Archives for posts with tag: Frederico G. Freire Corte Real

NOTA: No 2.º parágrafo do artigo, há um erro de datação: Deveria ser: “ A 22 de Outubro de 1872, ele teve conhecimento….”.
Este artigo foi escrito pelo Padre Manuel Teixeira, em “A Polícia de Macau” (1) e reproduzida em (2) donde extraí este relato.
(1) TEIXEIRA, Manuel – A Polícia de Macau – 2ª ed. rev. e aum. – Macau : Imprensa Oficial, 1991. – 248 p.
(2) Extraído de https://www.fsm.gov.mo/psp/cht/revista%20da%20psp/pdf/09.pdf

O inspector interino dos incêndios, capitão Francisco Guilherme Freire Corte Real  comunicava ao Secretário Geral do Governo de Macau e Timor (informação n.º 3 / 1874, publicada no Boletim da Província de Macau e Timor) (1) um incêndio iniciado às 5 horas da manhã do dia 9 de Maio de 1874 na igreja de S. Domingos, causada pela queda de uma faísca eléctrica, atingindo a capela mor que ficou toda danificada.  Os militares que estavam no quartel ao lado da igreja conseguiram salvar as imagens, alfaias e paramentos da igreja. O fogo foi dominado completamente pelas 10.30 horas.
O mesmo inspector interino dos incêndios, na informação n.º 4/ 1874, comunicou os nomes dos praças que mais se distinguiram no combate ao fogo: «actos de coragem e denodo» (coragem e ousadia)
(1) Extraído do «Bol. da Prov. de Macau e Timor», XX-20 de 16 de Maio de 1874, p. 78
NOTA: Luís G. Gomes na sua “Efemérides da História de Macau” anotou erradamente as horas do início e fim do incêndio.
09-05-1874 – Pelas 16.30 horas do dia 9 de Maio de 1874 caiu um raio na torre dos sinos da Igreja de S. Domingos, incendiando toda a capela-mor e ficando de pé apenas as paredes. O fogo foi dominado às 22.30 horas. À trovoada, seguiu-se copiosa chuva que inundou, completamente a parte baixa da cidade, causando grande prejuízos e desabamentos.

Relatório do inspector interino dos incêndios, capitão Frederico Guilherme Freire Corte Real de 28 de Abril de 1872, do incêndio que se deflagrou numa barraca em Sá Kong (1) no dia anterior pelas 21.00 horas e se propagou a mais 32 barracas que arderam completamente. Uma das barracas servia como “hospital” estando neles doentes que foram depois transferidos para «uma casa ali próxima que se alugou». Outra das barracas servia de depósito do referido “hospital”, onde estavam quatro cadáveres de doentes que tinham falecidos nesse dia, à tarde, e aguardavam enterro. De registar, dois feridos, um deles com queimaduras graves que foram transportados para o Hospital S. Rafael.

BGMT XVIII-19, 1872

(1) Sa Kong era uma pequena área situada entre a Rua Brás da Rosa, a Estrada de Coelho do Amaral e as Avenidas de Horta e Costa e do Almirante Lacerda. Hoje está praticamente incluída na zona de San Kiu. O saneamento de Sa Kong onde havia um cemitério chinês (milhares de cadáveres sepultados conforme informação de P. Teixeira) (2) iniciou-se em 1900 durante a governação de Horta e Costa.
Em 1895, Lu Cao ou Lou Kau, (3) comerciante chinês que emigrou para Macau da cidade de Xinhui (Guangdong) cerca de 1860, para dedicar-se ao comércio do ópio e do jogo comprou na zona de Sá Kong uma área  para construir um bairro residencial de rendas baratas com lojas de comércio. Uma das ruas desse bairro tem a toponímia de “Rua do Lu Cao”
(2) TEIXEIRA, P. Manuel –Toponímia de Macau Volume II, 1999
(3) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/lou-cheok-chin-lu-cao/