Archives for category: Macau no Exterior

Programa da “Sessão Solene que Assinala a Transferência da Soberania do Território de Macau” realizada no Palácio de S. Bento (Lisboa) no dia 14 de Dezembro de 1999, promovida pela Assembleia da República  (Portugal).

Capa (29,8 cm x 21 cm x 0,5 cm)

Editor: Assembleia da República / Garepi

Iniciativa: Gabinete de Relações Públicas e Internacionais

Capa + Contracapa
Lombada (0,5 cm)

Folha interior da capa – Planta de Macau da autoria de Pedro Barreto de Resende , reproduzido no Livro de António Bocarro, de 1635 denominado “Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoações doestado da Índia Oriental”.

Capa – Baía da Praia Grande, Macau.
Escola Chinesa, Séc. XIX – Autor desconhecido
.
Macau – Ruínas da Igreja de S. Paulo.
Escola Chinesa Séc. XX (2.ª metade)

Macau – Ruínas da Igreja de S. Paulo.
Desenho de Lui Shou-Kwan (1919-1975), aguarela 74 cm x 53,5 cm

Além do programa da cerimónia, contém as intervenções dos representantes dos partidos representados na Assembleia, do primeiro-ministro, Engenheiro António Guterres, do Presidente da Assembleia, Dr. António de Almeida Santos e do Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio.

A delegação da Associação de Karate-do Seigokan de Macau, (1) que esteve presente no 32.º Torneio Internacional de Karate-do, da “Seigokan All Japan Karate-do Association (SAJKA)», realizado em 27 de Novembro de 1977, em Otsu, Kyoto , na Prefeitura de Shiga, (Japão), (2) participou  a seguir no 4.º Torneio Mundial de Karate-do, realizado em Budokan de Tóquio, sob a organização da «World Union of Karate-do Organizations».

Desfile das delegações dos vários países participantes

As eliminatórias fizeram-se no dia 3 de Dezembro e as semi-finais, no dia 4. Embora com  resultados menos satisfatórios do que os obtidos no Torneio, (2) Macau ainda disputou as semi-finais da modalidade de «Kata».

A equipa de Macau durante uma das provas em que participou

A caravana regressou a Macau no dia 8 de Dezembro, tendo apresentado cumprimentos ao Governador, uns dias depois.

(1) Extraído de «MACAU BIT», XII, 9-10, Nov-Dez, 1977 pp. 34-36

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/11/27/noticia-de-27-de-novembro-de-1977-torneios-de-karate-do-no-japao-i/

Pela primeira vez, Macau, representado por uma delegação da Associação de Karate-do Seigokan de Macau, (1) esteve presente no 32.º Torneio Internacional de Karate-do, da “Seiokan All  Japan Karate-do Association (SAJKA)», realizado em 27 de Novembro de 1977, em Otsu, Kyoto, na Prefeitura de Shiga, (Japão).

A equipa de Macau partiu para o Japão, no dia 25 de Novembro. Além doe alguns elementos directivos, acompanharam a caravana pessoas entusiastas da modalidade que se deslocaram por conta própria, entre as quais dr.ª Beatriz Batalha da Conceição que prestou apoio médico à equipa. Os elementos da equipa que se fizeram acompanhar do presidente do Conselho de Educação Física, José dos Santos Ferreira, do presidente da Associação de Karate-do Seigokan de Macau, dr. João Bosco da Silva, da vice-presidente, dr.ª Beatriz Batalha da Conceição e de outros elementos da Direcção.

Antes da partida para o Japão, estiveram no Palácio do Governo, a apresentar cumprimentos ao Governador coronel Garcia Leandro, tendo o dr. João Bosco da Silva, agradecido em nome da Associação o apoio moral e financeiro do Governo do território, sem os quais seria impossível Macau estar representado nesta competição internacional. Esteve presente nesta visita o secretário-adjunto para assuntos sociais e cultura, capitão Vítor Oliveira Santos, a quem igualmente foram apresentados cumprimentos.

Neste torneio, Macau participou com uma equipa formada por Manuel Silvério, Daniel Ferreira, Mateus Silva, John Sousa e Ngai Tat Chi que ficou em 4.º lugar, entre as 48 participantes e individualmente, João Madeira classificou-se em 3.º lugar da classe de Cintos Castanhos.

No dia 26 de Novembro a delegação foi recebida pelo vice-governador da Prefeitura de Shiga e pelo secretário da Câmara Municipal de Shiga que em nome do governador e do presidente da Câmara, respectivamente, apresentaram as boas vindas aos componentes da delegação. Aproveitando o tempo de estadia, a delegação de Macau visitou as academias da «SAJKA», nas cidades de Otsu, Kyoto e Himeji, onde a sede-geral da SAJKA tem as suas instalações. (2)

 (1) “Associação de Karate-do Seigokan de Macau“, em 1977 tinha a sua sede na Avenida Coronel Mesquita, edifício junto do Campo do Colégio D. Bosco, com a seguinte Direcção: Presidente – João Bosco da Silva; Vice-presidente – Beatriz Batalha da Conceição; Secretário – Daniel Albino Ferreira; Tesoureiro – Lísbio Maria Couto; Vogais: Ngai Tai Chi e Telmo Martins; Conselheiro técnico – José Martins Achiam (informação do «Anuário de Macau de 1977”, p. 420)

(2) Texto e fotos extraídos de «MACAU BIT», XII, 9-10, Nov-Dez, 1977 pp. 34-36.

Continuação da leitura «MACAO – MONTE CARLO OF THE ORIENT», artigo publicado na imprensa estrangeira no dia 20 de Novembro de 1916, (1) e cuja 1.ª parte já foi postado em (2)

A Picturesque Journey

The journey up the Canton River to Macao is one of the fine things I near to the traveller in China who was no taste for far ventures into j the interior. There are not many [such; the China in easy reach of steamer or train is deficient in the picturesque. Hong Kong Harbour, murmurous with the great ships of the world, shepherded by the green I height of the Peak and menaced by the stark hills of Kowloon, is a jewel of beauty, at night not less than at day, when the villas sparkle in the black darkness and the scythe of the searchlights sweeps across land and water. From Hong Kong to Macao is a maze of islands, bare, rocky, many [of them extensive, some rising to goodly heights. The waterway is alive with steamers, tugs, junks, with beautiful lines and graceful sails. Suddenly you make a bend of the river, and a gleaming of white buildings on a green island hill takes the eye. That is Macao, and remembering Macao’s reputation you recall the vision of Monte Carlo from the sea. As you swing into the harbour the glory of the first picture fades. The houses on the quay have the bedraggled air customary to the purlieus of ports, though their yellows Hand pinks and blues of the Latinism .of their inscriptions tells of Portugal rather than of China.

A Well-groomed Town

In war time you first report yourself to the police. Then in a ricksha 11 up steep cobbled lanes from the hart hour to the main street. Two things you notice on your way, two things intimately connected: those lanes are clean, and on either side are gay gilded houses bearing the inscription “First-class gambling saloon.” (If there be any gambling saloons other than first-class, conscious of their humble station, they do not parade themselves.) Macao is one of the best-groomed places in the Far East. The chief streets are wide, clean, well-engineered, and well maintained. The public buildings are handsome and spacious. There are charming gardens and trees everywhere. The architecture has character and ‘quality. On the China coast, of the newer comers from the west, only the Germans have tried to transplant their native architecture, without heed to the genius of the place, so that the average German settlement is terrifyingly reminiscent of the j Kurfurstendamn. The Portuguese brought with them to Macao the classic tradition of light and space and colour and symmetrical form from their southern land, and in some three or four centuries it has adjusted itself to the spirit of its new f j home. There are villas—you may hire them at incredibly low rates— with gardens down to the sea, rich with tropical flowers and fruit, and with cool arbours and fables of carved stone, where, amid the murmur bee and bird and the lapping of the lazy tide, a man may forget that he has gone into exile for gold. Macao is the only place in the Far East where the European does not, look a restless parvenu. But the empty harbour, the still streets, the peace and repose have their counterpart in the first-class gambling saloons, which, as at Monte Carlo, provide the Government with the revenue which sustains them.

The Portuguese Government of Macao is paternal. It dislikes to tax and it likes to give its subjects the civic amenities. It has squared this political circle by establishing a gambling monopoly, which is usually purchased by a Chinese syndicate. The revenue thus secured is considerable and increasing—a tender of $1,266,660, with silver at its present price, is 130,000 —and it is pure profit to the community, for the Macanese, like the Monagese, are forbidden to enter the gaming saloons except on high festivals. Nor, assuredly, do the Chinese investors in the franchise lose. ” (1)

(1) «The Sun»Volume III, Issue 867 https://paperspast.natlib.govt.nz/newspapers/SUNCH19161120.2.45

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/11/20/noticia-de-20-de-novembro-de-1916-leitura-macao-monte-carlo-of-the-orient-i-flourishing-fantan-monopoly/

Extraído de «BGC», XXI-244, OUT1945 pp. 133 -138

De Hong Kong vieram para Macau, durante a Guerra do Pacífico, milhares de refugiados portugueses. Os rapazes ficaram privados das suas escolas; quanto à crianças e às raparigas, fácil lhes foi matricular-se nas escolas de Macau, tais como os Colégios de S. Rosa de Lima, do Sagrado Coração, de N. Sra. De Fátima, etc. Os rapazes, porém, não tinham nenhuma escola secundária, onde pudessem continuar os estudos violentamente interrompidos. Foi então que um dos mais categorizados refugiados, Porfírio Maria Nolasco da Silva, sugeriu que se solicitasse a vinda dos jesuítas irlandeses de Hong Kong para abrirem aqui um Colégio Inglês para esses rapazes.

A 27 de Outubro de 1942, chegaram a Macau os PP. Henry O´Brien e Brian Kelly; a 3 de Dezembro de 1942, chegaram os PP. Jeremias McCarthy e Thomas Cooney para com os primeiros iniciarem a escola. McCarthy e Coney instalaram-se na Residência dos Jesuítas da Vila Flor; O´Brien e Kelly no Seminário. A 1 de Janeiro de 1943 passaram os quatro para um edifício que o Governo pôs à sua disposição na Rua de S. Lourenço, (1) ficando superior o Padre O´Brien. A 4 de Janeiro desse ano, inauguraram nesse edifício o Colégio de S. Luís Gonzaga, (2) tendo no dia 18 celebrado, na Igreja de S. Lourenço, a missa do Espirito Santo, acompanhada a cânticos por um grupo de refugiados portugueses de Hong Kong.

Depressa se descobriu que o edifício da Rua Central era inadequado para acomodar o número de alunos que requeriam a matrícula e assim o Dr. Pedro Lobo assegurou muito obsequiosamente um outro edifício para o Colégio da Praia Grande.” (3)

Terminada a guerra em 1945, os refugiados regressaram a Hong Kong assim como os professores e alunos. Os jesuítas também foram para reabrir as suas escolas, encerradas durante a ocupação japonesa (1941-1945)

(1) O Padre Teixeira refere mais adiante que o edifício estava na Rua Central. (3)

S. Luis Gonzaga por Francisco Goya cerca de 1798

(2) Luís Gonzaga S.J (1568 — 1591), jesuíta italiano, Santo da Igreja Católica e patrono da juventude da igreja católica. Em 1729, o Papa Bento XIII declarou Luís de Gonzaga como o santo padroeiro dos jovens estudantes. Em 1926, ele foi nomeado padroeiro de toda a juventude cristã pelo Papa Pio XI. Devido à maneira de sua morte, ele foi considerado um santo padroeiro das vítimas da peste. Por sua compaixão e coragem diante de uma doença incurável, Luís Gonzaga tornou-se o patrono de pacientes com SIDA e de seus cuidadores. https://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_de_Gonzaga

 (3) TEIXEIRA, Padre Manuel – A Educação em Macau, 1982, p. 350

Continuação da reportagem já postada em anos anteriores (1) (2) de Adam M´Cay publicado no jornal “The Sun”. (3)  

The Sun, Vol. VI, Issue 1774, 21 October 1919», p. 6.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/10/21/noticia-de-21-de-outubro-de-1919-imperial-portugal-colony-of-macao-i/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/10/21/noticia-de-21-de-outubro-de-1919-imperial-portugal-colony-of-macao-ii/

(3) M´CAY, Adam – “The Sun”, Vol. VI, Issue 1774, 21 October 1919, p. 6

Artigo inédito de Maria Anna Acciaioli Tamagnini (1) publicado na “Voz de Macau” e republicado no “Boletim Geral das Colónias” (2), aquando da passagem do primeiro aniversário do falecimento da poetisa, esposa do Governador Artur de Sousa Tamagnini Barbosa.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/maria-anna-acciaioli-tamagnini/

(2) «Boletim Geral das Colónias», Ano XI, Novembro de 1935, n.º 125, p. 134-139

Após oito anos, a “Malaysian Hockey Federation “ (1) organizou de novo o torneio dos veteranos de hóquei em campo, o chamado “PACIFIC RIM MASTERS -VETERAN HOCKEY TOURNAMENT”, o 18.º, na cidade de Kuala Lumpur (Malásia) de 23 de Setembro a 1 de Outubro de 1998. O torneio englobou ainda duas outras provas: “Senior Masters” e “Ladies Tournament”. Os jogos decorreram no “Pantai Hockey Stadium”.

CAPA do programa (29,5 cm x 21 cm)
Contracapa da programa

Notas do representante dos Veteranos de Macau, na reunião dos delegados das selecções.

Apresentação dos participantes macaenses
“OFFICIAL DINNER” 30-09-1998

NOTA: a delegação de Hong Kong apresentou-se pela primeira vez neste torneio com a denominação Hong Kong/China, após a transferência da soberania a 1 de Julho de 1997

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/09/19/noticias-de-17-a-23-de-setembro-de-1990-torneio-internacional-de-hoquei-em-campo-veteranos-pacific-rim-international-masters/https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/09/24/lembranca-do-torneio-internacional-de-hoquei-em-campo-veteranos-pacific-rim-international-masters-ii/

O torneio Internacional de hóquei em campo, o chamado “PACIFIC RIM MASTERS -VETERAN HOCKEY TOURNAMENT” (realizado anualmente), este de 1990, o nono encontro, realizou-se em Kuala Lumpur (Malásia) de 17 a 23 de Setembro de 1990, organizado pela “Malaysian Hockey Federation” no Estádio “Tun Razak”.

Capa do Programa Oficial (30 cm x 21 cm)
A delegação dos Veteranos da Associação de Hóquei em Campo de Macau

NOTA: Por motivos vários, nem todos os elementos previamente inscritos puderam seguir viagem para Kuala Lumpur pelo que foram substituídos.

Um anexo com os resultados oficiais de todos os encontros
Lista dos melhores marcadores

Duas fotos da cerimónia oficial da abertura do torneio com o desfile das equipas participantes no dia 17 de Setembro de 1990, com a presença do Ministro da Juventude e Desporto, da Malásia

FOTO DO AUTOR
FOTO DO AUTOR
Quadro dos resultados dos jogos exposto no estádio FOTO DO AUTOR

NOTA: hoje dia 19 de Setembro, faz precisamente 31 anos em que os veteranos de Macau jogaram o 3.º encontro deste torneio, precisamente com a equipa que ganharia o torneio, a Australia, equipa de veteranos quase todos eles de participações anteriores nos jogos olímpicos (Australia 3 – Macau 0)

Foto publicado no Suplemento do «Diário de Notícias” de 1980, “MACAU / 澳門 / OU MUN” (1) (2)

Construção de barcos dragão nos antigos estaleiros de Lai Chi Vun, na Estrada de Lai Chi Vun (3) classificado pelo Património Cultural de Macau, como “Bem Imóvel (SC003) ”

“A indústria de construção naval, que teve início no final da Dinastia Ming e princípio da Dinastia Qing, era uma das quatro principais indústrias tradicionais de Macau. Este sector teve desenvolvimento até à década de 1990 e teve um papel importante na economia de Macau do passado. Os estaleiros navais de Lai Chi Vun eram anteriormente denominados Lai Chi Van. Os estaleiros navais de Lai Chi Vun, propriamente ditos, foram construídos na década de 1950. De acordo com o Anuário Comercial e Industrial de Macau de 1965-1966, existiam seis estaleiros navais em Lai Chi Vun. Localizados ao longo de parte da linha costeira de Coloane, os Estaleiros Navais de Lai Chi Vun, que eram de volume semelhante entre si, e que foram construídos paralelos uns aos outros e com ligação directa à água, constituem um aglomerado de construções modulares que reflecte a perfeita harmonia entre o ambiente natural e o conjunto construído“(4).

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/07/21/leitura-macau-%E6%BE%B3%E9%96%80-ou-mun/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/03/13/fotos-de-macau-de-1980-i/

(3) “A Estrada de Lai Chi Vun tem início no cruzamento da Estrada de Seac Pai Van com a Estrada do Campo, a norte, e termina no Largo do Cais, a sul. A altaneira árvore de pagode (figueira de Bengala) na extremidade norte da via assinala o início da Povoação de Lai Chi Vun, cujo nome está associado à antiga abundância de árvores de lichia, bem como à sua baía em forma de tigela.” https://pt.wikipedia.org/wiki/Coloane

 (4) https://www.culturalheritage.mo/pt/detail/2635/1