Archives for posts with tag: Luís Gonzaga Gomes

Por decreto de 5 de Julho de 1865, passaram os procuradores da cidade que desde 1853 eram eleitos pelo povo, a ser de nomeação régia, sob proposta do Governador feita de entre os elegíveis para vereadores (1) (2) (3)

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

(2) “5-07-1865 – Decretada a desvinculação total e definitiva da Procuratura em relação ao Senado. Por decreto desta data o Procurador foi desligado do Senado. O Procurador dos Negócios Sínicos de Macau desempenha, em conformidade com o Decreto desta data, as funções de Administrador do Concelho de Macau, acumulando-as ainda com as de membro da Junta da Justiça e Vereador da Câmara Municipal. Procuradores do Senado de Macau : 1865 -1866 – José Bernardo Goularte. SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 174; Volume IV, 2015, p. 62.

(3) Almanach Luso Chinez para o anno de 1866, p. 43

Almanach Luso Chinez para o anno de 1866, p. 43

Aconselho leitura de ARESTA, António – Os estudos sínicos no panorama da história da educação em Portugal. In: Administração: revista de administração pública de Macau. – Volume X, nº 38 (Dezembro 1997), p. 1045-1070. https://www.safp.gov.mo/safppt/magazines/WCM_003513

Em 22 de Junho de 1935, a Academia de Amadores de Teatro e Música promoveu, na sua sede, um recital do barítono Serafim Strelkoff . (1) (2)

(1) GOMES, Luís G. -Efemérides da História de Macau, 1954.

(2) Notícia da presença do barítono russo em Singapura, extraída de “Malaya Tribune, 27 September 1935, p. 13”

Known as “The Singing Globe-Trotter”, Mr. Serafim Strelkoff has arrived in Singapore. He is a Russian baritone, and according to notices from many parts of the world he has a voice of splendid quality. Mr. Strelkoff was in Hollywood until early last year, and then decided to start off on a world tour on his own account. He has appeared all over America and in China and Japan, having a great reception everywhere. On Sunday evening he will be heard at the Sea View Hotel, where a special Russian concert will be given. Next Friday he will sing at the American Association luncheon and at Tanglin Club in the evening.” https://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/digitised/issue/maltribune19350927-1

“Union Hi-Life”, October 1940, Vol. 10, Number 6, p. 3
http://fortvance.org/wp-content/uploads/2020/08/School_Misc.pdf

Por ocasião do Duplo Centenário da Independência e da Restauração de Portugal foi o velho edifício do Leal Senado (1) completamente restaurado e inaugurado a 2 de Junho de 1940. Reaberta e benzida a capela dedicada a Santa Catarina de Sena que, noutros tempos, era destinada ao serviço divino, antes de cada sessão. (2) O restauro deveu-se ao Engº Valente de Carvalho. (3)

Padre Teixeira refere a propósito deste data (4): “Data em que foi benzida a Capela da sua Padroeira, N. Sra. da Conceição; está, ainda nessa Capela, a estátua de S. João Baptista, que também é padroeiro da Cidade.”

George Smirnoff – Vestíbulo do Leal Senado, aguarela, 1945

(1)  “1784 – Neste ano, constrói-se o Leal Senado, sendo o projecto da autoria do Pe. Fr. Patrício de S. José e custando a obra 80 000 taéis. Ljungstedt descreve este edifício:

“O edifício público, em que o governo tem as suas sessões, é designado pelo nome de Casa do Senado; tem dois andares; a base é de granito e o resto de cal e tijolo, bem como os pilares. Nestes apenas se vêem caracteres chineses, significando a solene cessão do lugar pelo Imperador da China, ou seja, ou seja a concessão de Macau aos portugueses. O entabelamento assenta sobre colunas e a cornija é ornamentada vasos de porcelana vidrada. Por cima das portas, as Armas de Portugal e no arco a legenda: “Cidade do Nome de Deus”, etc.

No Salão Nobre, há a capelinha de N. Sra. Da Conceição, onde os senadores ouviam missa antes das sessões. O tufão de 1874 danificou muito o edifício; na reconstrução que se fez em 1876 são de notar «não só os melhoramentos de materiais empregados, mas a simplicidade e o bom gosto da architectura moderna, que na fachada principal representa». No Duplo centenário da Independência e Restauração de Portugal foi restaurado todo o edifício e inaugurado a 2-6-1940”. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. I, 2015, p. 309).

(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.p.104

(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. III, 2015, p. 264, 

(4) TEIXEIRA; P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I, pp.62-63

Veja-se: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/11/29/leitura-o-leal-senado-da-camara-de-macau/

Carta do Príncipe Regente datada de 13 de Maio de 1810 – do Rio de Janeiro – concedendo o título de Leal ao Senado. (In Alvarás, Justiça em Macau – A. H. M. – Res). D. João VI concedeu este título ao Senado de Macau, em recompensa os esforços envidados para repelir os piratas de Cam-Pau-Sai, que ameaçavam a Colónia, e pelos importantes socorros pecuniários prestados em muitas ocasiões ao Estado da India. (1)

– Data do Alvará (13 de Maio de 1810) que cria o Batalhão Príncipe Regente, para defesa da Cidade e de Macau (passou a funcionar como polícia da cidade), com cerca de 400 praças vindas de Goa. O Vice-rei da Índia comunicou que, o Príncipe Regente tinha autorizado a criação de um batalhão para a defesa da cidade, denominado por Batalhão Príncipe Regente. O Batalhão era constituído por quatro companhias e um efectivo da ordem dos 400 homens, que o Senado fez alojar inicialmente duas companhias no antigo quartel (Casa da Alfândega) e outras duas, na fortaleza do Monte na impossibilidade de as alojar no colégio de S. Paulo.

Em 13 de Junho de 1810, foi entregue a bandeira ao comandante Major D. Francisco de Castro na igreja de Sto. António onde recebeu a bênção por Fr Agostinho, da Ordem Dominicana. (2)

 (1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954, p. 92 + SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 21.

(2) O Rei em 28 de Outubro de 1816 aprovou a deliberação do Senado de acomodar duas companhias no antigo quartel e outras duas na Fortaleza do Monte, em virtude das dificuldades postas pelo Bispo em aquartelar a tropa no Colégio.

CAÇÃO, Armando – Unidades Militares de Macau, pp. 18 e 45.

Kâu-T´ou-U狗肚魚  (1) – Peixe barriga de cão

É uma espécie de peixe de pequeno tamanho, aspecto repugnante e carne viscosa. Refere-se ao humor mucoso que sai das ventas de certos indivíduos porcos que não lavam a cara. (2)

Kàu-T´ou狗肚 (3) – Barriga de cão

Como os ventres dos cães são bojudos e sem gordura este termo foi adoptado para se referir a um indivíduo sem meios e sem carácter. (2)

Kei-Lim-T´ông忌廉筒  (4) – Rolos de créme

A palavra kei-lim é uma reprodução deturpada da palavra inglesa cream. O termo é empregado para se referir aos canudos de cabelos encaracolados do moderno penteado das raparigas chinesas. (2)

(1) 狗肚魚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù yú; cantonense jyutping:gau2 tou5 jyu4

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p. 401.

(3) 狗肚 – mandarim pīnyīn: gǒu dù; cantonense jyutping: gau2 tou5

(4) 忌廉筒 – mandarim pīnyīn: jì lián tǒng, ; cantonense jyutping: gei6 lim4 tung2

NOTA de 01-05-2022: agradeço a seguinte informação dada por Isaías do Rosário, acerca do peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚,
O peixe “Kâu-T´ou-U – 狗肚魚” não existe, infelizmente, em Portugal.
Um dos meus pratos chineses favoritos é esse peixe frito, apenas com sal e malagueta – “chiu Im”.
O Peixe-pato de Bombaím, é originários dos mares tropicais do Indo-Pacífico e tem o nome científico de “Harpodon nehereus”.
A origem do nome do prato é oficialmente desconhecida, embora as histórias variem conforme a região. Alguns dizem que é depois da palavra hindi para correio, dak, devido ao odor pungente do prato, que lembra os vagões de madeira do trem postal de Bombaim. Outros afirmam que o termo peixe bummalo soava rude quando oferecido como uma refeição, então os vitorianos começaram a chamar a comida de um nome semelhante a Digchick, ou arenque seco. Outros nomes para a comida em várias regiões globais incluem bamaloh, loita, bombil e bumla.
Na ìndia portuguesa é conhecido por “Bombli”
“.

.

Neste dia, 13 de Abril de 1708,  a chalupa de Luís Abreu que seguia viagem com destino a Manila  conduzindo alguns padres dominicanos expulsos das missões da China pelo cardeal Tournon, Patriarca de Antióquia, (1) foi surpreendida por mau tempo, ao sair da ilha de Ladrão, indo parar a uma enseada abaixo de Tun-cam, a oeste de Macau, onde 12 cafres, que deviam ser vendidos em Manila, se revoltaram, apossando-se do barco . De volta a esta cidade, as autoridades pretenderam ao princípio, enforca-los, mas acabaram por os meter apenas na cadeia. (2)

PEREIRA, António Marques – Efemérides Comemorativas da História de Macau, pp. 34-35

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/carlos-tomas-maillard-de-tournon/ (2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

“10-04-1822 – O coronel José de Aquino Guimarães e Freitas foi nomeado, pelo Governador José Osório de Castro Cabral e Albuquerque e Leal Senado da Câmara, para ir a Lisboa felicitar, em nome da cidade de Macau, el-rei D. João VI pelo seu regresso do Brasil, e o Soberano Congresso pela sua instalação. José de Aquino partiu de Macau para esse fim em 14 de Abril a bordo do navio “Scaleby Castle” da Companhia das Índias.” (1)

“Ephemerides Commemorativas da Historia de Macau; Das Relações da China com os Povos Christãos” (1867) (p.34) por António Marques Pereira

(1) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954, p.72

(2) Sobre o coronel José de Aquino Guimarães e Freitas, ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/09/29/leitura-memoria-sobre-macao-de-1828/

 Continuação dos apontamentos de Jozé Baptista de Miranda e Lima (1) que foram publicados em vários números do jornal “O Macaísta Imparcial” em 1836.

Este é referente ao episódio ocorrido em Março de 1685 entre Macau e Nagasaki, na ilha da Macareira, que resultou no naufrágio de um barco de pesca japonês com doze homens a bordo, que aportaram em Macau. (2). O incidente “fez renascer de imediato as esperanças de Macau quanto à possibilidade de um regresso — material e espiritual — ao Japão após a expulsão decretada em 1639”, o que não veio acontecer (3)

NOTAS – “04-04-1685-A conselho do Capitão – Geral Belchior de Amaral e Meneses e do Governador do Bispado, António de Morais Sarmento, o Senado convocou os homens bons para discutir sobre: s forma como haveria de fazer regressar ao Japão os doze tripulantes japoneses dum barco que chegara desarvorado; a escolha do indivíduo que deveria fazer a sua entrega; e a forma como se conseguiria o dinheiro para as despesas, assentando todos em que existia toda a conveniência em repatriá-los num barco português, por existir a possibilidade de o Imperador do Japão, por reconhecimento, tornar a permitir que os barcos desta cidade voltassem a negociar naquele país, o que não se verificou. O macaense Manuel de Aguiar Pereira, cidadão categorizado, ofereceu-se para levar os japoneses, não obstante a sua avançada idade e os seus achaques.” (4)

“07-04-1685 – Reuniu-se novamente o Senado para deliberar sobre a forma de conseguir dinheiro para adquirir um barco destinado a repatriar os doze náufragos japoneses, mas não se conseguiu coisa alguma, pois o barco custaria 6 500 pardais. Porém, o Pe. Filipe Fieschi, Procurador da Província do Japão, escreveu oferecendo um barco que seria comprado por ele, pelo embaixador Pedro Vaz de Siqueira, José Pinheiro de Faria e Bernardo da Silva. Como existisse a possibilidade de os chineses e os holandeses chegarem ao Japão primeiro que os portugueses, podendo assim com as suas maquinações indispor o ânimo do Imperador contra os nossos, o Senado pediu ao embaixador que dispensasse a sua fragata São Paulo, que já não ia a tempo de seguir para Manila, para onde se destinava, por ter já passado a monção própria, pedido este que foi satisfeito”. (4)

“13-06-1685- Não obstante todos os embaraços postos pelos chineses interessados no negócio do Japão para impedirem o repatriamento dos 12 japoneses num barco português, chegando a oferecer 6 000 taéis aos mandarins do Governo de Navegação para se oporem a esta viagem., foi conseguida licença de Cantão para a partida da fragata São Paulo; e isto graças à providencial intervenção do Pe. Filipe Grimaldi,S. J. que, enviado pelo Imperador para vir buscar o célebre matemático Pe António Thomas (jesuíta belga em Macau de 1682 a 1685), tinha chegado nessa ocasião a Cantão, onde a muito custo conseguiu junto das autoridades o que pretendia; chegou mesmo a dizer que, no caso de os mandarins não concederem a licença pedida, ele mandaria seguir a fragata, estando pronto a pagar a sua cabeça, se o Imperador julgasse que ele procedera mal. Assim, em13 de Junho de 1685, pôde a fragata São Paulo fazer-se a vela para o Japão, sob o comando de João Baptista Pereira, natural de Setúbal, que exigira o posto de Capitão-de-Mar-e-Guerra e de Capitão-Mor da Viagem do Japão, levando como enviado da cidade Manuel de Aguiar Pereira.” (4)

“14-06-1685 – Era tão grande a necessidade que Macau tinha de se conseguir a reabertura do comércio com o Japão que o Senado escreveu ao Governador do Bispado, António Morais Sarmento, pedindo-lhe que encomendasse a Deus a viagem da fragata São Paulo, em todas as freguesias, e que fosse feita uma solene novena a São João Baptista com a assistência do Senado. No Colégio de S. Paulo fez-se uma novena a Santo Inácio. O prior de Sto. Agostinho, Fr. João das Chagas, convidou todos os fiéis e principalmente todos os pobres mendigos para que subissem à Penha para rogarem a Deus e noutros colégios e igrejas se fizeram também orações, para impetrar o bom sucesso da viagem da mencionada fragata. “ (4)

“3-07-1685- Chegou a Nagasáqui a fragata São Paulo, que foi obrigada a regressar no dia 20 de Agosto deste ano, sem ter conseguido nada dos japoneses que se recusaram a reatar relações com os portugueses, com receio, diz-se, de estes regressarem para tornar a ensinar a doutrina de Cristo.” (4)

(1) “Antiguidades de Macao I – D. Belchior Carneiro “ no jornal “O Macaísta Imparcial”, Vol. I n.º 1 de 9 de Junho de 1836, p.3. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/06/16/leitura-antiguidades-de-macao-apontamentos-de-jose-baptista-de-miranda-e-lima-d-belchior-carneiro/

(2) “O Macaísta Imparcial”, Vol. I, n.º 3 de 16 de Junho de 1836, p. 12

(3) Comunicação de Jorge da Silva Flores “Um naufrágio e um sonho entre Macau e Nagasaki em 1685”, disponível em: https://academia.marinha.pt/pt/multimedia/sessoesculturais/Paginas/Um-naufr%C3%A1gio-e-um-sonho-entre-Macau-e-Nagasaki-em-1685.aspx

(4) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954, pp. 66, 77,111, 112, 113 e 128.

KÂM – 柑 (1) – Tangerina

Este vocábulo quando figura na palavra composta Tch´iu-tchâu-kâm  (tangerina de Tchíu-Tchâu), cuja casa é grossa e muita enrugada, sendo empregada para se referir a um indivíduo cuja pele do rosto está muita engelhada ou bexigosa. (2)

KÂM KÊOK KÁP金脚甲 (3) – Unhas dos dedos do pé douradas

Tal termo não se aplica às unhas coloridamente polidas das modernas raparigas chinesas que fazem pédicure mas às unhas dos pés dos lavradores que estão sempre incrustadas de terra amarela, por andarem a trabalhar constantemente pelos campos. (2)

KÂM LIN金蓮 (4) – Lírios dourados

A originalidade deste poético termo, que se refere aos atrofiados pés das antigas mulheres chinesas, deve-se ao imperador Tông Fân Hau (499-501 AD) que, cheio de admiração pela sua concubina P´án Fêi que estava dançando sobre lírios, exclamou entusiasmado “Cada passo seu faz nascer um lírio”. (2)

(1) mandarim pīnyīn: gān ; cantonense jyutping: gam1

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», IV-19/20 de Março e Abril de 1952, p.400.

(3) 脚甲mandarim pīnyīn: jīn jiǎo jiǎ; cantonense jyutping: gam1 goek3 gaap3

(4) mandarim pīnyīn: jīn lián; cantonense jyutping: gam1 lin4

.

Ü PÉI UÀN T´ÂN  魚皮雲吞 (1) –Raviois de pele de peixe

Este termo emprega-se para se referir ao indivíduo que está sempre a intrujar os outros, para que o convidem a comer de graça. A massa que envolve os peixes destes revióis é um tanto rija. Por isso este termo emprega-se também para se referir a um indivíduo difícil de ser burlado.(2)

Ü T´OU魚肚 (3) – Barriga de peixe

Significa literalmente “barriga ou buxo de peixe” e em calão quer dizer um edredão (2)

UÂN UÓNG Ü搵黃魚 (4) – Buscar peixe amarelo

Literalmente, significa “buscar peixe amarelo”, mas na gíria, quer dizer, tomar um indivíduo por parvo, logrando-o ou burlando-o. (2)

(1) –雲吞mandarim pīnyīn: yú pí yún tūn; cantonense jyutping: jyu4  pei4  wan4 tan1

(2) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa, in «Mosaico», V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, p.149.

(3) mandarim pīnyīn: yú dù; cantonense jyutping: jyu4 tou5

(4) 搵 mandarim pīnyīn: wèn huáng yú ; cantonense jyutping: wan2 wong4 jyu4