Archives for posts with tag: 1826

A propósito da data de nascimento (5 de Junho de 1826) do que é considerado o pintor macaense nascido em Macau, Marciano António Baptista (já referenciado em anterior postagem) (1) saliento uma exposição evocativa da vida e obra deste pintor oitocentista., inaugurada a 21 de Abril de 1990 (esteve patente ao público até 10 de Junho desse ano), na Galeria do Leal Senado (2)

Vista do Porto Interior (aguarela sobre papel) Marciano Baptista c. de 1875-80; Martyn Gregory Gallery

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/06/05/noticia-de-5-de-junho-de-1826-marciano-antonio-baptista/

Outras referências deste pintor que se fixou residência em Hong Kong em finais de 1840 (ou durante a década seguinte) e faleceu na sua residência na ilha de Hong Kong, em Caine Road a 18 de Dezembro de 1896: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/marciano-antonio-baptista/

(2) «RC», n.ºs 11/12 de 1990, p. 217

Extraído de «BGPMTS»,  I-49 de 22 de Setembro de 1855, p. 196

No dia 16 de Setembro de 1855, faleceu (“uma apoplexia fulminante“) o 1.º tenente da armada Pedro José da Silva Loureiro, nascido em Ponta Delgada a 29-06-1792, capitão do Porto de Macau. Foi sepultado no Cemitério de S. Miguel. Filho de José da Silva de Loureiro (1745-1820) e de Genoveva Flora Joaquina da Cunha (1753-1833) ambos nascidos e falecidos em Ponta Delgada, Pedro José da Silva Loureiro chegou pela primeira vez a Macau, como guarda marinha, acabando por fazer quase toda a sua carreira militar no Oriente. A 5-04-1824 foi promovido a 2.º tenente da Armada e a 1.º tenente a 19-10-1853, sendo reformado em capitão de fragata da Armada de Goa.

Foi durante alguns anos capitão do porto de Macau sendo encarregado pelo Governador Ferreira do Amaral de construir o forte da Taipa que marcou a ocupação definitiva daquela ilha. Foi também comerciante, sendo eleito almotacé da Câmara em 1827. Casou em Macau (S. Lourenço) a 12-04-1826 com Ana Rosa Inocência do Espírito Santo Pereira de Almeida. Tiveram 16 filhos. (1) Quatro dele, Luís, Pedro, Francisco e Eduardo frequentaram o Seminário de S. José em 1840, segundo diário do Padre Leite (2)

Extraído de «BGPTMS»,  I-51 de 6 de Outubro de 1855, p. 202

 A primeira filha do casal, Genoveva Rosa Joaquina do Espírito Santo Loureiro (1827- ? )  casou na capela da Residência do Governador com Isidoro Francisco Guimarães (1808-1863), governador de Macau (1851-1863), capitão de mar-e-guerra, do Conselho de S. M. F., e visconde da Praia Grande de Macau. (3)

 (1) Informações biográficas recolhidas de FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses, II Volume. ICM, 1996, pp. 411-412.

(2) SILVA, Beatriz Basto da Silva – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995

(3) Anteriores referências a este governador em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/12/10/noticia-de-10-de-dezembro-de-1862-visconde-da-praia-grande/

Mais dois “slides” digitalizados da colecção “MACAU COLOR SLIDES – KODAK EASTMAN COLOR” comprados na década de 70 (século XX), se não me engano, na Foto PRINCESA. (1)

Pormenor do templo de Kun Iam – mesa de pedra

 No jardim, anexo ao templo de Kun Yâm ou Kwan Yin existe uma mesa de pedra, na qual se diz ter assinado, a 3 de Julho de 1844, o primeiro tratado Sino-Americano, por Ki-ying, governador -geral de Kuangtung (Cantão), ministro e comissário extraordinário do imperador da China e Caleb Cushing, comissário, enviado extraordinário e ministro plenipotenciário dos Estados Unidos na China.) Este tratado ficou conhecido como Tratado de Wang-hia ou Whangshia (望廈條約), nome do local em mandarim, em cantonense, Mong há (望廈)

Fotografia de 1957

Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tratado-de-wanghia/

Busto de Camões no Jardim do mesmo nome

A Gruta foi adquirida pelo Conselheiro Manuel Pereira; pela morte deste em 1826, foi herdada pelo seu genro Lourenço Marques, que ali colocou o busto  do poeta entre três rochedos, um disposto horizontalmente sobre os outros dois,. Em 1885, ele vendeu-a ao Governo por 30 mil patacas.

Fotografia de 1957

Ver anteriores referências:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/gruta-de-camoes/
(1) https://www.google.com/search?sxsrf=ACYBGNSn7Rmv6jkuR-8RXyab3nyp4y78NQ:1567866434430&q=nenotavaiconta+slides+coloridos+de+Macau

Entrada do Jardim de Camões – Maio 2017

Com uma área de 2,45 hectares (1) é um dos jardins mais antigos de Macau (a par do jardim interior do Leal Senado e do jardim de S. Francisco), situado numa pequena elevação que se estende para norte da Praça de Luís de Camões (2) onde está a entrada. Entra-se por um amplo portão de ferro, visualizando logo à entrada quatro belos exemplares de árvores do pagode (Ficus microcarpa L. f.), com as suas longas e delgadas raízes adejando ao vento. Ao fundo uma escadaria, enquadrada por belos exemplares de palmeiras elegantes ou palmeiras Alexandras, juntamente com palmeiras leque e palmeiras bambus, que conduz à parte superior do jardim, onde se encontra o busto do poeta. (1)

Jardim de Camões – 1950

O local ocupado pelo jardim situava-se nos limites da cidade, sendo ainda a visível na sua parte norte, o que devem ter sido umas antigas muralhas. Era propriedade de um dos homens mais ricos de Macau, o conselheiro Manuel Pereira, tendo-a adquirido em 1815.
A Companhia das Índias Orientais arrendaram a propriedade e forma os ingleses que ao gosto romântico da época que criaram sobre o cerrado arvoredo, estreitas alamedas seguindo a orografia do terreno, para o que mandaram inclusivamente vir jardineiros de Inglaterra. (1)

Jardim de Camões -1960

Segundo Carlos Estorninho (3), os ingleses conseguiram reunir no jardim numerosos e valiosos exemplares da flora da China, Malaca, Java, Manila e Índia que mereceram, nos finais do século XVIII e princípios do século XIX, a atenção dos botânicos ingleses David Stornach,(4) William Kerr (5) e Thomas Beale,(6) tendo este último enviado para o Jardim Botânico de Kew, em Inglaterra, mais de 2500 plantas exóticas. Com a a extinção da Companhia das Índias Orientais, a propriedade voltou a ser administrada pelos familiares do conselheiro Manuel Pereira (falecido em 1826), nomeadamente o seu genro comendador Lourenço Marques (7). A propriedade foi depois vendida ao Governo de Macau em 1885.
(1) ESTÁCIO, António Júlio Emerenciano; SARAIVA, António Manuel de Paula – Jardins e Parques de Macau, IPOR, 1993, 63 p.
(2) A Praça está situada entre a Igreja de Santo António e o Jardim de Camões e tem ligação com a Travessa da Palanchica, a Calçada do Botelho, o Largo de Santo António e a Rua Coelho de Amaral. (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I. ICM, 1997).
(3) ESTORNINHO, Carlos – Boletim do Instituo Luís de Camões, Vol. XIV, n.º 1 a 4, Macau, 1980 in (1)
(4) David Stornach, botânico que integrou a 1.ª embaixada britânica à China conhecida como “A Embaixada Macartney” em 1793. A expedição chegou a Macau a 19 de Junho de 1793 e partiu a 21 de Junho para Pequim (Beijing) sem passar por Cantão (Guangzhou).
(5) William Kerr foi jardineiro escocês do Jardim de Kew (Escócia) que foi enviado para a China em 1803 por Sir Joseph Banks (botânico que fez parte da 1.ª viagem do capitão James Cook a bordo do “HMS Endeavour”) tendo estado em Cantão até 1812, a recolher e catalogar plantas dos jardins chineses até então desconhecidas na Europa (a ordem  de Sir Banks  era recolher especialmente as plantas do chá).  Conhecido como o primeiro profissional colecionador de plantas na China , enviou cerca de 238 exemplares de plantas à Europa de Cantão. Em 1812 foi enviado a Colombo (antiga capital do Ceilão; hoje Sri Lanka) como superintendente do jardim botânico colonial (“The Royal Botanic Gardens” aberto em 1810 sob a supervisão de Sir Joseph Banks). Faleceu em 1814 talvez relacionado com a dependência ao ópio.
htps://en.wikipedia.org/wiki/William_Kerr_(gardener)
https://www.helpmefind.com/gardening/l.php?l=18.11352
(6) Sobre Thomas Beale (1775-1841), ver anterior referência neste blogue em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/12/11/noticia-de-11-de-dezembro-de-1841-o-malogrado-thomas-beale/
(7) – Segundo o livro (1) por 35 mil patacas; o Padre Teixeira refere 30 000 patacas, apesar de a Missão Francesa ter oferecido 35 000. (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume I. ICM , 1997).

Fotografia (autor desconhecido), cerca 1890, retirada de (1) com as seguintes indicações:

Hong Kong Ferry Heung-Shan, moored at Macao

An early photograph  of the Hong Kong ferry Heung-Shan moored at Macao. On the river in the foreground there is a lot of activity with people on sampans.
– At the time pirates in the Pearl River would have made this a risky journey between Hong Kong and Macau, even on a large steam boat. A contrast to the modern day high speed Turbocat which gets you there in one hour.
Não consegui dados referentes a este navio em 1890 mas em 1892,  (2) o “Heung Shan” era propriedade da “Hong Kong, Canton & Macau Steam-Boat Company, Ld”, (3) empresa sediada em Hong Kong que tinha como seu agente em Macau, A. A. de Cruz.
O “Heung Shan” com pavilhão britânico, que fazia a carreira entre Hong Kong e Macau era um navio de 1055 toneladas, capitaneado por W. E. Clarke e entre a tripulação tinha como comissário de bordo (oficial encarregado do serviço de passageiros) o macaense C. M. d´Eça. (4)
(1) http://www.wattis.com.hk/gallery/photographs/9/6007/hong-kong-ferry-heung-shan-moored-at-macao.html
(2) The Directory & Chronicle for China, Japan, Corea, Indo-China, Straits Settlements, Malay States, Sian, Netherlands India, Borneo, the Philippines, &c. 1892
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/06/13/anuncio-de-1904-canton-macao-and-west-river-steamers/
(4) Celidónio Maria de Eça nasceu em Hong Kong (1862) e faleceu em Macau (1909). Primeiro filho de António de Eça Vaz Bernardes (1826-1888) que foi comissário de bordo do vapor «White Cloud»,um dos primeiros barcos da empresa «Hong Kong, Canton and Macao Steamboat Co» (de que era director o seu amigo Barão do Cercal) que fazia a ligação Hong Kong –Macau. (FORJAZ, Jorge – Famílias Macaense Volume I, 1996).

5 de Agosto de 1835, data do tufão (1) que fez tantos estragos na Sé Catedral que a catedral foi provisoriamente transferida para a Igreja de S. Domingos  em 3 de Agosto de 1836” (2).
A cerimónia de Sagração do novo Bispo,  D. Jerónimo José de Matta em 1846, já se realizou na Igreja de S. Domingos.(2)
A reconstrução da Sé Catedral, dedicada à Natividade de Nossa Senhora, foi iniciada pelo Bispo D. Nicolau Pereira da Borja (3) em 1844. Por sua morte, em 1845, o novo Bispo, D. Jerónimo da Mata (4) tratou de continuar e concluir a construção da catedral cuja consagração foi feita em 19 de Fevereiro de 1850.(5)

Sob o Olhar de Á MÁ - SÉ CATEDRAL Man Fook 1907Vista lateral da Igreja/ Sé Catedral
Atribuída a Man Fook, 1907

(1) “De acordo com os mapas de Piddington o tufão atravessou a ilha de Mindoro na direcção SE-NW e foi sentido pelo navio “Lady Hayes” que estava a Sul de Macau” (NATÁRIO, Agostinho Pereira – Tufões que Assolaram Macau, 1957.
O navio “Lady Hayes” está referenciado como um navio construído na Índia, em 1931, comprado  pela empresa  “Jardine Matheson & Co.” de Hong Kong em 1833 para  o transporte do ópio entre a Índia e a China.
(2) “03-08-1836 – Por a igreja da Sé ter ficado muito danificada com o tufão, a catedral foi provisoriamente transferida para a Igreja de S. Domingos” (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)
A autorização do cabido para a transferência provisória da Catedral para a Igreja de S. Domingos foi a 29 de Fevereiro de 1844. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995).

D. Nicolau Rodrigues Pereira de Borja 1841-1845Bispo Nicolao Rodrigues Pereira de Borja.(5)

(3) D. Nicolao Rodrigues Pereira de Borja (1841-1845), sacerdote da Congregação de Missão, Mestre na Sagrada Theologia no Real Colégio de S. José da Cidade de Macau, foi eleito Bispo em 25 de Novembro de 1841, confirmado aos 19 de Junho de 1843 e tomou posse do Bispado aos 14 de Novembro do mesmo ano. Não chegou a ser sagrado  (marcado para 8 de Setembro de 1844) encontrando-se para esse fim já em Macau D. Fr. Tomás Badia mas este falece a 1 de Setembro de 1844 e o Bispo Borja falece a 29 de Março de 1845 (antes de ser sagrado), com 68 anos de idade. Foi sepultado no interior da Capela do cemitério de S. Paulo. (5) Transladado depois para debaixo do altar principal da Sé Catedral.

D. Jerónimo José da Mata 1804-1865Bispo D. Jerónimo José da Mata (5)
No pergaminho sustentado pelo Prelado lê-se:
Plano da Igreja Cathedral de Macau – J. Thomas d´Aquino – 1845 (6)

(4) D. Jerónimo José da Mata (1804 – 1865)  foi admitido no seminário aos 18 anos de idade e chegou a Macau em 24 de Outubro de 1826, tendo concluído os estudos no Real Colégio de S. José em 1827. Em 1829, recebeu o diaconado e presbiterado em Manila (não havia Bispo em Macau para essa ordenação). Voltou a Macau, continuando os seus estudos em Matemática e  astronomia com a fim de passar para o Tribunal das Matemáticas em Pequim, o que não se concretizou por ordem imperial de não admitir ali mais padres. De 1837 a 1843 esteve no reino  e foi nomeado coadjutor do Bispo de Macau (D. Nicolau Rodrigues Pereira de Borja, com estado precário de saúde. Voltou a Macau em Maio de 1844,  confirmado pela Santa Sé em 17 de Junho de 1844, com o título de Altobosco. Com o falecimento do bispo Borja, foi sagrado Bispo de Macau, em 21 de Dezembro de 1846, na igreja de S. Domingos. Renunciou o cargo em 25 de Setembro de 1862 Faleceu em Campo Maior (Portugal) em 5 de Março de 1865.(5)
(5) TEIXEIRA, P. Manuel  Macau e Sua Diocese Vol II, 1940
(6) José Tomás de Aquino foi o arquitecto da reconstrução da Sé Catedral (incluída na lista dos monumentos históricos do “Centro Histórico de Macau”, por sua vez incluído na Lista do Património Mundial da Humanidade da UNESCO). Ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-tomas-de-aquino/
Referências anteriores às  Igrejas de S. Domingos e Sé Catedral, ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/se-catedral/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-domingos/

Neste dia de 5 de Junho de 1826, nasce em Macau, Marciano António Baptista, considerado o melhor pintor de Macau do século XIX.
Marciano António BaptistaA mãe, Ana Lauriana, era já viúva de Manuel Joaquim Baptista e a criança tinha 12 anos quando entrou no Colégio/Seminário de S. José, a 30 de Junho de 1838, para estudar gramática portuguesa.
Em 8 de Julho de 1848 casou com Maria Josefa do Rosário.

Templo de A-Má Marciano A. BaptistaTEMPLO DE A-MÁ
Desenho a pena a tinta castanha e aguarela sobre papel, com esboço subjacente a lápis (Museu de Arte de Macau) (1)

Considerado o maior artista macaense até ao século XIX, foi fotógrafo, pintor e cenógrafo, com vasta obra espalhada por colecções particulares e estatais em Macau, Hong Kong e Camberra.
Discípulo de Chinnery (2) (primeiramente seu ajudante na feitura de tintas) dele terá recebido a técnica paisagística inglesa, que tanto influenciou as suas aguarelas. Amigo de outro famoso discípulo de G. Chinnery, Lamqua, de quem foi vizinho em Hong Kong, aí vem a falecer em 18-12-1896, deixando viúva e 12 filhos. A sua obra é fundamentalmente, um encontro entre a sensibilidade e as técnicas, ocidental e oriental (3)

(1) Catálogo da Exposição “ Quadros Históricos de Macau do Século XIX”.
(2) George Chinnery (1774-1852) chegou a Macau, vindo da Índia, em 1825, e durante a sua estadia de 27 anos, sempre com base em Macau, encorajou vários pintores como Thomas Watson (1815-1860), Marciano António Baptista (1826-1896), e também um pintor de origem chinesa, Lamqua, também conhecido por Kwan Kiu Cheong (1801-1854).
(3) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.

Continuação da publicação das fotografias deste pequeno álbum (1)

“SOUVENIR DE MACAU”

Souvenir de Macau 1910 jardim Chinez

 “UM JARDIM CHINEZ”

Jaime do Inso escreve sobre este “Jardim Chinez” – o jardim de Lou Lim Ioc (também conhecido por Jardim de Lou Kao):
“Estes jardins, ali para os lados do Campo do Tap Seac, encerram uma vivenda cheia de verdadeiras fantasias orientais, formada por um palacete, pavilhões, lagos com pontes caprichosas, grutas artificiais, cascatas, flores, muitas flores, sendo de admirar como so chineses, com a aparência que nos manifestam tanto as apreciam.
Encontram-se ali recantos de verdura, fechados, discretos, com mesas e bancos, em redor, caramanchões exóticos, cheios de dragões decorativos, quiosques com vidros de cores casinhas misteriosas dispersas pelos cantos, que bem revelam quando Lu Lim Ieoc era um pagão adorador da vida…
E os trabalhos de embelezamento do famoso jardim nunca se acabavam, havia sempre mais uma gruta, uma cascata, uma árvore a dispor, etc, para não fugir à superstição de que, acabada a casa, o dono morrerá.” (2)
E na verdade, com a morte de Lou Lim Ioc, em 1927, o jardim entrou em decadência e os herdeiros (filhos) após a Segunda Guerra Mundial, em 1951,por questões financeiras venderam a extensa área (parte do jardim foi para construções urbanas, outras partes ocupadas pelas escolas Pui Cheng e Leng Nam) restando pouco, residência, pavilhões, lago que foram adquiridos pelo Governo em 1974. Após restauro abriu como jardim público.

Souvenir de Macau 1910 Um aspecto da Gruta de CamõesOUTRO ASPECTO DA GRUTA DE CAMÕES

Escreve Luís G. Gomes no Boletim do Instituto Camões, Vol. VII, n.º3, Outono de 1973:
Situado no Jardim da Gruta de Camões, está instalado em vetusto palacete, um dos raros exemplos de construção arquitectural dos meados do século XVIII, que sobreviveu ao camartelo inexorável do incessante progresso.
Foi dono, tanto deste edifício como do amplo parque que o rodeia, o abastado negociante Manuel Pereira, Fidalgo Cavaleiro da Casa Real do Conselho de Sua Majestade, Conselheiro da Fazenda, Comendador das Ordens de Cristo e da Senhora da Conceição de Vila Viçosa, um dos fundadores da Casa de Seguros de Macau e seu Vice-Presidente e Tesoureiro. Tendo-se radicado nesta cidade, aqui constituiu família, casando três vezes e aqui faleceu em 10 de Março de 1826, tendo sido sepultado na igreja do extinto Convento, hoje Quartel de S. Francisco” (2)
(1)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/artes/
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol I, 1997