Archives for posts with tag: 1996

Continuação das postagens anteriores sobre o 15.º Torneio internacional de Hóquei em Campo – Veteranos, (1) (2) realizado em Hong Kong, de 21 a 29 de Novembro de 1996, no  campo central do hipódromo de “Happy Valley”

Lembrança oferecida pelo capitão da equipa australiana após o encontro Austrália-Macau ao melhor jogador macaense em campo, apesar de “sofrer” cinco bolas nas suas redes.

Dimensões: 9,5 cm topo; 11,5 cm vertical

Da esqªp/dtª – de pé: Ernesto Silva, José dos Santos Ferreira Jr, Osório Cordeiro, António Almeida, Frederico de Sousa, Eduardo de Jesus, Gaspar Conceição, Filomeno Jorge, Filomeno Airosa, Fernando Silva, Rui Izidro, Manuel Assis, Jorge Silva.

1.ª Fila: António Cordeiro, Aniceto Gabriel, Vítor Pereira, Diógenes Dias, João Colaço, João Fazenda, J. Leitão Pereira, Rodolfo Dias, Paulo S. Fernandes (árbitro)

Continuação da postagem anterior sobre o 15.º Torneio internacional de Hóquei em Campo – Veteranos, (1) realizado em Hong Kong, de 21 a 29 de Novembro de 1996, no  campo central do hipódromo de “Happy Valley”

Final Draw I
Final Draw II
Reunião dos delegados das equipas participantes. À cabeceira, Ted Jones (Secretário do «International Masters» e  James Keir (Presidente da Associação de Hóquei m Campo – Veteranos de Hong Kong) – 24-11-1996
Welcome Party – 21-11-1996

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/11/21/noticias-de-21-a-29-de-novembro-de-1996-15o-torneio-internacional-de-hoquei-em-campo-veteranos-pacific-rim-international-masters-i/

CAPA – PROGRAMA (29,5 cm x 20,7 cm; 28 p.)

O 15.º Torneio Internacional de Hóquei em Campo – Veteranos, o chamado “PACIFIC RIM INTERNATIONAL MASTERS  HOCKEY TOURNAMENT”, realizou-se em Hong Kong,  de 21 a 29 de Novembro de 1996, organizado pela “Hong Kong  Hockey Association Veterans Section”, sob a presidência de James Keir. (1)

Os jogos decorreram no parte central do hipódromo de “Happy Valley”  onde existia três campos para a prática de hóquei em campo.
Contra-capa
Programação dos jogos

Neste torneio, nos “Masters 40” participaram 8 equipas que foram divididas em 2 grupos para as eliminatórias. Assim no Grupo A: Austrália, Macau, Malásia Kuala Lumpur e Coreia e no Grupo B: Malásia SAS, Hong Kong, Nova Zelândia e Singapura. No Grupo A, a equipa de Macau ficou em 2.º lugar (ganhou à «Malásia KL» por 2-0 e à Coreia por 3-0) perdendo com «Austrália» por 2-4, pelo que seguiu para a eliminatória seguinte com as equipas de «Malásia SAS» (1.º no grupo B) e Hong Kong (2.º do Grupo B). Macau perdeu ambos os jogos com estas duas formações pelo que ficou em 4.º lugar neste torneio

Resultados dos jogos (Grupo A)

(1) «Hong Kong  Hockey Association» candidatou-se para realizar este evento neste ano, para assinalar a sua participação como “colónia “ inglesa  pois a entrega de Hong Kong à China já estava marcada para 1 de Julho de 1997.

Ainda no âmbito do II Encontro das Comunidades Macaenses (1) e como a prática do desporto constitui parte importante no convívio social, decorreu no dia 26 de Outubro da parte da tarde, no Campo de Tap Seac, ex-libris do desporto de Macau de tantas memórias, um encontro de futebol entre a Casa de Macau em S. Paulo e os Veteranos de Macau.

Na mesma tarde e no mesmo lugar foi o hóquei em campo igualmente estrela, tendo por protagonistas a Casa de Macau em S. Paulo e o Hóquei Clube de Macau, tendo saído vencedora a equipa do Hóquei Clube de Macau por 3-1.

O evento desportivo decorreu debaixo da animação esperada com a adesão de muitos dos visitantes. (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/10/19/noticias-de-19-a-25-de-outubro-de-1996-ii-encontro-das-comunidades-macaenses-i/

(2) Fotos e texto extraídos de «Desporto 96», IDP, 1997, pp.43-44

Em Outubro, de 19 a 25 de 1996, Macau foi palco, uma vez mais, de um Encontro das Comunidades Macaenses espalhadas pelo mundo, durante o qual foi possível o reencontro de velhas amizades e o estreitamento de laços familiares, para além da oportunidade para um conhecimento da nova realidade física e social de que se revestia o Território. (1) Mais de um milhar de pessoas participou neste encontro, número consideravelmente superior ao do I Encontro, realizado em 1993. O II Encontro das Comunidades Macaenses partiu de uma iniciativa do governo do Território, que contou com apoio da Fundação Oriente, STDM, Leal Senado, Instituto Cultural de Macau, Serviços de Turismo e das Casas de Macau espalhadas pelo mundo.

Membros da Assembleia Municipal (1993-1997) com os macaenses residentes no Canadá

(1) Fotos e texto extraído de «Leal Senado, uma Experiência Municipal (1989-1997)», Leal Senado, 1997, p.72

CAPA em português

Revista “DESPORTO 96”, editada pelo Instituto dos Desportos de Macau (IDM), publicação caracterizadora da actividade desportiva ocorrida ao longo do ano de 1996, em Macau, realçando os principais acontecimentos desportivos internos e internacionais em que o Território esteve envolvido.

CONTRACAPA , em chinês

Revista (29, 5 cm x 21 cm x 1cm; com 70 páginas em português e 70 páginas em chinês) distribuída em 1997, oferta do IDM, com os cumprimentos do presidente, Manuel Silvério que tomou posse neste cargo em Setembro de 1996 (anteriormente já desempenhava as funções de vice-presidente). A nova sede do IDM foi construída no complexo do Forum de Macau, o lançamento da primeira pedra ocorreu em fins de Outubro de 1996 e em meados de 1997 ficaria concluída.

1.ª página

Na Capa, destaco uma das modalidades desportivas mais representativas dos macaenses, o Hóquei em Campo, aqui representada pelo autor, guarda-redes duma das equipas (Hóquei Clube de Macau) que participaram em 1996 no campeonato interno (campo do Tap Seac).

“Em termos desportivos, em 1966 foi um ano excelente par o xadrez em Macau. Assim, em Agosto, realizou-se no território o Campeonato Asiático de Xadrez Sub-20, em masculinos e femininos, prova oficial do calendário da Federação Internacional de Xadrez (FIDE), organizada pelo Grupo de Xadrez de Macau. Na prova masculina participaram 30 jovens xadrezistas em representação de 23 países, enquanto na prova feminina participaram 16 jovens em representação de 12 países.

Yip Chi Fung Brenda , uma das representantes de Macau

Em masculinos, o Território foi representado por Ernesto Ma, Philip Chang e Peter Ho, do núcleo de Xadrez do Colégio Yuet Wah, enquanto Annie Jane Salvador, Joan Paola Salvador, Win Yan Winnie Lee, Yip Chi Fung Brenda, do Colégio de Santa Rosa de Lima, representaram Macau no escalão feminino.” (1)

Eliaza Hanum Ibrahim da Malásia , vs Nguyen Thi Thanh Na do Vietname
O vencedor da competição masculina ladeado pelos segundo e terceiro classificados
As representantes femininas

(1) «Desporto 96», Instituto dos Desportos de Macau, 1997, pp. 53-55

PROGRAMA – 21 cm x 14,5 cm

Realizaram-se em Macau nos dias 10 e 11 de Dezembro de 1996, o “I Congresso Luso-Chinês de Clínica Geral e de Medicina Interna de Macau” / 1st. Portuguese-Chinese Congress of General Practice and Internal Medicina in Macau”, no auditório do Centro Hospitalar Conde de S. Januário. Foi uma realização científica conjunta organizada em Portugal por uma comissão organizadora: Prof. Dr. Armando Porto, Dr. Barros Veloso, Prof. Dr. José Guilherme Jordão e Dr. Pedro Moura Reis, e localmente por uma comissão científica chefiada pelo então Sub-Director dos Serviços de Saúde de Macau. Dr. Rogério Santos, com elementos da área dos Cuidados Primários e do Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar Conde de S. Januário).

PROGRAMA – capa e contracapa

Apresento o programa (21 cm x 14,5 cm) com 40 páginas, contendo uma introdução, pp. 1-3 (personalidades da comissão de honra; comissão organizadora; comissão científica); o programa calendário do congresso, p. 5; o programa científico pp. 7-11; os resumos dos trabalhos apresentados pp.13-38 e nomes dos palestrantes p. 39.

PROGRAMA – p. 1
PROGRAMA – pp. 2-3

                                                             

PROGRAMA – p. 5
PROGRAMA – p. 39

                            

Extraído de «BGM», IX- 42 de 21 de Setembro de 1863, p. 172

A Rua da Barca começa na Estrada de Adolfo Loureiro junto da Rua de Francisco Xavier Pereira e termina na Rua de João de Araújo, em frente da Rua da Pedra.

Luís Gonzaga Gomes escreveu em 18-05-1942 (1) o seguinte:   “Mas qual será a origem toponímica desta extravagante nomenclatura em sítio onde não existem vestígios de ponte (Travessa da Ponte Nova) ou de barcas (Rua da Barca). A necessidade de conquistar o terreno por meio de expropriações e de aterros, para construção de novas e espaçosas vias, e o consequente aformoseamento da cidade fizeram desparecer o que havia de mais pitoresco em certos lugares tipicamente chineses cuja existência é, no entanto, ainda recordada nos nomes por que são designadas certas ruas. Ora, uma das áreas consideradas das mais perigosas para a saúde da população da cidade era a que ficava em volta do Templo de Lin K´ai. (蓮溪廟). (2) É ela conhecida pelo nome de Sân- K´iu  (新桥) que significa – Ponte Nova – e um das ruas que serve esta zona é denominada Tôu- Sun-Kái, (渡船街) isto é, a Rua dos Tôu, ou das Barcas.

Se pudéssemos voltar algumas dezenas de anos atrás, isto é, antes da drenagem e do aterro desta zona, teríamos visto na realidade uma ponte de pedra, colocada entre as actuais ruas de João de Araújo e da Pedra. Esta última, chamava-se assim porque era ali que vivia um grupo de operários chineses dos mais pobres, cujo mister consistia no trabalho de lapidação de blocos de granito, utilizados em obras de cantaria ou na de pavimentação de lajeados. Quanto à ponte, foi esta primitivamente construída com bambus, mas como este material se deteriorava, obrigando a constantes reparações, substituíram-na mais tarde, por uma de pedra, custeada a expensas dos moradores do referido bairro. A ponte era imprescindível porque sem ela não lhes seria possível ir até ao Templo de Lin- K´âi venerar as divindades da sua devoção, visto o local onde se encontravam edificada tal casa de culto estar separada da outra margem por um riachozinho. (Regato de lótus)

Esta derivação do braço do delta que banha o Porto Interior, entrava na zona de Sân- k´iu nas alturas do edifício onde funcionou o Cinema U-Lók (娛樂) e, serpeando até ao templo onde formava um largo charco, seguia depois em direcção à antiga aldeia de Mong Há, através das ruas da Barca e da Ressurreição, para ir ligar – se outra vez ao delta, depois de ter regado com as suas barrentas águas a entrada do convento budista de P´ôu Tchâi-Sim-Un (普濟禪院) .(3)

Como a ponte não bastasse para o grande movimento das pessoas que por ela diariamente transitavam, muitos moradores deste bairro, para entrar na cidade, tinham de fazer a travessia do riacho em tán-ká (tancá) que nesse tempo costumavam varar em grande número nas duas margens. Ora, nessa época as estâncias de madeira e os estaleiros chineses estavam também instalados nesse local e, como ainda não existiam barcos a vapor, foi esse o período da sua maior prosperidade. Por isso, inúmeros tôu da navegação costeira entravam constantemente nesses estaleiros a fim de sofrerem as beneficiações de que careciam para o prosseguimento das suas viagens. Os chineses passaram então a chamar Tôu-Sun-Kái à rua que servia esses estabelecimentos e este nome passou para o português na sua tradução da Rua da Barca.” (1)

(1) GOMES, Luís Gonzaga – Curiosidades de Macau Antigo. ICM, 1996, ISBN-972-35-0220-8, pp. 41/42

(2) Templo Lin Kai  (蓮溪廟), na Travessa da Corda n.ºs 25-31 está  situado ao lado do Cinema Alegria do Bairro San Kio. Antigamente, havia um riacho chamado Lin Kai (Regato Lótus) que passava por Bairro San Kio. O templo foi fundado à margem direita do riacho, sendo denominado Templo Lin Kai. Este templo foi construído em 1830 e, mais tarde, os habitantes locais reuniram fundos para reconstruí-lo e ampliá-lo, o que aconteceu entre 1875-1908. Desde então o templo tem sido conhecido por “Templo Novo de Lin Kai” e é dedicado a 15 Deuses e deusas. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-lin-kai/

(3) Templo de Pou Chai Sim Un (普濟禪院), também conhecido por “Templo de Kun Iam Tong”, na Avenida Coronel Mesquita. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/26/postais-macau-artistico-vi/

Continuação das postagens anteriores referentes ao Grande Prémio Mundial de Voleibol Feminino em Macau” (1), realizado no Forum de Macau de 13 a 15 de Setembro de 1996 e organizado pelo Instituto dos Desportos de Macau e Associação Amadora de Voleibol de Macau.

Equipas participantes nesta ronda , em Macau:

Nesta ronda, a 3.ª – Grupo F, – foi ganha pela China (6 pontos) seguidas pelas equipas do Brasil (5 pontos), Rússia (4 pontos) e Coreia do Sul (3 pontos)

A Fase Final foi realizada em Shanghai, na China, entre os dias 27 e 29 de Setembro. O Brasil conquistou o seu segundo título por somar mais pontos na fase final (6 pontos); a seguir, Cuba (5 pontos), Rússia (4 pontos) e China (3 pontos)  

(1) Ver anteriores postagens: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/09/12/noticia-de-12-de-setembro-de-1996-convite-exposicao-fotografica-do-grande-premio-mundial-de-voleibol-feminino-em-macau-i/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/09/15/noticias-de-13-a-15-de-setembro-de-1996-grande-premio-mundial-de-voleibol-femninino-em-macau-ii/