Archives for category: Monumentos e Estátuas
POSTAL de 1992 da colecção do fotógrafo Wong Wai Hong (1) – Guia Lighthouse
Anuário de Macau 1924, p. 69.

1864 – Início da construção do Farol da Guia, concebido pelo macaense Carlos Vicente da Rocha. As obras foram pessoalmente dirigidas pelo governador Coelho do Amaral (2)

“24-09-1865 – Acendeu-se, pela primeira vez, o Farol da Guia, oferecido ao Governador José Rodrigues do Amaral pela comunidade estrangeira de Macau chefiada por H. D. Margesson, sendo o primeiro que se acendeu na costa da China Este farol foi construído pelo hábil macaense Carlos Vicente da Rocha, sob a direcção pessoal do Governador e encontra-se situado na latitude de 21º 11` N. e na longitude de 113º 33`a Leste de Greenwich. (2)

Verso do POSTAL de 1992 – Farol da Guia e sua verdura – Guia Lighthouse: the lighthouse was designed by a localborn Portuguese Carlos Vicent de Rocha. Completed on 24 September 1865 1865 it is the oldest lighthouse in the Far East and has never ceased to be operational since built.

Bol. Gov. Macau, XII-39, 24 de Setembro de 1866, p. 57

(1) Ver referências anteriores em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-wai-hong/ (2) (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 168,175.

Postal “Macau World Heritage”, editado pela “DSAMA”, (1) em 2015?  com o lema:  “Aniversário 150 anos”, referente ao Farol da Guia.

Verso do postal: “ O Farol da Guia, um dos mais antigos no Extremo Oriente faz 150 anos desde 1865 e foi inscrito em 2005 na Lista do Património Mundial

(1) Direcção dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água

Continuação da publicação da colecção de 6 postais com a temática “Ruínas de S. Paulo”, uma edição da Direcção dos Serviços de Turismo de Macau. Sem indicação da data e da autoria das fotos. (1) (2)

Hoje os dois últimos postais.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/07/09/postais-ruinas-de-s-paulo-ii/ (2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/06/29/postais-ruinas-de-s-paulo-i/

Continuação da publicação da colecção de 6 postais com a temática “Ruínas de S. Paulo”, uma edição da Direcção dos Serviços de Turismo de Macau. Sem indicação da data e da autoria das fotos. (1)

Hoje mais dois postais.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/06/29/postais-ruinas-de-s-paulo-i/

Dimensões da capa (fechada): 15,7 cm x 11 cm

Uma colecção de 6 postais com a temática “Ruínas de S. Paulo”, uma edição da Direcção dos Serviços de Turismo de Macau. Sem indicação da data e da autoria das fotos.

Dimensão: 15,6 cm x 8,4 cm

Indicação do local da compra: Livraria Portuguesa / Instituto Cultural de Macau, em meados da década de 80 (século XX).

Hoje publico dois desses postais.

Dimensão: 15,2 cm x 10,2 cm
Dimensão: 15,2 cm x 10,2 cm

Por ocasião do Duplo Centenário da Independência e da Restauração de Portugal foi o velho edifício do Leal Senado (1) completamente restaurado e inaugurado a 2 de Junho de 1940. Reaberta e benzida a capela dedicada a Santa Catarina de Sena que, noutros tempos, era destinada ao serviço divino, antes de cada sessão. (2) O restauro deveu-se ao Engº Valente de Carvalho. (3)

Padre Teixeira refere a propósito deste data (4): “Data em que foi benzida a Capela da sua Padroeira, N. Sra. da Conceição; está, ainda nessa Capela, a estátua de S. João Baptista, que também é padroeiro da Cidade.”

George Smirnoff – Vestíbulo do Leal Senado, aguarela, 1945

(1)  “1784 – Neste ano, constrói-se o Leal Senado, sendo o projecto da autoria do Pe. Fr. Patrício de S. José e custando a obra 80 000 taéis. Ljungstedt descreve este edifício:

“O edifício público, em que o governo tem as suas sessões, é designado pelo nome de Casa do Senado; tem dois andares; a base é de granito e o resto de cal e tijolo, bem como os pilares. Nestes apenas se vêem caracteres chineses, significando a solene cessão do lugar pelo Imperador da China, ou seja, ou seja a concessão de Macau aos portugueses. O entabelamento assenta sobre colunas e a cornija é ornamentada vasos de porcelana vidrada. Por cima das portas, as Armas de Portugal e no arco a legenda: “Cidade do Nome de Deus”, etc.

No Salão Nobre, há a capelinha de N. Sra. Da Conceição, onde os senadores ouviam missa antes das sessões. O tufão de 1874 danificou muito o edifício; na reconstrução que se fez em 1876 são de notar «não só os melhoramentos de materiais empregados, mas a simplicidade e o bom gosto da architectura moderna, que na fachada principal representa». No Duplo centenário da Independência e Restauração de Portugal foi restaurado todo o edifício e inaugurado a 2-6-1940”. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. I, 2015, p. 309).

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.p.104

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. III, 2015, p. 264, 

(4) TEIXEIRA; P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, pp.62-63

Veja-se: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/11/29/leitura-o-leal-senado-da-camara-de-macau/

No dia 26 de Maio de 1955, realizou-se no Salão Nobre do Leal Senado a 5.ª e última sessão cultural, promovida pelo Círculo Cultural de Macau, sob o alto patrocínio e orientação do Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro. (1)

Foi conferente o oficial superior do Exército, Major Acácio Cabreira Henriques (2) que proferiu uma conferencia subordinada ao tema «Monumentos Nacionais existentes na Província de Macau»

Referente ao tema da sua conferência, na sua primeira parte: I- Monumentos Religiosos referiu o seguinte:

Postal da colecção “Ruínas de S. Paulo” (3)

“Nestes monumentos se encontram as melhores relíquias legadas pelos nossos antepassados e que são o verdadeiro testemunho dum povo que sempre tem vivido da crença e tradição religiosa”. Em primeiro lugar à maior e mais veneranda relíquia desta cidade do «Nome de Deus», as «Ruínas da Igreja da Madre de Deus (vulgo S. Paulo)», cuja história se encontra ligada à da Companhia de Jesus. Os primeiros jesuítas que aqui se estabeleceram foram os padres Francisco Peres e Manuel Teixeira que, acompanhados do irmão André Pinto, chegaram a Macau em 26 de Julho de 1562, os quais, ao que parece, foram encarregados se erigir o primeiro hospício e igreja fundados em 1565, junto da Ermida de Santo António, mas que um incêndio destruiu em 1594. Pensou.se então em construir uma nova igreja segundo um projecto de que foi autor um jesuíta genovês, o Beato Carlos Spínola, martirizado no Japão, em 10 de Setembro de 1623, sendo o projecto executado pelos cristãos japoneses refugiados em Macau. O projecto não incluía a fachada, pois esta foi baseada, talvez na fachada da igreja dos jesuítas, na Bélgica, e existente na cidade de Anvers.

Começada provavelmente em 1602, como o atesta uma lápide existente no cunhal da direita da fachada, esta nova igreja, cuja fachada foi completada em 1637, ficou com o título de Imaculada Conceição, conforme decretou em 1646 o Rei D. João IV. Da destruição do incêndio de 26 de Janeiro de 1835, apenas se salvou a fachada que ainda hoje representa o monumento de maior valor artístico da Província.” (4)

Postal da colecção “Ruínas de S. Paulo” (3)

Depois de uma breve descrição arquitectónica das actuais Ruínas, o orador afirmou:

“Pena é que a Igreja da Madre de Deus, um edifício de tanta grandiosidade, não seja reconstruído, dentro das suas primitivas linhas, para que a cidade contemple, de novo, o sumptuoso templo, levantado à honra da sua protectora, testemunho da ardente fé e devoção dos filhos de Macau. Felizmente, porém, a Providência tem servido de sentinela, velando pela conservação da fachada, a mais preciosa jóia da cidade do Nome de Deus», permitindo que há mais de três séculos venha resistindo às inúmeras tempestades, principalmente, aos tufões que têm assolado a cidade” (4)

(1) Esta conferência seria publicada integralmente pelas Edições “Circulo Cultural de Macau”, em 1956. HENRIQUES, Major Acácio Cabreira Henriques – Monumentos Nacionais Existentes na Província de Macau. Edições “Círculo Cultural de Macau”, 1956, 58 p. (23, 5 cm x17,3 cm). Ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/05/26/noticia-de-26-de-maio-de-1955-iii-ciclo-de-conferencias-culturais-monumentos-nacionais-existentes-na-provincia-de-macau/

(2) Em Macau, foi Comandante do Agrupamento Misto das Forças da Guarnição, chefe da secção de Justiça, Presidente da Comissão de Compras e Presidente do Conselho Administrativo do Comando Militar de Macau. Foi louvado quatro vezes pelos desempenhos das suas funções em Macau, como Chefe da Seção de Justiça, Presidente da Comissão de Compras e Presidente do Conselho Administrativo do Quartel General e ainda, pelas suas qualidades de bom senso, lealdade e camaradagem demonstradas nas inspecções por ele realizadas aos diversos materiais pertencentes ao Comando Militar da Província. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/acacio-cabreira-henriques/

(3) Uma colecção de 6 postais com a temática “Ruínas de S. Paulo”, uma edição da Direcção dos Serviços de Turismo de Macau (para publicar em postagens posteriores)

(4) Informações do «MBI», ANO II, n.º 47, pp. 6-7

Mais uma vez, em 12 de Maio de 1836, o Vice-Rei de Cantão (Suntó de Cantão)  e o mandarim da Casa Branca comunicaram ao Procurador de Macau que era permitido fazerem-se as reparações das fortalezas do Monte e Guia, desde que nada fosse acrescentado ao que já existia e ordenaram que fosse desfeita e entulhada uma estrada nova que fora aberta atrás da Guia.

PEREIRA, António Marques – Ephemérides Commemorativas da História de Macau, 1868

No dia 28 de Fevereiro de 1989, pelas 11 horas, o presidente da República Portuguesa Mário Soares, acompanhado do Vice-Primeiro Ministro, Eurico de Melo, desembarcava do jactoplanador que o transportou de Hong Kong, sendo acolhido, na ponte-cais do Porto Exterior, pelo Governador Carlos Melancia.

Minutos depois, na sala VIP, recebia os cumprimentos de boas vindas do Presidente da Assembleia Legislativa, Dr. Carlos Assumpção e demais altas individualidades do Território.

Daí, em cortejo automóvel, rumo ao Palácio da Praia Grande, onde com a saudação à Bandeira Nacional e a revista à Guarda de Honra se iniciaram as cerimónias solenes que acompanharam toda a visita presidencial que decorreu do dia 28 de Fevereiro a 3 de Março de 1989

Sobre esta visita oficial, com edição do Gabinete de Comunicação Social, foi publicada uma revista (30,5 cm x 25 cm) com 63 páginas, (fotocomposição e impressão da Imprensa Oficial de Macau) em que apresenta o programa do dia a dia desta visita acompanhado de fotografias.

CAPA
Contracapa
Página 8

Inaugurada, em 28 de Outubro de 1998, no Alto de Coloane (a 170 metros de altitude), a que poderá ser considerada a mais alta estátua do Mundo dedicada à deusa A-Má. A estátua com a altura de 19,99 metros pretende simbolizar também o ano de regresso de Macau à soberania chinesa.

COM-051     媽祖聖像  Statue of A-Ma     Macau (1) – Foto de Wong Wai Hong

De autoria de Leung Man Nin, a estátua pesa 1.100 toneladas e foi construída em mármore branco da província de Hebei, de onde se diz provir o melhor mármore da China. Nela trabalharam 120 escultores durante oito meses.

A homenagem a esta divindade do panteão taoista, protectora dos navegantes e também conhecida por Ma Chou, Ti Hau e Neong-Má, profundamente ligada aos primórdios de e ao nome de Macau, ocorreu num dos dis em que se celebra o culto dos antepassados, o Cheong Ieong, no nono dia da nona lua do calendário lunar. (data da ascenção deusa ao Céu. (2). A construção da estátua foi patrocinada por Ng Fok. No dia seguinte, foi constituída a Fundação da Deusa A-Má de Macau, da qual Ng Fok foi o primeiro presidente do Conselho Directivo (3)

Anteriores referências à deusa A-MÁ: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-a-ma-da-barra-%E5%AA%BD%E9%96%A3%E5%BB%9F/

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/09/15/postais-templo-de-a-ma-estatua-de-a-ma/

(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 540

(3) JORGE, Cecília; COELHO, Rogério Beltrão – Roque Choi Um Homem dois sistemas, 2015, pp 53-54)