Archives for category: Imprensa escrita
Extraído de «BGM», X-28 de 11 de Julho de 1864, p. 110

Por decreto de 5 de Julho de 1865, passaram os procuradores da cidade que desde 1853 eram eleitos pelo povo, a ser de nomeação régia, sob proposta do Governador feita de entre os elegíveis para vereadores (1) (2) (3)

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

(2) “5-07-1865 – Decretada a desvinculação total e definitiva da Procuratura em relação ao Senado. Por decreto desta data o Procurador foi desligado do Senado. O Procurador dos Negócios Sínicos de Macau desempenha, em conformidade com o Decreto desta data, as funções de Administrador do Concelho de Macau, acumulando-as ainda com as de membro da Junta da Justiça e Vereador da Câmara Municipal. Procuradores do Senado de Macau : 1865 -1866 – José Bernardo Goularte. SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 174; Volume IV, 2015, p. 62.

(3) Almanach Luso Chinez para o anno de 1866, p. 43

Almanach Luso Chinez para o anno de 1866, p. 43

Aconselho leitura de ARESTA, António – Os estudos sínicos no panorama da história da educação em Portugal. In: Administração: revista de administração pública de Macau. – Volume X, nº 38 (Dezembro 1997), p. 1045-1070. https://www.safp.gov.mo/safppt/magazines/WCM_003513

Mais um relato do comandante da canhoneira «Camões», (1) capitão-tenente Gregório José Ribeiro sobre mais uma acção de vigilância e combate à pirataria, neste caso da possibilidade de 15 sapatiões (barcos chineses pequenos e ligeiros) dos piratas que se achavam na Ribeira da Prata (ilha de D. João) atacarem a povoação de Coloane.

Da acção somente foram encontrados dois sapatiões que foram capturados (os restantes esapareceram). Os tripulantes dos sapatiões tomados fugiram para a terra sendo impossível persegui-los. A bordo dum dos sapatiões foi encontrada uma rapariga china que se achava no poder dos piratas.

Extraído de «BPMT», XVII – 31 de 31 de Julho de 1871, p. 125

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/canhoneira-camoes/

Extraído de «BPMT», XX-27 de 4 de Julho de 1874, p. 110

NOTA – Algumas notas referentes ao Capitão Elias José da Silva:

“4-06-1874 – O tenente José dos Santos Vaquinhas foi nomeado no dia 4 de Junho de 1874 o 2º Comandante do Posto Militar da Taipa e Coloane, mas foi substituído pelo Capitão Elias José da Silva a 30 de Junho do mesmo ano.” (1)

“30-06-1874 – A portaria n.º 68 nomeia o Capitão Elias José da Silva para o cargo de Comandante Militar de Taipa e Coloane, que então se encontrava vago. Parece ter havido algum problema com o Tenente Vaquinhas (Cfr Portaria n.º 26 de 1874, visto ser necessário ordenar-lhe, por despacho de 30 de Outubro (cerca de 5 meses depois da publicação da presente Portaria n.º 68) que entregasse o Comando Militar da Taipa e Coloane ao Capitão Elias da Silva.” (1)

Extraído de «BPMT», XX-27 de 4 de Julho de 1874, p. 105

“2-12-1874 – O capitão Elias prendeu um mandarim «por querer exercer autoridade chinesa em terra portuguesa”. (1)

“5-12-1874 – Foi nomeado comandante provisório o 1.º sargento Joaquim Pereira Lusitano em 5 de Dezembro de 1874”. (1)

“10-12-1874 – O Comando Militar da Taipa e Coloane continua a ter problemas, que levam à exoneração, agora do Capitão Elias José da Silva e à nomeação interina, na mesma data do tenente José Procópio Martins Madeira para o referido lugar”. (1)

(1) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 211, 215 e Volume IV, 2015, pp. 66-67.

Extraído de um artigo não assinado do «M.B.I.», III-n.º 64 de 31 de Março de 1956, pp. 10-11.

“ Mesmo fronteira ao Istmo que liga Macau ao território vizinho, ergue-se, pujante de verdura e coberta de pinheiros mansos, a colina de Mong-Há, envaidecida da elegante nota de beleza que empresta àquela zona da cidade. Vivendo quase esquecida na planta de Macau, por ficar mais afastada, não tem sido menor a sua importância do que a das outras colinas que embelezam a paisagem da península. Ainda não há muitos anos, rodeavam-na quintas e hortas, agora desaparecidas, para dar lugar a uma das zonas mais atraentes da cidade nova. A seus pés estende-se o casario moderno que se tem empenhado a população em construir, neste últimos anos; e ali perto vive a maioria dos comerciantes abastados, em suas elegantes vivendas, alinhadas à beira das avenidas que correm ao longo daquela área.

Foi à sua beira que a Repartição Provincial dos Correios, Telégrafos e Telefones mandou edificar os dois bairros para os seus funcionários e pessoal menor dos Serviços, e que o Governo da Província construiu as residências para os seus funcionários. Para o Norte, está o Campo Desportivo «28 de Maio» que tem vivido horas de entusiasmo nestes últimos tempos e, mais além, os bairros sociais, agora acrescentados com encantadoras e airosas moradias para refugiados. Aqui habita a maior parte dos que alberga com a generosidade de sempre. É este o cenário que se desfruta do cimo desta colina, estendendo-se os olhares para além das muralhas da fronteira, espraiando a vista pelo rio e pelo mar que lhe são vizinhos de ambos os lados.

Esta situação privilegiada mereceu-lhe lugar de destaque entre os pontos estratégicos de protecção a Macau. Em 1864, o governador Coelho de Amaral ordenou a construção do Forte de Mong-Há no cimo dessa colina. (1) A obra, de suma importância para defesa terrestre, alcançando qualquer ponto do rio e do mar, e edificada nas escarpas graníticas, foi concluída em 1866. Daí em diante, atraiu as atenções de todos e melhorou-se a sua fortificação em 1925, com as modificações introduzidas.

Não ostenta jóias de valor histórico, mas apenas a graça da sua natureza e, por isso mesmo, mais bela e mais atraente se nos apresenta. Cativa-nos pela simplicidade do seu forte pela solidão em que está embrenhada.

(1) Os trabalhos de fortificações na colina de Mong-Há foram iniciados pelo governador Ferreira do Amaral em 1849 como uma medida preventiva de defesa contra uma temida invasão chinesa, mas não foram concluídos devido ao seu assassinato, Os trabalhos iniciaram-se de novo em 1850, mas em 1852 estavam praticamente reduzido a ruínas. Em 1864 foi construído o forte actual por ordem do Governador Coelho do Amaral e ficou concluído em 1866. Em 1925 foram levadas a cabo grandes alterações com a instalação de um projector luminoso e um armazém. O forte estava apetrechado com 2 armas, Armstrong da Marinha de tiro rápido, com o calibre de 65 mm. (GRAÇA, Jorge – Fortificações de Macau. Concepção e História, 1984, p. 101.)

Anteriores referências neste blogue: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/fortaleza-de-mong-ha/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colina-de-mong-ha/

Extraído de «BPMT», XIII-25 de 24 de Junho de 1867, p. 145

Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/herbert-dent-ca/

Extraído de «BGM», VI-28 de 20 de Junho de 1860
Extraído de «BPMT», Vol. XXII, n.º 23 de 3 de Junho de 1876, p. 92
1939 – Dia de Camões – aspecto da assistência
1939 – Dia de Camões – ouvindo os discursos
1939 – Dia de Camões – desfilando junto da Gruta
1939 – Dia de Camões –  junto da Gruta

Fotos extraídos do “Anuário de Macau de 1939”, pp. 97 e 113

Extraído de «BPMT», XV – 24, de 14 de Junho de 1869, p. 120

NOTA I – Anton Freiherr von Petz (1819 – 1885) oficial da marinha real e imperial austríaca, atingindo o posto de vice-almirante; cavaleiro da Ordem Militar de Maria Teresa. Como comandante do navio Kaiser, é considerado herói da batalha de Lissa, em 1866. (1) Em 1869, como Ministro plenipotenciário da Áustria à China efectuou uma expedição a Asia e América do Sul. (https://en.wikipedia.org/wiki/Anton_von_Petz).

(1) https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Lissa_(1866)

NOTA II – Era governador, António Sérgio de Sousa (1868-1872) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-sergio-de-sousa/