Archives for category: Forças Militarizadas
Extraído de «TSYK» III ano, n.º 1, de 5 de Outubro de 1865 p. 2
Extraído de «TSYK» III ano, n.º 2, de 12 de Outubro de 1865 p.6

NOTA – o termo “garrar” utilizado na marinha significa:  ir a embarcação à mercê da água por ter rebentado a amarra ou por a âncora não ficar presa.

Ver a mesma notícia e outras referências deste farol em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/09/24/noticia-24-de-setembro-de-1865-farol-da-guia/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/farol-da-guia/

Extraído de «BGPMTS»,  I-49 de 22 de Setembro de 1855, p. 196

No dia 16 de Setembro de 1855, faleceu (“uma apoplexia fulminante“) o 1.º tenente da armada Pedro José da Silva Loureiro, nascido em Ponta Delgada a 29-06-1792, capitão do Porto de Macau. Foi sepultado no Cemitério de S. Miguel. Filho de José da Silva de Loureiro (1745-1820) e de Genoveva Flora Joaquina da Cunha (1753-1833) ambos nascidos e falecidos em Ponta Delgada, Pedro José da Silva Loureiro chegou pela primeira vez a Macau, como guarda marinha, acabando por fazer quase toda a sua carreira militar no Oriente. A 5-04-1824 foi promovido a 2.º tenente da Armada e a 1.º tenente a 19-10-1853, sendo reformado em capitão de fragata da Armada de Goa.

Foi durante alguns anos capitão do porto de Macau sendo encarregado pelo Governador Ferreira do Amaral de construir o forte da Taipa que marcou a ocupação definitiva daquela ilha. Foi também comerciante, sendo eleito almotacé da Câmara em 1827. Casou em Macau (S. Lourenço) a 12-04-1826 com Ana Rosa Inocência do Espírito Santo Pereira de Almeida. Tiveram 16 filhos. (1) Quatro dele, Luís, Pedro, Francisco e Eduardo frequentaram o Seminário de S. José em 1840, segundo diário do Padre Leite (2)

Extraído de «BGPTMS»,  I-51 de 6 de Outubro de 1855, p. 202

 A primeira filha do casal, Genoveva Rosa Joaquina do Espírito Santo Loureiro (1827- ? )  casou na capela da Residência do Governador com Isidoro Francisco Guimarães (1808-1863), governador de Macau (1851-1863), capitão de mar-e-guerra, do Conselho de S. M. F., e visconde da Praia Grande de Macau. (3)

 (1) Informações biográficas recolhidas de FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, II Volume. ICM, 1996, pp. 411-412.

(2) SILVA, Beatriz Basto da Silva – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995

(3) Anteriores referências a este governador em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/12/10/noticia-de-10-de-dezembro-de-1862-visconde-da-praia-grande/

Extraído de «BGM»,  IX – 40 de 7 de Setembro de 1863, p. 16

NOTA: A Galera «Deslumbrante» trouxe um contingente de tropas, sob o comando do Alferes António Baptista Tassara, tendo saído de Lisboa, em 10 de Maio.

Ver anterior referência à galera «Deslumbrante» em https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/25/noticia-de-25-de-outubro-de-1863-promessa-da-tripulacao-e-passageiros-da-galera-deslumbrante/

Uma estação Policial da Rua da Felicidade estava instalada no pavimento inferior dum prédio onde no piso superior funcionava um lupanar e era sítio de jogo, onde “reina grande bulha até alta noite” não permitindo a um pobre praça de armas recolher do seu serviço e ter alguns momentos de sossego … Havia já nessa altura um Regulamento para as meretrizes e casas toleradas de Macau actualizado em 20-01-1873

Extraído de «A Liberdade», I-7 de 30 de Agosto de 1890, p. 3

Extraído de «O Portuguez na China», Vol. 2, n.º 51 de 3 de Setembro de 1840, n.º 1

José de Arriaga Brum da Silveira (21-07-1810/29-08–1840), capitão da Infantaria do Batalhão Príncipe Regente, (1) faleceu aos 30 anos, um mês e 4 dias de idade, deixando a viúva de 18 anos de idade, Maria Antónia Joaquina de Abreu e Silva (1822-1891) casamento em 03-05-1836 (2) e um filho de 2 anos de idade, António José de Arriaga Brum da Silveira. (3) “Recebeu o foro de fidalgo cavaleiro da Casa Real e a comenda da Ordem de Cristo, quando tinha 2 anos de idade, em atenção aos relevantes serviços prestados por seu pai; foi também cavaleiro da Ordem de N.ª Sr.ª da Conceição de Vila Viçosa” (4)

José de Arriaga é filho (2.º do casamento) do ouvidor Miguel José de Arriaga Brum da Silveira (1776-1824) (5) e de Ana Joaquina de Almeida (filha de Januário Agostinho de Almeida, um dos maiores armadores macaenses, no seu tempo, com vastos interesses no comércio do ópio e futuro Barão de São José de Porto Alegre).

(1) José de Arriaga Brum da Silveira, primeiro tenente da Companhia de Artilheria, foi promovido a Capitão em 02-05-1838. (Ordem do Exército n.º 21 do QG em Paguim)

Arquivos de Macau 3.ª série VOL XVIII n.º 4 de OUT1972, p. 199

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/02/17/noticia-de-17-de-fevereiro-de-1867-casamento-na-igreja-de-s-lourenco/

(3) António José de Arriaga Brum da Silveira, nasceu na freguesia de Santo António em 29 de Julho de 1838. Casou com Carolina Antónia de Arriaga e Silva (1846-1930) e tiveram 8 filhos. Faleceu a 1 de Abril de 1922 na freguesia da Sé. “ Era funcionário público e «pensionista do estado em terceira vida» (pensão concedida , em três vidas, ao seu avô)” (5)  

(4) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses Volume I, p. 280

(5) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/miguel-de-arriaga-brum-da-silveira/

Sobrescrito de 1.º dia -11,4 cm x 16,2 cm (C6). Preço: 1, 5 pataca

No dia 28 de Agosto de 1986, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram em circulação selos postais alusivos à emissão “ Meios de Transportes”. (1) Trata-se de uma continuação da emissão de selos sob o tema “Meios de Transporte “ iniciado em 1984 com os “Barcos de Pesca” e terminado com os “Hidroaviões” (já publicados em anteriores postagens) (2)

As embarcações tradicionais chinesas utilizadas no transporte de passageiros entre Macau e os portos vizinhos, designavam-se genericamente por “TOU”, como qualquer embarcação de carreira, e eram construídas em madeira e de propulsão à vela. Algumas  dispunham também de uma roda da pás à popa , accionada pelos tripulantes por meio  de pedais. Os barcos de passageiros que demandam actualmente (1986) Macau são todos de propulsão a motor, e na sua maior parte fazem uso das mais modernas técnicas de sustentação dinâmica, que lhes permite reduzir do casco na água, e alcançar velocidades de cruzeiro muito elevada, com economia de combustível.” (3)

Os quatros selos desta emissão são nos valores de 10 avos (hidrofoil), 40 avos (hovermarine), 3,00 patacas (jetfoil) e 7,50 patacas (high speed ferry). Os desenhos são de  Ng Wai Kin

HYDROFOIL – é uma embarcação rápida propulsionada poe hélice, que utiliza uma técnica moderna de sustentação dinâmica. Navega à velocidade de cruzeiro de 33 nós, apoiando-se em estruturas rígidas, de formas finas, que mantêm o casco numa posição elevada em relação à superfície da água, quando em movimento rápido. O modelo em uso nas carreiras de Macau tem 30,4 m de comprimento, 5,8 m de boca e um calado que varia entre 4 m, quando parado, e 1,96m, quando em cruzeiro, e tem uma lotação de 126 passageiros, fazendo o percurso entre as duas cidades em aproximadamente 1 hora e 15 minutos. (3)

HOVERMARINE – é uma embarcação rápida, propulsionada por hélice, que navega sobre uma almofada de ar gerada pela moderna técnica de insuflação de ar no casco, especialmente adaptado, elevando-o acima da superfície da água. O modelo em uso nas carreiras de Macau é constituído em fibra de vidro reforçada, tem uma lotação de 200 passageiros e dispõe de dois motores diesel propulsores que lhe dão velocidade de cruzeiro de 36 nós, com autonomia para 200 milhas. Tem 27,2 m de comprimento, 10,2 m de boca e 1,4 m de calado quando em elevação. Faz o mesmo percurso em cerca de 1 hora. (3)

JETFOIL – é uma embarcação muito rápida que utiliza as modernas técnicas de propulsão por jacto de água e de sustentação dinâmica. Navega à velocidade de cruzeiro de42 nós, apoiando-se em estruturas rígidas, de formas finas que, quando em deslocamento rápido, mantém o casco numa posição elevada acima da superfície da água, a uma altura regulável, come estabilização automática. Tem uma lotação de 260 passageiros, cobrindo a distância entre Macau e Hong Kong em cerca de 50 minutos. As suas dimensões são: 27, 4 m de comprimento, 9,14 m de boca e 5,18 m de calado imobilizado que se reduz a 1,52 m à velocidade de cruzeiro. (3)

HIGH SPEED FERRY – é um navio convencional que atinge altas velocidades de cruzeiro para o seu tipo, devido à grande potência instalada: 12000BHP para uma tonelagem bruta de 1136 ton, atingindo uma velocidade de cruzeiro de 27 nós., fazendo o percurso entre Macau e Hong Kong em cerca 1 hora e 30 minutos. Tem uma lotação de 660 passageiros e as suas dimensões são: 57,79 m de comprimento, 10,20 m de boca e 2,66 m de calado (3)

Da folha lembrança n.º 22, sobrescrito do 1.º dia de circulação, com o seu motivo e a reprodução dos selos e da obliteração de 1.º dia.
Dados Técnicos

(1) Foram emitidos nesse dia, 4 postais com o mesmo motivo, ao preço de 60 avos.

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes-ii/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/10/09/noticia-de-9-de-outubro-de-1989-1-o-dia-de-circulacao-meios-de-transpor-tes-tradiconais-hidroavioes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/07/15/noticia-de-15-de-julho-de-1988-filatelia-meios-de-transportes-tradicionais-2o-grupo/

(3) SOARES, Comandante António Martins  ( Director dos Serviços da Marinha) in folha lembrança n.º 22 do C.T.T.

Entrou em Macau no dia 23 de Agosto de 1708, desgovernada e desmastreada por um tufão que a assaltara, a fragata Nossa Senhora das Neves que vinha de Goa, comandada pelo capitão-de-mar-e-guerra Jerónimo de Mello (Pereira), trazendo como passageiros, feitor por sua Magesta Miguel Pinto, Tenente D. Henrique de Noronha e o Capitão de Infantaria António de Albuquerque Coelho, (1) que mais tarde seria Governador de Macau. (2) (3)  

A fragata entrou no porto desarvorada, sem mastros nem leme, e a ré sem beque, (e, por isso, saracoteando-se) sendo precizo ir (outras) em embarcações rebocá-la para dentro, por cauza do grande temporal que apanhou na altura de 19 graos (golfo de Tonquim, junto à ilha de Hainão). Ficou em Macau, de invernada para se consertar” (4)

“A fragata N.ª Sra.ª das Neves, de Sua Majestade (ou do estado da Índia, a que Macau e Timor estavam sujeitos), chegou pela primeira vez à cidade do Nome de Deus, na primeira metade de Agosto de 1703 sob o comando do capitão-de-mar–e-guerra Luís Teixeira Pinto e trazendo o governador e capitão-geral desta cidade José da Gama Machado (tomou posse a 15-08-1703).  Recolheu a fragata a Goa, antes do Inverno, levando o governador cessante (Pedro Vaz de Sequeira). No dia 23 de Agosto de 1708, o mesmo barco de guerra chega de Goa… (…). A sua oficialidade, entretanto, causou grande inquietação na Cidade do Nome de Deus. Foi o caso do célebre romance amoroso entre António Albuquerque Coelho (1) e a órfã Maria de Moura. A infantaria da fragata, com o seu comandante, aquartelou na Casa de Campo de S. Francisco (que, por volta de 1780, era de Francisco Josué, natural de Vila do Mato, Beira, e seu pai; em 1801, de um filho do mesmo nome). Albuquerque demorou-se em Macau, com os seus soldados e a fragata, até ao 1.º de Agosto de 1714, dia do enterro, na Igreja de S. Francisco, de sua esposa, falecida do segundo parto. Em 13-11-1715, a Sr.ª das Neves já não existe por talvez nunca se ter recomposto do temporal que a colheu, em 1708, e da invernada seguinte em Macau.” (3)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-albuquerque-coelho/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/23/noticia-de-23-de-agosto-de-1708-fragata-nossa-senhora-das-neves/

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1952

 (3) PIRES, Benjamim Videira – A Vida Marítima de Macau no Século XVIII, 1993, p. 26

(4) BRAGA, Jack  M.  – A Voz do Passado, 1987,p.25

A data consagrada à memória do grande bombeiro português Guilherme Gomes Fernandes (1) – 20 de Agosto – foi, como nos anos anteriores, aproveitada pelos briosos bombeiros municipais de Macau para assinalar o «Dia do Bombeiro». Constantes dum programa cuidadosamente elaborado, os festejos deste ano tiveram brilhantismo especial, dada a presença honrosa de mais de 30 bombeiros de Hong Kong que se deslocaram a Macau, propositadamente, para assistirem às comemorações. Agrupados em duas deputações, os bombeiros visitantes pertenciam à «Hong Kong Fire Brigade» e ao «Auxiliary Fire Service», os primeiros sob o comando de Lee Pin Cheng e os últimos comandados por Henry Cheng, totalizando as duas deputações 34 homens.

Durante a romagem ao monumento-ossário dos bombeiros

De manhã foi hasteada, no mastro do quartel dos bombeiros municipais, a bandeira da corporação. Pelas 8.30 horas, o Revdo. Cónego Fernando Maciel celebrou, na capela do Cemitério de S. Miguel, uma missa em sufrágio das almas dos bombeiros falecidos, após o qual, houve uma romagem ao monumento-ossário dos bombeiros, onde várias individualidades depuseram coroas de flores naturais e onde foi observado um minuto de silêncio. Pelas 13 horas, no quartel, perante a formatura dos bombeiros, o comandante do Corpo, Sr. Manuel Dimas Pina, leu um trecho sobre a vida e personalidade de Guilherme Gomes Fernandes, cujo valor foi enaltecido com justiça.

O Bispo de Macau, benzeno, no Largo do Senado, a nova autobomba

Pelas 17 horas, no Largo do Senado e imediações, juntou-se uma enorme multidão que ali assistiu à bênção duma nova autobomba «Dennis», adquirida pelo Município de Macau para o serviço dos bombeiros. A bênção da nova viatura foi dada pelo Ver. Bispo de Macau, D. Policarpo da Costa Vaz, tendo a Da. Laurinda Marques Esparteiro servido de madrinha que pronunciou na ocasião as seguintes palavras: «Que a Divina Proveniência acompanhe sempre esta autobomba e todos os que a manejarem na sua nobre e humanitária missão». Em seguida, as viaturas do Corpo de Bombeiros Municipais desfilaram ao longo da Avenida Almeida Ribeiro, vindo prestar continência ao Governador e principais autoridades da Província, próximo do edifício do Leal Senado, em cuja varanda se encontravam.

Milhares de pessoas assistiram, no Largo do Senado, à demonstração do potencial de água

No Largo do Senado e circundando o monumento de Mesquita, houve, seguidamente, uma demonstração do potencial de água, com 12 agulhetas habilmente manejadas pelos bombeiros, demonstração que entusiasmou grandemente a enorme assistência.

No campo desportivo da Praia Grande (antigo campo dos operários; hoje ocupado pelo Hotel Grand Lisboa), realizou-se um encontro de bolinha entre o Grupo Desportivo «Negro- Rubro» e a equipa da «Hong Kong Fire Brigade», o qual terminou pela vitória do primeiro, que ganhou por 6-2. À noite, no quartel da corporação, foi servido um jantar a que assistiram os bombeiros de Hong Kong e de Macau, representantes da Imprensa e outros convidados. A festa terminou com uma animado sarau musical, levado a efeito pelo grupo «Negro-Rubro».” (2)

(1) Guilherme Gomes Fernandes (1850- 1902). Fundador, em Portugal, da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários (1874-75) e do Corpo de Salvação Pública, foi nomeado Comandante do Corpo de Bombeiros em 1877 e Inspector de Incêndios do Porto em 1885. De seguida, transferiu-se para a Companhia de Incêndios (designada Corpo de Salvação Pública a partir de 1889 e Batalhão de Sapadores Bombeiros de 1946 em diante), assumindo o cargo de comandante. Biografia mais completa em: https://ahbvvc.com/pt/guilherme-gomes-fernandes

(2) Retirado de «MBI», III-50 de 31 de Agosto de 1955, pp. 5-6 https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/09/30/leitura-corpo-de-bombeiros-municipais-de-macau-em-1955/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/08/18/noticia-de-18-de-agosto-de-1953-dia-do-bombeiro/

Duas fotografias de Macau, 1924, com legendas.

Extraído de «Aurora Macaense», Vol. I, n.º32 de 19 de Agosto de 1843