Archives for posts with tag: Transportes marítimos
Extraído de «BPMT», XV-3 de 18 de Janeiro de 1869, p. 13

A expedição comandada pelo capitão António Joaquim Garcia que embarcou na corveta Sá de Bandeira, para Timor, tinha como missão “castigar os revoltosos timorenses de Cova”. Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/03/29/noticia-de-29-de-marco-de-1887-chegada-a-timor-do-governador-interino-antonio-joaquim-garcia/

Aviso de 1 de Dezembro de 1854, em português e chinês, de uma nova carreira de vapores entre Macau, Hong Kong, Vampú e Cantão, pela “Companhia Peninsular e Oriental de navegação a vapor”.(1) O vapor de Cantão para Hong Kong era aos sábados e fazia escala em Macau bem como o vapor de Hong Kong para Cantão, às terças feiras. (2) (3)

Extraído de «BGPMTS», I-8 de 9 de Dezembro de 1854, p. 32.

1 – “Peninsular and Oriental Steam Navigation Company” (Companhia Peninsular & Oriental de Navegação a Vapor) – uma das maiores companhias de navegação transoceânica a vapor em 1858 – de bandeira Britânica fundada em 1836  com 39 embarcações e toneladas: 49,416 (em 1891: 199 911 toneladas; em 1901: 313 343 toneladas). Sir Thomas Sutherland era o presidente e o maior acionista da Companhia. (MANTUANO, Thiago – A Revolução dos Vapores na Navegação Marítima Mantuano em: http://www.abphe.org.br/uploads/ABPHE%202017/3%20A%20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20dos%20Vapores%20na%20Navega%C3%A7%C3%A3o%20Mar%C3%ADtima.pdf

(2) Extraído de «BGPMTS», I-8 de 9 de Dezembro de 1854, p. 32.

(3) “27-11-1858 – O Boletim do Governo n.º 5, desta data, publica o Regulamento dos preços de embarcação que levam passageiros, e de carga e descarga, da Praia Grande para bordo dos vapores, etc. fundeados em frente de Macau e das lorchas portuguesas entre Macau e Hong Kong, Macau-Vampú ou Cantão. O regulamento é assinado pelo procurador Lourenço Marques (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 151)

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/companhia-peninsular-e-oriental/

Extraído de «TSYK», III Ano, n.º 7 de 16 de Novembro de 1865, p. 28

NOTA: cracovienne  (cracoviana) – dança da cidade de Cracóvia (Polónia) , viva e ligeira, executada por pares.

No seguimento da visita do Governador António Sérgio de Souza a Hong Kong no dia 5 de Novembro de 1869, para apresentar cumprimentos ao príncipe Alfredo, Duque de Edimburgo (1), este no regresso a Hong Kong, vindo de Cantão, no dia 9 de Novembro, visitou Macau (por um dia). Veio no navio “Fire Dart”, fundeando na Rada/Praia Grande, onde já estava a corveta inglesa “Rinaldo” (2) toda embandeirada em arco por ser aniversário do Príncipe de Gales (futuro rei Eduardo VII) (3) nascido em Londres a 9 de Novembro de 1841.

Extraído de «BPMT», XV-46 de 15 de Novembro de 1869, p. 206.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/11/05/noticia-de-5-de-novembro-1869-governador-de-macau-em-hong-kong-na-visita-do-principe-alfredo-da-inglaterra-i/

(2) «HMS Rinaldo», construído em Portsmouth em 1 March 1858; lançado em 26 March 1860 , esteve ao serviço da marinha inglesa até 1884. Vendido em Abril 1884, para desmantelamento.

British Camelion-class sloop HMS Rinaldo ”
https://en.wikipedia.org/wiki/Camelion-class_sloop

(3) Eduardo VII (9 de novembro de 1841 – 6 de maio de 1910) , filho da rainha Vitória e do príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, foi Rei do Reino Unido e da Irlanda, dos Domínios Britânicos e Imperador da Índia de 22 de janeiro de 1901 até sua morte, sendo o primeiro monarca britânico da Casa de Saxe-Coburgo-Gota. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Eduardo_VII_do_Reino_Unido)

Extraído de «O Procurador dos Macaistas», I-35 de 31 de Outubro de 1844 5.ª feira

Partida do Governador José Maria Lobo de Ávila (1) para Cantão, no dia 14 de Outubro de 1876, a bordo da canhoneira “Tejo”, comandada por Francisco Joaquim Ferreira do Amaral, (2) para visita oficial ao vice-rei dessa província.

O «BPMT», de 21 de Outubro de 1876, dia do regresso do Governador, relata essa visita.

Extraído de «BPMT», XXII-43 de 21 de Outubro de 1876, p. 174

(1) José Maria Lobo d´Àvila (1817-1889) foi nomeado a 7 de Maio de 1874 e tomou posse de Governador de Macau a 7 de Dezembro de 1874, sucedendo a Januário Correia de Almeida, Visconde de S. Januário. Mais tarde, nomeado Ministro Plenipotenciário na China, no Sião e no Japão. Terminou a 20 de Setembro de 1876, data da nomeação do novo governador, Capitão-Tenente Carlos Eugénio Corrêa da Silva (mais tarde Visconde Paço d´Arcos, em 23-01-1879), mas manteve-se no cargo até à tomada de posse de governador deste em 31 de Dezembro de 1876.

José Maria Lobo d´Àvila, filho de Joaquim Anastácio Lobo de Ávila (? – 1884), Capitão e Coronel de Infantaria, fez toda a Guerra Peninsular e foi condecorado no campo da Batalha de Albuhera, em 16 de Maio de 1811, em que os Exércitos Aliados (anglo-Luso-Espanholas) derrotaram o Marechal francês, Nicolas Jean-de-Dieu Soult.

https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-maria-lobo-davila/

(2) Francisco Joaquim Ferreira do Amaral, (1844 -1923) (reformado com o posto de Almirante), filho do Governador João Maria Ferreira do Amaral, Tinha 5 anos quando o pai foi assassinado. Foi comandante da Estação Naval de Macau de 1876 a 1878. Em 1878 levou a Bangkok na canhoneira «Tejo», o Governador de Macau Carlos Eugénio Correia da Silva, que lá foi em missão diplomática. Esta missão regressou a Macau a 20 de Março de 1878.

Ferreira do Amaral que não se dava bem com o governador Correia da Silva, recusou receber o mandarim da Província de Cantão que vinha a Macau, em Julho de 1878, pois não podia suportar a afronta à memória do pai. Na véspera entregou o Comando da canhoneira ao oficial imediato e foi para o Hong Kong. O governador vingou-se, pedindo a sua exoneração a El Rei, e Ferreira do Amaral foi exonerado do comando com regresso imediato ao reino. (TEIXEIRA, Mons. Manuel – Marinheiros Ilustres Relacionados com Macau, 1988, pp 117-118)

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/francisco-joaquim-ferreira-do-amaral/

“Largaram de Macau, no dia 10 de Outubro de 1850, diversas lorchas de guerra sob o comando do guarda-marinha João de Carvalho Ribeiro, para socorrer um navio chinês que se encontrava abandonado na enseada de Tai ho depois de ter sido atacado e saqueado por piratas chineses.

É de presumir que, tendo encontrado o navio, as nossas lorchas o tenham guarnecido e tentado pôr em estado de navegar. No dia 13 apareceu um junco de piratas provavelmente o que o tinha atacado, com o qual as lorchas se bateram durante várias horas, acabando por o obrigar a render-se. Levado para Macau, esse junco foi integrado na marinha privativa da colónia. Não diz o cronista o que aconteceu ao navio inglês. Poder-se-á supor que tenha sido entregue aos Ingleses que se achavam instalados em Hong Kong desde 1841.” (1)

MAPA DE HONG KONG com a ILHA DE LANTAU, assinalado no mapa a vermelho a ilha de Tai O (大澳) na baía de Tai Ho Wan (大蠔灣) (2)

Em 1855, Os ingleses e americanos (primeira colaboração anglo-americana) travaram uma das últimas batalhas conhecida como “ Battle of Ty-ho Bay” contra uma armada de piratas chineses (36 juncos armados) (2)

Um modelo dum junco pirata armado com oito canhões  (2)

NOTA: Recorda-se que a Estação Naval de Macau, em 10-09-1850, se compunha da fragata D. Maria II, da corveta Iris e da corveta D. João, tendo os três navios 559 praças de guarnição (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 122)

Outro facto de consequências trágicas ocorrido neste Mês de Outubro de 1850 (dia 29,) foi a horrível explosão que destruiu a fragata D. Maria II, ancorada na Taipa, perecendo 188 dos 224 tripulantes, incluindo o Comandante J. de Assis e Silva. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fragata-d-maria-ii/

(1) MONTEIRO, Saturnino – Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol VIII, p. 103 Tem um mapa do local, p. 102

(2)  https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Ty-ho_Bay https://en.wikipedia.org/wiki/Tai_O

Extraído de «BPMT», XIII-40 de 7 de Outubro de 1867, p. 239
Extraído de «BPMT», XIV-42 de 19 de Outubro de 1868, p 194

NOTA I: a primeira corveta americana “USS IDAHO”, de 3241 toneladas, construída em 1864 (nesta data considerada, o mais rápido transporte marítimo na sua categoria, iniciou actividades em 1866, foi destacada para o Oriente tendo chegado a Nagasaki a 18 de Maio de 1868. Ficou neste porto por 15 meses desempenhado funções de hospital e armazenamento da Esquadra Asiática Americana. Em Agosto de 1869 dirigiu.se para Yokohama para efectuar o regresso aos E.U.A. rumo a S. Francisco que se efectuou a 20 de Setembro. Contudo foi apanhado por um violento tufão ficando severamente danificada, e rebocada para o porto de Yokohama. Permaneceu aí até 31 de Dezembro 1873. Desmantelada foi vendida em 1874.como sucata. https://www.history.navy.mil/content/history/nhhc/research/histories/ship-histories/danfs/i/idaho-i.html

“USS Idaho” no porto naval de Nova Iorque, em 1866. https://en.wikipedia.org/wiki/USS_Idaho_(1864).

NOTA II: Bernard Thaddée Petitjean (1829 – 1884), padre (monsenhor) católico colocado no Japão, foi nomeado o primeiro bispo neste país. Chegou ao Japão – Ilhas Ryukyu onde esteve dois anos e em 1863 colocado em Yokohama. Foi professor de francês e responsável pela construção da Igreja dedicada aos “26 Mártires Japoneses”, (conhecida como Igreja Oura) em Nagasaki, inaugurada a 19 de fevereiro de 1865. Morreu em Nagasaki e enterrado no altar da Igreja Oura. https://en.wikipedia.org/wiki/Bernard_Petitjean

Da noite de 22 à madrugada de 23 de Setembro de 1874, um tufão violento atravessou a foz do Rio das Pérolas causando grandíssimas perdas, considerado na história de Macau como a Calamidade do Tufão de 1874.

Extraído de «BPMT», XX-39 de 26 de Setembro de 1874, p. 108

Anteriores referências a este tufão em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/09/22/noticia-de-22-de-setembro-de-1874-o-maior-tufao-da-historia-de-macau-i/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/09/23/noticia-de-23-de-setembro-de-1874-o-maior-tufao-da-historia-de-macau-ii-incendio-no-bairro-de-santo-antonio