Archives for posts with tag: Boletim da Província de Macau e Timor

Referente ao acidente no dia 1 de Maio de 1874 (1) do brigue “Concordia” quando atravessava o golfo de Bengala na sua viagem de Goa para Macau, devido a um ciclone, ficou desmastreado e ficou à mercê das vagas até ao dia 10 quando foi encontrado pelo vapor inglês “Adria” que o rebocou para o porto de Penang. O capitão do vapor inglês W. E.Breege, da Companhia Oriental e Peninsular foi agraciado com a medalha de prata para distinção e prémio concedido ao mérito, filantropia e generosidade, por ter salvo tripulação e passageiros do brigue.

Extraído de «BPMT», XX-44, de 31 de Outubro de 1874

1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/05/01/noticia-de-1-de-maio-de-1874-brigue-concordia/

O Boletim Provincial de Macau e Timor, n.º 35, de 29 de Agosto de 1874, informava na “Secção Noticiosa” que a 22 de Agosto (1) (2) o vapor Spark, da «Hong Kong, Macau, Cantão Steam Navigation Co.» com c. de 200 pessoas a bordo, foi atacado por piratas chineses.  Os viajantes eram todos chineses, havendo um passageiro inglês, Mr. Mundy. Parece que transportavam a bordo uma boa quantidade de dinheiro, pois vinham de comerciar. Na tripulação encontrava-se um capitão inglês e dois portugueses (piloto e marinheiro). A descrição do ataque é desenvolvida neste Boletim (3)

(1) 22-08-1874 – O «Spark» da “Hong Kong Macao Canton Steam Navigation» quando vinha de Cantão para Macau, foi saqueado, sendo assassinado o Capitão Mundy e feridos vários portugueses e outros indivíduos”. (3) (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

(2) 22-08-1874 – «The Directory and Chronicle…», 1922

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 208 e 212

Extraído de «BPMT», XIX-36 de 6 de Setembro de 1873, p. 143

“21-08-1873 – A escuna Príncipe D. Carlos era um navio mercante inglês que fora adquirido em Hong Kong pelo Governador de Macau a fim de substituir a lorcha de guerra Amazona que se encontrava em muito mau estado. (MONTEIRO, Saturnino – Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol VIII)

21-08-1873 – Em consequência da informação prestada por Bessard, comandante duma canhoneira chinesa, o comandante da escuna Príncipe Carlos, 1.º tenente Vicente Silveira Maciel, foi atacar uma lorcha fundeada um pouco ao norte a escuna que, durante a noite deveria largar do porto de Macau com numerosos piratas, alguns dos quais pertencentes à equipagem da embarcação que apresara próximo de Lintin e uma outra de comércio, depois de terem cometido revoltantes atrocidades. Travou-se combate, conseguindo prender-se 51 piratas, tendo fugido alguns a nado e a coberto da escuridão. (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I- 49 de 26 de Agosto de 1873, p. 2
Extraído de «BPMT», XXXV-33 de 15 de Agosto de 1889, p. 242
Extraído de «BPMT», XX-32 de 8 de Agosto de 1874, p. 129
Extraído de «BPMT», XX-32 de 8 de Agosto de 1874, p. 129
Extraído de «BPMT», XX-33 de 15 de Agosto de 1874, p. 139

Postal “Macau World Heritage”, editado pelo “Grupo de Trabalho para a Construção de uma Sociedade Economizadora de Água”, na década de 10 (século XXI), com o lema: “約用 (1 )/ Poupe água / Save water

Verso do Postal: “O Edifício da Capitania dos Portos, construído em 1874 para alojar um regimento indiano oriundo de Goa, era designado anteriormente por Quartel dos Mouros (Soi Si Chong) e foi incluído na lista de Património Mundial da UNESCO em 2005

(1) 約用 – mandarim pīnyīn: yuē yòng; cantonense jyutping: joek3 jung6  

Anteriores referências ao quartel: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/quartel-dos-mouros/

Extraído de «BPMT», XXIII-31 de 4 de Agosto de 1877, p.127
Extraído de «BPMT», XIII-31 de 5 de Agosto de 1867, p. 180

I – Peça teatral “O mano Aniceto e o mano Gaspar”, farsa em um acto de Francisco Palha (1827-1890) publicado em Lisboa pela Livraria Popular de Francisco Franco.

Francisco José Pereira Palha de Faria e Lacerda, mais conhecido por Francisco Palha  (Lisboa, 15 de janeiro de 1827 — Lisboa, 11 de janeiro de 1890) foi um escritor, dramaturgo, jornalista, poeta, filantropo e empresário teatral português do século XIX.Gravura de Francisco Palha (autoria de Francisco Pastor, publicada no Diário Illustrado, edição de 12 de janeiro de 1890. https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Palha

II – Aa comédias «O Anjo da Paz» (1856), de José Carlos Santos, e «A República das Letras», de Francisco Palha – eram obras de sucesso, representadas no ano anterior ao da sua impressão, aquelas no teatro de D. Fernando, e esta no Ginásio.

Retrato de José Carlos dos Santos em 1879 (Ilustração Portuguesa, 28 de maio de 1906). José Carlos dos Santos, mais conhecido por Actor Santos Pitorra, ou apenas Actor Santos (1834 — 1886), foi um ator, encenador, dramaturgo, professor e empresário português do século XIX. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Carlos_dos_Santos_(ator)

III – Após a morte de D. João VI, a 10 de março de 1826, D. Pedro, legítimo herdeiro do trono de Portugal, sendo detentor da Coroa imperial brasileira, era considerado um estrangeiro, o que, pelas leis então vigentes quanto à sucessão do trono, o tornava inelegível para o trono português. A regência, nomeada em 6 de março de 1826, apenas quatro dias antes da morte do rei, na pessoa da infanta D. Isabel Maria, declara D. Pedro Rei de Portugal. A situação, porém, não agradava nem a portugueses nem a brasileiros. Em Portugal, muitos defendiam a legitimidade do trono para D. Miguel, irmão de Pedro. D. Pedro procurou uma solução conciliadora. Assim, após outorgar a Carta Constitucional a Portugal (29 de abril de 1826), abdicou em favor da sua filha D. Maria da Glória, na dupla condição de esta desposar o seu tio D. Miguel e de este jurar a Carta. https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$carta-constitucional

Foi recebido em Macau com grande solenidade o Rei de Camboja, Somdach Préa Noradon, de 40 anos de idade, o qual, antes de reembarcar, condecorou Lourenço Marques então Presidente da Camara (1) com a comenda da Real Ordem de Camboja. O rei de Camboja visitou os lugares históricos e os principais edifícios públicos da cidade, reembarcando no dia seguinte, na corveta francesa Bourayne, em que viera.(2)

Extraído de «BPMT», XVIII, n.º 31 de 27 de Julho de 1872, p. 137

Continua …

Extraído de «BPMT», XVIII, n.º 31 de 27 de Julho de 1872, p. 138

(1) Lourenço Caetano Marques (1811-1902) exerceu o cargo de Procurador do Leal Senado de 1851 a 1856 e de 1859 a 1861; em 1865, foi eleito vice-presidente do Leal Senado e em 1871 Presidente do mesmo. (2)

Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/comendador-lourenco-marques/

(2) Informações recolhidas de TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942 p. 193.

Extraído de «BPMT», XVIII-30 de 20 de Julho de 1872, sábado, p. 131.

Extraído de «BPMT», XVIII-30 de 20 de Julho de 1872, sábado, p. 131
Extraído de «BPMT», XX-28 de 14 de Julho de 1874, p. 114