Archives for posts with tag: Zheng Chenggong / 鄭成功 / Coxinga.

No dia 22 de Abril de 1773, o Senado, em face da fuga de muitos cafres,(1) resolve prendê-los dois a dois com correntes de ferro, e depois, sob a direcção de uma pessoa eleita pelo Senado, seriam forçados a trabalhar «alimpando as ruas desta cidade e suas Fortalezas» dando-se a cada um 25 cates de arroz por mês e 2 condorins de peixe por dia.(2)
(1) Cafre – Palavra que deriva do árabe Kafir, que significa gentio ou infiel. Relativo às populações bantos, não muçulmanas da África Meridional. Habitante da Cafraria, antiga colónia inglesa que abrangia a região da Cidade do Cabo, na República da África do Sul, e algumas regiões adjacentes. Moços de fretes ou criados eram também tratados por cafres ou bichos.(3)(4)
Designação que abrangia negros oriundos da África Oriental. Da costa ocidental do referido continente eram chamados simplesmente de negros.(6)
NOTA: Aconselho a leitura do trabalho académico “Macau: Uma sociedade Esclavagista (sec. XVI – XVIII)?” de Daniel Valenzuela Tavares (5), do qual retiro algumas informações sobre os cafres em Macau:
“ (…) Noutro quadro social, Peter Mundy relata o jogo espanhol de alcanzias que decorria na cidade na Praça de S. Domingos, afirmando que, entre a população, metade eram mouros e a outra metade cristãos, cada um com os seus negros ou cafres envoltos em damascos, e enquanto estes levavam lanças com pendões onde estavam pintadas as armas dos seus senhores, cabia a cada negra servir o seu senhor com uma bola” (p. 260).
“ (…) Destes (escravos) o autor destaca que os homens eram na sua maioria cafres de cabelo encaracolado e as mulheres eram na sua maioria chinesas.” (p. 265).
“ (…) É também possível observar aqui as diferentes etnias que formavam o quadro social escravo de Macau. As etnias presentes neste martírio (refere-se ao martírio da embaixada da cidade de Macau no Japão) eram das mais variadas origens, referindo-se o autor aos escravos “cafres, malavares, chinas, chingalas, malayos, bengallas, macaçares, jaos e d’outras nações“. (p. 264)
Outras referências aos cafres, também se encontram no trabalho académico de Anabela Nunes Monteiro (6) (sugiro a sua leitura)
Zheng-zhi-long com a fortuna herdada, comprou um barco e dedicou-se ao comércio, estabelecendo contactos com o Japão, Manila, Sião, Índia e com os próprios portugueses. Entre os seus homens encontravam.se inúmeros cafres que haviam escapado à escravatura, nas mãos de portugueses e castelhanos. (p.112)
diremos que é provável que os cafres que Bocarro indica sejam da costa oriental africana e que tivessem chegado a Macau, via Goa” (p.144)
Se os escravos chineses eram bem aceites entre a comunidade mercantil de Macau, o mesmo tratamento não devia existir em relação aos cafres, perpetuando-se, mesmo, um certo horror, devido à ferocidade destes em caso de ataque.” (p. 145)
Ver também anteriores referências aos escravos, neste blogue:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/escravos/
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 2,1997.
(3) CARMO, Maria Helena do – Os Interesses dos Portugueses em Macau, na Primeira Metade do Século XVIII. Centro de Publicações, Universidade de Macau, 2000, 92 p. + 24 p anexos documentais, ISBN: 972-97842-9-9.
(4) Dicionário Priberam da Língua Portuguesa: https://dicionario.priberam.org/cafre
(5) TAVARES, Daniel Valensuela — Macau: Uma sociedade esclavagista (séculos XVI-XVIII)?. Omni Tempore. Atas dos Encontros da Primavera 2017. Volume 3 (2018), pp.244-269.
https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/16250.pdf
(6) MONTEIRO. Anabela Nunes – Macau e a presença portuguesa seiscentista no Mar da China. Interesses e estratégias de sobrevivência. Dissertação de Doutoramento em História, 2011.
file:///C:/Users/ASUS/Documents/PARA%20ELIMINAR%20-%20DOWNLOADS/Tese%20de%20Doutoramento_Macau%20e%20a%20Presen%C3%A7a%20Portuguesa%20Seiscentista%20no%20Mar%20da%20China%20_Anabela%20Nunes%20Monteiro.pdf

“Era este o nome que os portugueses davam a Iquan, ou Cheng Chi-lung. (1)
Nasceu no distrito de Chuan-chow, aí por 1600. Aos 18 anos, veio para Macau, onde foi baptizado com o nome de Nicolau, do nome do seu padrinho, (2) que o tratou como filho.
Regressando à sua terra, partiu para o Japão, onde se colocou ao serviço dum rico comerciante chinês, Li Han, casando ali com a japonesa Tagawa (3). Sabendo português, foi para a Formosa como intérprete da Companhia Holandesa, cujo serviço abandonou em 1625 para se fazer pirata.
Quando Li Han morreu, (4) Iquan tomou conta da maior parte dos seus navios e da sua riqueza. Em breve, comandava 400 juncos que, em fins de 1627, se elevavam a mais de 1000. Apoderou-se de Amoy (5), e dali dominava toda a costa entre o rio Yantse e o rio das Pérolas.
O Imperador (Chongzhen 崇禎); vendo que o não podia vencer, nomeou-o em 1628, comandante da frota imperial com o grau de mandarim, com a condição de limpar os mares de outros piratas, o que ele aceitou, estabelecendo em Amoy o seu quartel-general.
Passando em silêncio as suas façanhas, (6) vejamos apenas o incidente que se deu com Macau.

IQUAN o pirataIlustração de Zheng Zhilong e do seu filho Coxinga
http://en.wikipedia.org/wiki/Zheng_Zhilong

Demos a palavra a Palafox:
«Julgo agora necessário dizer algo sobre a questão que se originou entre Icoan e os Portugueses de Macau. Ele mostrou sempre inclinação e apreço por esta cidade, onde viveu quando era jovem, quando nunca esperava ser elevado à categoria actual. Aconteceu agora um notável incidente que esteve para o levar (como ele ameaçou) a indispor-se fortemente com os seus habitantes.
A ocasião foi a seguinte: Achando-se no Japão no início da sua carreira teve lá uma filha natural, que foi baptizada e educada na Religião Católica. Quando os cristãos foram expulsos do Japão, ela fugiu e veio com eles para Macau, onde foi recebida por pessoas caritativas, que se incumbiram da sua pia educação no exercício da Religião Cristã.
Sendo informado de que a sua filha se achava em Macau, enviou recado aos portugueses para que lha mandassem, visto ser sua filha.
Estes sabiam que era o pai que exigia a sua filha, mas não julgaram conveniente enviar-lha; e a razão era que ela era cristã e ele, ainda que ele fora baptizado e fizera a sua profissão de fé, vivia agora como infiel e não tratava senão com infiéis. No entanto, quiseram examinar e considerar tão importante negócio. Para este fim, reuniram uma Assembleia de Eclesiásticos e de outras pessoas piedosas, os quais chegaram à conclusão de que se não devia restituir a filha ao pai.
Ao saber disto, Iquan lançou terríveis ameaças, de que viria e cercaria Macau com uma esquadra de 500 a 1.000 navios, que levaria a sua filha pela força, arruinaria ou extirparia todos aqueles que haviam detido a sua filha, e que desde este momento ele começaria a reduzi-los à extremidade da indigência e da necessidade, pondo final à recepção de quaisquer provisões ou comodidades da China.
Apesar de todas estas ameaças, (7) não lhe entregaram a filha, nem permitiu Deus que ele fizesse cair a cidade os flagelos que meditara».
Esta filha devia ser uma que casara em Macau com um português (ou macaense) chamado António Rodrigues, filho dum cidadão chamado Manuel Belo; ambos eles foram viver com Iquan em Anhai aí por 1640; o último acompanhou-o a Pequim em 1646, voltando depois para Anhai, onde faleceu em 1649.
Iquan tinha 300 negros ao seu serviço, sendo todos cristãos e escravos fugidos de Macau. Quando foi preso traiçoeiramente (8) pelos manchus em Amoy, os escravos opuseram forte resistência, sendo mortos uns 100 no combate. Os restantes colocaram-se ao serviço dos manchus em Cantão, onde muito se distinguiram no cerco de 1647.
O seu grito de guerra era Santiago.” (9)

(1) 鄭芝龍 Zheng Zhilong ou Cheng Chi-lung, baptizado com o nome de Nicolau Iquan Gaspar nasceu em 1604, no distrito de Chuan chow, provavelmente na cidade de Nan’an (Fujian), 820 milhas ao norte de Amoi/Xiamen.
(2) Nicolau Gaspar (???), português respeitável e rico que lhe deixou larga porção da sua herança pois morreu sem descendência. (10)
(3) Tagawa Matsu (田川松), ou Weng-shi (翁氏) (1601 – 1646). O filho de Iquan e Tagawa, nascido em Hirado (Japão), Zheng Chenggong (鄭成功 – em pinyin: Guóxìngyé (1624-1662), recebeu do príncipe de Tang, de nome Lung Wu (imperador Ming), o título de Kuohsing-yeh   (“Senhor do Apelido Imperial”), que os portugueses chamaram de Koxinga ou Coxinga. Como os Tártaros-Manchus não tinham esquadra, Lung Wu estava seguro sob a protecção de Iquan e do filho Coxinga; mas, querendo internar-se no interior, foi derrotado em Tingchow (Tingzhou) ; fugiu e morreu no cativeiro. (10)

Zheng Cheng gong Estátua de Zheng Chenggong em Xiamen, Fujian.
http://en.wikipedia.org/wiki/Koxinga

(4) Li Han e Iquan haviam favorecido em 1624 a transferência dos Holandeses dos Pescadores para a Formosa e estimularam a emigração dos Chineses para esta ilha.
(5) Amoy 廈門 Xiamen

Hans PutmansHans Putmans
http://thisdayinalternatehistory.blogspot.pt/2010_10_01_archive.HTML

 (6) Em 11 de Julho de 1633, uma esquadra holandesa sob o comando de Hans Putmans chegou a Amoi e, dois dias depois, atacou traiçoeiramente a frota imperial sob o comando de Iquan, destruindo-a completamente dentro de poucas horas. Iquan organizou em breve uma nova esquadra de 100 navios e, aos 22 de Outubro atacou a de Putmans e, depois de afundar o navio Brouckerhaven e de capturar o Sloterdijck, obrigou os Holandeses a levantar o cerco de Amoi. Tendo perdido outros 2 navios num tufão, Putmans retirou-se para os Pescadores e Formosa. (10)
(7) Pelo contrário, mostrou-se amigo dos Portugueses e auxiliou-os no seu comércio com o Japão, levando lá nos seus próprios barcos as mercadorias de Macau. (10)
(8) Os Tártaros-Manchus prometeram então a Iquan nomeá-lo vice-rei das três províncias de Chekiang, Kwangtung e Fukien, se ele se submetesse, o que ele fez. Em 1646, o general manchu Tung Kuo-chi induziu-o a descer a terra, e quando o apanhou, traíu-o e “convidou-o” a seguir para Pequim. Pretendendo os Manchus obter a submissão da sua esquadra e dos seus sequazes, sobretudo do seu filho Coxinga, trataram-no como um príncipe; mas o filho rejeitou todas as ofertas e colocou-se ao lado do último pretendente ming, o príncipe de Kwei, mais conhecido por imperador Yung Li. Em 1648, os padres Gabriel de Magalhães e Luís Buglio foram levados de Szechevan a Pequim; Iquan visitava-os amiúde, construiu-lhes uma casa e capela, proveu-os de dinheiro, criados e alfaias.
Nem as promessas nem as ameaças dos Manchus puderam seduzir Coxinga, que em 1656 atacou Nanquim e em 1660 alcançou uma brilhante vitória naval em frente de Amoi. Os Manchus acusaram então Iquan de encorajar secretamente o filho e privaram-no de todas as honras. Reduzido à miséria, viu-se forçado a aceitar as esmolas dos Jesuítas, a quem antes favorecera. Aí por 1661, foi condenado à morte e degolado.(10)
(9) TEIXEIRA, Padre Manuel – Iquan, o pirata maroto in Vultos Marcantes em Macau.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/05/31/leitura-vultos-marcantes-em-macau/
(10) http://www.library.gov.mo/macreturn/DATA/PP280/PP280266.HTM