Archives for posts with tag: Gruta de Camões

Retirado (disponível na net) em:
The Directory & Chronicle for China, Japan, Corea, Indo-China, Straits … , 1904, p. 492

Para ilustrar a descrição dos locais de interesse turístico de Macau no folheto turístico de 1928 (1) o autor apresenta duas fotografias da Gruta de Camões (2) com a seguinte nota:
a-vistors-handbook-to-romantic-macao-gruta-de-camoes-iTHE GROTT OF THE POET CAMOENS is formed by a group of granite boulders situated in the grounds of the gardens bearing the poet´s name. This is one of the most interesting of the many sights of Macao. These gardens, as well as the bronze busto f the poet, are a tribute offering to the memory of Portugal´s immortal bard by the late Senhor Lourenço Marques, na ardente admirer of the great poet´s writings. Tradition has it that the famous Portuguese poet wrote some cantos of his immortal poem, The Lusiad, is this very place.
Surrounding the pedestal on which the bus tis placed, mortised into boulders, are several slabs of granite engraved with tributes from the masterly pens of Sir John Bowring, Rienzi, Sir John Davis and others – in several tongues.
a-vistors-handbook-to-romantic-macao-gruta-de-camoes-ii(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/01/24/leitura-folheto-turistico-de-1928-a-visitors-handbook-to-romantic-macao/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gruta-de-camoes/

Artigo de Albert Maybon (1) “Macau, cidade de Camões”, publicado no jornal “La Dêpêche Coloniale e Maritime” (Paris) (2) em 25 de Junho de 1927, e traduzido para português no “Boletim Geral das Colónias”, em Julho desse mesmo ano. (3)
bgc-iii-25-jul1927-pp-228-229-gruta-de-camoes-ibgc-iii-25-jul1927-pp-228-229-gruta-de-camoes-iibgc-iii-25-jul1927-pp-228-229-gruta-de-camoes-iiibgc-iii-25-jul1927-capa(1) Albert Maybon (1878 – 19–) – francês, jornalista, tradutor de japonês e autor de livros de temática histórica asiática. Alguns dos livros publicados: “les Temples du Japon”, “ Le Theatre Japonais”, “L´Indochine” “Chine ancienne”, “Le Japon d´aujourd´hui”, “La Politique Chinoise. Etude sur les Doctrines des Partis en Chine, 1898-1908”.
(2) “La dêpêche colonial et maritime” publicado entre 1915 e 1937 em Paris pela editora «Soc. Na- des Imp. Wellhoff et Roche».
(3) “Boletim Geral das Colónias”, Ano III, Julho de 1927, n.º 25 pp. 228-229.

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-capaFolheto turístico em inglês (41 páginas), “ A Visitor´s Hanbook to Romantic Macao”, publicado em 1928, pelo “The Publicity Office Port Works Department, Macao”. Impresso no “N. T. Fernandes e Filhos” (1). Este folheto de 1928 é da 2.ª edição (a 1.ª edição foi em 1927)
PREFACE TO SECOND EDITION
The active demand for this booklet has proved the need for such a publication, and the complete exhaustion of the first edition in less than two weeks has prompted the issue of a second edition, considerably added to with new sections and much further useful information.
The additionod a Bibliography as an appendix was suggested by that in the recently publishedResumo da Historia de Macauby Eudore de Colomban and Captain Jacinto N. Moura, and it is to be hoped that visitors will find Macao sufficiently interesting to make full use of the works enumerated in the short list to gain a better knowledge of “ Romantic Macao”
                                                                           THE PUBLISHERS
                                                                      Macao, 4th February, 1928

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-1-a-pagina1-ª Página

Tópicos abordados: “The Charm of Old Macao”; “Topographical”; “Clmate”; “Historical”; “A Suggeste Itenerary”; “ Beautiful Macao”; “General Information”; “Harbour Works”; “Shipping”; “ Banking”; “ Hotels, & C.”; “Transport”; “ Commerce and Enterprise”; “ Industry and Crade”; “Buyers Guide”; “ Public Services”; “Bibliography”.

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-mapa-1928MAPA DE MACAU E ILHA DA TAIPA (escala 1:80.000)

Na página 12, uma interessante sugestão de um percurso a pé por Macau pelos pontos turísticos principais, com a romanização para o inglês dos caracteres chineses desses locais.

a-vistors-handbook-to-romantic-macao-sugestao-de-itenerarioComeça na Avenida Almeida Ribeiro, passando pelo Jardim de São Francisco e Jardim de Vasco da Gama; subindo para a Colina da Guia, descendo para Flora, passando pela Montanha Russa e a Praia da Areia Preta (inexistente actualmente) até à Porta do Cerco. Depois, o Hipódromo (inexistente hoje) e o Templo Lin Fong. A seguir o Cemitério Protestante (antigo),  a Gruta de Camões e as Ruínas de S. Paulo. Depois a Sé Catedral e o Colégio de S. José, subindo para a Penha. Descida para a Santa Sancha e seguindo pela Avenida da República até ao Templo de Á Má, terminando o percurso pelo Porto Interior até à Avenida Almeida Ribeiro.

jardim-de-s-francisco-poema-iNuma cavaqueira com um amigo, falando de Macau, este referiu que gostava dos versos de Camões que estavam no Jardim de S. Francisco.
Perguntei-lhe: – Tens a certeza … os versos são de Camões?
Resposta pronta: – Mas é o que diz lá na placa.
Bem, apesar de muita gente, mesmo em Macau, continuar a atribuir estes versos a Camões, e assim faz supor a indicação nessa placa que foi colocada em 1883 numa parede lateral de pedra, à direita, logo após os primeiros degraus de pedra para quem sobe o actual Jardim de S. Francisco, (1) a partir da Rua de Santa Clara. Na verdade, pertencem a Almeida Garrett.  Fazem parte do livro de poesia « Camões. Poema» escrita por Almeida Garrett (1799-1854) , publicado em 1825. (2)

O “poiso” referido no poema é a Gruta do Patane «Nas penhas dessa ilha abriu natura, cava na rocha, solitária gruta…»
jardim-de-s-francisco-poema-iijardim-de-s-francisco-poema-iii

(1) O jardim de S. Francisco estava murado desde c. de 1860 e era um belíssimo campo de lazer, com três portões e uma porta pequena em frente do Convento de St. Clara. Nos finais do século XIX era local de passeio, com vista para o mar, fresco e agradável para os dias de maior calor e pontualmente com apresentação de bandas de música. Em 1927­, os muros foram-se abaixos assim como parte dos canteiros e o caramanchão, para se abrirem nele duas vias alternativas ao trânsito da rua principal, para facilitar o tráfego com o Porto Exterior. Ficou o quiosque, «falando do passado, e pouco mais» (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997).
(2) Canto IV na primeira edição do livro publicado em Paris, nas pp. 87-88. Edições e revisões posteriores, Canto XIV)
GARRETT, João Baptista da Silva Leitão d´Almeida – Camões. Poema. Paris, Livraria Nacional e Estrangeira,1825, 216 p.
Disponível para leitura em:
http://purl.pt/16/4/cam-423-p_PDF/cam-423-p_PDF_24-C-R0150/cam-423-p_0000_1-236_t24-C-R0150.pdf
“A obra «Camões» de Almeida Garret é um poema lírico-narrativo, escrito provavelmente durante o primeiro exílio do escritor e é considerada a primeira obra romântica da história da literatura portuguesa. O tema desta obra é a vida de Luís de Camões, em particular, os momentos em que Camões escreveu «Os Lusíadas»”.
http://www.livros-digitais.com/almeida-garret/camoes/sinopse
Anterior referência a este poeta em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/joao-bsl-almeida-garrett/

macau-b-i-t-viii-7-8-set-out-1972-miss-gilda-abreu-em-macau-iProcedente de Tóquio, onde representou Portugal no concurso de «Miss Internacional 72» (esteve na semifinal, entre 15 eleitas), (1) esteve nos dias 9 e 10 de Outubro, em Macau, Gilda Abreu que no concurso «Miss Portugal 1971» havia sido classificada em 3.º lugar.
Acompanhou-a Vera Lagoa, jornalista do «Diário Popular».
Durante a sua permanência em Macau, tiveram como guia a «Miss Macau 1972» Anabela Oliveira da Costa. (2)

macau-b-i-t-viii-7-8-set-out-1972-miss-gilda-abreu-em-macau-iiNa Gruta de Camões, com a jornalista Vera Lagoa e a «Miss Macau 1972» Anabela Oliveira da Costa.

(1) A edição de «Miss International 1972» realizou-se no dia 6 de Outubro  em Tóquio (Japão). Estiveram presentes delegadas de 47 países. Foi eleita nesse ano a  representante da Inglaterra, LInda Hooks.
A representante portuguesa Gilda Isabel Abreu que foi finalista na edição da Miss Portugal 1971 (3)  ganhando o direito de participar na «Miss Internacional», foi semi-finalista neste concurso
https://en.wikipedia.org/wiki/Miss_International_1972

macau-b-i-t-viii-7-8-set-out-1972-miss-gilda-abreu-em-macau-iiiAs visitantes foram recebidas pelo Governador, General Nobre de Carvalho

(2) Macau B. I. T., 1972.

macau-b-i-t-viii-7-8-set-out-1972-miss-gilda-abreu-em-macau-ivGilda Isabel Abreu (2.ª a contar da dta.)  foi finalista na edição da Miss Portugal 1971.

(3) Foi coroada «Miss Portugal 1971», Maria Celmira Bauleth de 18 anos de idade   («Miss Angola» nesse ano), no centro nesta foto.
http://diasquevoam.blogspot.pt/2009/12/um-concurso-polemico.html

Para complementar (e corrigir) a notícia postada em 28 de Setembro de 2013, a propósito da visita do Príncipe Imperial  Grão – Duque Alexis , filho do Czar de todas as Rússias (1)  que chegou a Macau no dia 28 de Setembro de 1872 (sábado), vindo de Cantão:
A comitiva após o aparato da recepção e apresentação de boas vindas ficou alojado no Palácio do Governo (Palácio da Praia Grande)  onde houve jantar de gala. No domingo, dia 29 de Setembro, após o almoço ,a  que assistiram também vários funcionários, o Príncipe Alexis visitou o Leal Senado e a Gruta de Camões. De tarde recebeu cumprimentos dos funcionários e, à noite, novo jantar de gala, após o qual assistiu num teatro a um auto-china (no Teatro Cheng Peng).  Não se esqueceu de galardoar o empresário do teatro, chamado Eloc, com um alfinete cravejado dum pérola e brilhantes.
Na segunda feira, dia 30, às 10 da manhã embarcou para Hong Kong na canhoneira china Peng-chao-hoi, que o vice-rei de Cantão pòs à sua disposição.” (2)

groao-duque-alexis-set1872-the-hk-advertiserNotícia do ” Sacramento Daily Union, Vol 44 , n.º 6747, 16 Nov 1872″:

The Hongkong Advertiser of October Ist thus refers to the visit of the Grand Duke Alexis at that port: H. I. H. the Grand Duke Alexis and suite arrived yesterday afternoon from Macao in H. I. C. M. gunboat Peng Chao Hai. His Imperial Highness was accompanied by the Russian Admiral and Brown, the Commissioner of Customs at Canton, and in the evening his Imperial Highness and suite visited tbe Sing Ping theater.” (3)

grao-duque-alexis-set1872-foto-jovemGrão- Duque Alexei Alexandrovich (jovem) (1872 ?)
Foto de Sergei Lvovitch Levitsky   (4)

O Grão-Duque Alexei Alexandrovich, em 1871 foi enviado como embaixador de boa-vontade numa viagema América e Ásia. Esteve em vários estados dos Estados Unidos da América (como por exemplo, esteve em meados de Janeiro, em Nebraska, para uma caçada de búfalos com o famoso Búfalo Bill (5); em  New Orleans, onde assistiu ao «Mardi Gras») (6), Cuba (chegou a Havana no dia 29 de Fevereiro de 1972)  e Brasil (Rio de Janeiro onde chegou a 3 de Junho de 1872). Seguiu para o Sudoeste Asiático passando por Cape Town (África), Batavia e Singapura.(7)
Chegou a  Hong Kong a 13 de Setembro de 1972 (8)
grao-duque-alexis-set1872-the-chronicle-directoryEsteve 10 dias alojado na Casa do Governador de Hong Kong, Sir Arthur Kennedy. (9)

grao-duque-alexis-set1872-navio-svetauna-em-hong-kongChegada do navio russo «Svetlana» a Hong Kong, em 1892, com o Grão-Duque Alexis (10)

Regressaria a Hong Kong em meados de Janeiro de 1873 onde esteve duas semanas na mesma Casa do Governador e seguiu depois, no dia 30 de Janeiro, para Manila (Filipinas). Mas regressaria a Hong Kong a 7 de Fevereiro  até Março para depois seguir para Shanghai. A 19 de Março 1873, o Grão Duque Alexis da Russia deixou  Shanghai rumo a Hankow. Chegou ao Japão a 15 de Outubro de 1872.
 
(1) Esta postagem de 2013, contém um erro que rectifico com uma Nota de Actualização, com  a data de hoje: “O grão duque Alexis que esteve em Macau não foi o Príncipe Imperial Grão Duque Alexander Alexandrovich Romanov (1845-1894), futuro czar Alexandre III (reinou de 1881 a 1894) mas sim, o seu irmão Alexis Alexandrovich Romanoff (1850-1908)
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/09/28/noticia-de-28-de-setembro-de-1872-visita-do-grao-duque-alexis-da-russia/
grao-duque-alexis-set1872-duke-alexis-of-russia

Alexis Alexandrovich Romanoff (São Petersburgo 1850 – Paris 1908) foi a sexta criança e quarto rapaz a nascer do czar Alexandre II da Rússia e da sua primeira esposa, Maria Alexandrovna (Maria de Hesse). Destinado a uma carreira naval, Alexis Alexandrovich começou o seu treino militar aos sete anos de idade. Com 20 anos foi nomeado Tenente da Marinha Imperial Russa e visitou todos os portos europeus pertencentes à Rússia. Em 1871 foi enviado como embaixador de boa-vontade numa viagem pelos Estados Unidos e Japão.
Em 1883 foi nomeado general almirante. Em 1905, depois da derrota na Batalha de Tsushima, reformou-se do seu posto. Morreu em Paris em 1908. (11)

grao-duque-alexis-set1872-foto-idade“Grand Duke Alexei Alexandrovich in old age” (12)

(2) TEIXEIRA – Padre Manuel – Residência dos Governadores de Macau, 1982. Ver  p. 13
(3) “Sacramento Daily Union, Vol 44 , n.º 6747, 16 Nov 1872″
http://cdnc.ucr.edu/cgi-bin/cdnc?a=d&d=SDU18721116.2.66
(4) https://en.wikipedia.org/wiki/File:Grand_Duke_Alexei_Alexandrovich_in_his_youth.jpg
(5) “By mid-January the Grand Duke had made his way to central Nebraska for his much anticipated participation in a buffalo hunt that would take place on his twenty-second birthday. Buffalo Bill Cody was to be his guide. The hunting party also included General Philip Sheridan and Colonel George Custer.”
http://www.eyewitnesstohistory.com/buffalobill.htm
(6) GÓES, Fred – Mardi Gras: carnaval americano na visão de um brasileiro
http://www.scielo.br/pdf/alea/v7n2/a09v7n2.pdf
grao-duque-alexis-set1872-the-straits-times-31ago1872(7) “THE GRAND DUKE ALEXIS – At about 2o´clock Wednesday afternoon, the Russian frigate Svetlana was sighted coming in from the Eastward, having on board H. R. H.. Prince Alexis Alexandrovitoh, third son of H. I. M. the Emperor of Russia. As  soon as this was  positively ascertained, a gun was fired from Fort Cunning, and the Russian naval ensign run up the masthead….”
«The Straits Times, August 31st, 1872.»
(8)  The  Chronicle &Directory for China, Corea, Japan,, The Philippines, Cochin-China, Annam, Tonquim, Siam, Borneo Straits  Settlements, Malay States, &C. for the year 1888″.
https://books.google.pt/books?id=zYpEAQAAMAAJ&pg=PA14&lpg=PA14&dq=Alexis+of+Russia+in+Hong+Kong
(9) SHARE, Michael – Where Empires Collided Russian and Soviet Relations with Hong Kong, Taiwan, and Macao. The Chinese University Press , 2007, p. 22
https://books.google.pt/books?id=hG6j9NH6x8AC&pg=PA22&dq=Alexis+of+Russia+in+Hong+Kong
(10) http://www.terapeak.com/worth/1872-hong-kong-arrival-svetlauna-flag-ship-russia-grand-duke-alexis-print/201567941916/
(11) https://pt.wikipedia.org/wiki/Aleixo_Alexandrovich_da_R%C3%BAssia
(12) https://en.wikipedia.org/wiki/File:Grand_Duke_Alexei_Alexandrovich_in_old_age.jpg