Archives for posts with tag: Zhuhai / 珠海

Calendário (plastificado)) (26,5 cm x 21 cm) do Banco Nacional Ultramarino para o ano 2001
Publicita-se (em chinês e português) as várias agências que o BNU tinha (até esse ano) em Macau e Ilhas (11 no total, contando com a Central, na Avenida Almeida Ribeiro, 22 & 38) bem como o Escritório de Representação em Hong Kong e a sua agência em Zhuhai. (1)

Verso do calendário

(1) Zhuhai – 珠海 – cidade chinesa com cerca de 1.560.229 habitantes (dados de 2010), localizada na província de Cantão (Guangdong), no Sul da China e faz fronteira com a Região Administrativa Especial de Macau a sul.

Caixa de papelão de 15,5 cm x 8,5 cm x 1 cm de dimensões contendo no seu interior 5 moedas de Macau, emitidas em 1992/1993, (1) comprada em Macau na década de 90, numa das “tendinhas” para turista que existiam perto de S. Paulo, antes da transição para a Região Administrativa Especial de Macau.
Realçar que a empresa vendedora desta caixa estava sediada na China (provavelmente Zhuhai/珠海)  pois os caracteres chineses da capa são simplificados (com uma tradução para inglês – AOMEN)

流 通 硬 (2)
AOMEN CIRCULATION COIN

AOMEN CIRCULATION COIN IUma das faces da caixa, apresenta uma foto histórica pois tem a particularidade de estar, em primeiro plano, no sopé das escadarias das Ruínas de S. Paulo, a estátua “Rapariga Pequena e o Cão” colocada aí em 1994 e retirada desse sítio em 2010 (por razões do politicamente correcto (!!!) (3)
AOMEN CIRCULATION COIN IIA outra face da mesma caixa, a insígnia da RAEM e os dizeres: “The New Circulation Coins  Collection”.
AOMEN CIRCULATION COIN IVNo seu interior uma embalagem plástica de 14 cm x 8,2 cm x 1cm, com dois suportes de plástico, para ser fixada na base e poder assim expor a embalagem em posição vertical.

AOMEN CIRCULATION COIN IIIO outro lado da embalagem
AOMEN CIRCULATION COIN VOs suportes de plástico
AOMEN CIRCULATION COIN VIOs suportes e a embalagem em posição vertical

No interior da embalagem, um cartão plastificado de cor azul ( 12,5 cm x 7 cm x 0,3 cm) com 5 moedas: 5 patacas de 1992; 1 pataca de 1992; 50 avos de 1993; 20 avos de 1993 e 10 avos de 1993.
AOMEN CIRCULATION COIN VIII(1) Decreto-Lei n.º 34/91/M, de 6 de Maio:

  • 1.º O desenho do anverso da moeda de 5 patacas representará, no centro, as Ruínas de São Paulo e um Junco Chinês, na orla, em cima, à direita, indicará o seu valor facial em caracteres chineses e, na orla, em baixo, conterá a indicação em português «5 patacas».
  • 2.º O desenho do anverso da moeda de 1 pataca representará, no centro, a Ermida e o Farol da Guia e, em baixo, conterá a indicação em caracteres chineses e, em português, «1 pataca».
  • 3.º O desenho do anverso da moeda de 50 avos representará, no centro, a Dança do Dragão, na orla, em cima, à esquerda, indicará o seu valor facial em caracteres chineses e, na orla, em baixo, à direita, conterá a indicação em português («50 avos»).
  • 4.º O desenho do anverso da moeda de 20 avos representará, no centro, um Barco do Dragão, conterá no lado esquerdo e no lado direito o seu valor facial em caracteres chineses e, na orla, em cima, a indicação em português («20 avos»).
  • 5.º O desenho do anverso da moeda de 10 avos representará, no centro, a Dança do Leão, conterá no lado esquerdo e no lado direito o seu valor facial em caracteres chineses e, na orla, em baixo, a indicação em português («10 avos»).
  • 6.º O reverso de todas as moedas será constituído, no centro pela palavra «Macau» em português e pelos respectivos caracteres chineses, na orla, em cima, pelo desenho de um morcego, o qual representa, segundo o universo simbológico chinês, a «Felicidade» e, em baixo, pela indicação do ano da cunhagem.

AOMEN CIRCULATION COIN VIIArt. 3.º As moedas de valor facial de 5 patacas e 1 pataca serão postas a circular no ano de 1992 e as de valor facial de 50 avos, 20 avos e 10 avos no ano de 1994.
(3) “Rapariga Pequena com o  Cão”, estátua de Lagoa Henriques, foi colocada em 1994. Lagoa Henriques é autor entre muitas obras, a da famosa e muito fotografada estátua em Lisboa, no Chiado, a escultura de Fernando Pessoa na porta da “Brasileira”.
Sobre a retirada desta estátua, sugiro leitura da reportagem no jornal «Ponto final» de 02-08-2010 (jornalistas Catarina Brites Soares e Kelvin Costa) e no «Jornal Tribuna de Macau» de 31-07- 20101,  disponíveis em:
https://pontofinalmacau.wordpress.com/2010/08/02/7846/
http://arquivo.jtm.com.mo/view.asp?dT=352103006
(2) 流 通 mandarim pinyin: ào mén liú tōng yìng, bì; cantonense jyutping: ou3 mun4 lau4 tung4 ngaaang6 bai6.

No dia 18 de Março de 1928 foi inaugurado a Estrada Macau-Seak Ki (1) com uma imponente procissão segundo os tradicionais costumes chineses, tomando parte nela milhares de pessoas. A procissão veio da aldeia chinesa de Tch´in–Sán (2) a Macau. A inauguração foi feita pelo Governador de Hong Kong, sir Cecil Clementi, (3) Governador de Macau, Artur Tamagnini Barbosa (4) e as autoridades chinesas. Apesar de ainda estar por acabar (só foi inaugurado 1/3) esta via teve eco imediato no movimento de entradas, mais 132.211 do que o ano anterior. (5)
O jornal de Hong Kong «South China Morning Post» noticiava no dia 24 de Março de 1928, a abertura da «moderna estrada entre Macau e “Seak-Kei”», com grande pompa e entusiasmo, porque há muito se fazia sentir a sua oportunidade.
Também se referiu ao mesmo acontecimento, na edição de 20 de Março de 1928 o jornal “Vao-Tze-Iat” igualmente de Hong Kong. (6)

MACAU Jaime do Inso 1929 Est Sei KeiA Estrada para Seac Kei, junto das Portas do Cerco.

Jaime do Inso escrevia em 1929 (7)
Há, de facto, um ressurgimento em Macau, que se acentua e que justifica plenamente o epíteto de «Macau renascente» que há anos lhe foi dado.
Mas de todas as medidas para ressurgimento ultimamente levadas a efeito, a mais importante e que servirá talvez para marcar como que uma nóva éra na vida de Macau, foi a abertura da estrada para Seac-Ki, cuja inauguração se efectuou em 18 de Março de 1928, com grande pompa e regozijo do povo chinês.
Há mais de trezentos anos que Macau vivia como que isolada da china por uma muralha na provisoria fronteira terrestre.
Para além das Portas do Cerco, no istmo da península, ficava a «terra China», agreste e mal servida por uma estrada primitiva, estreito caminho lageado a serpentear por entre um vasto cemitério chinês, onde tudo éra mistério e, por vezes, perigo.
Quando chegamos á colónia, vai para três anos, a nossa guarda de landins quasi que vivia num alerta constante! Do outro lado das portas do Cerco, a algumas dezenas de metros de distancia, os celebres «piquetes», em barracas sórdidas, cobravam impostos a seu belo prazer e de vez em quando, despertavam as sentinelas com tiros isolados.
Hoje, tudo isso acabou; e, em lugar daquele aspecto de pé de guerra, vê-se uma magníficas estrada por onde se caminha livremente, e os nossos africanos, o maior trabalho que teem, é a contagem paciente das pessoas que entram e saem pelas celebres portas…”
(1) Shiqi 石岐  – Seac Kei ou Siac Ki ou Sek Kei ou Shekki;  madarim pinyin:Shíqí; cantonese jyutping:  sek6 kei4.
(2) Qianshan 前山 (também conhecida por Ch´ien-shan), conhecida pelos portugueses por Casa Branca, localidade da cidade de Zhuhai, onde residia um dos mandarins que detinha a jurisdição no território de Macau.
Sir Cecil Clementi(3) Sir Cecil Clementi 金文泰 (mandarim pinyinJīn Wéntài) (1875 – 1947) Governador de Hong Kong de Novembro de 1925 a Maio de 1930.
http://en.wikipedia.org/wiki/Cecil_Clementi
Artur Tamagnini Barbosa(4) Sobre este Governador Artur Tamagnini Barbosa ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/artur-tamagnini-barbosa/
(5) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau.
(6) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4.
(7) INSO, Jaime do – Macau, a mais antiga colónia europeia no extremo oriente.