Archives for posts with tag: transportes aéreos

Capa da revista MACAU CELEBRATION CITY, n.º 1 publicado em Dezembro de 1996 (25 Patacas). Tópicos principais deste número: “A Macanese Christmas”, “Chinese New Year” e “Easter”

Revista (30cm x 21 cm; 34 páginas) em inglês, publicada em Dezembro de 1996, projectada para ser publicada três números ao ano, creio no entanto que só foi publicada este número. A capa do n.º 2, estava anunciada neste primeiro número e prevista para sair em Abril de 1997, mas não sei se foi concretizada. . Pretendia ser um “magazine” de acontecimentos festivos de Macau, hotéis, restaurantes, de divulgação turística. Publicação da “Imagination Macau” (“Managing Editor”: Liz Thomas).

Na contracapa um anúncio da “CAM– Macau International Airport Company”

MACAU, ASIA OLDEST GATEWAY TO CHINA
Asia´s oldest Europen gateway is home to Asia´s newest airport.”

Notícia publicada no jornal de Macau “A Verdade” de 18 de Agosto de 1928 e reproduzida no Boletim Geral das Colónias (1)
NOTA: A “Royal Air Force“ (RAF) estava instalada em Kai Tak desde 1927 e tinha os hidroaviões bombardeiros  da geração doss “Fairey IIIF ” (aparelhos de dois lugares motorizados com motores “Napier Lion”), utilizados pela RAF de 1926 a 1934.  A “RAF KAI TAK”  além das missões militares actuava também no combate à pirataria nos mares da China. Foi transferida em 1938, para “Sek Kong Airfield” nos Novos Territórios onde esteve até  1999, ano da entrega de Hong Kong à RPChina. Durante a ocupação japonesa de 1941 a 1945 o aeroporto de Kai Tak foi a base dos aviões japoneses “A6M Zero”.
https://en.wikipedia.org/wiki/RAF_Kai_Tak
http://www.rafweb.org

http://asasdeferro.blogspot.pt/2015/09/fairey-iii.html

Anteriores referências ao Centro de Aviação Naval da Taipa e à Aviação Naval  em Macau:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/06/23/centro-de-aviacao-naval-de-macau-taipa-1928/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviacao-naval/
(1) «BGC», n.º 40 , Outubro de 1928.

Dois anúncios inseridos no jornal “Diário Popular” de 20 de Outubro de 1961, número especial dedicado ao Ultramar Português.
A  SOCIEDADE ORIENTAL DE FOMENTO LDA. com sede em Macau na Rua da Praia Grande n.º 63 tinha duas agências no exterior: em Dili (Timor) na Rua da Praya e em Hong Kong no “Mercantile Bank Building
 A “H. NOLASCO & CIA, LDA” tinha no exterior, agências em Lisboa (João Nolasco Lda. na Praça do Município n. 19-40), em Hong Kong (H. Nolasco & Co. Ltd. no “Ice House Street, n.º 10” e em Dili ( Sth Fl. Lif  Kin Joe, Ltd., Timor).

A propósito da comemoração dos 100 anos de actividade de firma “F. RODRIGUES LDA.” (1) e em comparação com o anúncio recentemente publicado na imprensa macaense, pela  “F. RODRIGUES  (SUC.RES) LDA.” (2)
Anúncio de 1921 (?)

anuncio-1921-f-rodriguesF. RODRIGUES
ESTABLISHED 1916
General merchant, Importer, Exporter, Insurance & Shipping Agent

A Firma «F. Rodrigues Lda.» era agente das companhias de navegação e seguros, Neste anúncio publicitava-se como agente em Macau das Companhias de Vapores:

The Ocean Steamship Co. Ltd.
Companhia Transatlantica de Barcelona.
Sun-Sin (Parte Europea)

de outras empresas estrangeiras:

T & E. Plum (Denmark) Manteiga
Clarence E. Edson & Associates (Cleveland Ohio. U.S.A.)
Underwood Typewriter Co. Ltd.
Sterling Electrical Specialities (Cleveland Ohio. U.S.A.)
“Shell Motor Spirit” The Asiatic Petroleum Company South China Limited (Hong Kong)
Vacuum Oil Company (Hong Kong)

de empresa local:

Empresa de Transporte Automóveis (Gerente geral)

e importadora de carvão da

Mitsubishi Shoji Kaisha (Hong Kong)

Anúncio de 2016

anuncio-2016-f-rodrigues-suc-res-ltdAnúncio publicado no Jornal “Tribuna de Macau” n.º 5081, 9 de Set. 2016 p.7 – PUBLICIDADE

(1) “8-12-1916 – Fundada a Firma «F. Rodrigues Lda.» que através dos sucessores, continua a operar”. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 4, 1997).
Fernando de Senna Fernandes Rodrigues (1895-1945) foi o fundador e proprietário da firma «F. Rodrigues Lda.» desde 1916 até 1945, quando foi assassinado à porta da Caixa Escolar por Wong Kong Kit, a soldo da quadrilha de chineses pró japoneses.
O filho, Humberto Fernando Rodrigues (3) assumiu depois a direcção da firma tornando-se sócio – gerente da firma «F. Rodrigues Sucrs. Ltd» em 1947. (FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses Vol. III, 1996).
(2) 26-12-1947 – Constituída a sociedade “F. Rodrigues, Sucessores Limitada ” com um capital social 150 000,00. (Obras e Melhoramentos efectuados em Macau, 1950. A firma tornou-se um dos principais importadores de produtos alimentares portugueses e foi agente em Macau da «British Airways».O actual presidente da companhia é Humberto Carlos Rodrigues.
Anteriores referências a esta firma:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/firma-f-rodrigues/
(3) Humberto Fernando Rodrigues (1921 –  ? ) filho de Fernando de Senna Fernandes Rodrigues e de Ângela Edmée Jorge era  engenheiro civil. Foi vice-presidente da Associação dos Exportadores e Importadores de Macau e condecorado com a Medalha de Mérito Industrial e Comercial (Portaria 353/99/M de 27 de Setembro).
Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/humberto-f-rodrigues/
Aconselho leitura: “A ÚNICA EMPRESA PORTUGUESA COM 100 ANOS” de Liane Ferreira publicada no JTM, em 8 de Setembro de 2016
http://jtm.com.mo/local/unica-empresa-portuguesa-100-anos/

No dia 9 de Outubro de 1989, os «Correios e Telecomunicações de Macau / CTT MACAU» emitiram e puseram  a circular o sobrescrito do 1.º dia de circulação (selos e carimbo) com o tema “Meios de Transporte Tradicionais – Hidroaviões” (1)
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioesApresento o sobrescrito (C5 – 229 mm x 163 mm) do 1.º dia de circulação com o seu motivo e da obliteração  – (frente e verso com o logótipo dos C.T.T., em relevo) – com um selo de $7.50 patacas (diferente dos quatro emitidos e que constam na folha lembrança).
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-folha-lembrancaA folha lembrança (em português, inglês e chinês; dimensões: 30 cm x 21 cm)  apresenta quatro selos com os desenhos são de Ng Wai Kim:
50 avos – hidroavião + igreja da Penha
70 avos – hidroavião + fortaleza da Guia
2,8 patacas – hidroavião + barraca de pesca
4 patacas –  hidroavião + junco chinês
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-dados-tecnicosAlém dos dados técnicos, apresenta um resumo histórico da autoria de Manuel Vilarinho (Contra-almirante) (2)
Só no princípio do século XX se conseguiu voar num avião, pois só nessa altura se soube construir um motor que permitisse ao avião elevar-se no espaço. Assim, em 1906, Santos Dumont consegue voar 270 metros. Mas é com a I Guerra Mundial que a aviação começa a demonstrar as suas potencialidades. Em Portugal começa por criar em 1914 a Escola de Aviação Militar, em Vila Nova da Rainha, e em 1916 cria-se o Centro de Aviação Naval de Lisboa. Só entre as duas guerras mundiais se começa a desenvolver a aviação civil.
Não é pois de estranhar que os primeiros aviões que voaram em Macau fossem militares e, dadas as características do território, aviões da Aviação Naval.
É certo que a 20 de Junho de 1924 sobrevoou Macau o Breguet XVI B2, Pátria que aqui não consegue aterrar, e tem que aterrar de emergência perto de Cantão. (3)
Contudo a Aviação Naval chega a Macau em 1927, fundando-se o Centro de Aviação Naval de Macau, equipado com três aviões Fairey, os n.ºos 17, 19 e 20. O Fairey 17, o Santa Cruz, era um dos três aviões que, pilotados por Sacadura Cabral e tendo Gago Coutinho por navegador, tinham tomado parte na travessia aérea Lisboa-Rio de Janeiro , em 1922. (4)
O Centro de Aviação Naval é extinto em 1933 e de novo reactivado em 1938, desta vez com aviões Osprey, primeiro os n.ºos 71 e 72, aviões que tinham embarcado nos navios Afonso de Albuquerque e Bartolomeu Dias, a que se juntam mais tarde, outros quatro aviões também Osprey.
Em 1942, em plena II Guerra Mundial, o Centro de Aviação Naval é definitivamente extinto.
Na década de 30 é a vez de a aviação civil aparecer em Macau, com os hidroaviões da Pan-American que estabelecem carreiras comerciais partindo dos Estados Unidos.  da guerra do Pacífico resultou  que pouco durassem essas carreiras.
Que se saiba, só em 1948 volta a amarrar em Macau um outro hidroavião, Catalina PBY-2. Mas a era do hidroavião tinha passado e os progressos da aviação comercial seriam feitos com aviões de rodas, primeiro a hélice, depois a jacto.
Macau voltará a ser sobrevoada por aviões quando estiver concluído o aeroporto. (5)
Neste período de 90 anos o progresso da aviação foi surpreendente e os aviões que virão a Macau não terão comparação com aqueles que aqui voaram em 1928. Também a aviação comercial é uma empresa bem estruturada e que não pára de se desenvolver e progredir.
Acabaram, assim, os tempos em que o avião era um brinquedo e voar uma aventura romântica, um  modo de morte, que atraía os que o praticavam e as multidões. Hoje é uma profissão bem estabelecida e cujos riscos são quase os de qualquer outra actividade.
1-a-dia-circulacao-meios-de-transportes-tradicionais-hidroavioes-folha-resumo(1) Portaria n.º 164/89/M – Emite e põe em circulação selos postais alusivos à emissão extraordinária ‘Meios de Transporte Tradicionais – Hidroaviões”.
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-vilarinho/
(3) Referências anteriores aos transportes aéreos em Macau
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/transportes-aereos/
(4) Referências anteriores ao Centro de Aviação Naval em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/centro-de-aviacao-naval/
(5) O Aeroporto Internacional de Macau foi inaugurado em Novembro de 1995

AUTOCOLANTE - Raid Aétreo Janeiro de 1987Autocolante com as dimensões:  11, 8 cm x 7, 3 cm,  editado pelo Banco Nacional Ultramarino. em Janeiro de 1987, promovendo o Raid Aéreo  Lisboa-Macau -Lisboa.
O monomotor  “Sagres” partiu de Lisboa a 11 de Janeiro de 1987 e chegou a Macau em 6 de Fevereiro, , no Aterro da Concórdia em Seac Pai Van (Coloane).
O avião com Jorge Cruz Galego, Arnaldo Alves Leal e Álvaro M. Prata Mendes, percorreu cerca de 15.000 Km em 27 dias ( tempo total de vôo: 65H30) , com 23 aterragens. (1)
Leal Senado - Placa Comemorativa Raid Aéreo (I)Foi descerrada à entrada do edifício do Leal Senado, uma lápide evocativa deste feito, junto a uma outra já existente e que evoca a epopeia vivida em 1924 por Sarmento Beires, Brito Pais e Manuel Gouveia.
Leal Senado - Placa Comemorativa Raid Aéreo (II)Esta placa foi enviada de Lisboa pelo Aero Club de Portugal com o objectivo de homenagear precisamente aqueles pioneiros da aviação portuguesa. A placa descerrada havia sido entregue ao Governador de Macau pela tripulação do “Sagres” aquando da sua chegada ao Território.

Leal Senado - Placa Comemorativa Raid Aéreo (III) O Governador Joaquim Pinto Machado entendeu que “ o lugar apropriado “ para a sua colocação era o Leal Senado.
(1) Ver anterior referência a este acontecimento em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/02/15/noticia-de-15-de-fevereiro-de-1987-partida-do-monomotor-sagres/

Em 20 de Dezembro de 1947, foi fundada em Macau, com capital português, uma companhia de navegação, a “Sociedade Oriental de Transportes e Armazéns” (“S.O.T.A.”), (1) que possuía em 1950/51, (2) três navios: «São Manuel», de 800 toneladas, «São Gabriel», de 800 toneladas e «São Rafael», de 208 toneladas.

S. Gabriel SOTA 1950Embandeiramento do navio a motor «São Gabriel« da Sociedade Oriental de Transportes e Armazéns, Ltda.

A Sociedade possuía além dos transportes fluviais e navegação costeira, uma ligação marítima com Timor.
O «São Rafael» partiu, em 28 de Maio de 1951, de Macau em direcção a Timor sendo  a primeira viagem (experimental)  duma carreira regular de navegação (a primeira do género) de navegação entre Macau e Timor que a S.O.T.A. iniciaria nesse ano. (3)

S. Rafael SOTA 1950O navio a motor «São Rafael» da S. O. T. A.  que inaugurou em Maio de 1951  a carreira de  viagens entre Macau e Timor

Além dos três navios acima citados, a “S.O.T.A.” possuía, na Avenida Marginal do Porto Interior, chamada depois, Avenida Demétrio Cinatti (4)  um armazém com a área de cerca 900 m2, com facilidades na carga e descarga de barcos (“com material apropriado“)
Este anúncio de 1951, localizava a «Sede e Armazéns» na Avenida Demétrio Cinatti, à frente à Ponte n.º 31, com Tel. 457  e Res 869.
ANÚNCIO SOTA 1951Nesse ano de 1951, além de «agentes da Companhia de Navegação “EVERETT ORIENT LINE”», vendia também cimento da marca «Dragon» (de Haifong) e rádios «Bush».
(1) Com um Capital social de 500.000,00 patacas.
Nesse mesmo ano (1947), a 16 de Dezembro era também constituída a “Companhia de Transportes Aéreos de Macau Limitada” com um capital social de 1.2000.000.00 patacas.
(2) Obras e Melhoramentos Efectuados em Macau no Ultimo Triénio (Setembro de 1947-Setembro de 1950), Macau, Imprensa Nacional, 1950
(3) Há uma notícia de um contrato para o estabelecimento de uma carreira de navegação entre Macau e Timor, em 19 de Julho de 1929, mas não terá sido “regular”.