Archives for posts with tag: Wong Wai Hong
POSTAL de 1992 da colecção do fotógrafo Wong Wai Hong (1) – Guia Lighthouse
Anuário de Macau 1924, p. 69.

1864 – Início da construção do Farol da Guia, concebido pelo macaense Carlos Vicente da Rocha. As obras foram pessoalmente dirigidas pelo governador Coelho do Amaral (2)

“24-09-1865 – Acendeu-se, pela primeira vez, o Farol da Guia, oferecido ao Governador José Rodrigues do Amaral pela comunidade estrangeira de Macau chefiada por H. D. Margesson, sendo o primeiro que se acendeu na costa da China Este farol foi construído pelo hábil macaense Carlos Vicente da Rocha, sob a direcção pessoal do Governador e encontra-se situado na latitude de 21º 11` N. e na longitude de 113º 33`a Leste de Greenwich. (2)

Verso do POSTAL de 1992 – Farol da Guia e sua verdura – Guia Lighthouse: the lighthouse was designed by a localborn Portuguese Carlos Vicent de Rocha. Completed on 24 September 1865 1865 it is the oldest lighthouse in the Far East and has never ceased to be operational since built.

Bol. Gov. Macau, XII-39, 24 de Setembro de 1866, p. 57

(1) Ver referências anteriores em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-wai-hong/ (2) (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume II, 2015, pp. 168,175.

Celebra-se hoje o festival Chong Chau (Bolo Lunar) (1)

POSTAL de Wong Wai Hong- Mid-Autumn Festival (2)

Recordo aqui uma postagem de “dóci pápiaçam” que Carlos “Néu-Néu” Coelho deixou no seu Facebook, do dia 29 de Setembro de 2012 (dia do bolo lunar, nesse ano), e que posteriormente, em boa hora, o Instituto Internacional de Macau reuniu as melhores crónicas do autor publicando o livro “ÚI DI GALÁNTI!”, em 2018 (3)

“Na festa de bolo bate-pau tem qui di tanto canto quelóra nosôtro canta. Senti qui vosôtro jâ isquêce istunga tudo canto. Déssa iou fazê vosôtro tórna lembra unchinho.

Pã ut sap ung si chong-chau

Iao yan fai-lok iao yan sau

………………………..

Ut cóng-cóng, chiu tei-tong

Hã chai ni quai-quai fan lôk chóng …………..

Lembra di istunga quanto cánto nunca. Óji sã nádi tem gente canta.

Verso do POSTAL de Wong Wai Hong- Festival “Chong Chao” (Bolo Lunar)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/bolo-lunar-bolo-de-bate-pau-%E6%9C%88%E9%A5%BC/

(2) Postal “Festival “Chong Chao” (Bolo Lunar)”, nº 10 duma colecção de 10 postais (dentro dum invólucro) intitulada “Festividades Orientais em Macau”, com fotografias de Wong Wai Hong, trilingue (chinês, inglês e português), edição de “Ming Shun Published in Macau” (impressos em Hong Kong), de 2008. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-wai-hong/

(3) COELHO, Carlos “Néu-Néu” Gracias – Úi di Galãnti!. Instituto Internacional de Macau, colecção «Mosaico», n.º 49, Junho de 2018, 95 páginas. ISBN 978-99965-59-18-1

Hoje celebra-se em Macau a festa de Na Cha (décimo oitavo dia do quinto mês lunar). Antes da epidemia, a festa consistiria de dois desfiles nesse dia: um a partir do Templo de Na Tcha (perto das Ruínas de São Paulo) onde seriam realizados o ritual da adoração com incenso, seguindo uma parada da estátua de Na Tcha (a liteira que carrega a estátua foi produzida em 1903) acompanhada por uma equipa de dança do leão, tambores e gongos em Macau e nas ilhas; outro desfile partiria do monte onde está o templo, acompanhado por Kam Cha (Jinzha em chinês) e Mok Cha (Muzha em chinês), bem como o dragão guardião e fadas, espalhando flores. Sendo como uma parte do Património Mundial de Monumentos do Centro Histórico de Macau, o Templo de Na Tcha ( perto das Ruínas de São Paulo) é uma perfeita apresentação das características únicas multiculturais de Macau. (1) (2)  

Postal “Festa de Na Chá”, nº 9 duma colecção de 10 postais intitulada “Festividades Orientais em Macau”, com fotografias de Wong Wai Hong, trilingue (chinês, inglês e português), edição de “Ming Shun Published in Macau” (impressos em Hong Kong), de 2008. (3)

(1) http://www.temple.mo/?mod=festival&id=92&lang=Por (2) Veja-se:  https://www.revistamacau.com.mo/2017/06/06/tradicoes-festa-de-na-tcha/ (3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2022/06/03/noticia-de-3-de-junho-de-2022-festival-tun-ng-postal-barcos-dragao/

Hoje celebra-se em Macau a festa “Tun Ng”, (1), festa chinesa muito antiga em que se presta homenagem á integridade moral do juíz Wat Yuen. Hoje em dia todas as celebrações estão concentradas nas famosas corridas dos Barcos Dragão que em Macau se realizam nos Lagos Nam Van, em frente da Avenida da Praia Grande. (2)

POSTAL – Festival de Barcos Dragão (Tun Ng)
POSTAL – Festival de Barcos Dragão (Tun Ng) verso

Postal “Festival de Barcos Dragão (Tun Ng)”, nº 8 duma colecção de 10 postais (dentro dum invólucro) intitulada “Festividades Orientais em Macau”, com fotografias de Wong Wai Hong, trilingue (chinês, inglês e português), edição de “Ming Shun Published in Macau” (impressos em Hong Kong), de 2008.

Capa exterior do invólucro de dimensões máximas 24 cm (horizontal) x 38 cm (vertical)
Interior do invólucro de dimensão: 18 cm x 13 cm
Índice da colecção; dimensões: 18 cm x 11 cm

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2017/05/29/noticia-de-29-de-maio-de-1987-filatelia-festividade-do-barco-dragao/

https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/06/25/noticia-de-25-de-junho-de-2020-postais-da-direccao-dos-servicos-de-turismo-eventos-de-macau-v-barcos-dragao/

(2) https://www.macaotourism.gov.mo/pt/events/calendar/dragon-boat-festival/

Inaugurada, em 28 de Outubro de 1998, no Alto de Coloane (a 170 metros de altitude), a que poderá ser considerada a mais alta estátua do Mundo dedicada à deusa A-Má. A estátua com a altura de 19,99 metros pretende simbolizar também o ano de regresso de Macau à soberania chinesa.

COM-051     媽祖聖像  Statue of A-Ma     Macau (1) – Foto de Wong Wai Hong

De autoria de Leung Man Nin, a estátua pesa 1.100 toneladas e foi construída em mármore branco da província de Hebei, de onde se diz provir o melhor mármore da China. Nela trabalharam 120 escultores durante oito meses.

A homenagem a esta divindade do panteão taoista, protectora dos navegantes e também conhecida por Ma Chou, Ti Hau e Neong-Má, profundamente ligada aos primórdios de e ao nome de Macau, ocorreu num dos dis em que se celebra o culto dos antepassados, o Cheong Ieong, no nono dia da nona lua do calendário lunar. (data da ascenção deusa ao Céu. (2). A construção da estátua foi patrocinada por Ng Fok. No dia seguinte, foi constituída a Fundação da Deusa A-Má de Macau, da qual Ng Fok foi o primeiro presidente do Conselho Directivo (3)

Anteriores referências à deusa A-MÁ: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-a-ma-da-barra-%E5%AA%BD%E9%96%A3%E5%BB%9F/

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2021/09/15/postais-templo-de-a-ma-estatua-de-a-ma/

(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume III, 2015, p. 540

(3) JORGE, Cecília; COELHO, Rogério Beltrão – Roque Choi Um Homem dois sistemas, 2015, pp 53-54)

Dois postais, com as mesmas dimensões: 17,8 cm x 12,5 cm, impressos em Hong Kong, com fotografias de Wong Wai Hong. Legendas em chinês e inglês.

MCO-001     媽閣廟 (1) Ma Gao Temple     Macau

Verso do postal MCO-001

Pagode da Barra

Ma Gao Temple – A temple founded 500 years ago is dedicated to the Goddess of Sea Ma Gao. A legend tells that the first Portuguese arrival when asking for the name of the place was misunderstood by the locals for the name of the temple. The city was hence named “Macau” after the name of the temple “Ma Gao”.“

COM-051     媽祖聖像 (2) Statue of A-Ma     Macau
Verso do postal COM-051

Estátua da Deusa A-Má

Statue of A-Ma – The statue of Goddess of Sea in Alto de Coloane is designed by artist Leong Man Nin and is carved from Chinese white jade – then world´s highest white jade statue at 19, 99 m.”

(1) 媽閣种廟mandarim pīnyīn: mā gé zhǒng miào; cantonense jyutping: maa2 gok3 cung4 miu6 (2) 媽祖聖像mandarim pīnyīn: mā zǔ shèng  xiàng; cantonense jyutping: maa2 zou2 sing3zoeng6

Postal MO-75 publicado por “Ming Shun Dim Published” (Macau), impresso em Hong Kong, em chinês e inglês, com as seguintes dimensões: 17,6 cm x 12, 5 cm. Fotografia de Wong Wai Hong, (1) intitulada “Dia de Camões

Alunos das escolas portuguesas e chinesas com os respectivos professores no desfile tradicional à frente do Busto de Camões, neste caso, a delegação da Escola Pui Tou.  Foto de 1995 pois reconhece-se a presença do Governador de Macau, Vasco da Rocha Vieira e a presidir às cerimónias de 10 de Junho desse ano, o ministro da Administração Interna, Dias Loureiro,  em representação do Estado Português  (2)

Verso

Camoes Day. Luís de Camões is the greatest Portugueses poet. He came to Macao in self-exile where he completed his masterpiece “Os Lusíadas” became the national epic of Portugal. His work was composed in a rocky cave in nowadays Camoes Garden. Each 10th June, people gather in the Garden to commemorate the great poet”

(1) Referências anteriores a este fotógrafo Wong Wai Hong em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/wong-wai-hong/

(2) No dia 10 de Junho de 1995, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades além das cerimónias oficiais, teve um sarau musical no Forum com a presença de artistas portuguesas, José Cid e os Delfins de Miguel Ãngelo.

Porta do Cerco quadro século XVIPortas do Cerco no século XVI (1)

Foi inaugurado, no dia 31 de Outubro de 1871,  pelo Governador António Sérgio de Sousa (governação de 1868 – 1872), o arco da Porta do Cerco dedicado à memória do Governador João Maria Ferreira do Amaral e ao feito heróico do Coronel Vicente Nicolau de Mesquita. (2)

Eudore de Colomban Porta do Cercol 1927Porta do Cêrco, 1927 (3)

Nas paredes interiores há duas lápides com as datas do início e fim da construção:

22 de Agosto de 1870
31 de Outubro de 1871

Nas exteriores outras duas datas com as datas do assassínio do Governador  Amaral e da tomada do Passaleão

22 de Agosto de 1849
25 de Agosto de 1849

Está também gravada o lema “A Pátria honrai, que a Pátria vos contempla“. (4) POSTAL WONG WAI HONG 1992 Porta do CercoPOSTAL – PORTA DO CERCO – The Border Gate
foto de Wong Wai Hong, 1992

(1) Segundo o Padre Teixeira, reprodução de um quadro de autor desconhecido que existia no Museu Luís de Camões, em Macau. TEIXEIRA, P.e Manuel – Os Militares em Macau, 1975.
(2) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954.
(3) COLOMBAN, Eudore de – Resumo da História de Macau, 1927.
(4) A Porta do Cerco era encimada por uma inscrição chinesa, que os chineses lá tinham colocado « Admirai a nossa grandeza, respeitai a nossa virtude»

A Procissão do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos realiza-se no primeiro Domingo da Quaresma. A imagem do Senhor de Passos carregando a cruz, está guardada, durante o ano, na Igreja de Santo Agostinho e é levada em procissão solene desta Igreja para a Sé, onde fica para vigília durante uma noite. A procissão do Nosso Senhor começa na Sé Catedral, passando pelas ruas do centro histórico, parando nas  estações da Via Sacra, para o canto da Verónica,  e termina na Igreja de Santo Agostinho. Um dos principais objectivos desta procissão é relembrar o sofrimento, crucifixação e morte de Jesus.
 
Relato do jornalista (não identificado) no Boletim Informativo da Repartição Central dos Serviços Económicos, em 1955 (1):
“A Festividade do Senhor Bom Jesus dos Passos – a mais arreigada tradição entre a gente portuguesa – ocupa lugar de proeminência entre as devoções  do povo de Macau. É concorridíssima a Novena que precede a festa, realizada sempre no primeiro Domingo da Quaresma. A Igreja de Santo Agostinho enche-se de oração e de cumprimento de promessas feitas, sendo numerosas as Comunhões diárias.                
 
A  Procissão da Cruz, ao anoitecer de sábado, em que a venerável Imagem do Senhor  dos Passos é conduzida para a Sé Catedral, é  o mais recolhido cortejo litúrgico da cidade. A túnica roxa do Senhor e os cortinados, da mesma cor, que envolvem o andor, de mistura com a luz misteriosa dos archotes, infundem respeito e põem na alma uma tristeza grande, recomposição impressionante da cena pérfida do bosque das Oliveiras…(…)
O Primeiro Domingo da Quaresma representa, na vida católica de Macau, um dia de penitência e oração – é o dia da Procissão do Bom Jesus dos Passos. Todos os pensamentos e todas as acções gravitam nesse dia à volta do grande acontecimento. O povo de Macau enche, desde o alvorecer da manhã até à hora de saída da Procissão, a vasta Sé Catedral…”
Este postal (2), comprado em Macau, do fotógrafo Wong Wai Hong, (1972 ?) tem a seguinte legenda: Procession of Our Lord: Procession of our Lord originates from Europe and has been practiced by Macao´s catholic for several hundred years. a status of Christ is taken in solemn procession from St. Augustine´s Church to the Cathedral for an overnight vigil. It is then returned through the city via the Stations of the Cross. The procession attracts thousands of devotee, making the streets crowded with people. many devotees from Hong Kong take a special trip to Macao”

NOTA Sobre a “história” desta procissão, aconselho leitura de
http://macauantigo.blogspot.pt/2012/03/procissao-senhor-dos-passos.html

(1) Boletim Informativo da Repartição Central dos Serviços Económicos – Secção de Propaganda e Turismo, n.º 38 ,  28 de Fevereiro de 1955.
(2) Ming Shun Dim Published in Macau, Printed in Hong Kong, 2008 ( MO-72)