Archives for category: Governadores e Capitães Gerais
Extraído de «Gazeta de Macao», n.º IV de 24 de Janeiro de 1824, pp. 310 e 312

No dia 20 de Janeiro de 1824, embarcaram na fragata Salamandra o Comandante dela, Capitão de Mar-e-Guerra Joaquim Mourão Gracez Palha, futuro governador de Macau. (1) Foi muito obsequiado e saudado à hora da partida, tendo a fortaleza de S. Francisco salvado quando, dirigindo-se do Hopu da Praia Grande para bordo, a lancha que o conduzia passou a frente.“ (2) A fragata que esteve em Macau desde 23 de Setembro de 1823 até à partida em 20 de Janeiro de 1824, trouxe uma força de 200 marinheiros e oficiais vindos de Goa, (3) sob o comando do Major João Cabral de Estefique ocupando as fortalezas e impondo um Conselho do Governo. (2) (3) (4)

(1) De 1825 a 1827 é Governador de Macau, Joaquim Mourão Garcês Palha. Teve problemas financeiros e políticos, nomeadamente com as autoridades chinesas quer de Cantão quer de Pequim. Garcês Palha chegou a ser em 1848 governador geral da Índia. (2) Anteriores referências de Joaquim Mourão Garcez Palha em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joaquim-mourao-garces-palha/

(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 38-40.

(3) De 1 de Julho a 23 de Setembro de 1823, a Cidade de Macau, foi governada exclusivamente pelo Senado. Em 23-09-1823, toma posse, em substituição do Senado, um conselho presidido pelo Bispo D. Fr. Francisco de Nossa Senhora da Luz Chacim, dele fazendo parte p Major João Cabral d´Estefique e um vereador aos meses (liberal). O termo de posse foi lido no Senado, mas a provisão era do Governador de Goa, D. Manuel da Câmara. Exactamente por este motivo, as nomeações não foram bem acolhidas. Entre outras razões, foi invocado que “se o povo de Goa pode dar autoridade, por que o não poderá o de Macau? (2)

(4) “23-09-1823 – Segundo os liberais do Senado, a fragata Salamandra era o centro do alegado movimento despótico e anti-constitucional que ameaçava Macau.” (2)

NOTA: “03-01-1824- Primeiro número do periódico “Gazeta de Macao”, substituto de “A Abelha da China”. Durou até fins de Dezembro de 1826. De periodicidade semanal, era impresso na Tipografia do Governo, a cargo do Leal Senado. O parque tipográfico veio a ser posteriormente emprestado ao Superior do Colégio de S. José, P.e Nicolau Rodrigues Pereira de Borja. (2)

Extraído de «BPMT», XV-3 de 18 de Janeiro de 1869, p. 13

A expedição comandada pelo capitão António Joaquim Garcia que embarcou na corveta Sá de Bandeira, para Timor, tinha como missão “castigar os revoltosos timorenses de Cova”. Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/03/29/noticia-de-29-de-marco-de-1887-chegada-a-timor-do-governador-interino-antonio-joaquim-garcia/

Capa + Contracapa

Brochura (25 cm x 16,5 cm) com 16 páginas publicada com o título: “APONTAMENTOS GERAIS SOBRE AS OBRAS DOS PORTOS DE MACAU”, escrito pelo Administrador Delegado, Vice-Almirante Hugo de Lacerda, (1) sobre os acabamentos indispensáveis e desenvolvimentos a recomendar quanto a obras e dragagens para serem presentes ao Conselho de Administração das obras dos portos. Editado pela Direcção dos Obra dos Portos, impresso na Tipografia do Orfanato, em 1927.

Página 1
Página 3
MAPA

De interesse, anexado ao interior da contra-capa, um mapa dobrável: (aberto: 70 cm x 51 cm), “Esboço do Plano Geral de Futuras Obras em Conexão com a Primeira faze de Obras dos Portos de Macau e Possibilidade de Estabelecimento de vias Ferrias”, numa escala de 1:20.000 e assinado pelo autor, com data de 24 de Dezembro de 1926.

Projecto duma “Ilha da Rada” entre Macau e as duas Taipas

(1) “22-12-1911 – Hugo Goodair de Lacerda Castelo Branco (1860-1944) apresentou-se publicamente, em 22-12-1911, como Capitão dos Portos de Macau, Superintendente da Importação e Exportação do Ópio Cru e Director do Observatório Meteorológico. Foi professor interino do liceu em 1912, tendo regressado em 26-10-1912 a Portugal. Regressa a Macau em 1918 para dirigir as obras do porto de Macau até à extinção da Missão de Melhoramentos dos Portos de Macau, em 1919″.(2)

“1926 – Macau tem um Encarregado do Governo na pessoa de Hugo Carvalho de Lacerda Castelo Branco, notável técnico hidrográfico e para sempre ligado ao Porto de Macau. É importante referir a sua obra Macau e o seu Porto, Obras do Porto de Macau e o Extracto do Relatório dos Principais Serviços Prestados em Macau desde Dezembro de 1918 a Março de 1927,publicado no Boletim Geral das Colónias em 1928. Depois de cessar funções como Encarregado do Governo, Lacerda continua ligado às obras do porto até 26 de Março de 1927. O Almirante Lacerda como ficou conhecido e chamado numa das artérias de Macau, preocupou-se coma Brigada Sanitária que faltava sobretudo no bairro chinês, com o ensino, e com o policiamento. No seu governo foi publicada a Nova Carta Orgânica de Macau, a 4 de Outubro de 1926 e foi inaugurada a notável Exposição Industrial e Feira de Macau entre a Avenida Conselheiro Ferreira de Almeida, Horta e Costa e Coronel Mesquita, ideia que vinha de Rodrigo Rodrigues mas só agora concretizada.” (2)

“22-07-1926- Nomeação de Artur Tamagnini de Sousa Barbosa para Governador de Macau mas também a nomeação, quase imediata e a título interino do Almirante Hugo de Lacerda para o cargo, até chegar o titular. Exoneração, na mesma data, do Governador Manuel Firmino de Almeida Maia Magalhães” (2)

 (2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, pp. 61, 176 e 187.

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

Extraído de «BPMT»,  XX-2 de 10 de Janeiro de 1874, p. 6

O discurso do governador encontra-se disponível para leitura em: https://www.archives.gov.mo/pt/bo/1874/01 (pp.6-7)

Os discursos do chefe de serviço de saúde, Dr. Lúcio Augusto da Silva, bem como do presidente/procurador do Leal Senado, Júlio Ferreira Pinto Basto e do secretário-geral do governo, bacharel Henrique de Castro) encontram-se disponíveis em: https://www.archives.gov.mo/pt/bo/1874/01 (pp. 7-8))

Extraído de «BPMT»,  XX-2 de 10 de Janeiro de 1874, pp. 7-8

O Boletim Oficial do Governo da Colonia de Macau n.º 1 de 4 de Janeiro de 1936 (p. 4) publicava o despacho da Direcção Geral dos Serviços Centrais, de 2 de Dezembro de 1935, em que exonerava, a seu pedido, o governador da colónia de Macau António José Bernardes de Miranda. (1)

«BOGCM» n.º 1 de 4 de Janeiro de 1936, p. 4

O Boletim Oficial do Governo da Colonia de Macau n.º 7 de 15 de Fevereiro de 1936 (p. 180) publicava o despacho da Direcção Geral de Administração Política e Civil, de 16 de Janeiro de 1936, em que foi nomeado em 28 de Dezembro de 1935 o bacharel João Pereira Barbosa governador interino de Macau. (2)

«BOGCM», n.º 7 de 15 de Fevereiro de 1936, p.180

O mesmo Boletim no seu n.º 9, de 29 de Fevereiro (p. 216) publicava a tomada de posse do cargo de Governador interino, em 27 de Fevereiro, do bacharel João Pereira Barbosa.

«BOGCM», n.º 9 de 29 de Fevereiro de 1936, p. 216.

(1) António José Bernardes de Miranda, foi governador de 21 de Junho de 1932 a 4 de Janeiro de 1936. Residiu no Palácio da Praia Grande, entregando o Palacete de Santa Sancha ao seu secretário. A 19 de Setembro de 1935 o Governador deixou o cargo, embarcando no dia seguinte para Lisboa. (3)

«BOGCM»,  n.º 50 de 14 de Dezembro de 1935, p. 1469

(2) Nomeado por Decreto de 28 de Dezembro de 1935, governador interino, por vacatura do lugar, João Pereira Barbosa esteve neste cargo de 29 de Fevereiro de 1936 a 19 de Dezembro deste ano. No seu tempo foi inaugurado o reservatório do Porto Exterior. Teve a seu cargo acudir a reedificação depois dos estragos do tufão de 17 de Agosto de 1936 e viu reabrir, no fim do ano o Hotel Boa Vista com a denominação de Bela Vista. Embora nomeado governador a 19 de Dezembro de 1936, Artur Tamagnini Barbosa (pela 3.º vez) somente assumiu no território esse cargo a 11 de Abril de 1937. Assim, de 19 de Dezembro de 1936 a 10 de Abril de 1937, António Joaquim Ferreira da Silva Júnior e depois João Pinto Crisóstomo estiveram como encarregados do Governo.

«BOGCM», n.º 52 de 26 de Dezembro de 1936, p. 1133

(3) SILVA, Beatriz Basto – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, pp. 237, 246 e 250

Anteriores referências aos governadores mencionados em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-jose-bernardes-de-miranda/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joao-pereira-barbosa/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/artur-tamagnini-barbosa/

No dia 3 de Janeiro de 1787, Jean-François de Galaup, conde de Lapérouse (1741-1788) (1) chega a Macau, onde permanece até 5 de Fevereiro. Em Macau vende as peles de animais adquiridas no Alasca e distribui o lucro entre a tripulação. Segue depois, com portugueses deste porto a refrescar a sua tripulação, para as Filipinas.

Lapérouse conheceu o Governador de Macau — Bernardo Aleixo Lemos de Faria — quando visitou Goa (18 a 25 de Dezembro de 1774). O Conde fazia por ordem de Luís XVI uma viagem de exploração científica à volta do mundo, com as fragatas “La Boussole” e “L’ Astrolabe”, deixando documentados, em cartas dirigidas ao rei e ministros, aspectos e ilustrações dos portos que ia tocando, entre eles naturalmente Macau.

M. Duché de Veney, desenhador desta expedição, pintou numa parede branca do Convento de S. Francisco, nesse ano de 1787, a imagem de S. Francisco com os seus emblemas, pintura essa que era tida como obra-prima. (2)

La Pérouse, with the Order of Saint Louis, 1778

(1) Jean-François de Galaup , conde Comte de La Pérouse (1741 – 1788?) official  da armada francesa e explorado que se alistou aos 15 anos de idade na marinha , em  1785 por ordem de Luís XVI, (3) foi nomeado comandante duma expedição científica à volta do mundo tendo passado (entre outros portos) por Chile, Hawai, Alasca, Califórnia, Macau, Filipinas, Formosa, Coreia, Japão, Rússia, e Austrália. O Conde bem como todos os membros da expedição desapareceram no ano de 1788(?) muito possivelmente dum naufrágio nos recifes de Vanikoro, nas ilhas Solomon. https://en.wikipedia.org/wiki/Jean-Fran%C3%A7ois_de_Galaup,_comte_de_Lap%C3%A9rouse

(2) Em 3 de Janeiro de 1787, fundearam, no ancoradouro da Taipa, os vasos de guerra franceses «Astrolabe» e «Boussole», e os seus oficiais, sob a direcção do Conde Jean François de Lapérouse, (1714-1788), que por ordem de Luís XVI fazia uma viagem de exploração científica à volta do mundo. Estiveram instalados no recinto da Gruta de Camões, onde efectuaram várias observações astronómicas. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau. Macau, vol. I, 2015, p. 316. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/08/16/leitura-chronica-planetaria-de-jose-augusto-correa-iii-a-gruta-de-camoes-em-1902/

(3) O rei Luís XV na manhã do dia da sua execução em Janeiro de 1793 terá ainda preguntado: “Alguma notícia de La Pérouse?”.

Extraído de «BPMT» XXIII- 1 de 6 de Janeiro de 1877, p. 4

O tenente-coronel de Artilharia, José Maria Lobo d´Avila, (1817-1889), nomeado governador de Macau em 07-05-1874, (sucedendo ao Visconde de S. Januário, Januário Correia de Almeida – governador entre 1872-74), tomou posse do cargo a 7 de Dezembro desse ano. Esteve como governador até 13-09-1876, data do decreto de exoneração a seu pedido do Governador.

«BPMT» XXII-52 de 23 de Dezembro de 1876

O seu governo teve de se ocupar com a recuperação urbana depois do tufão de Setembro anterior, e isso não foi pouco, como se pode ler seguindo os Boletins do Governo da época. Também colaborou com a determinação do Ministro Andrade Corvo (em 1873), publicando-a em Portaria local a 21 de Abril de 1875 – no sentido de acabar com a emigração de cules a partir de Macau. Outro assunto do dia foram as alfândegas chinesas. Ávila fez uma visita oficial a Cantão e teve um diálogo próximo com o Vice Rei Liu Kunyi” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 208)

«BPMT» XXII-52 de 23 de Dezembro de 1876, p.210

Artur Eugénio Lobo de Ávila (1856 – 1945), em 1874, acompanhou o seu pai, José Maria Lobo de Ávila, como Governador de Macau como Secretário Particular do Governador e foi também Secretário de Legação na China, no Japão e no Sião. Regressou a Lisboa em 1877.

Ver anteriores referências ao governador e seu filho em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-maria-lobo-davila/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/artur-eugenio-lobo-de-avila/

Numa cerimónia realizada em Dezembro de 1977, no Restaurante Riviera, o escultor e construtor civil Oseo Leopoldo Goffredo Acconci, de nacionalidade italiana, radicado há longos anos em Macau, recebeu das mãos do Cônsul-Geral da Itália acreditado neste território, Michelangelo Pisani Massamormile, a «Croce de Cavaliere de Lavoro» (Cruz de Cavaleiro do Trabalho) que lhe foi concedida pelo Governo do seu país. Oseo Acconci que veio para Macau pouco antes de eclodir a Segunda Guerra Mundial, (mudou-se com a família de Hong Kong para Macau em 1940, seis meses antes de a Itália aderir à Segunda Guerra Mundial) realizou importantes trabalhos de construção civil, com destaque para edifícios de carácter religioso, esculturas e trabalhos de ornamentação, revelando.se um verdadeiro artista.

Cidadão de fino trato e de carácter bondoso, era por todos estimado, nomeadamente pelos seus operários a quem tratava como amigos. A cerimónia da entrega da condecoração contou com a presença do Governador de Macau, coronel Garcia Leandro, e esposa, as principais autoridades e outras pessoas, tendo o cônsul Massamormile enaltecido as qualidades do homenageado que, muito comovido, agradeceu a distinção conferida e a presença dos convidados. (1)

Algumas obras mais conhecidas em Macau deste escultor, arquitecto e empreiteiro italiano falecido em 1988 aos 83 anos: Escola Comercial, hoje Escola Portuguesa de Macau, desenhada por Chorão Ramalho; Igreja de Nossa Senhora das Dores, em Ká Hó, projectada e construída por Oseo Acconci; Nossa Senhora de Fátima do Quartel de Mong-Há; as moradias da Coronel Mesquita e o painel da mulher seminua na fachada do Hotel Estoril.(2)

(1) Extraído de “Macau Boletim de Informação e Turismo”, XII, n.º 9-10 de 1977, p. 36

(2) Ver artigo “Fortuna ou a história da mulher futurista de Macau” no jornal Ponto Final” de 30.09.2015 https://pontofinalmacau.wordpress.com/2015/09/30/fortuna-ou-a-historia-da-mulher-futurista-de-macau/

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/oseo-acconci/

O Sr. Governador e esposa inaugurando o novo emissor de 15 kWs
Membros da comunidade chinesa cumprimentando o Sr. Almirante Esparteiro

Artigo e fotos extraídos de «BGU», XXIX-341-342, Novembro/Dezembro de 1953, pp.187-195

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», II-15, de 30 de Dezembro de 1873, p.3