Archives for category: Templos Chineses

POSTAL – MACAU – Treaty Table (1)
Foto: 譚永強 Tam Weng Keong (2)

À mesa onde, em Julho de 1844, foi assinado o tratado comercial sino-americano (3)

Verso do postal, com legenda (5 línguas)

(1) Coleccão Macau – LH105; 17,5 cm x 12,5 cm. Anteriores referências a esta mesa em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tratado-de-wanghia/

(2) 譚永強   – mandarim pīnyīn: tán yǒng qiáng; cantonense jyutping: taam4 wing5 koeng4

 (3) Macau, suplemento da revista «Via Latina», Maio 1991, p. 60

Do livro de Artur Levy Gomes, “Esboço da História de Macau 1511-1849”, editado pela Repartição Provincial dos Serviços de Economia e Estatística Geral (Secção da Propaganda e Turismo) de Macau, em 1975, já postado em 18-05-2018 (1) retiro as seguintes reproduções (mesmas fotografias também publicadas por outras fontes)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/05/18/leitura-esboco-da-historia-de-macau-1511-1849/

Extraído de «BGM», IX- 42 de 21 de Setembro de 1863, p. 172

A Rua da Barca começa na Estrada de Adolfo Loureiro junto da Rua de Francisco Xavier Pereira e termina na Rua de João de Araújo, em frente da Rua da Pedra.

Luís Gonzaga Gomes escreveu em 18-05-1942 (1) o seguinte:   “Mas qual será a origem toponímica desta extravagante nomenclatura em sítio onde não existem vestígios de ponte (Travessa da Ponte Nova) ou de barcas (Rua da Barca). A necessidade de conquistar o terreno por meio de expropriações e de aterros, para construção de novas e espaçosas vias, e o consequente aformoseamento da cidade fizeram desparecer o que havia de mais pitoresco em certos lugares tipicamente chineses cuja existência é, no entanto, ainda recordada nos nomes por que são designadas certas ruas. Ora, uma das áreas consideradas das mais perigosas para a saúde da população da cidade era a que ficava em volta do Templo de Lin K´ai. (蓮溪廟). (2) É ela conhecida pelo nome de Sân- K´iu  (新桥) que significa – Ponte Nova – e um das ruas que serve esta zona é denominada Tôu- Sun-Kái, (渡船街) isto é, a Rua dos Tôu, ou das Barcas.

Se pudéssemos voltar algumas dezenas de anos atrás, isto é, antes da drenagem e do aterro desta zona, teríamos visto na realidade uma ponte de pedra, colocada entre as actuais ruas de João de Araújo e da Pedra. Esta última, chamava-se assim porque era ali que vivia um grupo de operários chineses dos mais pobres, cujo mister consistia no trabalho de lapidação de blocos de granito, utilizados em obras de cantaria ou na de pavimentação de lajeados. Quanto à ponte, foi esta primitivamente construída com bambus, mas como este material se deteriorava, obrigando a constantes reparações, substituíram-na mais tarde, por uma de pedra, custeada a expensas dos moradores do referido bairro. A ponte era imprescindível porque sem ela não lhes seria possível ir até ao Templo de Lin- K´âi venerar as divindades da sua devoção, visto o local onde se encontravam edificada tal casa de culto estar separada da outra margem por um riachozinho. (Regato de lótus)

Esta derivação do braço do delta que banha o Porto Interior, entrava na zona de Sân- k´iu nas alturas do edifício onde funcionou o Cinema U-Lók (娛樂) e, serpeando até ao templo onde formava um largo charco, seguia depois em direcção à antiga aldeia de Mong Há, através das ruas da Barca e da Ressurreição, para ir ligar – se outra vez ao delta, depois de ter regado com as suas barrentas águas a entrada do convento budista de P´ôu Tchâi-Sim-Un (普濟禪院) .(3)

Como a ponte não bastasse para o grande movimento das pessoas que por ela diariamente transitavam, muitos moradores deste bairro, para entrar na cidade, tinham de fazer a travessia do riacho em tán-ká (tancá) que nesse tempo costumavam varar em grande número nas duas margens. Ora, nessa época as estâncias de madeira e os estaleiros chineses estavam também instalados nesse local e, como ainda não existiam barcos a vapor, foi esse o período da sua maior prosperidade. Por isso, inúmeros tôu da navegação costeira entravam constantemente nesses estaleiros a fim de sofrerem as beneficiações de que careciam para o prosseguimento das suas viagens. Os chineses passaram então a chamar Tôu-Sun-Kái à rua que servia esses estabelecimentos e este nome passou para o português na sua tradução da Rua da Barca.” (1)

(1) GOMES, Luís Gonzaga – Curiosidades de Macau Antigo. ICM, 1996, ISBN-972-35-0220-8, pp. 41/42

(2) Templo Lin Kai  (蓮溪廟), na Travessa da Corda n.ºs 25-31 está  situado ao lado do Cinema Alegria do Bairro San Kio. Antigamente, havia um riacho chamado Lin Kai (Regato Lótus) que passava por Bairro San Kio. O templo foi fundado à margem direita do riacho, sendo denominado Templo Lin Kai. Este templo foi construído em 1830 e, mais tarde, os habitantes locais reuniram fundos para reconstruí-lo e ampliá-lo, o que aconteceu entre 1875-1908. Desde então o templo tem sido conhecido por “Templo Novo de Lin Kai” e é dedicado a 15 Deuses e deusas. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-lin-kai/

(3) Templo de Pou Chai Sim Un (普濟禪院), também conhecido por “Templo de Kun Iam Tong”, na Avenida Coronel Mesquita. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/26/postais-macau-artistico-vi/

Duas fotografias de Macau, 1924, com legendas.

Continuação da história da Deusa da Ma Chou (A MÁ), iniciada nas postagens anteriores (1) e na sequência da  emissão dos selos da colecção “Lendas e Mitos VDeuses da Ma Chou”,no dia 23 de Abril de 1998, pelo “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau”.

O NASCIMENTO DE MO NIANG

“Antes do seu nascimento, na Era de Jian Long Yuan da Dinastia Song (ano de 960), consta que a sua mãe sonhou uma vez que Bodhisattva Guanyin lhe tinha dado uma pílula e que, logo depois de a ter tomado, um relâmpago vermelho vindo fo Noroeste entrou em casa, produzindo uma luz muito brilhante e deixando no ar um perfume especial. Em breve, a mãe deu à luz um bebé do sexo feminino e, porque este não havia chorado, deu-lhe o nome de Mo Niang.” (2)

O AMULETO DE COBRE OFERECIDO PELO GÉNIO

“Mo Niang, desde muito pequena mostrou ser muito inteligente. Na escola, com apenas oito anos, bastava-lhe uma leitura para nunca mais se esquecer do que tinha lido. Um dia, Mo Niang e uma companheira foram passear por um jardim. Quando estavam a apreciar um poço de água tão cristalina como um espelho, subiu de repente um génio do fundo do poço e entregou um amuleto de cobre a Mo Niang, desaparecendo rapidamente nas nuvens. É esta a lenda muito conhecida “ O amuleto de Cobre oferecido pelo génio” (2)

A ASCENSÃO DA DEUSA

Do amuleto de cobre dado pelo génio, Mo Niang aprendeu a fazer magia e tornou-se uma figura muito amada e respeitada pelos seus conterrâneos, visto que auxiliava os aldeões a afastar o mal e a eliminar os desastres. No ano em que Mo Niang completou vinte e oito anos de idade, subiu a uma montanha no dia do Culto dos Antepassados e ascendeu ao céu.” (2)

A PRESENÇA DA RAINHA DO CÉU

De ali em diante, Mo Niang faz sentir a sua presença, de vez em quando, sobre o mar, salvando pessoas em perigo e servindo de guia na navegação dos barcos.” (2)

(1) nenotavaiconta

(2) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT,1998

Na sequência das postagens anteriores (1) – emissão dos selos da colecção “Lendas e Mitos VDeuses da Ma Chou”,no dia 23 de Abril de 1998, pelo “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau”, apresento os quatro selos em offset e de prata (primeiro conjunto de selos de Macau, em prata).

O design desta emissão, composta por quatros selos, representa «O nascimento de Mo Niang»; «O amuleto de cobre oferecido pelo génio»; «A ascensão da deusa» bem como «A presença da rainha do céu». Os desenhos representam Ma Chou como uma jovem, linna, elegante e distinta, no estilo dominante das Dinastias Tang e Song” (2)

Exemplar n.º API2947 – Autorizado pelos CTT
Quatro selos no valor (cada) de 4 patacas; dimensão: 30 mm x 40 mm Desenho: Poon Kam Ling
Quatro selos de prata (qualidade Ag 999); dimensão: 30 mm x 40 mm; peso: 8 g (quatro selos) Desenho: Poon Kam Ling

Deusa da MA CHOU (A MÁ)

“Na mitologia milenária chinesa Ma Chou (A MÁ) ou Tin Hau (Rainha do Céu, é a Deusa protectora do mar, estando a sua figura consagrada no Templo A MÁ e nos mais de vinte templos existentes em Macau. É igualmente venerada pelas comunidades chinesas espalhadas em vinte países e regiões do mundo, designadamente em Taiwan, onde existem mais de 800 templos do género. O templo original dedicado a Ma Chou fica situado em Meizhou no Distrito de Putian, na Província de Fujian, onde esta deusa nasceu e ascendeu ao céu… (…)”………………………continua (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/04/23/noticia-de-23-de-abril-de-1998-filatelia-lendas-e-mitos-v-deuses-da-ma-chou-i/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/04/24/filatelia-lendas-e-mitos-v-deuses-da-ma-chou-ii/

(2) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT,1998

Foi posto em circulação pelos Serviços de Correios e Telecomunicações de Macau, a partir do dia 29 de Abril de 1997, uma emissão extraordinária de quatro selos designada «媽閣廟 – Templo de A Má», (1) no valor de $ 3.50 patacas cada um e de um bloco com o selo no valor de $8,00 (2)

“COMPLETE SET” 4 selos diferentes (provavelmente retirados de uma folha miniatura de 16 selos (4×4)
“Inner Harbor of Macao and Ma Kok Temple, 1788.
John Webber (1752-1793), Macao, China,
Peabody Essex Museum 2006 Photo Sexton-Dykes “(3)

Este quadro embora datado de 1788, foi feito em desenho, em finais do século XVIII, por John Webber (1751 – 1793) que participou na 3.ª expedição à volta do Pacífico comandada por James Cook (morto pelos nativos, em 1789, no Havai). John Webber regressou a Inglaterra em 1780. Durante a expedição produziu imenso material quer escrito/rascunhos quer em esboços/desenhos (em pastel, lápis de cor e aguarelas) que após o seu regresso, serviram de base para os seus quadros (completados/gravados/ coloridos) publicados após 1784 (4)

(1) Das várias versões sobre a edificação do Templo Chinês da Barra, que parece ter sido construído nos princípios da dinastia Ming (actual estrutura base datada do reinado de Wan Li – 萬曆 (1573-1621), transcrevo a versão mais popular, descrita pelo Padre Teixeira (1) 

“Um dia, uma donzela de Fukien (Fujian 福建)quis embarcar num dos juncos que estavam de abalada para o sul. Mas todos lhe recusaram a passagem, visto ela não ter dinheiro. Todos? Não. O mais pobre junco compadeceu da donzela e ofereceu-se a transportá-la gratuitamente para Cantão. No caminho, rebentou uma tempestade e todos os barcos se afundaram, excepto um. É que a donzela tomou o leme e guiou esse barco a um porto de refúgio. Ao desembarcar, ela subiu a um rochedo e não mais foi vista. Os barqueiros ficaram convencidos de que era a deusa Neang Má, que os havia salvo da tormenta e os conduzira a esse porto. Erigiram ali um templo em honra de Neang Má, o qual se chamou Ma-Kok-Miu (Templo do Promontório de Má), ou Má-Chu-Kok, sendo Má abreviatura de Neang-Má. TEIXEIRA, Pe. Manuel – Templo Chinês da Barra Ma-Kuok-Miu. Edição do Centro de Informação e Turismo, 1979 p. 10 

(2) Portaria n.º91/97/M – B. O. n.º 17 de 28 de Abril de 1997

(3) https://visualizingcultures.mit.edu/rise_fall_canton_04/gallery_places/pages/cwM_1788_M10471_MaKok.htm

(4) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/john-webber/

Na sequência da postagem anterior – emissão dos selos da colecção “Lendas e Mitos VDeuses da Ma Chou”,no dia 23 de Abril de 1998, pelo “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau”, (1) apresento o Bloco Filatélico n.º 0480007, com um selo de $ 10,00 (dez patacas) em que foram emitidos 1 800 000 exemplares.

Bloco filatélico – Desenho de Poon Kam Ling

Ao longo dos tempos, o nome da Deusa A MÁ e o nome da Cidade de Macau têm sido conhecidos simultâneamente e, por sua vez, MACAU é o nome português da Cidade a que chamamos em chinês «Porto da Deusa A MÁ». Há mais de 5 séculos que a figura da Deusa A MÁ têm sido venerada pelos numerosos pescadores que construíram o Templo A MÁ para o seu culto, continuando ainda hoje, a manter em permanente queima, incenso e pivetes, em sua homenagem.” (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/04/23/noticia-de-23-de-abril-de-1998-filatelia-lendas-e-mitos-v-deuses-da-ma-chou-i/

(2) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT, 1998

No dia 23 de Abril de 1998, (1) os “CTT – Correios e Telecomunicações de Macau” emitiram uma colecção de quatro selos (cada um no valor de 4 patacas), outros quatro selos, idênticos aos anteriores, mas em prata (o primeiro conjunto de selos de Macau, em prata) e um Bloco Filatélico (contendo um selo de $ 10,00), intitulada “Deuses da Ma Chou”, o 5.º da temática “Lendas e Mitos” (2)

Também nesta data, foi posto à venda, o livro filatélico com as explicações históricas e técnicas dos selos da Deusa A MÁ. Apresento hoje, o invólucro exterior, a capa e contracapa do livro. (3)

Invólucro exterior
Invólucro exterior

Não se sabe ao certo a origem do nome de Macau mas muito provavelmente provém dos nomes da Deusa A MÁ. Para assinalar o grande acontecimento histórico da assumpção da Administração de Maca para a República Popular da China, produzimos o 1.º conjunto de selos em prata com os Deuses da Ma Chou que consagram a Deusa A Má e o templo com o mesmo nome. É uma colecção de muito interesse que perdurará para sempre.” (3)

Capa do livro
Contracapa
Contracapa
Autora dos selos e da ilustração da capa: Poon Kam Ling. Ilustrações de: Ng Wai Kin

(1) Portaria n.º 84/98/M de 13 de Abril

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/05/09/noticia-de-9-de-maio-de-1994-filatelia-lendas-e-mitos/

(3) Deuses da Ma Chou, O Primeiro Conjunto de Selos de Macau, em Prata. CTT,1998. Tiragem autorizada: 7 000; Preço de venda ao público: MOP $ 199,00

Hoje comemora-se em Macau a festa anual a Pak Tai (北帝 – Běidì imperador do norte) que no terceiro dia da terceira lua. É nessa altura que o templo chinês Pak Tai (o mais antigo da ilha da Taipa e um dos mais antigos de Macau), regista maior afluência.
Estavam programados espectáculos de ópera chinesa que habitualmente eram levados á cena num teatro improvisado feito com canas de bambu em frente do templo dedicado a Pak Tai na vila da Taipa, mas devido às restrições por cauda do corona vírus  “Covid-19″, foram cancelados.
Segundo a lenda Pak Tai venceu o Rei dos Demónios que aterrorizava o universo. Como forma de gratidão foi-lhe dado o título de Divindade Superior do Profundo Paraíso Negro e também Verdadeiro Soldado do Norte. Considerado um “deus” com origem na dinastia Shang (1600.1046 AC) e é protector das artes marciais e dos desastres naturais.

Templo de Pak Tai – anos 50 do século XX

O templo de Pak Tai está localizado na Rua do Regedor, (1) tendo em frente o recinto quadrado denominado Largo Camões, e em frente ao então Canal dos Estaleiros da Taipa.
Fundado há cerca de trezentos anos, (2) foi outrora muito frequentado pelos devotos da ilha, mas encontra-se hoje particularmente esquecido. O seu interior conserva ainda vários relíquias que valem uma verdadeira fortuna.
Pak Tai era um príncipe que, devido à sua coragem, recebeu o título de Imperador do Norte. Foi comandante de doze legiões celestes com o fim de lutar contra o Rei-Demónio que pretendia devastara Terra. A lenda chinesa que lhe está associada conta que teve de lutar contra uma enorme tartaruga e uma comprida serpente que, o final, acabou por derrotar, derrubando assim o demoníaco soberano. Com este feito, Pak Tai acabaria por ser proclamado Supremo Imperador do Céu Negro.
Os portões estão protegidos por duas figuras representativas de antigos guerreiros com ar colérico e de espada desembainhada. O altar do deus Pak Tai encontra-se no pavilhão central, e ali figura uma estátua deste ídolo, que ostenta na mão direita uma haste com uma bandeira encarnada bordada a ouro.
Contam os habitantes que, certa vez, quando uma epidemia de cólera alastrou na ilha, um doente já moribundo pediu ao bonzo que organizasse uma procissão pelas ruas da vila. Após a cerimónia, o doente ficou subitamente curado, regressando a casa como se nada tivesse acontecido. O episódio terá sido testemunhado por centenas de pessoas.
Numa outra ocasião, uma povoação da Taipa foi devorada por um incêndio. Sem saber o que fazer, os populares resolveram solicitar a alguém que fosse buscar a tal bandeira encarnada na posse do ídolo de Pak Tai. Agitaram-na, fazendo com que o forte vento que soprava do quadrante Norte virasse para Sul, o que evitou que o fogo atingisse outras povoações”.
Conta-se ainda que, em tempos remotos, havia um grupo de piratas que pretendia saquear a ilha. Uma vez mais, o misericordioso Pak Tai veio em auxílio da população, mandando uma legião de soldados, enfileirar-se no local de desembarque, provocando a retirada dos invasores. Na verdade, não havia um único soldado na praia – o que aconteceu foi mais um milagre de Pak Tai” (3)
(1) A Rua do Regedor começa no cruzamento da Rua do Pai Kok e a Rua Governador Tamagnini Barbosa, a sul e termina a nordeste no cruzamento da Rua da Ponta Negra com o largo dos Bombeiros, na Ilha da Taipa.
(2) Terá sido construído durante 1843, dinastia Qing, no reinado do imperador Daoguang – Tao Kuang 宣宗 – sétimo imperador da dinastia manchu (sexto imperador Qing.
(3) Extraído de BARROS, Leonel – Templos Lendas e Rituais – Macau. APIM, 2003, pp. 43-44
NOTA: anterior referência a este Templo budista em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/11/26/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-vi-templo-de-pak-tai/