º 5. Devido a dificuldades económicas, em Setembro deste ano, o dispensário deixou de existir, passando a funcionar ali uma pequena escola para os pobres do bairro. Mas no segundo semestre, os alunos eram já uns cem pelo que em 7 de Outubro de 1954 transferiu-se para o n.º 37 da mesma rua, um prédio de três andares. No ano escolar de 1955/56 contava com 200 alunos e 4 professores. Em Março de 1958, a Escola do Rosário estabeleceu-se definitivamente na Rua de S. Paulo, ocupando três casas contíguas, de igual construção, os n.ºs 39, 41 e 43.

http://www.oclarim.com.mo/en/2016/06/17/escola-do-santissimo-rosario-to-close-in-2017/

Após o ensino de 62 anos, o estabelecimento escolar fechou as portas a 1 de Setembro de 2017, após a conclusão do ano lectivo de 2016/2017. Aquando do fecho possuía educação secundária, primária e um jardim de infância, com 25 professores e um total de 80 alunos (nas décadas de 70 e 80 devido à «onda migratória» chegaram a ter cerca de mil alunos) e a razão  apontada pela Diocese foi a diminuição progressiva do número de alunos. Também terá contribuído para o fecho o alegado uso abusivo, não autorizado pela Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) do método pedagógico “Montesson” (Taiwan) (3)
(3) «Jornal Tribuna de Macau» 10 de Junho de 2016 – Escola do Santíssimo Rosário tem os dias contados
http://jtm.com.mo/local/escola-santissimo-rosario-tem-os-dias-contados/
(2) O Padre Elias Marçal Periquito, S.J., ficou encarregado da Escola desde Março de 1959, porque o anterior, o Padre António Tam ficou encarregado da Escola Estrela do Mar.
Informações e fotos (preto e branco) extraídos de:
TEIXEIRA , Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982.
«Macau, B. I. T.» VIII-11/12, 1973.

Antes do Baptizado das praças indígenas

Realizou-se na Gruta de Nossa Senhora de Fátima do Aquartelamento de Mong-Há, no Dia de Reis, o baptizado de algumas praças indígenas de Angola e da Guiné em serviço na guarnição militar e Macau. Neste dia de 6 de Janeiro de 1951, 24 praças de Angola e 16 da Guiné tornaram-se cristãs . A cerimónia foi presidida pelo Bispo, D. João de Deus Ramalho (1) e foi coadjudado pelos Padres: Cónego Morais Sarmento, Cónego Fernando Maciel, Capitão Capelão João Abranches (Chefe dos Serviços Religiosos da Guarnição), Pe. António Gonçalves, Pe. Benjamim Videira Pires e Pe. Juvenal.

Durante a cerimónia

A vasta parada do Aquartelamento de Artilharia de Mong Há encontrava.se repleta, assistindo grande quantidade de povo, além das deputações de todas as Unidades da Guarnição.

Outro aspecto da cerimónia

Foi depois servido, no quartel da Companhia Indígena de Caçadores da Guiné, (2) um «copo de água», oferecido pelo Comandante e Oficiais desta Unidade tendo-se trocado discursos entre o Comandante da zona de Aquartelamentos Major José J. da Silva e Costa e o Bispo D. Joaõ de Deus Ramalho. (3)

O bispo D. João de Deus Ramalho, baptizando um dos praças

Este evento foi também noticiado no «Boletim Geral das Colónias» de Março de 1951 (4)
(1) O Bispo da Diocese era D. João de Deus Ramalho – 罗若 (1890-1958). bispado de 1942-1954; Bispo Emérito de Macau entre 1954 e a data da sua morte. Jesuíta, chegou a Macau em 1924, tendo sido colocado em 1926 como missionário de Shui-Hing (Zhaoqing) – 肇庆 tendo chegado a Superior e Vigário Geral da missão em 1940 Nomeado Bispo de Macau em 1942, foi importante a sua acção missionária durante a Guerra do Pacífico, acolhendo, ajudando e alojando (comprou casas para o acolhimento dos refugiados) os refugiados entre os quais se encontravam missionários que estavam nos territórios vizinhos.
Ver anteriores referências a este Bispo em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/d-joao-de-deus-ramalho/
(2) A 1.ª Companhia Indígena de Caçadores Expedicionária da Guiné desembarcou a 9 de Abril de 1949 em Macau e foi colocada na Taipa sob o comando do capitão de Infantaria Manuel Maria Pimentel de Bastos. (5) Em 7 de Abril de 1950 recolheu da Taipa e fixou-se nas Barracas metálicas de Mong Há e depois no Asilo de Mong Há até ser extinta em 28 de Junho de 1951, por embarque no N/M Rovuma (1 oficial, 2 cabos e 200 praças indígenas)
O Batalhão de Caçadores n.º 1 e n.º 2 destacado de Angola chegaram a 13 de Setembro de 1949, no navio Colonial.
As várias Companhias integrantes do Batalhão n.º 1 ficaram nas Ilhas: Coloane e Taipa (após a saída da 1. ª Companhia Indígena de Caçadores Expedicionária da Guiné). Algumas Companhias terá mudado para Macau. Foi extinta em 28 de Junho de 1951, por embarque no N/M Rovuma (5 oficiais, 6 sargentos, 9 cabos e 650 praças indígenas).
As Companhias do Batalhão n.º 2 ficaram em Macau (aquartelamentos de San Kiu, Porta do Cerco, Mong Há). Uma Companhia que estava em Mong Há mudou-se para Coloane. Foi também extinta em 28 de Junho de 1951, por embarque no N/M Rovuma ( 8 oficiais, 12 sargentos, 17 cabos e 683 praças indígenas) (CAÇÃO. Armando A. A. – Unidades Militares de Macau, 1999)
(3) Extraído texto e fotos de «Mosaico» Vol I-6, Fevereiro 1951.
(4) «BGC» XXVI-309 MAR1951 p. 167
(5) Manuel Maria Pimentel de Bastos, capitão de infantaria, poeta, enquanto expedicionário em Macau, teve uma intervenção cultural significativa no território. Foi o primeiro Vice-Presidente da Direcção para o ano de 1950 (e um dos fundadores) do “Círculo Cultural de Macau”.
Referências anteriores em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-m-pimentel-bastos/

A TODOS, UM ANO DE 2018 CHEIO DE SUCESSOS.

Aspecto dos cumprimentos ao Sr. Governador de MacauExtraído de «BGC» XXVI – 297, 1950.