Archives for posts with tag: 1978

Em Janeiro de 1987 chegaram a Macau cinco Irmãs da Congregação de Caridade de Santa Ana e iniciaram a sua obra no Asilo Betânia; em Maio de 1989 foram para o Asilo de Santa Maria; em Abril de 1992 para o Lar de S. Luís Gonzaga e em Janeiro de 1933 para o Centro de Santa Lúcia em Ká Hó, tratando e servindo todos os necessitados, especialmente os idosos e os doentes mentais que lhes foram confiados. Em 1994, quando foi publicado o opúsculo (1) que apresento, eram já vinte as Irmãs que se dedicavam nos Centros transformados em casas de bem estar e onde eram prestados bons cuidados e apoio a todos que ali se encontravam.

CAPA + CONTRACAPA

Maria Rafols nasceu em 5 de Novembro de 1781 em Villafranca de Panades.Barcelona, Espanha. Um dia encontrou o Pe João Boal, vigário do Hospital de Santa Cruz de Barcelona (falecido em 1829) e tenho sabido que este estava envolvido num projecto ambicioso de caridade para cidade, ofereceu-se para trabalhar ao serviço dos pobres. Aos 23 anos foi nomeada presidente feminina de um grupo de 12 irmãs da Caridade (como eram chamadas) encarregadas de melhorar a situação de 2 000 doentes do Hospital de Nossa Senhora da Graça em Saragoça. O modo de actuação da nova Irmandade foi-se tornando conhecido e o Bispo de Huesca, D. Joaquim Sanchez de Cutanda convidou-as para o serviço do Hospital e da Casa da Misericórdia da cidade (19 de Maio de 1807). Em 1808-1809, nos dois cercos feitos a Saragoça pelas tropas de Napoleão, a Irmandade contava já contava 21 Irmãs, exercendo uma acção contra a fome e a miséria dos feridos e prisioneiros da guerra. A rendição de Saragoça deixou a cidade coberta de cadáveres e em ruínas; nove companheiras sucumbiram de doença.

Em 15 de Julho de 1824, as Constituições da Irmandade foram aprovadas pela autoridade eclesiástica diocesana, e a 16 de Julho de 1825 treze Irmãs fizeram os primeiros votos públicos de pobreza, castidade, obediência e hospitalidade e as três fundadoras, Maria Raflos, Teresa Canti, Raimunda Torella e a irmã Teresa Ribeira fizeram os votos perpétuos no mesmo ano – 15 de Novembro de 1825. Maria Rafols faleceu a 30 de Agosto de 1853 (49 anos de vida religiosa). Em 1994 existia cerca de três mil Irmâs da Caridade.

Página 40 e interior da contracapa

(1) “Maria Rafols, heroína da Caridade do Século XIX, Fundadora da Congregação das Irmãs de Caridade de Santa Ana”. Biografia da vida e obra de Maria Rafols. Opúsculo de 40 páginas, em português, inglês e chinês, 20,5 cm x 14 cm. Impresso em 30 de Outubro de 1994.

NOTA: Sou testemunha das acções contínuas e prontas destas Irmâs sempre ao serviço dos mais pobres, necessitados e doentes. Prestei assistência médica nos anos 80 e 90 (séc. XX) nos Asilos dependentes das Missões nomeadamente no Asilo «Santa Maria» (fundado pelo Padre Luís Ruiz Suarez em 1969, instalando-se na casa do antigo Infantário da Associação das Senhoras Chinesas na Travessa dos Santos n.º 2-4 (entrada principal), depois melhoradas com as obras de beneficiação; tinha uma porta lateral que dava para a Rua do Pato (por onde se entrava) e no «Asilo Betânia» também fundado pelo Padre Luís Ruiz Suarez, em 1970, na Avenida do Conselheiro Borja a caminho da Ilha Verde (eram barracas de latas, antigo centro de refugiados do Instituto de Acção Social de Macau). Por detrás do «Asilo Betânia» ficavam as casas do antigo dormitório para refugiados, onde o mesmo Padre Ruiz Suarez fundou, em 1970, o «Centro «São Luís» destinados aos rapazes com atrasos mentais e doentes crónicos (a entrada era o mesmo do Asilo Betânia). O Centro de Santa Lúcia foi fundado em 1977 para albergar raparigas subdesenvolvidas num edifício (novo com capacidade para 70 pessoas em 1978), em Ká Hó.

No dia 16 de Dezembro de 1976, o Governador de Macau (José Garcia Leandro) e representantes da concessionária da «Macau (Yat Yuen) Canidrome Co. Ltd.» (澳門逸園賽狗股份有限公司) assinaram no Palácio da Praia Grande, em Macau a escritura da alteração de algumas cláusulas do contrato da exploração de corridas de galgos.
De acordo com as alterações previstas no contrato firmado em 1964 e posteriormente alterado em 1973, a concessão terminava em 31-12-1987. Conforme já estava estabelecido, durante este período da concessão, para além de outras disposições, a sociedade obrigava-se a pagar até ao final do presente contrato a renda anual de um milhão e 500 mil patacas. A partir de 1-1-1978 até 31-12-1987, a renda anual terá um adicional de duzentas e cinquenta mil patacas. A partir de 1-1-1983 até 31-12-1987, a renda anual passaria a ter um adicional de 500 mil patacas.
Ainda de acordo com o documento assinado, a «Macau (Yat Yuen) Canidrome Co. Ltd» obrigava-se a realizar, em cada ano de exploração, o mínimo de 125 sessões e de dez corridas por cada sessão, considerando-se uma sessão equivalente a um dia de corridas.. No contrato anterior a concessionária comprometia-se a realizar anualmente o mínimo de 100 sessões. (1)
NOTA: As corridas de cães iniciaram-se em 1932 mas foram suspensas em 1936. Após várias tentativas para o seu reinício, só após aprovação dos estatutos do denominado “Canídromo Clube de Macau» em 16-03-1963 (Boletim Oficial n.º 11), voltaram as ocorridas de galgos em 28 de Setembro de 1963 (sob o contrato de Agosto de 1961 com a empresa «Kun Pha») ( SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 5, 1998)
O contrato que está em vigor será o último pois foi decisão do Governo da RAEM acabar com as corridas de galgos em Macau tendo estendido a concessão da licença somente até Julho de 2018.
Ordem Executiva n.º 76/2016, Delega poderes no Secretário para a Economia e Finanças, como outorgante, na escritura pública de prorrogação do prazo até 20 de Julho de 2018 e alteração do contrato de concessão celebrado entre a Região Administrativa Especial de Macau e a Companhia de Corridas de Galgos Macau (Yat Yuen), S.A., para a exploração, em regime de exclusivo, das corridas de galgos.
(1) Extraído de «MACAU B. I. T», Vol. XI, 9-10, 1976.
Anteriores referências ao Canídromo
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/canidromo/

Outro postal da colecção (1) de seis da Ilha da Taipa e dois da Ilha de Coloane, da década de 90 (século XX), com edição da Câmara Municipal das Ilhas. Indicações em português, chinês e inglês. Fotografia de Fong Kam Kuan.
Este é referente também à ilha de Coloane, nomeadamente ao antigo jardim, hoje Largo Eduardo Marques, onde está um monumento, (2) com uma lápide decorado com balas de canhão e correntes de ferro, evocativo dos combates contra os piratas nos dias 12 e 13 de Julho de 1910, e atrás, erigido mais tarde, a Igreja de S. Francisco Xavier (3)

Igreja de S. Francisco Xavier e obelisco comemorativo, Coloane
路環聖方濟各教堂反紀念碑– (4)
St. Francis Xavier´s Church and a memorial obelisk – Coloane.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/26/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-iv-avenida-da-praia/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/17/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-iii-mosteiro-de-pou-tai/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/10/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-ii-biblioteca-do-carmo/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/10/08/postal-da-ilha-da-taipa-da-decada-de-90-seculo-xx-i/
(2) Ver anteriores referências:
nenotavaiconta.wordpress.com/tag/monumento-de-13-de-julho-coloane/

O largo Eduardo Marques em 1940.

(3) A Igreja de São Francisco Xavier (estilo barroco) foi construída e sagrada pelo então bispo de Macau D. José da Costa Nunes em 1928, para evangelizar e servir a pequena comunidade católica em Coloane.
Ela é a igreja matriz da Missão de São Francisco Xavier, que engloba toda a ilha de Coloane. A igreja foi ampliada em 1962 e depois restaurada em 2013, por parte do Instituto Cultural.
Estavam na igreja os ossos dos ”mártires do Japão e Vietnam” (5) que foram depois transferidos (alguns) para o Museu de Arte Sacra (nas Ruínas de S. Paulo), em 1996, e outros após escolha “devolvidos” ao Japão (6) e o relicário de prata que é um osso do braço de S. Francisco Xavier, que foi transferido para a Igreja de S. José.
Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-francisco-xavier
(4) 路環聖方濟各教堂反紀念碑 mandarim pīnyīn: lù huán shèng fāng jì gè jiāo táng fǎn jì  niàn bēi; cantonense jyutping: lou6 waan4 sing3 fong1 zai2 gok3 gaau1 tong4 faan1 gei2 nim6 bei1
(5) Estavam anteriormente na Igreja de S. Paulo, depois no Seminário de S. José e em 1978 transferidas para esta Igreja.
(6) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/martires-japoneses/

https://en.wikipedia.org/wiki/Coloane#/media/File:Macau_coloane_village_1.jpg

A criação de um banco com personalidade jurídica própria e com sede em Macau, a partir de 1 de Julho de 1978, é a decisão fundamental do acordo assinado entre o Governo de Macau e o Banco Nacional Ultramarino. O referido Banco que integrará o departamento do B. N. U. de Macau, terá um capital a definir  quando da elaboração dos seus Estatutos, que orçará entre 25 e 50 milhões de patacas. O valor mínimo de 25 milhões de patacas será subscrito, no momento da assinatura da escritura da constituição do novo Banco, pelo B. N. U. com 49% e pelo Governo de Macau com 51% que fica deste modo a deter a maioria do capital social do novo estabelecimento bancário.
O novo banco que surgirá no território, quando cessar em 30-06-1978 a actividade do departamento de B.N.U. de Macau, terá as funções de Banco Emissor, Caixa Central de Reserva de Divisas, Banqueiro do Governo e Banco Comercial.
No referente ao pessoal daquele estabelecimento bancário, o acordo agora assinado prevê que os funcionários do departamento do B. N. U. de Macau possam optar pela continuação no B. N. U. em Lisboa, ou pela sua integração no futuro Banco em Macau. A opção dos referidos funcionários deverá ser feita até três meses antes da criação do Banco local, em Julho do próximo ano (1978), não perdendo os direitos já adquiridos.
Para finalizarem as negociações (cerca de nove meses) para a assinatura do novo acordo encontram-se em Macau, o presidente do Conselho de Gestão do Banco Nacional Ultramarino, dr. Oliveira Pinto, o director Abílio Dengucho do mesmo estabelecimento bancário e o dr. Pires Lourenço, representante do Ministro das Finanças Português, que acompanhou a delegação do B.N.U. para tomar parte nos trabalhos.
Participaram ainda nas reuniões para além do Governo Garcia Leandro, os drs. Iglésias Tomás, Carlos Vargas e Oliveira Carvalho, da Inspecção do Comércio bancário, e o gerente da filial do B. N. U., em Macau, Amílcar Peres.” (1)
(1) Notícia publicada em Abril de 1977 no «Macau B. I. T.»

De 15 a 21 de Março (Dia Mundial da Floresta) de 1982 realizou-se a «SEMANA VERDE DE MACAU“. Na sequência do dia Mundial da Floresta /Dia Mundial da Árvore de 1978 (1), António Estácio no seu artigo na Revista «Macau» (2) refere:
Em 1982 e na sequência de uma deslocação à Nova Zelândia no ano anterior, a fim de participarmos na 15.ª Assembleia Geral da União Internacional para a Conservação da Natureza (UCN), decidimos organizar uma série de acções que não circunscrevessem apenas ao dia 21 de Março mas pelo contrário, ganhassem uma maior dimensão temporal, com a particularidade de se iniciarem a 15 de Março e terminarem, precisamente, no Dia Mundial da Floresta, altura em que se atingiria o culminar de uma campanha de sensibilização cujo objectivo era, e é, a necessidade de se defenderem e valorizarem as Zonas Verdes, nomeadamente, as do território.
Com entusiasmo lançámo-nos ao trabalho e em pouco mais de um mês e meio estavam assegurados apoios de entidades oficiais e privadas que permitiram a implementação de uma campanha com 17 acções diferenciadas e que designámos por «SEMANA VERDE DE MACAU».
Das 17 acções diferenciadas propostas para o ano de 1982, com um total de 53 repetições, tiveram 100 % de concretização e um custo aproximado de $ 4.000,00 (MOP). (2)
(1) Ver
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/03/21/noticia-de-21-de-marco-de-1978-dia-mundial-da-arvore/
(2) ESTÁCIO, AntónioOs Reflexos do «Desenvolvimento» Incorrecto, in «MACAU», 1988.
As fotografias foram retiradas do artigo inserido na revista «Macau»
Referências anteriores ao Eng.º António Estácio em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-estacio/
Referência à «Semana Verde» de 1988 em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/03/15/noticias-de-15-21-de-marco-de-1984-e-1985-autocolan-tes-iii-e-iv-semana-verde-de-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/07/13/anuncio-semana-verde-88/

Liceu Macau - Pe. Teixeira IInauguração do complexo Escolar denominado Liceu de Macau que era constituída por duas escolas: a Escola Secundária do Infante D. Henrique  e a Escola Preparatória do Dr. José Gomes da Silva.
Ocupava uma área de 18000 m2 numa zona de aterros do Porto Exterior, vizinha ao então Forum do Território.
NAM VAN n.º 21 - 1986 Liceu de Macau IEste edifício (1) foi projectado em 1978, com início das obras  2 de  Setembro de 1982 e foi inaugurado pelo governador Contra-Almirante Almeida e Costa a 4 de Janeiro de 1986. O autor do projecto foi o arquitecto Tomás Taveira.

Liceu Macau - Pe. Teixeira IIPlaca comemorativa de inauguração do Complexo Escolar, denominado Liceu de Macau

O Liceu ocupa uma área de 18.000 m2, dos quais 8.000 m2 foram destinados à construção do edifício. Uma ampla zona de espaços exteriores permitiu a criação de vários campos desportivos, de zonas para convívio e pátios interiores para os alunos utilizarem no dias de mau tempo.
NAM VAN n.º 21 - 1986 Liceu de Macau IINo último piso funciona o Centro Pedagógico-Didáctico (C.A.P.D.), cujo objectivo principal é, como a sua própria designação indica, o apoio pedagógico e didáctico aos docentes do Liceu e aos das escolas particulares do Território. A televisão educativa é também um das sua principais componentes.
Do Liceu de Macau faz parte um Auditório com capacidade para 450 lugares, concebido para a realização de seminários, encontros, palestras, peças teatrais, etc. A Biblioteca, cujo espólio documental é, na sua maior parte, composto por documentos que idos das antigas instalações, foi devidamente equipada, quer em meios humanos, quer em meios materiais para permitir o seu cabal funcionamento.
Possuiu, também, o Liceu de Macau salas específicas apetrechadas com material moderno, havendo a destacar a sala de informática, que conta com 24 terminais, laboratórios de línguas, laboratório de ciências naturais, laboratórios de física e de química, sala de música, sala de audiovisuais, etc. . Para a prática da natação dotou-se o Liceu de uma magnífica piscina, cujas águas podem ser aquecidas no Inverno.” (2)

Liceu Macau - Pe. Teixeira VO primeiro edifício – Convento de St.º Agostinho que albergou o Liceu de Macau aquando da sua inauguração em 1894

“O projecto regulando a instrução secundária em Macau foi aprovado  a 30 de Junho de 1893, com a criação do Liceu Nacional de Macau. Foi inaugurado com 31 alunos a 28 de Setembro de 1894, ficando instalado no convento St.º Agostinho, antigo quartel da extinta Guarda Policial, ficando reitor o dr. José Gomes da Silva.

Liceu Macau - Pe. Teixeira IIIColégio dos Órfãos, depois Asilo das Inválidas, onde funcionou o Liceu de 1924 a 1956

Certo dia ruiu o convento, passando o liceu para um casarão entre a Praia Grande e o Leal Senado; dali passou para o hotel Bela Vista, daqui para o edifício da Avenida Conselheiro de Almeida (antigo Colégio dos Órfãos e depois Asilo das Inválidas) –  actualmente designado Edifício do Instituto Cultural – donde foi transferido para edifício próprio do Porto Exterior, entre as Avenidas Dr. Oliveira Salazar (hoje, Avenida da Amizade) e Infante D. Henrique

Liceu Macau - Pe. Teixeira IVO edifício do Liceu Nacional Infante D. Henrique na Avenida da Amizade (1956-1986)

e em 1986 para novo edifício do Porto Exterior (2)
(1)  Actualmente o edifício está integrado no conjunto de construções que  constituem o chamado Campus do Instituto Politécnico de Macau, (澳門理工學院) – instituição pública de ensino superior – cuja entrada principal é na Rua de Luís Gonzaga Gomes.
(2) TEIXEIRA, Monsenhor Manuel – Liceu de Macau. Direcção dos Serviços de Educação, 1983, 578 p.+ anexos.
Sobre o Liceu, anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/liceu-de-macau/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/liceu-nacional-infante-d-henrique/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/liceu-centralnacional-de-macau/
Fotos retirados de (2) e revista «Nam Van», 1986.

Celebrou-se no dia 21 de Março de 1978 , pela primeira vez, em Macau, o Dia Mundial da Floresta/ Dia Mundial da Árvore.

Semana Verde I MACAU, 1988, n.º 9

Propusemos, e foi bem acolhida, a ideia de celebrar-se, ao que supomos pela primeira vez em Macau, o dia 21 de Março (Dia Mundial da Floresta) também conhecido como o Dia Mundial da Árvore. Como o tempo urgia, rapidamente, preparámos um mini-programa e, assegurada que foi a participação de algumas turmas da Escola Primária Oficial Pedro Nolasco da Silva, partimos para Coloane com destino à antiga Granja, na altura gerida então pelos Serviços Florestais e Agrícolas de Macau (SFAM), a fim de efectuarmos uma visita guiada e, simbolicamente, proceder-se à plantação de duas árvores. Tratou-se de u primeiro passo do que mais tarde viria a ser uma acção cada vez mais envolvente e participada pela juventude escolar do Território e não só, como adiante se verá” (1)

Semana Verde II MACAU, 1988, n.º 9 Foto da primeira «Semana Verde» em Macau, 1982. Plantação de árvores na Praia de Hac Sá

 (1) Fotos e artigo de ESTÁCIO, António – Os Reflexos do «Desenvolvimento» Incorrecto in MACAU, n.º 9, 1988, pp 35-38.

Nam Van é uma coleção de seis contos de  Henrique de Senna Fernandes, publicado pela primeira vez  em Macau, em 1978. Levando o nome de Lago Nam Van, escrito em português a coleção é uma tentativa de esboçar aspectos da identidade dos macaenses, a comunidade mestiça considerado «os filhos da terra». (1)

Nam Vam CAPA Senna Fernandes

As histórias, quase todos anteriormente publicadas no diário “Notícias de Macau” (excepto os dois últimos), que estão no livro são:
A-Chan, A Tancareira” (escrito em Coimbra, em Fevereiro de 1950 quando o autor frequentava direito na Universidade “com saudades de Macau” ) – Prémio Fialho de Almeida dos Jogos Florais da Queima das Fitas de 1950 da Universidade de Coimbra.
“Um Encontro Imprevisto”
“Uma pesca ao largo de Macau”
“Chá com Essência de Cereja
“Candy”
“A desforra dum «China-Rico»

Na Nota de Abertura (de Outubro de 1978), o autor dá a explicação para o título do livro (2)
“Nam Van é o nome chinês da Praia Grande. O longo areal de antanho de curva graciosa, transformou-se, no deslize de séculos, em artéria elegante, centro nevrálgico da vida d Macau e zona residencial preferida pela população.
Nasci nas suas proximidades e grande parte da minha infância decorreu à sombra das suas árvores centenárias. Vivo hoje mesmo à esquina, numa moradia onde fiz a minha casa e o meu lar. Em certas noites de silêncio e de mistério, ouço o rumorejar das águas, batendo nos granitos, trazendo, com a brisa, os mais estranhos perfumes tropicais.
A Praia Grande, com a paisagem antiga dos seus juncos e a odisseia dos seus lorcheiros heróicos e aventureiros, inspirou-me os primeiros escritos e embalou-me os sonhos incipientes de escritor. A Praia Grande alimentou o fundo da minha sensibilidade e imaginação, com a nostalgia dos seus crepúsculos e a tristeza das suas neblinas de inverno….”

(1) http://en.wikipedia.org/wiki/Nam_Van
(2) FERNANDES, Henrique de Senna – Nam Van Contos de Macau. Edição do autor, sem data, 158 p. + |1|, 23,5 cm x 27,5 cm.

MACAU 9 1988 Semana verde ANÚNCIO I

A partir de 1982, realizava-se anualmente a “SEMANA VERDE DE MACAU” (que decorria entre 15 e 21 de Março) (1) e este anúncio publicitava a do  ano 1988. Era promovida pela Câmara Municipal das Ilhas. Durante essa semana, realizavam-se   diversas acções como plantações (quer nas Ilhas quer na cidade de Macau), palestras, exibições de diapositivos e de filmes para além de se criarem infra-estruturas complementares de reflorestação, que desde 1982 eram feita nas Ilhas nos três trilhos da Montanha, numa extensão de aproximadamente treze quilómetros. No ano de 1988, estavam programadas 37 acções diferenciadas (estimando-se um total de encargo não superior a 110 mil patacas  (1)

(1) Embora, já desde 1978 se comemorasse, em Macau,  a 21 de Março o “DIA MUNDIAL DA FLORESTA”

(2) Informações e foto recolhidas de ESTÁCIO, António – Os Reflexos do «Desenvolvimento» Incorrecto in MACAU, n.º 9 1988, pp 35-38.

Guia Ilustrado de Cobras Venenosas I

Pequena monografia editada em 1978 pelo Centro de Informação e Turismo de Macau, da autoria de Leonel Barros, com fotografias e ilustrações do próprio autor (lembrar que “Neco” Barros” desenhava muito bem). (1)
Guia Ilustrado de Cobras Venenosas II

De notar como se apresentava o Leonel Barros (2) nesta monografia: “D. V. Sc., Sm. An. Esp., An. Bh., Herpetol.”

Além da identificação e  descrição das diversas cobras venenosas (foram identificadas seis espécies na altura) existentes em Macau e Ilhas, apresenta um capítulo com as recomendações básicas para os primeiros socorros sobre mordeduras.

Guia Ilustrado de Cobras Venenosas IIIMAPA DE MACAU , TAIPA E COLOANE com ilustração dos sítios (áreas escurecidas no mapa) onde foram encontradas a maior quantidade de cobras.
Guia Ilustrado de Cobras Venenosas IV

E para quem brincava na “mata” da Colina da Guia e tinha um quintal situado junto à mesma colina,  o maior respeito (por ser muito perigosa e as mordidelas geralmente fatais, quando não socorridas a tempo) era para com a “Naja naja” mais conhecida como “cobra capelo” (3), de coloração preta (por vezes, mais clara – acastanhada escura) e identificada por apresentar na zona posterior ao pescoço, uma descoloração circular semelhante a uma coroa. Podia atingir em comprimento 1,2 m. Quando é incomodada, para se defender, levanta a parte posterior, ao mesmo tempo que o pescoço se espalma e alarga, adquirindo uma forma semelhante a um leque.

(1) BARROS, Leonel – Guia Ilustrado de Cobras Venenosa de Macau e das Ilhas da Taipa e Coloane. Edição do Centro de Informação e Turismo, Macau, 1978, 48 p. (19 cm x 13 cm).
(2) Lembrar que Leonel Barros (Leonel Zilhão Ayres da Silva 1924 – 2011) foi um autodidacta em múltiplas áreas: escritor, pintor, desenhador, músico, activista cívico, contador de histórias, investigador histórico, funcionário público, amante da natureza (estudioso da flora e fauna de Macau tendo tirado um curso de veterinária por correspondência)

Herpetologia é um ramo da zoologia dedicado ao estudo dos répteis e anfíbios: sua classificação, ecologia, comportamento, fisiologia e paleontologia.

(3) Embora não sendo as cobras mais venenosas existentes no mundo, as “Naja Naja” são as responsáveis pela maior parte das mortes (cerca de 50 mil mortes/ano) (http://animaismeusamigos.blogs.sapo.pt/)