Archives for posts with tag: 1867
Extraído de «BPMT» XIII- 45 de 11 de Novembro de 1867, p- 260

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/galera-d-maria-pia/

Extraído do «BPMT», XIII-40 de 7 de Outubro de 1867, pp. 237-238

NOTA 1 – “01-10-1867 – Macau foi visitado por um tufão que causou vários estragos, arrancando as árvores da Praia Grande e uma parte da muralha deste local. As fortalezas e alguns edifícios públicos, como o Hospital Militar, a igreja de Sto. Agostinho, o teatro D. Pedro V e outros ficaram muito maltratados.” (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954).

NOTA 2 – Em 6 e 7 de Setembro desse mesmo ano (1867), Macau já foi assolado com outro tufão. Ver anterior postagem em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/09/06/noticia-de-6-de-setembro-de-1867-galera-asia-e-o-tufao/

Extraído de «BPMT», XIII-38 de 23 de Setembro d 1867, p. 226

“O Governador Coelho do Amaral (1863-1866), ilustre engenheiro militar (Tenente Coronel graduado em Coronel e depois Coronel do Corpo de Engenheiros e General) deu condições de salubridade, fez a demolição de parte da muralha, abriu estradas e pavimentou ruas, construiu o primeiro farol a costa da China, plantou árvores da Praia Grande e jardins, mandou construir o quartel para o batalhão de 1.ª linha no lugar do antigo convento e igreja de S. Francisco, desenvolveu e ampliou a cidade. Novos contingentes militares chegaram para renderem ou reforçarem o Batalhão (em 1863, em 1866,em 1868 e em 1874) e, em 1864, foi organizada a Companhia de Enfermeiros. Em 1869 são reorganizadas as forças do Ultramar.” (CAÇÃO, Armando A. A. – Unidades Militares de Macau, 1999, p. 21

Extraído de «BPMT», XIII-31 de 5 de Agosto de 1867, p. 180

I – Peça teatral “O mano Aniceto e o mano Gaspar”, farsa em um acto de Francisco Palha (1827-1890) publicado em Lisboa pela Livraria Popular de Francisco Franco.

Francisco José Pereira Palha de Faria e Lacerda, mais conhecido por Francisco Palha  (Lisboa, 15 de janeiro de 1827 — Lisboa, 11 de janeiro de 1890) foi um escritor, dramaturgo, jornalista, poeta, filantropo e empresário teatral português do século XIX.Gravura de Francisco Palha (autoria de Francisco Pastor, publicada no Diário Illustrado, edição de 12 de janeiro de 1890. https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Palha

II – Aa comédias «O Anjo da Paz» (1856), de José Carlos Santos, e «A República das Letras», de Francisco Palha – eram obras de sucesso, representadas no ano anterior ao da sua impressão, aquelas no teatro de D. Fernando, e esta no Ginásio.

Retrato de José Carlos dos Santos em 1879 (Ilustração Portuguesa, 28 de maio de 1906). José Carlos dos Santos, mais conhecido por Actor Santos Pitorra, ou apenas Actor Santos (1834 — 1886), foi um ator, encenador, dramaturgo, professor e empresário português do século XIX. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Carlos_dos_Santos_(ator)

III – Após a morte de D. João VI, a 10 de março de 1826, D. Pedro, legítimo herdeiro do trono de Portugal, sendo detentor da Coroa imperial brasileira, era considerado um estrangeiro, o que, pelas leis então vigentes quanto à sucessão do trono, o tornava inelegível para o trono português. A regência, nomeada em 6 de março de 1826, apenas quatro dias antes da morte do rei, na pessoa da infanta D. Isabel Maria, declara D. Pedro Rei de Portugal. A situação, porém, não agradava nem a portugueses nem a brasileiros. Em Portugal, muitos defendiam a legitimidade do trono para D. Miguel, irmão de Pedro. D. Pedro procurou uma solução conciliadora. Assim, após outorgar a Carta Constitucional a Portugal (29 de abril de 1826), abdicou em favor da sua filha D. Maria da Glória, na dupla condição de esta desposar o seu tio D. Miguel e de este jurar a Carta. https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$carta-constitucional

Extraído de «BPMT», XIII-25 de 24 de Junho de 1867, p. 145

Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/herbert-dent-ca/

Extraído de «BPMT», XIII-17 de 29 de Abril de 1867, p. 95
Extraído de «BPMT», XIII-17 de 29 de Abril de 1867, p. 96

NOTA: “A Coroa d´Artista”, de João de Lacerda (João Caetano de Sousa e Lacerda) , comédia-drama original em três actos, foi representada pela primeira vez no Teatro do «Gymnasio-Dramático» a 6 de Agosto de 1863. (“A Revolução de Setembro” de 11 – 08-1863)

Publicado em livro pela «Typ. Lisbonense d’Aguiar Vianna», em 1864, 67 p.

https://books.google.pt/books?id=AqtLAQAAMAAJ&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false https://books.google.pt/books/about/A_coroa_d_artista.html?id=AqtLAQAAMAAJ&redir_esc=y

Extraído de «TSYK», I-29 de 21 de Abril de 1864, p. 116.
Manuel de Castro Sampaio
  • Manuel de Castro Sampaio (nascido em 1827 no Porto, † 1875 em Lisboa) foi oficial militar, jornalista, e de 1871 a 30 de agosto de 1873, foi governador do Timor, então sob administração de Macau.

Como membro do corpo médico do exército, alferes Manuel de C. Sampaio veio para Macau, onde ascendeu ao posto de capitão da guarnição. Em Macau, foi co-editor do jornal semanal “Ta-Ssi-Yang-Kuo”. Interessado em ciência e literatura, escreveu o livro “Os Chins de Macau” (1)

https://de.wikipedia.org/wiki/Manuel_de_Castro_Sampaio https://artigos.wiki/blog/de/Manuel_de_Castro_Sampaio

Anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-de-castro-sampaio/

(1) SAMPAIO, Manuel de Castro – Os Chins em Macau. Hong Kong: Typographia de Noronha e Filhos, 1867, 144 pp., 1 mapa, 215 mm.

Posteriormente, o livro foi publicado em inglês, em números sucessivos no «Far East» (Shanghai) e depois compilados e juntos num só livro: “Manners & Customs of the Chinese at Macao” (printed at the “Celestial Empire” Office, 1877, 103 p.) traduzido por Rufino F. Martins e dedicado à “Royal Asiatic Society”, da qual era correspondente.

https://de.wikipedia.org/wiki/Manuel_de_Castro_Sampaio https://artigos.wiki/blog/de/Manuel_de_Castro_Sampaio

Outros livros deste autor, publicados em Macau:

Memorias dos festejos realizados em Macau no Fausto Nascimento de SA o sr. D. Carlos Fernando (Macau 1864), dedicado ao governador José Rodrigues Coelho do Amaral.

Compêndio de ortographia (Macau 1864). http://purl.pt/32930/1/html/index.html#/2-3

Continuação da postagem anterior (1) referente aos espectáculos que a Companhia Italiana de Ópera do Sr. Pompei estreou em Macau, no Teatro D. Pedro V.

Extraído de «BPMT», XIII – 14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Em complemento à postagem de 01 de Abril de 2017 (1), sobre as várias representações teatrais que a Companhia de Ópera italiana do Sr. Pompei estreou em Macau, no Teatro D. Pedro V, apresento a “crítica” aos espectáculos realizados no dia 6 e 7 de Abril de 1867. (2) A companhia que iniciou a “tournée” ao sudeste asiático, a 28 de Março de 1867 em Hong Kong, deu o 1.º espectáculo em Macau no dia 6 de Abril (e não a 1 de Abril, como foi publicado na anterior postagem) e voltou nos fins de semana para ao todo ter apresentado “12 serões teatrais”.

Extraído de «BPMT», XIII-13, 1 de Abril de 1867, p. 71
Extraído de BPMT XIII – 14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Continua na próxima postagem.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/04/01/noticia-de-1-de-abril-de-1867-espectaculo-de-opera-italiana-no-teatro-d-pedro-v/

(2) Extraídos de «BPMT», XIII-13, 1 de Abril de 1867, p. 71 e «BPMT» XIII–14 de 8 de Abril de 1867, pp.76-77

Extraído de «BPMT», XIV – 5 de 3 de Fevereiro de 1868, p. 30
Extraído de «BPMT», XIV-6 de 19 de Fevereiro de 1868, p. 35

A prima dona Marietta Veralli estava integrada na “Nova Companhia de Ópera Italiana” (sucessora da Companhia de Ópera Italiana do Sr. Pompei” que actuou no ano de 1867 no Teatro D. Pedro) (1)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/04/01/noticia-de-1-de-abril-de-1867-espectaculo-de-opera-italiana-no-teatro-d-pedro-v/