Archives for posts with tag: Marinha

Louvor pela coragem, abnegação e sangue frio com que agiu para salvar as vidas e material do Estado confiado à sua guarda, 1.º fogueiro (encarregado de alimentar as fornalhas das caldeiras nos navios de vapor) Hermínio Gonçalves.

Extraído de «BOGPM», n.º 26 de 27 de Junho de 1925, p. 449

Após a governação do capitão médico Rodrigo José Rodrigues (5-01-1923 a 16-07-1924), ficou como governador interino, pela 2.ª vez, o coronel do Quadro de Macau e Timor, Joaquim Augusto dos Santos de 16 de Julho de 1924 a 18 de Outubro de 1925. (1) O governador seguinte, Manuel Firmino de Almeida Maia Magalhães, oficial do Estado Maior, também esteve no cargo pouco tempo (8-10-1925 a 22-07-1926). (2)

(1) O B.O. n.º 28 nomeia o Coronel Joaquim Augusto dos Santos para interinamente, substituir o Governador Rodrigo José Rodrigues, enquanto ausente. O nomeado entra em funções dois dias depois. A 29 de Julho, a Secretaria – Geral do Governo, instala-se provisoriamente no Palacete da Flora  (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 164)

(2) B.O. n.º 43, tomada de posse do cargo de Governador de Macau, Manuel Firmino de Almeida Maia Magalhães, que exerce por cerca de dez meses. O governador embarca para Lisboa a 11 de Agosto de 1926. Durante o seu curto mandato foi preciso lidar com a fome e a sede, por falta de fornecimentos, quer por via das Portas do Cerco quer por via de Hong Kong, onde as greves se multiplicavam e os piquetes atrapalhavam a circulação de pessoas e bens e também com o episódio da apreensão, em 15 de Junho de 1926, da 2.ª edição do livro “Historic Macao” (3) de Carlos Augusto Montalto de Jesus. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, pp. 174-175)

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/06/15/noticia-de-15-de-junho-de-1926-historic-macao/

O Governador Isidoro Francisco Guimarães, (1) partiu no dia 6 de Junho de 1860, a bordo do vapor Fei-ma em direcção a Hong Kong, para desta cidade seguir para Shanghai, onde era esperado pela corveta D. João I, para nela seguir para o Japão onde iria assinar o “Tratado de Paz, Amizade e Comércio Entre Portugal e o Japão” (2)

Acompanharam o Governador nessa missão o secretário Gregório José Ribeiro, o adido António Caetano Pereira e o intérprete João Rodrigues Gonçalves

Extraído de «BGM», VI-27 de 9 de Junho de 1860, pp. 105-106

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/isidoro-francisco-guimaraes/

O regresso do Governador e comitiva foi postado em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/09/09/noticia-de-9-de-setembro-de-1860-chegada-do-governador-no-regresso-do-japao/

(2) 03-08-1860 – Tratado entre Portugal; Macau e o Japão – “ Após um interregno que começou em 1640, é restabelecido o diálogo diplomático, sendo Governador de Macau Isidoro Francisco Guimarães, a quem é legítimo reconhecer o desempenho nesta reaproximação. Reinava no Japão, o Shogun Tokugawa Iemochi (1846-1866; reinou entre 1858 a 1866). Este tratado foi assinado em Iedo no mesmo dia e mês da suspensão de seculo XVII: 3 de Agosto (Ver DIAS, Alfredo Gomes – Macau, Portugal e o Japão no Século XIX- O Tratado de 1860, em RC, edição internacional, 30, Macau, Abril 2009, pp. 104-119 In (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, p. 157)

Na tarde do dia 27 de Maio de 1836, chegou a Macau a armada americana composta pela corveta “Peacock” comandada pelo capitão C. K. Stribbling, e onde vinha o comodoro E. P. Kennedy, e a escuna “Enterprize” comandada pelo capitão Archibald S. Camphell (o nome do comandante no jornal não está correcta)

O comandante do “Entreprize”, Archibald S. Camphell vinha já doente e faleceu no dia 3 de Junho, vítima de uma disenteria.

Extraído de «O Macaista Imparcial», Vol. I n.º1 de 9 de Junho de 1836, p. 3

No dia 4 de Junho, pelas 5 horas da tarde, foi o funeral tendo assistido o Governador Bernardo Joze de Sousa Soares Andrea (governo: 1833-1837) tenho o Batalhão de Príncipe Regente prestado as honras fúnebres. Ficou sepultado na campa n.º 49 do Cemitério Protestante.

CAMPA N.º 49 : “The remains of Archibald S. Campbell Esq. who died at Macao in command of the Schooner Enterprize June 3d 1836. AET: 40. Erected to the memory of Lieutenant Commandant Archibald S. Campbell by the Officers of the U. S. Ship Peacock and Schooner Enterprize 1836

(TEIXEIRA, P. Manuel – A Voz das Pedras de Macau, 1980, p. 286)

Extraído de «BPMT», XIII-20 de 20 de Maio de 1867, p.114

Entre a tripulação da corveta «Sá da Bandeira» (1), vieram 8 chineses de Macau que regressavam, há dois anos, de Havana (Cuba) para a China num navio que naufragou na costa do Brasil. Os náufragos aportaram em Pernambuco e daqui foram depois enviados para Lisboa pelo cônsul português dessa cidade, que os tinha acolhido e protegido.

Extraído de «BPMT», XIII-20 de 20 de Maio de 1867, p.114
A corveta Sá da Bandeira a entrar a barra de Lisboa, com mar encapelado.
Pintura de João Pedroso Gomes da Silva, (2) em 1863. Quadro localizado no Palácio Nacional da Ajuda (Direitos: DGPC/ADF) https://artsandculture.google.com/asset/corveta-s%C3%A1-da-bondeira-joao-pedroso-gomes-da-silva/IQEzZVIVFAPojA?hl=pt-PT

(1) A construção da corveta «Sá da Bandeira», que foi construída pelo construtor naval Conde de Linhares, principiou em Junho de 1859 e foi lançada à água em Janeiro de 1862. A corveta era considerada excelente como navio a vapor e má como navio de vela. As suas principais características eram: comprimento – 16.65 m; boca – 3.23 m; pontal – 2.27 m; armamento em 1873 – 10 peças; lotação em 1863 – 221 homens.

Em 1866 partiu de Lisboa para Gibraltar e para a Estação Naval de Macau. No ano seguinte, participou no combate contra os piratas chineses e desempenhou comissão ao Sião e Timor. Em 1868 esteve em Hong-Kong, para reparações e conserto. Em Maio desse ano saiu de Hong-Kong para o Japão, levando a reboque o transporte ” Príncipe D. Carlos”. A missão da corveta era dar protecção aos súbditos portugueses. Em 1869, partiu em socorro de Timor e navegou de Dili para Batugadé, por duas vezes, em serviço de transporte de tropas e mantimentos. No ano seguinte, zarpou para Macau. Em 1871 regressou à metrópole.

Em 1879, a corveta que vinha de Luanda, estava atacada de formiga branca pelo que foi desmantelada. O casco foi aproveitado para uma experiência de torpedos, que ocorreu no dia 12 de Agosto de 1884. https://arquivohistorico.marinha.pt/details?id=296

(2) João Pedroso Gomes da Silva (1823-1890) foi um pintor, gravador e desenhista português, especializado na retratação de navios. Suas obras podem ser encontradas, hoje, no Museu de Marinha, em Santa Maria de Belém, e no Palácio Nacional da Ajuda, bem como em coleções particulares

Anúncio do Grémio Militar publicado no «BPMT» de 10 de Maio, publicitando a conferência de Francisco Augusto da Fonseca Regala, (1) no dia 14 de Maio de 1873, sob o tema: “Algumas Considerações sobre a História Pátria”. Assinado pelo Secretário do Grémio, Júlio Pereira de Sampaio, 1,º tenente da armada (em 1879) Directório de 1879) que foi Capitão do Porto (interino).

Extraído de «BPMT», XIX -19 de 10 de Maio de 1873, p 78

(1) Francisco Augusto da Fonseca Regala (Aveiro 1848-1927), oficial da armada (segundo tenente da armada, em Macau), era um dos 17 filhos de Luís dos Santos Regala (advogado) e de Leopoldina Ferreira de Lemos. A par da sua carreira militar, como oficial da Armada, Francisco Augusto da Fonseca Regala desenvolveu uma relevante actividade cívica em Aveiro. Por sua iniciativa, no ano de 1882, foi fundado o Grémio Moderno, uma associação que visava “concorrer para o progresso material e moral” da cidade e do distrito de Aveiro. No dia 2 de Novembro de 1895, e apesar de não ser docente, Francisco Regala foi empossado reitor do Liceu de Aveiro, cargo que desempenhou até à implantação da República, em 1910. No dia 3 de Setembro de 1902, Francisco Regala foi nomeado Governador Civil de Aveiro e desempenhou esse cargo até 26 de Outubro de 1904. Primeiro-tenente em 1912.

Informação biográfica, extraída de: https://diocese-aveiro.pt/cultura/aveirenses-ilustres-francisco-augusto-da-fonseca-regala-tio-e-sobrinho/

Partiu da Rada no dia 23 de Abril de 1862, o navio do Estado “Martinho de Mello” comandado pelo 1.º tenente Álvaro Andrea, com destino a Lisboa, com escalas por Moçâmedes, Benguela e Luanda. Além da carga (1), levava para Lisboa, 16 militares de Timor que regressavam a Portugal, 20 praças do Batalhão de Macau, incapazes para o serviço, 5 civis, sem emprego. Para Luanda, levava 1 preso sentenciado a degredo M. F. Borralho (2) e 3 soldados do Batalhão de Macau que de Luanda seguiriam para Moçambique.

Levava também o 2.º tenente da armada, José Maria da Fonseca (3) finda a sua comissão, com a família.

Extraído de «BGM», VIII-21, de 26 de Abril de 1862, p. 85

(1)

Extraído de «B.G.M.», VIII-16 de 20 de Março de 1862, p.64

(2) Está referenciado nas “Famílias Macaenses” de Jorge Forjaz na p.59, Manuel Francisco Pereira Borralho nascido em Lisboa cerca de 1820 mas com indicação que faleceu em Macau. Este é antepassado do jornalista Leonel Borralho. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leonel-borralho/

(3) O 2.º tenente José Maria da Fonseca foi Capitão do Porto de Macau de 1855 a 1861. Acompanhou na qualidade de secretário do governador Isidoro Guimarães na missão ao Sião em 1859.

Extraído de «BGM», VIII-21 de 26 de Abril de 1862
CONTINUA …….. Extraído de «BGM», VIII-18 de 5 de Abril,

Extraído de «BGM», VI- 20 de 21 de Abril de 1860, p.78

Ver anterior referência em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/vapor-fei-seen/

O Ministro da Inglaterra em Pequim depôs na Gruta de Camões em Macau, numa cerimónia impressionante, com piquetes de marinheiros da canhoneira inglesa «Tarântula» (1) e da Portuguesa «Pátria», uma bela coroa de louros esculpida em bronze e assente sobre uma placa contendo a seguinte inscrição: – A tribute of admiration to Louis de Camões from British Residents in China 1928.

Gruta de Camões – 1950

Nesse mesmo ano, em 1928, visitou Macau a canhoneira «Sebastiano Caboto», (2)  de Itália. Os seus oficiais e marinheiros deslocaram-se a pé, com o cônsul italiano, em romagem à gruta de Camões. Depuseram flores e prestaram homenagem junto do Poeta) (3)

 (1) «HMS Tarantula», um dos quatros navios da Armada inglesa construído em 1915 que interveio na I Guerra Mundial, como “insect-class gunboats” (pequenos navios próprios para navegar em rios e perto da costa). Após a I Grande Guerra, foi colocado na “China Station” de Abril de 1919 a Janeiro de 1924 e depois incorporado no “British Pacific Fleet”. Abatido ao efectivo, foi afundado de propósito como alvo, na baía de Bengala, em 1 de Maio de 1946. (https://en.wikipedia.org/wiki/HMS_Tarantula)

“HMS Tarantula, an Insect-class gunboat of the Royal Navy that served (briefly) as flagship of the British Pacific Fleet!” (1)
“The Italian gunboat Sebastiano Caboto on a river in China, 1935” (2)

(2) Em 1910, o governo italiano decidiu construir dois navios de Guerra que pudessem patrulhar os rios chineses especialmente no rio Yangtze (onde estavam muitos comerciantes italianos, com frequentes ataques de piratas). O mais pequeno “Ermano Carlotto” que deveria ser construído na China, devido à  I Grande Guerra , só foi concluído em 1921. O maior “Sebastiano Caboto” (778 toneladas) iniciado em Palermo em 1911, ficou pronto em 1913 e foi enviado para a China (chegou a Shanghai em Abril de 1914), mas devido à guerra, abandonou a China que nessa altura era ainda neutral. Voltou depois tendo estado ao serviço na China (Shanghai, Tianjin e Yangtze) nas décadas de 20 e 30 (século XX) (http://www.navypedia.org/ships/italy/it_of_caboto.htm) +(https://i.redd.it/uz34jpk2cwu21.jpg)

(3) (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, pp. 200-203)

Extraído de «TSYK»,  III-22 de 1 de Março de 1866, p. 96.

NOTA 1: O 2.º tenente da armada (cavaleiro da Torre e Espada) António José Caminha era, nesse ano, o comandante da Lorcha Amazona.

NOTA 2: Ilha de Machau – 孖洲, está localizada a sul da Ilha de Lantau, pertencendo ao  denominado “Soko Islands”, administrada pela R.A.E. de Hong Kong e  é inabitada.

Pormenor de mapa de Hong Kong, retirada de http://www.chinatouradvisors.com/maps/Hong-Kong-Lantau-Island-Map.

Era véspera de Natal de 1929 e muitas pessoas abandonavam a cidade na espectativa de os revoltosos cumprirem as suas ameaças de bombardeamento indiscriminado de ruas e casas. (1)

Foi rapidamente sufocada a tresloucada insubordinação dumas 50 praças de artilharia recentemente chegadas que, chefiadas pelo 2.º sargento Manuel dos Santos Guerra, exigiram um aumento de vencimentos a que se julgavam com direito e que o Governo não podia conceder, por falta de disposição legal. Os tresloucados que se insubordinaram na Fortaleza do Monte, onde se encontrava o Quartel de Artilharia de Guarnição, ameaçaram bombardear a cidade. Esgotados todos os meios suasórios e, após um cerco de 26 horas, pela polícia e outros elementos da guarnição desta província e de os subordinados terem sido intimados a renderem-se por intermédio de ordem lançadas pelos aviões da Aviação Naval, (2) dentro de 10 minutos, foram disparados uns tiros de peça, acompanhados de algumas rajadas de metralhadoras, (3) o que bastou para obrigar os insubordinados a entregarem-se às autoridades. (4) |Respeitada a linguagem da época no resumo apresentado|. (5) (6)

(1) , Luís Andrade de – Aviação em Macau, um século de aventuras, 1990, pp. 59-60

(2) “1-05-1928 – Foi criado o Centro de Aviação Naval, dependente dos Serviços de Marinha (DL 22 de 14Jun28) CAÇÃO, Armando António Azenha – Unidades Militares de Macau. 1999, p. 24. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviacao-naval/

(3) “O tenente José Cabral, comandante da Aviação Naval de Macau, sugeriu que o ataque fosse feito com metralhadoras por não existirem bombas próprias contra tropas mas apenas destinadas a destruir fortificações e navios de guerra. Os chefes militares decidiram intervir e ficou assente que a Aviação Naval despejaria não bombas nem balas mas sim panfletos sobre o Monte e a Guia. Às 8 horas e 45 minutos dessa manhã, o “Farey 20”, tripulado pelo tenente Cabral e pelo sargento mecânico Francisco José Júnior, voou sobre as duas fortalezas à altura de 1000 a 1200 metros, fora do alcance de tiro. Com o ruído do motor foi impossível ouvir o fogo de terra, mas um tal major Andrade, das forças fiéis, garantiria mais tarde que foram disparados tiros contra o avião. Horas depois o sargento Guerra ordenaria aos seus homens que se rendessem incondicionalmente.” (1)

(4) Julgamento em Abril de 1930, no hangar da Taipa: “No ano de 1930 não começara da melhor maneira para a Aviação Naval de Macau cujo hangar servia em Abril de 1930, de sala de julgamento de militares implicados numa rebelião armada. Os réus eram vinte e sete praças de artilharia e um sargento Manuel dos Santos Guerra, que, no Natal de 1929, tinham posto Macau em estado de sítio” (1)

(5) Extraído de SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 222

(6) Embora as fontes citadas apontam o acontecimento na véspera de Natal de 1929 (dia 24), uma notícia do dia 23 do correspondente da “Reuter”,  foi publicada num jornal de Singapura no dia 24 com o título de “INSUBORDINATE MACAO GARRISON. Exaggerated Report of Mutiny. (Reuter´s Far Eastern Service). Macao, Dec. 23.

“An exaggerated report is being circulated of a mutiny of the garrison here. The facts are that between 60 and 70 artillerymen, headed by a sergeant, stationed at Monte Fort, became insubordinate, demanding higher pay. The resto of the garrison was loyal, and the Government compelled the disaffected men to surrender without a shot being fired. All is quiet in the city and business is as usual”. The Singapore Free Press and Mercantile Advertiser, 24 December 1929, p. 11. ” https://eresources.nlb.gov.sg/newspapers/digitised/issue/singfreepressb19291224-1