Archives for posts with tag: Inspecção de Incêndios

Na tarde do dia 29 de Julho de 1875, pelas 17H00, deflagrou um incêndio numa casa situada na Rua da Cadeia Pública. (1) Foi debelado com a ajuda dos elementos militares (Força Naval e Batalhão de Infanteria) e do Corpo da Polícia de mar e terra.

Extraído de «BPMT», XXI-n.º31 de 31 de Julho de 1875, p. 134

(1) O Leal Senado mudou o nome da «Rua da Cadeia» para «Rua Dr. Soares», em memória dos serviços prestados no território do Dr. José Caetano Soares. A rua começa na Rua dos Cules, entre a Calçada do Tronco Velho e o Beco da Cadeia, e termina na Avenida Almeida Ribeiro, ao lado do edifício dos Paços do Concelho. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rua-da-cadeia-rua-do-dr-soares/

Anteriores referências ao capitão e inspector interino dos incêndios, Frederico Guilherme Freire Corte Real, ver em; https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/frederico-g-freire-corte-real/

Extraído de «BPMT»,  XIV-2 de 13 de Janeiro de 1868, p. 6

NOTA: Bernardino de Senna Fernandes era, nessa data, major e inspector de incêndios

Extraído de «BPMT»,  XIV-2 de 13 de Janeiro de 1868, p. 6
Extraído de «BPMT», XIV-2 de 13 de Janeiro p. 8

A «Gazeta de Macau e Timor, (1) noticiava a partida no dia 30 de Abril de 1873, da cidade de Goa para Macau, do brigue «Concordia», levando a bordo 41 praças mouras para a polícia de Macau, requisitadas pelo governador Visconde de S. Januário, sob o comando do tenente José dos Santos Vaquinhas (2) e de um sargento europeu.

«Gazeta de Macau e Timor», I- 37 de 3 de Junho de 1873

O mesmo jornal de 17 de Junho, (3) dava a notícia da chegada breve a Macau do brigue, por notícias de Penang (4) onde fez escala (faria ainda outra escala em Singapura no dia 2 de Junho). Noticiava ainda que os mouros seriam alojados no novo quartel em S. Lázaro. (5) O brigue «Concordia» chegou a Macau no dia 17 de Junho de 1873

«Gazeta de Macau e Timor», I- 39 de 17 de Junho de 1873,

(1) «Gazeta de Macau e Timor», I- 37 de 3 de Junho de 1873, p. 3

(2) José dos Santos Vaquinhas, tenente em 1873, da Guarnição de Macau e Timor, ocupa interinamente o cargo de Comandante do Posto Militar da Taipa e Coloane, que se encontrava vago em Março de 1874. Nomeado comandante militar da Taipa e Coloane de 04-06-1874 a 30-06-1874 e depois já Major, segundo comandante da guarda policial de Macau, em 1883. Em 1888, como inspector dos incêndios, foi nomeado responsável pelas operações sanitárias devido ao surto de “cólera morbus” declarado a bordo do transporte de guerra “Índia”, e ficou contagiado, falecendo em 1888, na sequência de complicações de ordem cerebral (6)

José dos Santos Vaquinhas tem vários artigos sobre Timor (história da colonização, usos e superstições, etc) que foram publicados entre 1881 a 1887 no «Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa», de que era correspondente. Ver anteriores referências de José do Santos Vaquinhas https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-dos-santos-vaquinhas/

(3) «Gazeta de Macau e Timor», I- 39 de 17 de Junho de 1873, p. 2

(4) Penang é um estado da Malásia, geograficamente dividido em duas partes: ilha de Penang (Pulau Penang) e Seberang Perai (estreita faixa no continente malaio)

(5) Terá sido um alojamento (casa) provisório até ser construído um novo quartel, o chamado «Quartel dos Mouros”, que foi inaugurado em 15-08-1874, na Barra. (7) O novo edifício especificamente destinado a aquartelar a companhia de mouros do Corpo da Polícia de Macau, foi construído segundo o projecto do arquitecto italiano Cassusso. Em 1905 foi transformado para nele se instalarem a Capitania dos Portos e a Polícia Marítima. (87)

(6) “16-08-1888 – Vindo de Hong Kong com tropas portuguesas em trânsito, chegou à Baía de Cacilhas o transporte de guerra Índia, tendo-se declarado a bordo «cólera morbus”, contraída na colónia britânica. De 20 de Agosto a 9 de Setembro fez-se um cordão sanitário com centro de operações na Guia, para isolar aquela zona. O responsável Major José dos Santos Vaquinhas, inspector de incêndios, acabou por ser contagiado e morreu, na sequência de complicações de ordem cerebral e apesar do seu caso ser inicialmente de cólera benigna.” https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/16/noticia-de-16-de-agosto-de-1888-pandemia-de-colera-morbus/

(7) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/quartel-dos-mouros/

(8) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.

O inspector interino dos incêndios, capitão Francisco Guilherme Freire Corte Real  comunicava ao Secretário Geral do Governo de Macau e Timor (informação n.º 3 / 1874, publicada no Boletim da Província de Macau e Timor) (1) um incêndio iniciado às 5 horas da manhã do dia 9 de Maio de 1874 na igreja de S. Domingos, causada pela queda de uma faísca eléctrica, atingindo a capela mor que ficou toda danificada.  Os militares que estavam no quartel ao lado da igreja conseguiram salvar as imagens, alfaias e paramentos da igreja. O fogo foi dominado completamente pelas 10.30 horas.
O mesmo inspector interino dos incêndios, na informação n.º 4/ 1874, comunicou os nomes dos praças que mais se distinguiram no combate ao fogo: «actos de coragem e denodo» (coragem e ousadia)
(1) Extraído do «Bol. da Prov. de Macau e Timor», XX-20 de 16 de Maio de 1874, p. 78
NOTA: Luís G. Gomes na sua “Efemérides da História de Macau” anotou erradamente as horas do início e fim do incêndio.
09-05-1874 – Pelas 16.30 horas do dia 9 de Maio de 1874 caiu um raio na torre dos sinos da Igreja de S. Domingos, incendiando toda a capela-mor e ficando de pé apenas as paredes. O fogo foi dominado às 22.30 horas. À trovoada, seguiu-se copiosa chuva que inundou, completamente a parte baixa da cidade, causando grande prejuízos e desabamentos.

Relatório do inspector interino dos incêndios, capitão Frederico Guilherme Freire Corte Real de 28 de Abril de 1872, do incêndio que se deflagrou numa barraca em Sá Kong (1) no dia anterior pelas 21.00 horas e se propagou a mais 32 barracas que arderam completamente. Uma das barracas servia como “hospital” estando neles doentes que foram depois transferidos para «uma casa ali próxima que se alugou». Outra das barracas servia de depósito do referido “hospital”, onde estavam quatro cadáveres de doentes que tinham falecidos nesse dia, à tarde, e aguardavam enterro. De registar, dois feridos, um deles com queimaduras graves que foram transportados para o Hospital S. Rafael.

BGMT XVIII-19, 1872

(1) Sa Kong era uma pequena área situada entre a Rua Brás da Rosa, a Estrada de Coelho do Amaral e as Avenidas de Horta e Costa e do Almirante Lacerda. Hoje está praticamente incluída na zona de San Kiu. O saneamento de Sa Kong onde havia um cemitério chinês (milhares de cadáveres sepultados conforme informação de P. Teixeira) (2) iniciou-se em 1900 durante a governação de Horta e Costa.
Em 1895, Lu Cao ou Lou Kau, (3) comerciante chinês que emigrou para Macau da cidade de Xinhui (Guangdong) cerca de 1860, para dedicar-se ao comércio do ópio e do jogo comprou na zona de Sá Kong uma área  para construir um bairro residencial de rendas baratas com lojas de comércio. Uma das ruas desse bairro tem a toponímia de “Rua do Lu Cao”
(2) TEIXEIRA, P. Manuel –Toponímia de Macau Volume II, 1999
(3) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lou-cheok-chin-lu-cao/

 

 

O “novo” Mercado Municipal de S. Domingos (1), concluída em 12 de Outubro de 1949, foi inaugurada a 31 de Janeiro de 1950 (dia comemorativa da Revolta Republicana Portuguesa) pelo Governador da Colónia, Capitão-tenente Albano Rodrigues de Oliveira (1909-1973) (Governador de Macau entre 1 de Setembro de 1947 e 19 de Abril de 1951). Obra dos engenheiros Arnaldo Basto e Gaby Senna Fernandes. (2) A construção do novo Mercado de S. Domingos importou em $550.000,00 patacas.
Esta inauguração mereceu uma “reportagem” publicada no Boletim Geral da Colónias (3)
(1) Nesse local existia um mercado conhecido como o de S. Domingos que se incendiou no dia 15 de Novembro de 1893.

Boletim Official do Governo da Província de Macau e Timor, XXXIX-47, 1893.

Quatro anos depois, em 16 de Novembro de 1897, Lu-Cau e Vong-Atai, comerciantes de Macau, enviaram uma carta ao Leal Senado de Macau, requerendo para a construção dum Mercado no mesmo sítio (incluindo áreas para o comércio) que terá sido construído nos finais do século XIX e que foi designado como “Novo Mercado”.

O Mercado de S. Domingos no princípio do século XX (IICT/AHU)

Terá sido reconstruído e concluído em 28 de Novembro de 1927, sob a orientação de um arquitecto de Hong Kong.  Em 1949 por falta de higiene e com a estrutura debilitada, foi demolida totalmente pela Câmara Municipal e construída um novo Mercado, inaugurado em 31 de Janeiro de 1950. Por sua vez, este foi demolido em 1996 para construção dum novo, actualmente em funcionamento, inaugurado em Outubro de 1998.
http://www.archives.gov.mo/pt/featured/detail.aspx?id=91
(2) Ver anterior referência em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/10/mercado-municipal-de-s-domingos/
(3) «BGC» XXVI-298, 1950.

REPARTIÇÃO DOS INCENDIOS

boletim-da-provincia-de-macau-e-timor-ano-1868-vol-xiv-n-o-2-reparticao-dos-incendios-iNo sabbado, 4 do corrente, pouco antes de 8 horas de noite, declarou-se incendio n´uma palhoça de ola, sita atraz do cemitério, o qual extinguiu-se logo, ardendo apenas a dita palhoça.
No domingo, 5 do corrente, às 71/2 horas de noite, declarou-se incendio n´uma loja de chá, n.º 77, sita na rua das Estalagens (1) e tendo empregado todos os meios que julguei mais acertados em tal cazo, consegui extinguir o incendio prontamente e sem novidade, ardendo somente o andar superior e o tecto d´essa loja, e ficando destelhadas uma loja contígua e um telheiro do Pagode por parte detraz, tendo lançado mão d´essa operação para evitar que se contaminasse o mesmo incendio.
O incendio teve lugar acidentalmente, pois tenho informações fidedignas, que estando se a torrar chá no andar superior da loja em questão, os criados a quem estava incumbido esse serviço, se retiraram d´ali e é durante a auzencia dos mesmos que teve logar o sinistro.
A 1.ª bomba que chegou com mais ardor e utilidade do serviço durante o incendio, foram os voluntarios Fermino Machado, António Rontero e Manuel Martins do Rego, tendo este ultimo corrido grave risco de vida pelo abatimento d´uma muro; e por isso os recommendo á favoravel consideração do Exmo. Conselho do Governo.

Quartel da Repartição dos incendios,
Macau 7 de janeiro de 1868
B.S. Fernandes
Major e inspector dos incendios. (2)

NOTA: Bernardino Senna Fernandes reorganizou os serviços de incêndio da cidade exercendo gratuitamente o cargo de inspector e as primeiras providencias conhecidas do governo de Macau sobre o serviço de incêndios é de 18 de Março de 1867, data em que foram aprovadas, provisoriamente, por portaria régia,. (GOMES; Luís G. – Efemérides da História de  Macau).
Ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/09/30/leitura-corpo-de-bombeiros-municipais-de-macau-em-1955/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/04/18/noticia-de-18-de-abril-de-1890-visconde-de-sena-fernandes/
(1) boletim-da-provincia-de-macau-e-timor-ano-1868-vol-xiv-n-o-2-reparticao-dos-incendios-ii O mesmo incêndio foi relatado por uma periódico da época:
(2) Boletim de Província de Macau e Timor (Ano 1868).

O Corpo de Polícia de Macau foi, por portaria, assinado pelo governador, Visconde de S. Januário, mandado instalar no Convento de S. Domingos. (1)
boletim-consultivo-ultramarino-p-720boletim-consultivo-ultramarino-p-721O regulamento do Corpo de Polícia de Macau que foi aprovado em 11 de Outubro de 1861 (2) tinha por incumbência atribuições policiais em terra e no mar, até à publicação do primeiro Regulamento em que instituia a organização do Corpo da Polícia (Boletim Oficial n.º 32 de 15 de Setembro de 1868). (3)

sob-o-olhar-de-a-ma-convento-de-s-domingosO Edifício do Convento de S. Domingos onde se instalou o Corpo da Polícia e posteriormente a Inspecção de Incêndios e Telefones até 1918.
Ao fundo à esquerda vê-se a fachada da Igreja de S. Domingos

(1) SILVA, Beatriz Basto da Silva – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.
(2) “11-10-1861 – Foi aprovado o regulamento do Corpo de Polícia de Macau” (GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954).
(3) “1868 – Ao Corpo de Polícia de Macau, incumbiam atribuições policiais tanto em terra como no mar, até que em 1868 se instituiu a secção da Polícia do Porto de Macau dependendo do Capitão do Porto e  desligando-se da polícia de terra.”
“15-09-1868 – É publicado no Boletim Oficial n.º 32, o Regulamento do Corpo da Polícia de Macau contemplando os seguintes aspectos:
– Das vantagens e pagamento
– Da instrução
– Do modo de alistar
– Do serviço
– Delitos e penas
– Uniforme
– Armamento
– Despesas diversas.
Anteriores referências ao Visconde da Praia Grande em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/visconde-da-praia-grande/

Os serviços de incêndios de Macau foram, em tempos remotos prestados pelos seus próprios habitantes e com material adquirido por particulares.
Até ao ano de 1882, (1) não havia estações de bombeiros, mas apenas postos para a armazenagem do material sendo todo o pessoal constituído por empregados das lojas comerciais, fabricas e outros moradores.
Datam de 1883 os primeiros «Serviços de Incêndios», sob a administração da Fazenda Pública. (2)  Mais tarde, esses serviços passaram à administração da Direcção das Obras Públicas, cujo director desempenhava as funções de Inspector de Incêndios. (3)
Esses serviços, até 1914, (4) eram rudimentares e insuficientes para a cidade, cujo desenvolvimento populacional aumentava em ritmo acelerado.
No ano de 1914, (5) o sr. Henrique Nolasco da Silva pôs à disposição dos Serviços de Incêndios  a sua viatura automóvel, um das poucas existentes em Macau, que ao alarme de fogo, ou de outro sinistro, acorria sem perda de tempo, ao Quartel de S. Francisco, a fim de transportar o Inspector de Incêndios e os bombeiros auxiliares (militares).
Em face deste evidente atraso, o então major de Infantaria, João Carlos Craveiro Lopes, (6) já pela generosidade que era seu timbre, já pelo que em Portugal fizera (2.º comandante dos Bombeiros Municipais de Lisboa) e pelo que vira no estrangeiro, resolveu dotar esta Cidade de Nome de Deus com um serviço de incêndios, a que tinha indiscutível direito, pelo que seu crescente desenvolvimento comercial e industrial, pela expansão das suas artérias e pela sua categoria de grande centro do Sul da China.
E assim se criou, em 30 de Outubro do ano de 1915, a «Inspecção de Incêndios», tendo por seu 1.º Inspector Comandante o detentor da medalha «Torre e Espada», ganha honrosamente ao célebre incêndio da «Madalena», o major João Carlos Craveiro Lopes. (7)
A técnica a empregar na extinção de fogos, posta em vigor em 1915, foi ensinada por este Grande Bombeiro, saudoso pai do actual Presidente da República Portuguesa.
Igualmente a Corporação lhe deve o ter sido apetrechado com material e ferramentas apropriados para os serviços de prevenção e ataque, além das melhores bombas a vapor, conduzidas por tracção animal.
Foi em 1917 adaptada a 1.ª viatura automóvel em «Pronto-Socorro», cedida pelos «Serviços dos Correios de Macau» à «Inspecção de Incêndios».
Em 1919, passou a «Inspecção de Incêndios» a designar-se «Corpo de Bombeiros» a cargo da Câmara, para efeitos de administração. (8)
Em 1922, a Corporação começou a ser equipada com apropriadas viaturas motorizadas das mais completas, da Casa Merryweather. (9)
Em 1923, a Corporação passou a denominar-se «Corpo de Salvação Pública, voltando à administração directa do Governo da Província subordinado à Secretaria Geral do Governo. (10)
Em 1936, coube à Repartição Técnica de Obras Públicas a administração do mesmo. (11)
Nos termos do § 1.º do art. 12.º do Decreto n.º 31:714 do Ministério das Colónias, conjugado com o art. 47.º do D. L. n.º 908, do Governo da Província de Macau, o Corpo de Salvação Pública com o seu pessoal e material transitou para o Leal Senado, a partir de 1 de Janeiro de 1946. (12)
A Corporação, passou então a denominar-se «Corpo de Bombeiros Municipais», de acordo com a Organização dos Serviços do Leal Senado da Câmara de Macau.

obras-e-melhoramentos-1947-1950-pronto-socorro-cbmO novo pronto-socorro do Corpo de Bombeiros Municipais. em 1955

O edifício situado na Estrada Coelho do Amaral serve de «Quartel dos Bombeiros» e tinha 14 divisões: parque para viaturas, casernas, central telefónica, comando, secretaria, arquivo, porto médico, arrecadação, casa-escola, cantina, sala recreativa, sala de aulas, barbearia e campo desportivo.
Em 1951, foi instalado um «Posto de Incêndios» para a protecção do Bairro e moradores das Casas de Madeira da Ilha Verde.
Em 1955, a corporação era constituída por 75 elementos incluindo o Comandante, Manuel Dimas Pina e seu ajudante, Napoleão da Guia de Assis. Tinha ao seu serviço o seguinte efectivo de viaturas:
1) 2 Pronto-Socorros (Ford V-8)
2) 1 Pronto -Socorro (Ford)
3) 1 Auto-Bomba (Dennis)
4) 1 Ambulância (Ford V-8)
5) 1 Ambulância (Austin)
6) 1 Camioneta (Ford)
7) 1 Carro-de-Comando (Willy´s Overland)
8) 2 Moto-Bombas (Merryweather)
9) 1 Moto-Bomba (Pfalaz)

obras-e-melhoramentos-1947-1950-ambulancia-cbmA nova ambulância do Corpo de Bombeiros Municipais, em 1955

(1) “18-03-1867 – Foram aprovadas, provisoriamente, por portaria régia, algumas providências do governo de Macau sobre o serviço de incêndios.” (13)
(2) “25-09-1875 – Nomeado pela Portaria n.º 79 o Major de Engenharia do exercito de Portugal, Augusto César Supico, para o cargo de Inspector de Incêndios. Exonerado em 20-01-1879“. (14)
(3) “20-01-1879 – Exonerado o Major Eng.º Augusto Cesar Supico do cargo de Inspector dos incêndios e nomeado o Major Raymundo José de Quintanilha , Director das Obras Públicas , para exercer o mesmo cargo“. (14)
(4) “28-04-1912 – Nomeação de Simeal José Gregório Madeira, sota da Inspecção dos Incêndios de Macau”. (15)
(5) “1914 – Henrique Nolasco da Silva pôs à disposição dos Serviços de Incêndio o seu automóvel, um dos primeiros que existiram em Macau a fim de acorrer com mais presteza aos sinistros. O pessoal de incêndios, na maioria militares, estava aquartelado em S. Francisco”.(15)
(6) “09-10-1915 – Louvado o Major de Infantaria João Carlos Craveiro Lopes, comandante do Corpo da Polícia (mais tarde General e Governador do Estado da Índia e pai do Marechal Craveiro Lopes, Presidente da República) por se ter oferecido para ministrar instrução de bombeiros a um núcleo de praças do Corpo de Bombeiros Voluntários que satisfaça às exigências da cidade de Macau.(15)
(7) “1-11-1915 – Nomeado para interina e cumulativamente exercer o cargo de Inspector de Incêndios o Major de Infantaria João Carlos Craveiro Lopes (P.P. n.º 253). Exonerado a 13-03-1916″ (15)
(8) “26-04-1919 – A Inspecção de Incêndios de Macau é extinta e criado em sua substituição o «Corpo de Bombeiros». Nesta data pela Portaria n. 80, B. O. n.º 17 é aprovada a organização do Corpo de Bombeiros de Macau, extinguindo a Inspecção de Incêndios . A  2-09-1919, este passa para o Leal Senado”.(15)
(9) “1922 – O Corpo de Bombeiros de Macau recebe equipamento e viaturas modernos. (15)
(10) “01-09-1923 – O corpo de Bombeiros volta para o Governo da Província e passa a denominar-se Corpo de Salvação Pública. (15)
(11)  “7-03-1936  – O Corpo de Salvação Pública de Macau – os «Soldados da Paz», até aí vinculado à Secretaria Geral do Governo, passa a estar ligado às Obras Públicas (15).
(12)  “01-01-1945 – O Corpo de Salvação Pública transita para o Leal Senado, passando a Corpo de Bombeiros Municipais”. (15)
(13) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(14) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau , Vol. 3, 1995
(15) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau,  Vol. 4, 1997

Retirado do artigo “Corpo de Bombeiros Municipais de Macau“, publicado no «Anuário de Macau, 1953-55»,