Notícia do dia 3 de Agosto de 1853:

Devido ao grande número de roubos foi novamente imposta a obrigatoriedade aos chineses de trazerem lanterna acesa quando tivessem de andar pelas ruas depois das 21.00 horas

Esta ordem que obrigava os chineses a andarem de lanterna quando houvesse de andar de noite pelas ruas da cidade e que tinha sido abolida em 19 de Novembro de 1852 (1), foi determinada pelo Senado em 6 de Fevereiro de 1692.

O Senado determinou-se que qualquer china ou escravo que andar pela cidade, sem lanterna depois do toque do sino da Câmara, será preso; qualquer china, que estiver na cidade, sem o seu nome estar registado no livro que se fez em 1691, «será prezo, e entregue a seus Mandarins p.r gente roim». Nenhum morador de Macau poderá alugar as suas boticas a chinas, cujos nomes não estejam registados no dito livro. Quanto a cúlis só ficarão 30 na cidade para serviço.” (2)

(1) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(2) Arquivos de Macau, Fev. 1964, citado por TEIXEIRA, P.e Manuel – Os Macaenses, Centro de Informação e Turismo, 1965, 99 p.