Archives for posts with tag: 1954

No dia 25 de Julho de 1954, o «Circulo Cultural de Macau» (CCM) realizou na noite, no Teatro D. Pedro V, um concerto de música europeia por artistas chineses de Hong Kong. “Esta iniciativa do Presidente do C. C. M., Dr. Pedro José Lobo, conhecido compositor e incansável animador de todas as manifestações de carácter cultural e artístico, foi extraordinariamente interessante, porquanto veio revelar ao público de Macau a existência dum apreciável grupo de chineses que, na vizinha colónia, cultivam a sério e com êxito a música europeia.

De entre este grupo destaca-se a mezzo-soprano Esther Chou, cantora de boa escola e possuidora duma voz bem colocada e com bom timbre. No conhecido cantabileMon coeur s´ouvre à ta voix» da ópera «Sansão e Dalila» de Saint-Saens, mostrou ser senhora não só de uma boa dicção como dos segredos de difícil arte de cantar. (…) Esta artista foi bisada, na canção chinesa «Os Três Desejos a uma Rosa» de Wang Tze, um lied de escrita europeia mas caracteristicamente oriental, no desenvolvimento da sua linha melódica.

Esther Chou interpretou, igualmente, com muito agrado, a conhecida e inspirada «Ave Maria» do Dr. Pedro José Lobo. Evidenciou-se também, neste concerto, o violinista Raymond Huang diplomado pelo Royal Conservatory of Music e Trinty College of Music de Londres. Este artista revelou possuir bom comando do arco, interpretando com sobriedade, rigorosa afinação e boa compreensão musical as peças que executou, acompanhado pelo professor Harry Ore sendo de salientar o mimo e a elegância que tão bem soube imprimir à deliciosa peça «Lindo Sorriso» do Dr. Pedro José Lobo, bem conhecida de todos os apreciadores de boa música, por se encontrar gravada, na magnífica interpretação de Silva Pereira-Varella Cid. Prestaram também o seu concurso a este concerto o barítono Chow Wai Sun, possuidor duma voz boa voz mas sem grande colorido; a soprano Elizabeth Leigh que mostrou ter um órgão vocal bastante cultivado; o violoncelista Ricardo Chan, senhor duma técnica segura e bem trabalhada; a pianista Ruby Woo, aluna do professor Lazarev que, por sua vez, foi discípulo de Rachmaninoff; e o tenor John Sun, que cantou de forma a agradar. Além do Professor Harry Ore acompanharam os artistas as pianistas Ruth Chow e Winnie Ling”. (1)

(1) Extraído de um artigo não assinado, publicado no «Macau Boletim Informativo», Ano I, n.º 24 de 31 de Julho de 1954, pp. 6-7)

“Esta modalidade (futebol em miniatura), já tanto em voga entre nós, conta nesta terra milhares de adeptos. Quase que não há encontro de futebol em miniatura que não atraía ao Campo Desportivo da Praia Grande numerosos espectadores. Esta curiosa inclinação do público local tornou-se bem evidente nos passados dias 19 e 20, quando da visita a Macau do famoso grupo chinês «Sete Tigres», de Hong Kong. Encheu-se completamente o vasto recinto do Campo Desportivo da Praia Grande, onde não se via um único lugar vago. Milhares de pessoas dirigiram-se, pois, àquele Campo porquanto nã só queriam assistir a dois bons desafios do seu desporto favorito como ainda se dispunham a apreciar a classe dos famosos jogadores chineses que haviam participado nos Jogos Asiáticos, em representação da China. As exibições que o público teve, então, ocasião de apreciar foram das mais agradáveis, tanto mais que, além do excelente agrupamento chinês vindo de Hong Kong , entraram também em campo duas fortes equipas locais: no primeiro dia (19 de Junho), o prestigioso Grupo Desportivo «Negro-Rubro», e no segundo dia (20 de Junho) o valoroso Clube «Leng I»

«Negro-Rubro», 3 – «Sete Tigres», 1

A equipa do «Negro-Rubro», numa tarde felicíssima, concorreu para uma exibição em cheio, que muito agradou à enorme assistência. Ambas a equipas iniciaram a partida com uma rapidez estonteante, tornando a luta renhida e equilibrada. A primeira bola da tarde, e a única dos visitantes, foi alcançada aos 7 minutos por intermédio de Yu Cheok Yin. Dez minutos depois, o «Negro-Rubro» marcava o seu 1.º golo, por intermédio de Alfredo Cotrim. Quatro minutos depois, aproveitando um passe oportuno de Cotrim, Augusto Rocha marcou o segundo tento da sua equipa. A luta tornou-se equilibrada com a reacção dos chineses, terminando a 1.ª parte com o marcador em 2-1.

Os jogadores visitantes iniciaram a 2.ª parte com mais energia, vendo-se neles apenas um objectivo: conseguir as redes adversárias. Entretanto, os elementos da defesa da equipa local tinham-se tornado como que uma barreira forte, não permitindo qualquer mudança no marcador. Em quase toda a segunda parte os visitantes dominaram, mas os locais souberam tirar excelente proveito dos seus contra-ataques. Faltava um minuto para terminar o jogo quando Rogério Assis, bem colocado, converteu em tento uma bola passada por Cunha.

As equipas alinharam:

«Negro-Rubro»: Cordeiro; Artur Cotrim; Filomeno Rocha e Francisco Cunha; Augusto Rocha, João Rocha e Alfredo Cotrim (na 2.ª parte, Rogério Assis).

«Sete Tigres»: Yu Yiu Tak; Hau Yung Sang (na 2.ª parte, Chan Fai Hung); Ho Ying Fan e Chau Man Chi; Chi Weng Keong, Yiu Cheok Yin e Hau Chin To (a 2.ª parte, Ho Cheong Iau)” (1)

(1) Extraído dum artigo não assinado, publicado em “Macau Boletim Informativo, Ano I, n.º 22, de 30 de Junho de 1954, p. 15

Poesia (13 quadras) em “língu maquista”  de José dos Santos Ferreira publicado no jornal «O Clarim» de 6 de Junho de 1954 (1) dedicado ao “Dia de Portugal”, em Macau, no “10 de Junho”. (1)

Transcrevo as primeiras sete quadras. (2)  

(1) FERREIRA, José dos Santos – Macau Sã Assi, 1967, pp. 59-60

(2) Parte desta poesia já foi postada em 10-06-2014 https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/06/10/poema-dia-di-portugal/

Continuação da apresentação da colecção de 12 postais (18,5 cm x 12,7 cm) com fotografias do fotógrafo Lei Iok Tin, editada pela Fundação Macau e Centro UNESCO de Macau (1)

Hoje, 13 de Maio, apresento uma foto de 1953, da «Procissão de N. Senhora de Fátima» no Largo do Senado.

.

e outra, dos estaleiros na Avenida do Almirante Sérgio, de 1954.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lei-iok-tin/

Continuação da apresentação da colecção de 12 postais (18,5 cm x 12,7 cm) com fotografias do fotógrafo Lei Iok Tin, editada pela Fundação Macau e Centro UNESCO de Macau (1)

Duas fotografias, datadas de 1954 e 1957

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/04/24/postais-fotografias-de-lei-iok-tin-i/

.

“Sendo dos acontecimentos de maior vulto, os encontros de «Interport» são sempre revestidos de grande importância e de carácter oficial. Estes intercâmbios não só despertam grande interesse no público como ainda entusiasmam grandemente os jogadores, que vêem neles uma oportunidade de dar mostras do seu valor, em representação da sua terra.

Iniciada em 1937, a série destes «Interports» sofreu interrupção quando do rompimento das hostilidades no Pacífico, em 1941. Em 1948, quando já tudo estava normalizado nestas paragens do Oriente, a série dos «Interpots» foi restabelecida e nunca mais voltou a sofrer interrupção até hoje. Nos dois primeiros «Interports», a Associação de Futebol de Hong Kong apresentou, para nos defrontar, jogadores da 2.ª divisão. Das duas vezes, Macau ganhou, comprovando o seu valor.

Daí em diante, Hong Kong não mais seleccionou elementos da 2.ª divisão para nos enfrentar. Frente a selecções da 1.ª divisão, Macau tem registado derrotas e vitórias, algumas das quais bem honrosas para as nossas cores, atenta a superioridade técnica dos jogadores de Hong Kong e o número bem mais elevado dos que na vizinha colónia britânica praticam a modalidade. Dos 13 jogos realizados até 1954, Macau ganhou 6 e perdeu 7. A nosso favor 25 bolas, contra 36 de Hong Kong.” (1)

(1) Extraídos dos artigos não assinados de «MACAU B. I.» ANO II, n.º 40 de 31 de Março de 1955, p. 14 e n.º 41 de 15 de Abril de 1955, p. 10.

No dia 19 de Janeiro de 1954, realizou-se no Teatro Cheng Peng um espectáculo de variedades, a favor do Hospital de S. Rafael, patrocinado pela Sociedade de Abastecimento de Águas de Macau tendo participado o mágico indiano Gogia Pasha e o conjunto musical INK SPOTS – acontecimento já anteriormente postado. (1)

Este espectáculo foi comentado/relatado em versos (15 quadras) num tom jocoso (patois) por José dos Santos Ferreira (Adé) e publicado em 24 de Janeiro de 1954, no jornal «O Clarim». (2) Apreseto as oito primeiras quadras.

(1)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/10/noticias-de-janeiro-de-1954-espectaculos-de-variedades/ (2) FERREIRA, José dos Santos – Quatro cáfri co unga môro in Macau Sã Assi, 1967, pp. 47-48

Neste dia de Natal, mais um poéma de José dos Santos Ferreira, (1) publicado no jornal «O Clarim» de 25 de Dezembro de 1954.

(1) FERREIRA, José dos Santos – Macau Sã Assi, 1967, pp. 63-64

Neste dia de 2 de Maio de 1954, (1) o periódico «O Clarim» festejava o seu sétimo aniversário. José dos Santos Ferreira (2) que colaborava no jornal, apresentou um poéma, «“CLARIM” FICHÁ ANO», publicado no jornal desse dia. (3).

VOCABULÁRIO DE ALGUNS TERMOS DO POÉMA: (3)

Boboriça – tolices; coisas próprias de bobos.

Bulí – mexer; meter-se; provocar.

Cholido – intrometido; diz-se da pessoa que costuma meter-se com os outros.

Diabo-cacinha – maldoso; provocador.

Dios – Deus.

Fólia – folha; significa também jornal.

Guelá – gritar; desatar aos gritos (provém de «goela»).

Mordecim – enfado; incómodo.

Ôlo – olho; olhos.

Parabiça – tolice; disparate; coisa sem nexo.

Quiança – criança. Quiança-quiança: crianças.

Rósca – pão.

Sapéca – moeda ínfima de cobre, usada, noutros tempos, na China. Significa também, no dialecto macaense, dinheiro.

Sium – senhor; patrão.

Tudúm – chapéu chinês, de aba muito larga, feito de verga com borda de rota. O tudúm tanto serve para resguardar do sol como da chuva.

(1) “2-05-1948 – Início do periódico O Clarim administrado pela Diocese de Macau. Semanal de 1948 a 1952.bissemanal de 1952 a 1983, semanal de novo a partir de 1983(e em curso em 1997). Teve como suplemento O Clarim, revista mensal. Foi interrompido entre Junho de 1955 e Janeiro de 1956 (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 287)

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-dos-santos-ferreira/

(3) FERREIRA, José dos Santos – Macau Sã Assi, 1967, pp. 57-58

Hoje, 21 de Março, é “Dia Mundial da Poesia”. Nunca é demais aproveitando a data da sua publicação, divulgar mais um “poéma maquista” do saudoso Adé dos Santos Ferreira.

Poesia de José dos Santos Ferreira, publicada no semanário «O Clarim» de 21 de Março de 1954. Posteriormente inserida no livro «Macau sã assim», do mesmo autor, de 1967, pp. 55-56.

NOTA I: este “poéma” é dedicado ao “Ministro”, alcunha carinhoso como era tratado o o empresário macaense, Alberto Dias Ferreira que viria mais tarde a fundar um grande grupo empresarial “Aldifera Grupo Empresarial“, com ligações aos meios, comercial (“Agência Comercial Aldifera“), industrial (“Aldifera Têxteis, Limitada“, uma unidade inovadora, na altura, pela tecnologia moderna aplicada) e financeiro (“Aldifera, Casa de Câmbios, Limtada”). Membro de muitas associações de carácter cívico e desportivo (creio que está ligado ao início -1953 – e depois foi seu presidente, da Associação de Futebol em Miniatura de Macau, vulgo bolinha). Foi deputado à Assembleia Legislativa, curador da Fundação Macau e nomeado Comendador. Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/alberto-dias-ferreira/

NOTA II: A data do «Dia Mundial da Poesia» foi criada na 30ª Conferência Geral da UNESCO em 16 de Novembro de 1999.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/11/29/noticia-de-29-de-novembro-de-1953-xavier-cugat-em-macau/ (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/01/10/noticias-de-janeiro-de-1954-espectaculos-de-variedades/