Archives for posts with tag: Boletim da Província de Macau e Timor
Extraído de «BPMT», XIII-25 de 24 de Junho de 1867, p. 145

Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/herbert-dent-ca/

Extraído de «BPMT», Vol. XXII, n.º 23 de 3 de Junho de 1876, p. 92

Outra publicação (1) do Vice-Almirante Pedro Fragoso de Matos, (2) com o título de “O Maior Tufão de Macau”, de Novembro de 1985, de 30 páginas.

CAPA

Acerca do naufrágio da Escuna «Príncipe D. Carlos» e Canhoneira «Camões» em Macau, em 1874, refere o autor (p. 6):

 “Naturalmente, que conhecedor do Extremo-Oriente fui, desde logo, levado a considerar que aquele sinistro marítimo deveria ter sido causado pelo perigoso inimigo dos marinheiros e dos pescadores do Mar da China – o temível tufão – que, em determinadas épocas do ano – Junho a Outubro – assola com grande violência os portos de Macau e de Hong Kong. Assim, consultando vários livros e muita documentação manuscrita coeva, existente no Arquivo Geral da Marinha, foi-nos possível verificar que no ano de 1874, o porto de Macau foi assolado por um fortíssimo tufão, o mais devastador de todos os tempos, com extraordinários prejuízos, tanto no mar como em terra, como adiante se constatará. (…) ” (3)

(1) nenotavaiconta

Contra Almirante Pedro Fragoso de Matos, Comandante da Escola Naval

(2) MATOS, Pedro Fragoso de – O Maior Tufão de Macau, composto e impresso nas oficinas da Editorial Minerva, Novembro de 1985, 30 p., 22,5 cm x 15,5 cm x 0,1 cm. Separata dos Anais do Clube Militar Naval n.º 7 a 9 de Julho/Setembro de 1985.

Adquirido na I Feira do Livro de Macau, organizada pelo Instituto Cultural de Macau, em Lisboa no Forum Picoas de 12 a 18 de Dezembro de 1988.

Canhoneira «Camões»

(3) «Na noite de 22 para 23 de Setembro do corrente ano, o maior tufão de que há memória não só em Macau, mas nestas paragens, destruiu a maior parte desta cidade, bem como as povoações das Ilhas da Taipa e de Coloane… (B.O. n.º 41/26-9-1874)

“1874 (22 de Setembro) – Grande ciclone em Macau, causando numerosos prejuízos e desgraças, tanto no mar como em terra, e morrendo centenares de pessoas. No porto da nossa colónia afundaram-se alguns navios e entre eles a escuna de guerra «Príncipe D. Carlos» que se perdeu totalmente, e a Canhoneira «Camões». A escuna «Príncipe D. Carlos» era comandada pelo primeiro-tenente Vicente Silveira Maciel e fora lançada ao mar em1866, a canhoneira «Camões» fora lançada ao mar em 1865 e era comandada pelo segundo-tenente José Maria Teixeira Guimarães“ (Efemérides da Marinha Portuguesa, constantes da «Lista da Armada» de 1900 in p. 9 desta separata)

“(…) Entre os europeus há a lamentar a perda de três praças do Batalhão, mas entre os chinas e, principalmente no mar, há milhares de vítimas. Os edifícios públicos ficaram muito deteriorados e alguns destruídos de todo. A maior parte das casas da Praia Grande foram destruídas ou muito prejudicadas pela violência do choque das vagas. Muita artilharia das fortalezas do litoral foi arrastada para o mar depois de destruídas as muralhas. (…) A Escuna «Príncipe D. Carlos» foi perder-se a 12 milhas de Macau, jazendo desconjuntada nuns campos incultos a grande distância do Mar. A «Camões» foi também encalhar em sítio onde nunca houve navegação. Salvaram-se felizmente as tripulações. A «Tejo» conservou-se admiravelmente nas suas amarrações  e não sofreu prejuízos» (B.O. n.º 41/26-09-1874)

Anteriores referências a este tufão em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/09/22/noticia-de-22-de-setembro-de-1874-o-maior-tufao-da-historia-de-macau-i/

Extraído de «BPMT», XV – 24, de 14 de Junho de 1869, p. 120

NOTA I – Anton Freiherr von Petz (1819 – 1885) oficial da marinha real e imperial austríaca, atingindo o posto de vice-almirante; cavaleiro da Ordem Militar de Maria Teresa. Como comandante do navio Kaiser, é considerado herói da batalha de Lissa, em 1866. (1) Em 1869, como Ministro plenipotenciário da Áustria à China efectuou uma expedição a Asia e América do Sul. (https://en.wikipedia.org/wiki/Anton_von_Petz).

(1) https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Lissa_(1866)

NOTA II – Era governador, António Sérgio de Sousa (1868-1872) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-sergio-de-sousa/

Extraído de «BPMT»,  XX-20 de 16 de Maio de 1874, p.78

Extraído de «BPMT»,  XX-20 de 16 de Maio de 1874, p.78
Extraído de «BPMT», XIII-17 de 29 de Abril de 1867, p. 95
Extraído de «BPMT», XIII-17 de 29 de Abril de 1867, p. 96

NOTA: “A Coroa d´Artista”, de João de Lacerda (João Caetano de Sousa e Lacerda) , comédia-drama original em três actos, foi representada pela primeira vez no Teatro do «Gymnasio-Dramático» a 6 de Agosto de 1863. (“A Revolução de Setembro” de 11 – 08-1863)

Publicado em livro pela «Typ. Lisbonense d’Aguiar Vianna», em 1864, 67 p.

https://books.google.pt/books?id=AqtLAQAAMAAJ&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false https://books.google.pt/books/about/A_coroa_d_artista.html?id=AqtLAQAAMAAJ&redir_esc=y

Extraído de «BPMT», XX-21 de 25 de Maio de 1874, p. 84.

Continuação da postagem anterior (1) referente aos espectáculos que a Companhia Italiana de Ópera do Sr. Pompei estreou em Macau, no Teatro D. Pedro V.

Extraído de «BPMT», XIII – 14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Em complemento à postagem de 01 de Abril de 2017 (1), sobre as várias representações teatrais que a Companhia de Ópera italiana do Sr. Pompei estreou em Macau, no Teatro D. Pedro V, apresento a “crítica” aos espectáculos realizados no dia 6 e 7 de Abril de 1867. (2) A companhia que iniciou a “tournée” ao sudeste asiático, a 28 de Março de 1867 em Hong Kong, deu o 1.º espectáculo em Macau no dia 6 de Abril (e não a 1 de Abril, como foi publicado na anterior postagem) e voltou nos fins de semana para ao todo ter apresentado “12 serões teatrais”.

Extraído de «BPMT», XIII-13, 1 de Abril de 1867, p. 71
Extraído de BPMT XIII – 14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Continua na próxima postagem.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/04/01/noticia-de-1-de-abril-de-1867-espectaculo-de-opera-italiana-no-teatro-d-pedro-v/

(2) Extraídos de «BPMT», XIII-13, 1 de Abril de 1867, p. 71 e «BPMT» XIII–14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Extraído de «BPMT», XXII-14 de 1 de Abril de 1876, p. 56

O governador era José Maria Lobo d´Ávila (1874-1876)

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo (Santarém, 26 de setembro de 1795 — Lisboa, 6 de janeiro de 1876), Moço fidalgo da Casa Real, par do reino, marechal de campo, foi um político português do tempo da Monarquia Constitucional e um importante líder do movimento setembrista em Portugal. Um dos líderes do Partido Histórico, o qual abandonou para formar o seu próprio movimento, o Partido Reformista. Assumiu diversas pastas ministeriais e foi por cinco vezes presidente do Conselho de Ministros (1836 – 1837, 1837 – 1839, 1865, 1868 – 1869 e 1870), para além de presidente interino do Conselho de Ministros em substituição do Duque de Loulé (1862). Foi primeiro barão (1833), primeiro visconde (1834) e primeiro marquês de Sá da Bandeira (1854). https://pt.wikipedia.org/wiki/Bernardo_de_S%C3%A1_Nogueira_de_Figueiredo,_1.%C2%BA_Marqu%C3%AAs_de_S%C3%A1_da_Bandeira

Para melhor biografia ver: https://www.arqnet.pt/dicionario/sabandeira1m.html