Archives for posts with tag: Companhia das Índias Orientais

10-11-1835 – Faleceu, em Macau, sir Andrew Ljungstedt, (1) escritor sueco, autor de «An Historical Sketch of the  Portuguese Settlements in China, and of the Roman Catholic Church and Mission in China, Boston, 1835», obra póstuma e raríssima, por ter sido o primeiro trabalho estrangeiro que se publicou sobre a história de Macau. Contém, porém, muitos erros” (2)
Ljungstedt confessa que teve acesso «a grande número de interessantes manuscritos relativos a Macau … que D. João (aliás Joaquim) Saraiva, Senhor Bispo de Pequim, tinha salvo da perdição à custa de incrível e perseverante trabalho» e que o seu «humilde trabalho se pode considerar um repositório de factos , cujos originais já não existem nos arquivos do Senado»
Os artigos de Ljungstedt foram publicados em Macau na revista «The Canton Miscellany», impressa na tipografia da English East India Company. Esta série de artigos agradou aos comerciantes estrangeiros residentes em Macau e, depois de corrigidos, foram publicados em forma de livro em Macau, em 1834. Em 1836, foi publicada uma segunda edição, correcta e aumentada, em Boston. Além dos manuscritos do bispo Saraiva, Ljungstedt consultou os papéis e livros de José Baptista de Miranda e Lima e os Arquivos do Senado.
Está sepultado no Cemitério dos Protestantes, no Largo de Camões. O jazigo de cantaria encontra-se no  plano inferior do velho Cemitério. ” (3)
Jazigo LjungstedtNa laje vertical ocidental lê-se:

HAR LIGGER RESTEN
AF
ANDERS LJUNGSTEDT
WASA RIDDARE, LARD OCH MANNISKOVAN. HAN
FODDES I
LINKOPING
DEN 23 MARS 1759.
DOG I MACAO DEN 10 NOVEMBER 1835.

Na parte vertical do norte:

VARDEN REST
AF
EN SORGANDE
VAN

Na parte oriental:

HERE LIE THE REMAINS
OF
ANDREW LJUNGSTEDT
KNIGHT OF WASA SCHOLAR AND PHILANTHROPIST.
HE WAS BORN IN LINKOPING MARCH 23TH. 1759
DIED AT MACAO NOVEMBER 10TH. 1835

Na pedra vertical do sul:

THE TOMB ERECTED
BY
A MOURNFUL
FRIEND

O amigo desolado que ergueu o jazigo era o seu conterrâneo Jacob Gabriel Ullman (4)
(1) Andrew Ljungstedt (1759 – 1835) (龍思泰- mandarim pinyin: Lóng Sītài; cantonense jyutping: lung4 (dragão) si3 (pensador) taai3 (grande). Com a idade de 38 anos (em 1797), encontrou colocação na Companhia Sueca da Índia Oriental e embarcou para a China no barco «The Queen», tendo chegado a Cantão (Guangzhou), em 1789. Em 1804, foi nomeado representante da Companhia, em Macau. Quando a companhia sueca liquidou os seus negócios na China, em 1813, Ljungstedt estabeleceu-se definitivamente em Macau, trabalhando como comerciante. Em 1820, foi nomeado o primeiro cônsul geral na  China.
https://en.wikipedia.org/wiki/Anders_Ljungstedt
(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(3) TEIXEIRA, P. Manuel A Voz das Pedras de Macau, 1980.
(4) Sueco católico Jacob Gabriel Ullman casou com Rosa Minas, filha de Inácio Minas Atatosm e de Pascoela Minas.  Tiveram 4 filhos nascidos em Macau. Faleceu em Macau 25-07-1837.
Sobre este livro e o autor ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/23/noticia-de-23-de-marco-de-1759-nascimento-de-andrew-ljungstedt/  e
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/andrew-ljungstedt/

Faleceu em Macau, no dia 11 de Outubro de 1834, lorde Napier (1) Superintendente do Comércio Britânico na China que sofreu em Cantão os primeiros sintomas da doença (tifo) em 16 de Setembro e chegou a Macau vindo de Cantão, em 26 de Setembro (agravamento da doença “com os estorvos  e cavilações dos chineses“).  (2) Foi sepultado no dia 15, no Cemitério Inglês. (3) Foi sucedido como superintendente do comércio inglês na China por John Francis Davis (4) que foi mais tarde seria Governador de Hong Kong.
Lorde Napier(1) William John Napier (1786-1834) 律勞卑, nono lorde Napier, foi um oficial da marinha inglesa, político e diplomata. Reformado da armada e com o apoio dos mercadores ingleses em Cantão, foi nomeado por lorde Palmerston (secretário dos assuntos estrangeiros inglês), Plenipotenciário e 1.º  Superintendente do Comércio Britânico na China. Chegou a Macau em 15 de Julho de 1834 a bordo do fragata Andromanche da Companhia das Índias Orientais e a Cantão (Guangzhou), 10 dias mais tarde, sem esperar pela permissão dos chineses para inicio das negociações . A sua carta solicitando a Lu Kun (governador geral de Liangguang) uma reunião, estava muito bem escrita mas sem a forma de petição como era o protocolo da então complicada burocracia chinesa (e utilizada pelos mercadores estrangeiros que estavam em Cantão) pelo que  logo rejeitada após leitura.
Lorde Napier, mal preparado como diplomata e com pouca experiência comercial,  tornou  a sua  missão um insucesso, não conseguindo os objectivos de que propusera.
Mapa Bocca Tigris Ilha LintinEm 5 de Setembro já doente ordenou o uso da força mandando avançar duas fragatas para Whampoa mas as autoridades chinesas bloquearam-nas  em Bocca Tigris. Lorde Napier cedeu mandando regressar as fragatas mas como não puderam sair do rio, teve que fazer uma petição (rendição) ao Vice-Rei, solicitando a sua partida.

William Skinner - Boca Tigris 1834“Forçando a passagem de Bocca Tigris na China em 7 a 9 de Setembro de 1834, pelos H.M.S. Imigene e Andromache”
William Skinner da Marinha Real

Em 19 de Setembro de 1834 , realizou-se uma conferência entre os negociantes chinas, por parte das autoridades, e vários residentes ingleses. Nela se acordou que Lord Napier saísse da China e o comércio estrangeiro se restabelecesse. (5)
Lord Napier saiu de Cantão para Macau em 21 de Setembro numa embarcação expedida pelas autoridades chinesas. Os navios de guerra ingleses receberam ao mesmo tempo ordem para saírem do rio. (2)
Lorde Napier foi o primeiro a sugerir aos seus superiores, numa carta de 14 de Agosto de 1834, da necessidade de tomar posse de Hong Kong (na altura uma pequena comunidade piscatória chinesa) militarmente.
https://en.wikipedia.org/wiki/William_Napier,_9th_Lord_Napier
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.
NOTA: Em Macau, a presença da armada de  Lorde Napier fez com que houvesse uma troca de correspondência do Governador e Capitão Geral de Macau e os Mandarins.
17-09-1834Bernardo José de Sousa Soares de Andrea, cavaleiro das ordens militares de N. Senhor Jesus Cristo e Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, condecorado coma Cruz de Ouroda Guerra Cisplatina, Capitão-Tenente da Armada Real e Governador e Capitão Geral de Macau, respondeu às autoridades chinesas que exigiram que as nossas fortalezas estivessem prontas e fortificadas para resistirem a qualquer desembarque das fragatas de Lord Napier, que não receava qualquer perturbação com os ingleses, visto que as relações entre a  Inglaterra e Portugal se encontravam em harmonia , mas que repeliria qualquer tentativa de desembarque e que não aceitava o envio de quaisquer tropas chinesas.” (2)
20-09-1834O Procurador do Senado, António Pereira, oficiou aos Mandarins, para mandarem retirar uma força chinesa que se aquartelara no Templo da Barra com peças de artilharia e trincheiras, para resistir ao desembarque de qualquer força inglesa do Lord Napier“. (2)
Lorde Napier e a família, em Macau ficaram alojados numa casa cedida pelos mercadores ingleses Jardine e Matheson (futuros fundadores da “Jardine, Matheson and Company” em Hong Kong).

CHINNERY Csa de Lord NapierA Casa de Lorde Napier em Macau” por George Chinnery

(2) GOMES, Luís G- – Efemérides da História de Macau, 1954 e SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.
(3) Enterrado em Macau mas posteriormente exumado e sepultado em Ettrick na Escócia.
John Francis Davis(4) Sir John Francis Davis (戴維斯) (1795 –1890) diplomata (iniciou carreira na Companhia das Índias Orientais em 1813, presidente desta Companhia em Cantão (Guangzhou) em 1832, substituiu Lorde Napier, em 1834) e sinologista (traduziu obras chinesas), foi o 2.º Governador de Hong Kong (1844-1844).
https://en.wikipedia.org/wiki/John_Francis_Davis
CHINNERY 1840 Palácio das Índias Orientais -Praia Grande

Palácio da Companhia das Índias Orientais, na Praia Grande (Macau)
Lápis sobre papel, 1840
George Chinnery

(5) 1834 – Extinção da Companhia Inglesa das Índias Orientais, dando lugar ao comércio de iniciativa particular. Os bens da Companhia foram confiscados, com a solução de algumas pendências, a um Superintendente do Comércio Britânico na China. (2)