Archives for category: Leituras

Pequeno texto de Marx de Sori (1) extraído de «Macau Boletim Informativo», I-3, 1953.
Há um erro na datação deste episódio: é 1844 e não, pois José Gregório Pegado (2) foi governador de Macau de 1843 a 1846 (faleceu em Aden, no seu regresso a Portugal em 1846 tendo embarcado em Macau em 28 de Maio).
Segundo A. A. Bispo (3) o estadista Ki-ing (Ki-ying). Vice-Rei de Cantão, delegado e alto-comissário imperial nos dois Kuangs esteve em Macau em 1845. O Vice-Rei  viria a suicidar-se quando foi condenado  à morte pelo Imperador devido às negociações com ingleses e franceses, em 1858.
Depois da tomada de posse em 3 de Outubro de 1843, o governador José Gregório Pegado, fez uma visita de cortesia ao Vice-rei de Cantão Ki-Yin. Segundo o Padre Videira Pires, nessa visita o Vice-rei prometeu «fechar os olhos» à ocupação da Ilha da Taipa pelos portugueses.
“José Gregório Pegado, pela sua distinção e mestria no manejo dos fai-chis, durante um jantar que lhe ofereceu, em Cantão, o delegado e alto-comissário imperial, Ki-Ying, ouviu da boca deste os seguintes elogio e garantia: – “V. Exa é um homem tão polido nas maneiras e simpatizo tanto consigo, que nada lhe posso recusar. Recomendarei confidencialmente ao vice-rei dos dois Kuóns que feche os olhos ao estabelecimento dos portugueses na (ilha da) Taipa“.(4)
(1) O autor deste texto é António Filipe de Marx de Sori. Nasceu em Lisboa, a 9 de Fevereiro de 1833, foi primeiro-tenente da Armada, subdirector da Primeira Direcção e Chefe da Segunda Repartição da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar e membro do Conselho Geral de Estatística.
Publicou um livro “ Descobrimentos dos Portugueses nos séculos XV e XVI, Causas que os determinaram, sua importância e consequências mais notáveis que d´elles resultaram” Lisboa, Typografia de Castro Irmão, 1867.
Edição em EBook, Fevereiro 4, 2009.
https://www.gutenberg.org/files/27992/27992-h/27992-h.htm
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-gregorio-pegado/
(3) BISPO, A. A. – A Gruta de Camões como Sábio por Excelência e Confúcio do Ocidente em paisagens sino-inglesas e em transfigurações românticas- da Literatura à Filosofia intercultural nos estudos de relações China/Ocidente in Revista Brasil-Europa – Correspondência Euro-Brasileira 137/6 (2012:3)
http://www.revista.brasil-europa.eu/137/Camoes-na-Filosofia-Intercultural.html
(4) PIRES, Benjamin Videira – Os Governadores e a vida de Macau no Século XIX in
http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30007/1510

Camoes Grotto , Macao
Copyright by Sternberg , Hong Kong
Cerca de 1910

Teria ou não Camões estado em Macau e composto na gruta lendária parte dos Lusíadas? Desde que a lenda se apossou do caso, os críticos tinham obrigação de se retirar discretamente nos bicos dos pés, porque as suas opiniões não interessam nada e não oferecem nenhuma utilidade, enquanto as lendas, ao envolver os assuntos, lhes dão aquele valor poético que é uma das mais altas expressões da espiritualidade.
Não interessa, pois, perante a lenda, que Camões estivesse ou deixasse de estar em Macau. Os críticos dizem que sim; mas põem dúvidas quanta à gruta.
Devemos dizer, em primeiro lugar, que não há gruta nenhuma. Gruta pressupõe um vão cavado na terra ou na rocha, e não foi isso que nós vimos ao subir pela rampa da colina verdejante, até ao alto, ao pequeno terreiro ensombrado de árvores, onde um penhasco recoberto de ondulante vegetação parece palpitar com os estremecimentos dos fetos finos. Defronte, dois penedos sustentam um terceiro sobre si, deixando entre eles um espaço vazio, túnel talvez de metro de largo e dois de fundo – a que se chama gruta.
Aqui esconderam, sobre pedestal pobre, um pequeno busto do Poeta. Ao princípio, o monumento parece insignificante, destituído de grandeza; mas há nesta discreta concha vegetal uma frescura acariciante, um retraído ramalhar tão suave e tão insinuador, que a falta de grandeza ganha valores de intimidade espiritual, que a falta de grandeza ganha valores de intimidade espiritual e o busto deixa de ser o monumento público, a impor-nos e esmagar-nos, para se reduzir à pequena figura que temos sobre a nossa banca de trabalho. Não é quadro para se reproduzir em fotografias ou postais ilustrados. É um local para se visitar sozinho.” (1)

O mesmo postal, colorido.

Camoes Grotto Macao
Copyright by M. Sternberg, Hong Kong

(1) in p. 190 de OLIVEIRA. Barradas de – Roteiro do Oriente. Agência Geral do Ultramar, 1954, 249 p.

Do Livro “Portugal no Mundo”, livro de leituras para a 4.ª classe da Província de Moçambique, de 1966, (1) na página 146, pequena referência a Macau, um pequeno trecho da Hermengarda Marques Pinto, do seu livro ”Macau, Terra de Lendas” (2)
(1) “Portugal no Mundo”, livro de leituras para a 4.ª classe da Província de Moçambique, de 1966, 188 p.
(2) PINTO, Hermengarda Marques – Macau terra de lendas. Campanha Nacional de Educação de Adultos, Tipografia da Atlântida-Coimbra, 1955, 128 p.
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hermengarda-marques/ 

Artigo (e desenhos) do Tenente Leonel Cardoso, com o título “Natal em Macau, Apontamentos e Imagens Recolhidos”, publicado na revista “Ver e Crer”, de 1949 (1), “
“ … Temos saudades dos que estão longe pensando em nós – rezando por nós – mas, é tal o ambiente de amizade e de elevação espiritual destas pequenas festas, que a distância deixa de existir e sentimos bem perto de nós aqueles que nos são queridos e que materialmente tão longe estão. Quando à sobremesa, o Comandante ergue o seu cálice e brinda com palavras singelas pelas felicidades dos presentes e das suas famílias, vejo lágrimas rolando por caras curtidas pelos sois e ventos dos dois hemisférios…(…)
… Terminado o jantar, cada homem vai para o local do navio seu predilecto e ali sonha os seus sonhos, recorda outras noites de Natal – a missa do galo na capelinha da sua aldeia, o sapatinho do seu filho mais novo sobre a chaminé (quase desaparecendo entre os sapatos grandes dos dois mais velhos), o pinheiro que lhe ia custando um tiro do guarda florestal, a santa velhinha que já tantas natais passou… (…)
… Estamos tão longe de Portugal! … Mas não! Portugal Também está ali! – Lá estão os sinos das igrejas repicando festivamente, elevando ao Céu um hino de Fé e de Amor. A alma Lusa está presente naquele cantinho do mundo e nem a fisionomia chinesa nem os costumes diferentes conseguem fazer-nos esquecer que ali também, é Portugal! É um Portugal misterioso, falando chinês, jogador, com vícios e misérias, mas encantador. Apesar dos seus defeitos, eu gosto da nossa longínqua colónia como de um filho pequenino em que só vemos a beleza e as boas qualidades.
Estão talvez a pensar que eu conheço Macau?!.
Não! Não conheço! Lá vivi os mais belos e estranhos meses da minha vida errante de marinheiro e, no entanto, nada conheço dessa velha e misteriosa cidade do Santo Nome de Deus de Macau… (…)”
………………………………………………………………………continua
(1) Revista “Ver e Crer”, n.º 54. Dezembro de 1949 (preço 5 escudos) das pp. 91 a 121.
Direcção de José Ribeiro dos Santos (editor) e Mário Neves. Propriedade da empresa de tipografia e Publicidade, Limitada (Lisboa)

Pequeno opúsculo de 24 páginas (23cm x 16 cm) escrito por Hugo C. de Lacerda Castelo Branco (na altura, Vice-Almirante da reserva engenheiro hidrógrafo) e publicado pela Imprensa da Armada (Lisboa) em 1932.
O autor traça o historial do “projecto porto de Macau” que defendeu desde 1912 (então como capitão dos portos) em favor do Pôrto Interior, desde finais do século XIX:
“Fôra um muito considerado oficial da marinha, o Comandante Cinatti, então capitão dos portos de Macau, que, no último quartel do passado século, levantára o grito de alarme contra a crescente envasamento que cada vez mais entulhava o pôrto e bloqueava aquela colónia…
Parte do conteúdo foi apresentado pelo autor no Congresso Colonial da Sociedade de Geografia realizado em 1921 com a tese: “A Valorização do novo pôrto de Macau como base de maior ressurgimento da Colónia
O autor viria mais tarde, após ter sido director das Obras dos Portos de Macau, a defender em favor do Porto Exterior, justificando que as circunstâncias iniciais eram totalmente diferentes entre as duas épocas (considerações políticas e económicas). Apresenta as razões de não ter tido maior afluência da navegação ao Porto Interior apesar das melhorias para a navegação. Na nota final , apresenta um recorte duma carta do autor escrita ao «Diário de Notícias» de 17 de Junho de 1933, a propósito das afirmações do Governador de Macau (António José Bernardes de Miranda nomeado em 21 de Junho de 1932) numa a entrevista desse jornal.
BRANCO, Hugo C. de Lacerda Castelo – Considerações sôbre o pôrto para navios em Macau. Separata dos “Anais do Club Militar Naval”. Imprensa da Armada, Lisboa, 1932, 24 p.
Anteriores referências a Hugo C. de Lacerda Castelo Branco em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hugo-lacerda-castelo-branco/

Do diário/cartas de Harriet Low, uma descrição de um pic-nic que, em 16 de Dezembro de 1831, se efectuou na ilha da Lapa, em companhia das senhoras Mrs. Davis, Mrs. Hyne e sua irmã, e da senhorinha Petrie; e dos seguintes homens: Matheson (1), e Davis, os dois escoceses que convidaram os outros para o picnic; o tenente George Frederick Dashwood, para o qual Harriet se sentiu atraída logo à primeira vista, Mr. Daniel e Mr. Pausey, os tenentes Pruyn e Mitchell e um missionário alemão,Karl Gutzlaff. (2)
Às 11 da manhã saí de casa acabrunhada, sem prever prazer algum, e nem sequer estava decidida ir; só o fiz ao chegar a casa de Mr. Davis, onde se reuniu o grupo …
Ao meio dia, saímos da casa de Mrs. Davis e fomos para o barco; com a maré e o vento eram contrários, tivemos de ficar ali uma hora.
Mas esta hora passou-se muito agradavelmente; o dia era fresco e confortável, o sol um tanto nublado, o que era ainda melhor. Embarcámos cerca da 1 e caminhamos até às 2,30, em que chegámos ao lugar do nosso destino – o pagode.
Todos estavam animados. Tomámos um belo almoço frio que nos foi fornecido, ou melhor, que nós mesmos levámos connosco, e que se compunha do melhor de cada coisa. Todos lhe fizemos justiça, pois os nossos apetites estavam tão aguçados como lâminas de barbear.
Bebemos água fresca da rocha ao lado.
As montanhas elevam-se sobre as nossas cabeças e, o que não é costume, estavam atapetadas de verdura. Avistávamos o mar à distância, salpicado de numerosas ilhas. E onde imaginas que foi a nossa mesa?
Na varanda do pagode. As deusas destes pobres pagãos estavam aos nossos lados, ao abrigo dum enorme rochedo. Mas a minha descrição não te pode dar ideia do lugar ou do prazer do nosso picnic. Os diferentes pratos vinham e iam na mesma ordem como se estivéssemos num hotel. Tudo correu decentemente e em ordem; à mesa, saltitava a alegria e uma hilaridade inocente.
Admirámos as belezas da natureza, compadecemo-nos das pobres criaturas, que se inclinam perante estes blocos de madeira ou pedra e eu, pelo menos, desejaria sinceramente ter a oportunidade de lhes fazer algum bem. Mas tudo o que posso fazer é rezar por eles. Tomámos uma bela chávena de café e, depois de explorar um pouco o lugar, começámos a viagem de regresso..  (…)
Para guia escolheram-me a mim e ao tenente George Frederick Dashwood. (3) Mas tenho a dizer-te que ele era um rapaz extremamente fascinante e eu não me importaria de ir com ele para qualquer parte. Disse eu então: “Bem, eu não tenho ideia alguma do caminho; mas prometeis seguir-me?”.
Levei-os por uma ravina abaixo, eriçada de imensos blocos de granito, passando uma corrente de água por entre eles. Dirigi a marcha mui ousada e elegantemente (pois pertenço à tribo de Chamois)
Quando já tinha andado meio caminho através de dificuldades e perigos, olhei para ver o grupo e verifiquei que não me haviam seguido. Imagina-me agora só na ravina com este jovem!
Que romântico!
Mas depressa, ouvimos o som duma voz lá em cima a dizer “Desafiadora. Ein!”
Eles haviam tomado um caminho mais fácil no cume da colina, mas eu gostei muito mais disto do que se fosse pelo caminho trilhado de cada dia.
Por fim, juntámo-nos ao grupo e passámos momentos encantadores; entrámos no barco e chegámos a Macau cerca das 7, demasiados excitados para sentir qualquer fadiga.
Tivemos um chá em nossa casa com as senhoras do grupo, que só nos deixaram depois das 11 da noite. Fui então para a cama, mas só consegui dormir às 6 horas da manhã”. (4)
James Matheson em 1837

(1) James Matheson (1796-1878) da “Jardine Matheson & Co” (percursora da actual “Jardine Matheson Holdings” . A empresa comercial (ópio, algodão, chá, seda e outros produtos) foi fundada em 1832 pelos escoceses William Jardine e James Matheson como sócios.
https://en.wikipedia.org/wiki/James_Matheson
Karl Gutzlaff, cerca de 1834

(2) Reverendo Karl Friedrich August Gutzlaff (1803-1851) da Prússia, que viveu muitos anos de Macau e faleceu em Hong Kong de 1851 com 49 anos de idade. Um dos primeiros missionários protestantes em Singapura, na Tailândia (1828) e Coreia do Sul (1832). Este pastor falava 12 línguas diferentes e tinha uma conversa interessantíssima como interessantes eram os seus sermões. Penetrou em Pequim e até mais além vestido à chinesa. Quando missionava no Sião, faleceu durante o parto a sua esposa e o filho. Deixou então esse país e, voltou a Macau. Casou em 1834 de novo, com Mary Wanstall que em Macau dirigiu uma escola e uma casa para cegos. Não tiveram filhos mas adoptaram duas raparigas chinesas cegas (uma delas foi educada em Inglaterra e voltou para uma escola de cegos em Ningbo. Mary Wanstall faleceu em Singapura em 1849. Terceiro casamento em 1850 na Inglaterra.
Em Macau, e depois em Hong Kong, Gutzlaff trabalhou (com outras pessoas) numa tradução Chinesa da Bíblia, (iniciou em 1840 e terminou em 1847), publicou uma revista em chinês, “Eastern Western Monthly Magazine”, fundou a “Sociedade Evangélica Chinesa”  e escreveu livros em chinês sobre assuntos práticos. Em 1834, publicou o “Jornal das Três Viagens além da Costa da China em 1831, 1832 e 1833”. Morreu em Hong Kong em 1851.
http://haudenschild-com.blogspot.com/2011/01/karl-friederich-gutzlaff-anglicized-as.html

Karl Gutzlaff em traje de Fujian
https://pt.wikipedia.org/wiki/Karl_G%C3%BCtzlaff

Tem uma placa de toponímia com o seu nome em Hong Kong: Gutzlaff Street 吉士笠街
“Gutzlaff Street is a lane in the Central district of Hong Kong, crossing Stanley Street, Wellington Street, Gage Street and Lyndhurst Terrace” .
https://en.wikipedia.org/wiki/Gutzlaff_Street
NOTA: Em homenagem a Karl Gutzlaff , foi atribuído o seu nome a uma Ilha no distrito de Zhejiang. Gutzilaff , de 1840 a 1843,  serviu como intérprete/tradutor nos barcos britânicos, do Governo inglês em Hong Kong.  Foi portanto nomeado pelos britânicos  para magistrado em três cidades: na China Central – Dinghai; em Zhouhan (Chusan) – ilha na costa de Zhejiang; Ningbo (centro comercial da Província de Zheijiang) e em Zhenjiang (Chinkiang) – cidade do Rio Yangzi.

Ilha de Gutzlaff em Zhejiang, China.
https://en.wikipedia.org/wiki/Karl_G%C3%BCtzlaff

George Frederick Dashwood em 1850

(3) George Frederick Daswood (1806-1881). Entrou para o “Royal Naval College” em 1819. Depois da estadia em Macau, esteve entre 1832 e 1833 no “HMS Challenger“ e em 1833, como “commissioned lieutenant” no navio “Sulphur”. Devido a problemas de saúde (reumatismo acentuado) retirou-se em 1837. Casou em 1839, e com a família emigrou para Adelaide (Austrália) em 1841. Na Austrália, desde 1842 até ao seu falecimento, desempenhou diversos postos públicos (“Collector of Customs, “Police Magistrate” e Stipendiary Magistrate”)
https://collections.slsa.sa.gov.au/resource/B+31064 
https://en.wikipedia.org/wiki/George_Frederick_Dashwood
(4) Retirado de TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau no Séc. XIX visto por uma jovem americana, 1981.

Pequeno opúsculo (16 cm x 21 cm) de 35 páginas do “MÉTODO DE PORTUGUÊS PARA USO DAS ESCOLAS CHINESAS” (1.º) do Cónego António André Ngan / Ngam Im Ieoc (na altura da publicação Vice-Reitor do Seminário de S. José) (1), impresso em Macau pela Imprensa Nacional, em 1953.
Este exemplar é da 6.ª edição.
Trata-se de 30 lições em que o autor apresenta a tradução para chinês, desde as vogais (1.ª lição) até exemplos de palavras com a sílaba “Nh” (30.ª lição).
Apresenta as duas últimas folhas dois Apêndices: o I- sobre a ortografia oficial dalgumas palavras que anteriormente se escreviam de modo diferente (página 34) e o II – a numeração de 1 a 101. (página 35)

(1) Não os tenho mas sei que foram publicados 6 fascículos deste “Método de Português para uso nas Escolas Chinesas”. Todos eles tiveram várias edições. Por exemplo este n.º 1 publicado em 1984 era 14.ª edição. Creio também que esteve anunciado a publicação do mesmo, em volume único em 1996.

 

 

(2) Ver anteriores referências a este cónego em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-antonio-andre-ngan-im-ieoc/