Archives for category: Leituras

Cartas do Extremo Oriente», livro de António da Santa Clara publicado em 1938, pela Livraria Editora (Lisboa) com Parceria António Maria Pereira. (1)

Impressão de viagem que o jovem oficial português António da Santa Clara realizou de Marselha a Hong Kong na década de 20 (séc. XX) com destino a Macau.  

O autor classifica –o como um “Romance que não chegou a ser escrito; na minha tenda – Ac. Sa – Ilha de Coloane” (2) na página 7 (Capítulo I)

António de Santa Clara que foi para Macau como ajudante do Governador, dedicou o livro (pág. 5):

A João Pereira Barbosa,

            com admiração pela maneira como governou Macau (3)

pp. 4-5
Índice p. 231

(1) SANTA CLARA, António de – Cartas do Extremo Oriente. Parceria António Maria Pereira/Livraria Editora, Lisboa, 1938, 230 p. + |1|, 18,5 cm x 12 cm x 2,3 cm. Exemplar com manchas de humidade nas capas e muitas das primeiras folhas.

(2) Aldeia de Hac Sá/Praia de Hac Sá na Ilha de Coloane (Macau) 

(3) O Governador era João Pereira Barbosa. Foi nomeado Governador interino em 4 de Janeiro de 1936 (exoneração do governador António José Bernardes de Miranda) e cessou funções a 24 de Dezembro de 1936., com a nomeação do Governador A. Tamagnini Barbosa (B.O. n.º 51)

O Dr. João Pereira Barbosa seguiu depois para Goa onde foi Director dos Serviços de Administração Civil. (4)

“Aliás conta-se que Pedro José Lobo, braço direito de todos os governadores do seu tempo excepto de um… precisamente do Governador João Pereira Barbosa, que o mandou prender e acabou talvez por isso, … por ser “demitido”. Recorda-se também que foi nesse ano de 1936 que a importação do ópio cru e sua posterior preparação foi colocada sob o exclusivo do Governo de Macau, fechando-se o licenciamento para mais fumatórios de ópio no Território.” (5)

(4) ”Enquanto não chegou o titular, ficou como Encarregado do Governo o Major de Engenharia António Joaquim Ferreira da Silva Júnior (B. O. n.º 15 de 10 de Abril de 1937). (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III,  2015, p. 255.)

(5) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Século XX, Volume 4. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1997, 454 p. ISBN-972-8091-11-7

Sobre António de Santa Clara, ver postagens anteriores: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/08/leitura-literatura-ultramari-na-a-lorcha/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-de-santa-clara/

A propósito das postagens anteriores (1) acerca do Pagode Hong Kong (Kung) Miu, 康公廟(também conhecido como Pagode do Bazar) nomeadamente a lenda do deus guerreiro Hong Kong (Kung), conta-se que quando Hong Kong era simples mortal, saiu vitorioso de muitas batalhas. Mas, numa delas, a sorte foi-lhe adversa e viu-se obrigado a desfazer-se da sua pesada couraça e da sua aljava para não ser apanhado pelos inimigos na sua fuga precipitada. Ainda assim, cairia certamente nas suas mãos se, quando ia a ser alcançado, não surgisse um bando de patos, que com os bicos apagaram as pegadas do fugitivo.

Quando Hong Kong foi promovido à categoria de deus grato aos seus salvadores, proibiu que no dia da sua festa, os seus devotos comessem carne de pato. Esta celebra-se no dia sexto da sétima lua e outrora era muito solene e concorrida, armando-se grandes barracões de ola e bambu não só para os espectáculos mas para acomodar a enorme multidão, que ali ocorria (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/12/11/noticia-de-11-de-dezembro-de-1868-festividade-no-pagode-hong-chan-kuan-miu-pagode-do-deus-hong-kong-i/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/12/12/noticia-de-11-de-dezembro-de-1868-festividade-no-pagode-hong-chan-kuan-miu-pagode-do-deus-hong-kong-ii/

(2) TEIXEIRA, Padre Manuel – Pagodes de Macau, 1982, p.153

Leitura de «Macau industrial», extraído do artigo de Lopo Vaz de Sampayo e Mello «O Renascimento de Macau – Uma riquíssima possessão, cheia de vida e com um grande futuro» (1) publicado nas pp. 7-9 do folheto “MACAU e o seu Porto Artificial através a IMPRENSA PORTUGUESA (Volume I)” (2)

(1) «O Renascimento de Macau – Uma riquíssima possessão, cheia de vida e com um grande futuro» foi originalmente publicado no jornal “A ÉPOCA”.

(2) “MACAU e o seu Porto Artificial através a IMPRENSA PORTUGUESA (Volume I) ”, Macau, Tip: Mercantil N. T. Fernandes e Filhos, 1924, 68 p. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/04/12/macau-e-o-seu-porto-artificial-atravez-a-imprensa-portuguesa-volume-i/

Capa + contracapa

Pequeno folheto sobre “Noções básicas sobre higiene alimentar” (em chinês) editado pela “Associação de Investigação Médica de Macau” (com o apoio da “Fundação Oriente “ e “Leal Senado de Macau”), sem indicação do ano de publicação (28 páginas).

Capa: 14,7cm x 20,9 cm
病從囗人 (1) . p. 1

Na 2.ª página, prefácio do Dr. João Baptista Lam (na altura director do Centro Hospitalar Conde de S. Januário; depois Director dos Serviços de Saúde)

(1)病從囗人: mandarim pīnyīn: bìng cóng wéi rén; cantonense jyutping: beng6 cung4 wai4 jan4

CAPA

O 2.º número da “ASIANOSTRA revista de cultura portuguesa do oriente”, (1) que se anunciava de publicação semestral, (infelizmente só foi publicada dois números) com a coordenação de António Aresta, António Carmo e Maria da Conceição Rodrigues, foi lançado em Novembro de 1994, com 107 páginas.

Página 1
Página 2

 A edição e propriedade era do Instituto Português do Oriente (IPOR), e foi impressa na tipografia Martinho (23 cm x 15,8 cm x 0,5 cm). Revista com etiqueta de compra da Livraria Portuguesa, em Macau.

ÍNDICE – página 3
Contracapa

(1) Anteriores referências a esta revista nomeadamente o seu primeiro número em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/05/01/noticia-de-1-de-maio-de-1994-leitura-revista-asianostra/

Do «Boletim do Sindicato Nacional dos Jornalistas», no n-º especial comemorativo do Tricentenário da «Gazeta», n.º4, Out/Nov/ Dez  de 1941, pp. 143-144; 169-170. (1), extraí o seguinte texto sobre a evolução da imprensa escrita em Macau.

(1)http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/BoletimdoSindicatodeJornalistas/N04/N04_master/BoletimdoSindicatodeJornalistas_N04_OutNovDez1941.pdf

Continuação da leitura do folheto informativo “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, já postados anteriormente, (1) (2) (3), com fotos e textos explicativos dos diversos sinais que na altura estavam em vigor. Hoje, apresento os últimos sinais 9 e 10.

(1) Folheto informativo (em português e chinês) “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, de 15 páginas (21 cm x 15 cm), (1) emitido pela Protecção Civil das Forças de Segurança de Macau, sem indicação da data de emissão. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/02/18/leitura-tempestades-tropicais-i/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/09/25/leitura-tempestades-tropicais-ii-codigo-dos-sinais-de-tempestades-i/ (3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/09/28/leitura-tempestades-tropicais-iii-codigo-dos-sinais-de-tempestades-ii/

Continuação da leitura do folheto informativo “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, já postados anteriormente, (1) (2), com fotos e textos explicativos dos diversos sinais que na altura estavam em vigor. Hoje, apresento o sinal 8 com quatro divisões.

(1) Folheto informativo (em português e chinês) “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, de 15 páginas (21 cm x 15 cm), emitido pela Protecção Civil das Forças de Segurança de Macau, sem indicação da data de emissão. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/02/18/leitura-tempestades-tropicais-i/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/09/25/leitura-tempestades-tropicais-ii-codigo-dos-sinais-de-tempestades-i/

Nas páginas 9-15 do folheto informativo “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, já postado anteriormente, (1) estão apresentados com fotos e texto explicativo, os diversos sinais que na altura estavam em vigor. Hoje , apresento os sinais 1 e 3.

(1) Folheto informativo (em português e chinês) “TEMPESTADES TROPICAIS – Cuidados a Observar”, de 15 páginas (21 cm x 15 cm), (1) emitido pela Protecção Civil das Forças de Segurança de Macau, sem indicação da data de emissão. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/02/18/leitura-tempestades-tropicais-i/

CAPA
CAPA + CONTRACAPA

Lançamento do livro “POÉMA DI MACAU” de José dos Santos Ferreira (1)

Livro de poesia e prosa no dialecto macaense – língu maquista, com prefácio de Túlio Lopes Tomás datado de Setembro de 1983 e editado pelo Leal Senado em comemoração do 4.º centenário da sua fundação, em 1983.

O autor dedica “este meu modesto livro “À memória saudosíssima dos queridos Amigos, Alfredo José da Silva, Leonel Humberto Alves e Luís Gonzaga Gomes” (p. 3)

O “poéma” (singela poesia) “FULA DI PORTUGAL / FLOR DE PORTUGAL  (2) é dedicado “com muita saudade e admiração às chistosas damas minhas Amigas, macaenses de coração, para quem o nome de Macau tem sempre um significado muito especial”.

p. 48

(1) FERREIRA, José dos Santos – Poéma di Macau. Leal Senado de Macau, 1983, 285 p. (21cm x 14,7 cm x 1,4 cm)

(2) “FULA DI PORTUGAL” é composto por 4 sonetos em dialecto macaense seguidos cada um com o respectivo português. (pp. 47 – 54)