Archives for posts with tag: Transporte marítimos
Extraído de «BPMT», XIII-31 de 5 de Agosto de 1867, p. 180

I – Peça teatral “O mano Aniceto e o mano Gaspar”, farsa em um acto de Francisco Palha (1827-1890) publicado em Lisboa pela Livraria Popular de Francisco Franco.

Francisco José Pereira Palha de Faria e Lacerda, mais conhecido por Francisco Palha  (Lisboa, 15 de janeiro de 1827 — Lisboa, 11 de janeiro de 1890) foi um escritor, dramaturgo, jornalista, poeta, filantropo e empresário teatral português do século XIX.Gravura de Francisco Palha (autoria de Francisco Pastor, publicada no Diário Illustrado, edição de 12 de janeiro de 1890. https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Palha

II – Aa comédias «O Anjo da Paz» (1856), de José Carlos Santos, e «A República das Letras», de Francisco Palha – eram obras de sucesso, representadas no ano anterior ao da sua impressão, aquelas no teatro de D. Fernando, e esta no Ginásio.

Retrato de José Carlos dos Santos em 1879 (Ilustração Portuguesa, 28 de maio de 1906). José Carlos dos Santos, mais conhecido por Actor Santos Pitorra, ou apenas Actor Santos (1834 — 1886), foi um ator, encenador, dramaturgo, professor e empresário português do século XIX. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Carlos_dos_Santos_(ator)

III – Após a morte de D. João VI, a 10 de março de 1826, D. Pedro, legítimo herdeiro do trono de Portugal, sendo detentor da Coroa imperial brasileira, era considerado um estrangeiro, o que, pelas leis então vigentes quanto à sucessão do trono, o tornava inelegível para o trono português. A regência, nomeada em 6 de março de 1826, apenas quatro dias antes da morte do rei, na pessoa da infanta D. Isabel Maria, declara D. Pedro Rei de Portugal. A situação, porém, não agradava nem a portugueses nem a brasileiros. Em Portugal, muitos defendiam a legitimidade do trono para D. Miguel, irmão de Pedro. D. Pedro procurou uma solução conciliadora. Assim, após outorgar a Carta Constitucional a Portugal (29 de abril de 1826), abdicou em favor da sua filha D. Maria da Glória, na dupla condição de esta desposar o seu tio D. Miguel e de este jurar a Carta. https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$carta-constitucional

Extraído de «BPMT», XX-21 de 25 de Maio de 1874, p. 84.