Archives for posts with tag: Gruta de Camões

No dia 3 de Janeiro de 1787, Jean-François de Galaup, conde de Lapérouse (1741-1788) (1) chega a Macau, onde permanece até 5 de Fevereiro. Em Macau vende as peles de animais adquiridas no Alasca e distribui o lucro entre a tripulação. Segue depois, com portugueses deste porto a refrescar a sua tripulação, para as Filipinas.

Lapérouse conheceu o Governador de Macau — Bernardo Aleixo Lemos de Faria — quando visitou Goa (18 a 25 de Dezembro de 1774). O Conde fazia por ordem de Luís XVI uma viagem de exploração científica à volta do mundo, com as fragatas “La Boussole” e “L’ Astrolabe”, deixando documentados, em cartas dirigidas ao rei e ministros, aspectos e ilustrações dos portos que ia tocando, entre eles naturalmente Macau.

M. Duché de Veney, desenhador desta expedição, pintou numa parede branca do Convento de S. Francisco, nesse ano de 1787, a imagem de S. Francisco com os seus emblemas, pintura essa que era tida como obra-prima. (2)

La Pérouse, with the Order of Saint Louis, 1778

(1) Jean-François de Galaup , conde Comte de La Pérouse (1741 – 1788?) official  da armada francesa e explorado que se alistou aos 15 anos de idade na marinha , em  1785 por ordem de Luís XVI, (3) foi nomeado comandante duma expedição científica à volta do mundo tendo passado (entre outros portos) por Chile, Hawai, Alasca, Califórnia, Macau, Filipinas, Formosa, Coreia, Japão, Rússia, e Austrália. O Conde bem como todos os membros da expedição desapareceram no ano de 1788(?) muito possivelmente dum naufrágio nos recifes de Vanikoro, nas ilhas Solomon. https://en.wikipedia.org/wiki/Jean-Fran%C3%A7ois_de_Galaup,_comte_de_Lap%C3%A9rouse

(2) Em 3 de Janeiro de 1787, fundearam, no ancoradouro da Taipa, os vasos de guerra franceses «Astrolabe» e «Boussole», e os seus oficiais, sob a direcção do Conde Jean François de Lapérouse, (1714-1788), que por ordem de Luís XVI fazia uma viagem de exploração científica à volta do mundo. Estiveram instalados no recinto da Gruta de Camões, onde efectuaram várias observações astronómicas. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau. Macau, vol. I, 2015, p. 316. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/08/16/leitura-chronica-planetaria-de-jose-augusto-correa-iii-a-gruta-de-camoes-em-1902/

(3) O rei Luís XV na manhã do dia da sua execução em Janeiro de 1793 terá ainda preguntado: “Alguma notícia de La Pérouse?”.

No seguimento da visita do Governador António Sérgio de Souza a Hong Kong no dia 5 de Novembro de 1869, para apresentar cumprimentos ao príncipe Alfredo, Duque de Edimburgo (1), este no regresso a Hong Kong, vindo de Cantão, no dia 9 de Novembro, visitou Macau (por um dia). Veio no navio “Fire Dart”, fundeando na Rada/Praia Grande, onde já estava a corveta inglesa “Rinaldo” (2) toda embandeirada em arco por ser aniversário do Príncipe de Gales (futuro rei Eduardo VII) (3) nascido em Londres a 9 de Novembro de 1841.

Extraído de «BPMT», XV-46 de 15 de Novembro de 1869, p. 206.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/11/05/noticia-de-5-de-novembro-1869-governador-de-macau-em-hong-kong-na-visita-do-principe-alfredo-da-inglaterra-i/

(2) «HMS Rinaldo», construído em Portsmouth em 1 March 1858; lançado em 26 March 1860 , esteve ao serviço da marinha inglesa até 1884. Vendido em Abril 1884, para desmantelamento.

British Camelion-class sloop HMS Rinaldo ”
https://en.wikipedia.org/wiki/Camelion-class_sloop

(3) Eduardo VII (9 de novembro de 1841 – 6 de maio de 1910) , filho da rainha Vitória e do príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, foi Rei do Reino Unido e da Irlanda, dos Domínios Britânicos e Imperador da Índia de 22 de janeiro de 1901 até sua morte, sendo o primeiro monarca britânico da Casa de Saxe-Coburgo-Gota. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Eduardo_VII_do_Reino_Unido)

Extraído de «BPMT»,  XIII-22 de 3 de Junho de 1867, p. 127

O alferes João Maria de Sá Camello, nomeado comandante da secção da polícia montada pertencia ao exército de Portugal, em serviço no Batalhão de Macau então comandada pelo Brigadeiro graduado João Ferreira Mendes, auxiliado pelo major Vicente Nicolau Mesquita. Os militares em serviço no Batalhão de Macau faziam uma comissão de seis anos (habitualmente) findo a qual regressariam a Portugal (informação do «Almanach Luso-Chinês de Macau» de 1866, p.41)

No ano anterior, a 28 de Janeiro (1866), o alferes Sá Camello , recitou «com bastante entusiasmo a linda poesia do Sr. António Serpa Pimentel intitulada “Camões na Gruta de Macau”» numa cerimónia para solenizar a colocação do busto de Camões, encomendado a Bordalo Pinheiro por Lourenço Marques, proprietário da gruta.  (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p 176). Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/28/noticia-de-28-de-janeiro-de-1866-busto-de-camoes/

Foi a 15 de Junho de 1920, a aprovação dos Estatutos da Associação Científica, Literária e Artística denominada «Instituto de Macau», criada para promover o estudo da sinologia e da acção e influência portuguesas no Oriente. Os Estatutos foram publicados no B.O., n.º 25 de 19 de Junho desse ano (pp. 468-469)

Extraído de «BOGPM», n.º 25 de 19 de Junho de 1920, p. 468

“ O Instituto durou pouco, mas chegou a dar frutos: – a criação do Museu Comercial e Etnográfico Luís de Camoês, a organização da Biblioteca Pública e a publicação de um boletim que deu origem aos Arquivos de Macau. O Governo de Macau deu alento ao entusiasmo dos mentores de tais ideias, Drs. Humberto Severino de Avelar e Telo de Azevedo Gomes, então ambos professores do Liceu (Cfr. Renascimento; Macau, Vol. II, pp. 480-482) ” (1)

Os fundadores do Instituto de Macau a homenagear o poeta, na Gruta de Camões, no ano de 1920. (2)

Da esquerda para a direita: Eng. Eugénio Dias de Amorim, Dr. Camilo Pessanha, D. José da Costa Nunes, Comandante Correia da Silva (Paço d´Arcos), Dr. Humberto S. de Avelar, Vice-almirante Hugo de Lacerda Castelo Branco, Dr. José António F. de Morais Palha, Padre Régis Gervais, José Vicente Jorge, Dr. Manuel da Silva Mendes, Dr. Telo de Azevedo Gomes e Alferes Francisco Peixoto Chedas.

Extraído de «ANUÁRIO DE MACAU DE 1921», p. 99

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 131

(2) Anterior postagem em 24-04-2014 https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/04/24/macau-e-a-gruta-de-camoes-xxi-instituto-macau-1920/

O Governador Nobre de Carvalho depõe um ramo de flores junto do pedestral do busto de Luís de Camões

“Dentro da tradição que conta muitos anos, e integrada no «Dia de Portugal», realizou-se a romagem das escolas à Gruta de Camões, este ano solenizada com mais brilho, pelo facto de se celebrar o IV centenário da publicação «Os Lusíadas»…» (1)

Esteve presente o Governador, acompanhado da Esposa, e as mais destacadas autoridades da Província, sendo denotar as numerosas representações sas escolas portuguesas, cujos estudantes traziam cada um uma flor que, na devida altura, depuseram junto do pedestral onde se ergue o busto do poeta.

O Dr. Henrique de Sena Fernandes proferindo a alocução junto à Grut

Findo o discurso do Dr. Henrique de Sena Fernandes, director da Escola Comercial, o Governador Nobre de Carvalho descerrou uma lápide comemorativa do IV centenário da Publicação de «Os Lusíadas», talhada no duro granito, irmão da rocha viva que forma a gruta do poeta.

O Governador descerrando a lápide, junto à Gruta de Camões
A lápide comemorativa do acontecimento.

Entretanto, os «JOGRAIS» da Escola Comercial «Pedro Nolasco» iam recitando trechos líricos e épicos de Camões, dando ao ambiente a solenidade dos momentos de alto valor cultural.

Depois seguiu-se o desfile da juventude escolar portuguesa perante o busto.

Os «Jograis» da Escola Comercial «Pedro Nolasco» recitando trechos líricos
A assistência na homenagem a Camões.
O desfile da juventude escolar

(1) Extraído de “Macau B.I.T.», VIII, 3  e 4, Maio/Junho, 1972, pp,20-22.

O jornal “ O Século” publicou em Lisboa, em Junho de 1940, com o número comemorativo dos Centenários (1140-1640-1940), um suplemento de 80 páginas dedicado ao Império Colonial Português e às comemorações nas Províncias Ultramarinas dos Centenários da Fundação e da Restauração de Portugal (1)

Capa de “ O Século”, número comemorativo dos Centenários (1140-1640-1940)

.

O Império Português na sua Máxima Expressão , pp. 2-3
Governadores coloniais: governador de Macau, p. 4 – Comandante Gabriel Maurício Teixeira
Macau é uma colónia em plena prosperidade, p. 60
Portugal Ultramarino 1940- MACAU – Rua de 5 de Outubro «, p. 53 –

(1) Disponível em: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/RaridadesBibliograficas/OSeculo_Imperio/OSeculo_Imperio_item1/index.html

Do diário de Harriet Low:  (1)

“1 de Maio de 1831: Passei uma tarde muito agradável em casa de Mrs Perrera (2)

Estava ali dois jovens, Carlos de nome, que haviam justamente chegado de Paris, genuínos franceses na aparência, nas maneiras e em tudo. Eles deram-nos algumas mostras da galopada, que é uma nova dança. Era horrível, penso eu, – e ser-me-ia muito penoso ser obrigada a dança-la. Após o almoço, tivemos todos que nos sentar e coser de novo as nossas luvas para a tarde; pois deves saber que aqui nunca podemos calçar um par sem coser cada ponto, o que é aborrecido”. (3)

(1) Ver anteriores trechos do diário em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/harriet-low/

(2) Segundo o Padre Teixeira, trata-se de Manuel Félix Pereira, filho do Conselheiro Manuel Pereira, proprietário, na altura, da Gruta de Camões. Do primeiro casamento o conselheiro teve 5 filhos com Ana Pereira Viana, três filhas e dois filhos O mais velho, António Vicente Pereira foi viver para Calcutá em 1817, ficando em Macau o segundo, Manuel Félix Pereira, comerciante e tesoureiro do Leal Senado e Fazenda Pública em 1836. Possuía com o seu pai e seu irmão António Vicente 16 acções da «Casa de Seguros de Macau». Casou em 1824 com Bárbara Luísa Pereira Correia Chaves.

(3) TEIXEIRA, Padre Manuel – Macau no Séc. XIX visto por uma jovem americana, p. 22

O Ministro da Inglaterra em Pequim depôs na Gruta de Camões em Macau, numa cerimónia impressionante, com piquetes de marinheiros da canhoneira inglesa «Tarântula» (1) e da Portuguesa «Pátria», uma bela coroa de louros esculpida em bronze e assente sobre uma placa contendo a seguinte inscrição: – A tribute of admiration to Louis de Camões from British Residents in China 1928.

Gruta de Camões – 1950

Nesse mesmo ano, em 1928, visitou Macau a canhoneira «Sebastiano Caboto», (2)  de Itália. Os seus oficiais e marinheiros deslocaram-se a pé, com o cônsul italiano, em romagem à gruta de Camões. Depuseram flores e prestaram homenagem junto do Poeta) (3)

 (1) «HMS Tarantula», um dos quatros navios da Armada inglesa construído em 1915 que interveio na I Guerra Mundial, como “insect-class gunboats” (pequenos navios próprios para navegar em rios e perto da costa). Após a I Grande Guerra, foi colocado na “China Station” de Abril de 1919 a Janeiro de 1924 e depois incorporado no “British Pacific Fleet”. Abatido ao efectivo, foi afundado de propósito como alvo, na baía de Bengala, em 1 de Maio de 1946. (https://en.wikipedia.org/wiki/HMS_Tarantula)

“HMS Tarantula, an Insect-class gunboat of the Royal Navy that served (briefly) as flagship of the British Pacific Fleet!” (1)
“The Italian gunboat Sebastiano Caboto on a river in China, 1935” (2)

(2) Em 1910, o governo italiano decidiu construir dois navios de Guerra que pudessem patrulhar os rios chineses especialmente no rio Yangtze (onde estavam muitos comerciantes italianos, com frequentes ataques de piratas). O mais pequeno “Ermano Carlotto” que deveria ser construído na China, devido à  I Grande Guerra , só foi concluído em 1921. O maior “Sebastiano Caboto” (778 toneladas) iniciado em Palermo em 1911, ficou pronto em 1913 e foi enviado para a China (chegou a Shanghai em Abril de 1914), mas devido à guerra, abandonou a China que nessa altura era ainda neutral. Voltou depois tendo estado ao serviço na China (Shanghai, Tianjin e Yangtze) nas décadas de 20 e 30 (século XX) (http://www.navypedia.org/ships/italy/it_of_caboto.htm) +(https://i.redd.it/uz34jpk2cwu21.jpg)

(3) (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, pp. 200-203)

Outro artigo de A. Marques Pereira (1) acerca do busto de Camões encomendado pelo comendador Lourenço Marques (2) ao escultor Bordalo Pinheiro

Extraído de «BGM», VII-20 de 20 de Abril de 1861, p 78

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-feliciano-marques-pereira/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/comendador-lourenco-marques/

Extraído de «TSYK»- III Ano, n.º 18 de 1 de Fevereiro de 1866, p. 77

O busto (e a sua inauguração que foi anteriormente publicada neste blogue)(1), já em 1862, mereceu um “apontamento” no «Boletim do Governo de Macau» (VIII-17 de 19-03-1862, p. 66):

Retrato de Camões – Desenho de F. Gerard e L. Visconti – Gravura de F. Lignon (1817) POSTAL  (14, 5 cm x 10,3 cm) – Colecção “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas “, 1987

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/28/noticia-de-28-de-janeiro-de-1866-busto-de-camoes/

28-01-1866 – “Para solenizar a colocação do busto de Camões, encomendado por Lourenço Marques, proprietário da gruta do mesmo nome, a Bordalo Pinheiro, busto este cuja chegada a Macau foi noticiada, no Boletim do Governo n.º 17 de 29 de Março de 1862, realizou-se «uma escolhida reunião de damas e cavalheiros, nacionais e estrangeiros, n´aquelle ameno e delicioso recinto». Compareceu também, S. Exa. O Governador e mais autoridades, bem como os estudantes do seminário, tocando a interessante banda marcial dos alunos, composta de mais de 20 músicos. Alguns estudantes recitaram, a propósito, várias poesias escolhidas e adequadas, em português, latim, francês e italiano. O Sr. Sá Camello, alferes do batalhão de linha recitou poesia do Sr. António Serpa Pimentel intitulada «Camões na gruta de Macau» ”(GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954, pp. 26-27

1866 – O primeiro busto de Camões, na Gruta do Jardim de Manuel Pereira (1757-1826) foi substituído nesta data, por iniciativa do genro do rico negociante, Lourenço Caetano Cortela Marques, casado com Maria Ana Josefa Pereira. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p.177) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/28/noticia-de-28-de-janeiro-de-1866-busto-de-camoes/