Archives for posts with tag: Tipografias

Extraído de «BPMT», XXX-15, 12 de Abril de 1884.

Anteriores referências Á Tipografia Mercantil de N. T. Fernandes e Filhos em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tipografia-mercantil-de-n-t-fernandes-filhos/

Livro do Dr. J. António Filippe de Moraes Palha, (1) de 1929, “De Portugal a Macau Através da Historia”  (2) que segundo o autor é:
Ensaio de uma narração historica por factos concatenados e raciocinados na sucessão dos tempos e nas suas relações com os factos gerais, mais particularmente os que se referem à China

CAPA: 20,5 cm x 13,5 cm
LOMBADA (gasta): 1.5 cm

As primeiras páginas com o título “A Propósito” datado de 3 de Janeiro de 1930, refere o autor:
Não é um trabalho histórico, no sentido rigoroso da palavra, o que apresentamos aqui; apenas uma compilação de factos históricos correntes, sobre alguns dos quais se vem discreteando aqui e ali, nas cavaqueiras amenas, e, por vezes, em apaixonadas discussões, que se sucedem interminavelmente desde quando esses factos como tais surgiram. Outros há que, por sua natureza, são tão claros, evidentes e incontroversos que em si encerram um poder mágico de convicção imediata; não se prestam sequer a que possam ser alterados ou adulterados na sua essência e quando o fossem, apenas de tudo, provocariam pelo menos o silêncio de quem presenciasse a um tal propósito, para não contrariar por cortesia a quem a isso se dispusesse….
Índice dos temas:
Fundação de Portugal, continental e colonial – pp. 3 –32
Macau através dos tempos – pp. 33-111
A guerra de opio – pp- 111-120
A China e o ópio – pp. 120-123
A China abatida no seu secular prestígio que vem opondo – pp. 123-166
O Clima de Macau – pp. 166 – 172
Sanidade em Macau – pp 172 – 212
Situação económica de Macau – pp. 212-223
O documento – em fac-simile – apresentado pelo autor (pp.187-188) – um ofício do Cartório da Santa Casa de 20 de Janeiro de 1902 (assinado: Albino António Pedruco) de reconhecimento e manifestação do alto apreço que a meza da Santa Casa lhi tributa. Foi aprovada por unanimidade esta moção”.
Este documento foi apresentado face à insinuação e acusação infamante que então lhe foi assacada aproveitando-se da circunstância de o autor se encontrar em Timor em cumprimento da sua missão, e somente tendo conhecimento posterior quando estava em Portugal. Então promoveu à sua conta o apuramento da verdade (já que não encontrou o devido apoio oficial) tendo: “ levou o sumisso o autor ou os autores da acusação, como sucede sempre em casos tais com os da sua laia que só nas trevas se acoitam”
(1) PALHA, J. António Filippe de Moraes – De Portugal a Macau Através da Historia, 1929, Impresso naTyp: – Mercantil de N.T.Fernandes e Filhos. 223 p., 20,5 cm x 13,5 cm x 1.5 cm
NOTA: Este meu exemplar tem algumas folhas mal paginadas: pp. 151-154 “metidas” entre pp.146 -147 e depois da p.150 segue a p.159 em diante.
Ver a biografia do Dr. J. António Filippe de Moraes Palha em anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-a-f-de-moraes-palha/

Composto e impresso na Tipografia “San Chong Trading & Co.”
21 Setembro 1956 – 1000 EX.

Pela extensão do filme (152 min) , alteração do horário das sessões: 14.30; 19.15 e 22.00.

https://www.imdb.com/title/tt0048140/
Guys and Dolls” (em Portugal também “Eles e Elas”), filme de 1955, produzido por Samuel Goldwyn, distribuído pelo “Metro-Goldwyn-Mayer” (MGM) e dirigido por Joseph L. Mankiewicz (1909-1993), com argumento do próprio sobre uma peça teatral musical da Broadway de 1950, e baseado no livro com o mesmo título de Jo Swerling e Abe Burrows.
Actores: Marlon Brando (1924-2004), Jean Simmons (1929-2010), Frank Sinatra(1915-1998)  e Vivian Blaine (1921-1995)
È a estreia de Marlon Brando num filme musical, como cantor e dançarino.
O produtor Goldwyn pagou o preço record de $ 5.000.000 pelos direitos de filmagem de «Eles e Elas» e concedeu a Brando o papel de Sky Nasterson. A actuação de Brando maravilhou os peritos quando revelou possuir uma voz própria, rica e barítona”
Uma das músicas mais conhecidas,“ Luck Be a Lady” é uma canção composta por Frank Loesser em 1950 e foi cantada pela primeira vez por Robert Alda na peça teatral/musical. No filme de 1955, Marlon Brando canta esta melodia.

Esta canção “Luck be a Lady” foi considerada em 2004, a 42ª melhor canção da lista dos melhores filmes musicais e em 2006, o filme “Guys and Dolls” foi considerado n.º 23 dos melhores musicais pelo Instituto Americano do Filme.
Frank Sinatra – Luck Be a Lady

Trailer do filme em:

PRÓXIMA MUDANÇA: “The Rawhide Years” – Os Batoteiros
Filme de 1956, western, dirigido por Rudolph Mate com os actores Tony Curtis,m Colleen Miller e Arthur Kennedy.
https://www.imdb.com/title/tt00049663/

A “Vingança de Frankenstein”  (“The Revenge of Frankenstein”) é uma produção de 1958 do estúdio inglês “Hammer Film Productions” ,que adquiriu os direitos dos clássicos do género terror da `”Universal” (USA) ), e é uma  sequência do 1-º filme que “Hammer” produziu “The Curse of Frankenstein” em 1957. (1)
Realizado por Terence Fisher com os actores Peter Cushing (1913 – 1994), Francis Matthews, Eunice Gayson e Michael Gwynn. Argumento de Jimmy Sangster, história original, livremente baseada na personagem do Barão Frankenstein, da novela de Mary Shelley, aliás é essa a abordagem que caracteriza toda a série Frankenstein da “Hammer”. Neste filme surge a introdução de uma nova variante ao tema: a transplantação de cérebros e outro fantasmas como a criação de humanoides.
Argumento: O barão Frankenstein (Peter Cushing) escapa da execução na guilhotina e usa o pseudônimo de Dr. Victor Stein para abrir sua clínica na Alemanha. Lá, recomeça a suas experimentações com cadáveres, mas um de seus pacientes tem um destino diferente do que Stein planejou. Atuando como diretor de uma instituição psiquiátrica, e com o auxílio do Dr. Kleve (Francis Matthews), ele encontra nos pacientes internados o material para a realização de novas pesquisas. Experiências diversas ocorrem, inclusive transplantes de cérebro, que nem sempre são bem-sucedidas.
(1) “A Maldição de Frankenstein” ( “The Curse of Frankenstein”) é a primeira realização deste género de Terence Fisher, o primeiro argumento de terror de Jimmy Sangter, a primeira interpretação de Christopher Lee como a criatura e de Peter Cushing como o cientista Victor Frankenstein. A “Hammer” produziu seis sequelas de ” Frankenstein”
https://en.wikipedia.org/wiki/The_Revenge_of_Frankenstein
https://www.imdb.com/title/tt0050894/
Trailers do filme:
https://www.youtube.com/watch?v=PxrXFxOt5JA
https://www.dailymotion.com/video/x4ta8od
https://www.youtube.com/watch?v=ydUKa18bczw
https://www.imdb.com/title/tt0050168/
PRÓXIMA MUDANÇA: “ Barnacle Bill”, título original de 1957 produzido no Reino Unido. por “Ealing Studios”. Distribuído para os EUA com o título de “All at Sea”, cópia essa projectada em Macau.
Director: Charles Frend; estória e argumento de T.E.B. Clarke, com os actores: Alec Guinness, Harry Locke e Frederick Piper
Trailers do filme:
https://www.videodetective.com/movies/all-at-sea/912664
https://www.youtube.com/watch?v=UPoPmfA8kOQ
NOTA: os folhetos do Teatro Vitória, em 1957, foram compostos e impressos na Tipografia “San Chong Trading & Co” 1000 exemplares.  por filme. Em 1958, mudaram para a “Tipografia Kai Meng “ na Rua dos Mercadores n.º 123 (Tel: 2637)

A “Gazeta de Macau” (2.ª fase) (1) que se iniciou em 17-01-1839 terminou a 29-08-1839 (2) após a publicação do nº 32. Era um semanário impresso na Tipografia Macaense e tonha como redactor Manuel Maria Dias Pegado. (3)
No início da publicação apresentava-se como jornal oficial, (após a suspensão da publicação do «Boletim do Governo da Província de Macau, Timor, e Solor»), (4) passando depois a jornal de oposição, lutando pela liberdade de imprensa. Foi sujeito à censura.
Alguns “Avizos” curiosos/interessantes, extraídos deste semanário
(1) “Gazeta de Macau” (1.ª fase) foi publicada de 03-01-1824 a 30-12-1826 tendo saído 52 números. O redactor era António José da Rocha mas segundo algumas fontes, o redactor verdadeiro era um frade agostiniano.
(2) “29-08-1839 – Terminou, após 32 números, a publicação do semanário «Gazeta de Macau», editado por Manuel Maria Dias Pegado, irmão do célebre deputado e lente da Universidade de Coimbra e da Escola Politécnica, o doutor Guilherme José António Dias Pegado.” (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)
(3) Manuel Maria Dias Pegado (1805 – ? ) fundou três jornais em Macau: o semanário «Gazeta de Macao» cujo primeiro número saiu a 17 de Janeiro de 1839 e terminou a 29 de Agosto de 1839, após 32 números; «O Portuguez na China» em 2-09-1839 (durou até até 04-05-1843); o «Procurador dos Macaistas» em 06-03-1844 (até 22-09-1845).
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/manuel-maria-dias-pegado/
(4) “09-01-1839 – Suspendeu-se a publicação do Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor, que era impresso, na Tipografia Macaense, oficina de S. Wells Williams, após cinco números, reaparecendo só no ano seguinte, com o mesmo título a 08-01-1840. (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)

Mais dois anúncios da casa comercial Po Man Lau (livraria/papelaria/fotografia/ agente de máquina de escrever/tipografia, etc.)  já referida em postagem anterior (1). Estes anúncios têm um intervalo de 10 anos, 1922 e 1932.

ANÚNCIO DE 1922
ANÚNCIO DE 1932

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/11/anuncio-casa-po-man-lau/

Para os festejos de gala para celebração do IV Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia por Vasco da Gama, (1498 -1898) que começou a 17 de Maio de 1898, em Macau, estavam programados para o dia 20 de Maio – feriado no território – o Te-Deum na Sé Catedral, a abertura solene da Avenida Vasco da Gama, (1) o lançamento da 1.ª pedra para o monumento a Vasco da Gama (2) no Jardim do mesmo nome (3)  e a publicação de um jornal ilustrado que se chamou “Jornal Único” (4).
Este jornal foi publicada sob a direcção de uma subcomissão composta pelo comendador António Joaquim Basto, conselheiro Arthur Tamagnini da Motta Barbosa, Dr. José Gomes da Silva, Dr. Horácio Poiares, Eduardo Cyrillo Lourenço. Pedro Nolasco da Silva e João Pereira Vasco.
O Presidente da comissão executiva da celebração em Macau do IV Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia por Vasco da Gama, (1498 -1898), foi o Conselheiro Eduardo Augusto Rodrigues Galhardo (governador de Macau)
Sumário dos artigos publicados e seus autores:
1 – Glorificar os heroes da Pátria comemorando os seus altos, é honrar a mesma Pátria – Eduardo Augusto Rodrigues Galhard
2 – 8 de Julho de 1497 – 20 de Maio de 1498 – José, Bispo de Macau (D. José Manuel de Carvalho)
3 – A Caminho da Índia – João Pereira Vasco. Tradução para chinês por Pedro Nolasco da Silva
4 – Praia Grande – António Joaquim Basto
5 – S. Gabriel – sonetos -Camilo Pessanha (5)
6 – O Centenário em Macau – José Gomes da Silva
7 – Portugal – Macau – Wenceslau de Moraes
8 – O edifício do Leal Senado – António Joaquim Basto
9 – O assalto do Passaleão – E. A. Marques
10 – Hontem, hoje e amanhã – G. S.
11 – Na China, conto pueril – Horácio Poiares
12 – Currente calamo – Mário B. de Lima
13 – Avenida Vasco da Gama – Augusto Cezar d´Abreu
14 – A Vasco da Gama – soneto – J. L. Marques
15 – Querer é poder – Domingos M. Amaral
16 – Sé Catedral – Arthur Tamagnini Motta Barbosa
17 – Cam Pau Sai – Abeillard Gomes da Silva
18 – A gruta de Camões –G. S.
19 – A Voz da Infância – Anna Caldas
20 – Fachada do antigo convento de S. Paulo – António Joaquim Basto
21 – Pharol da Guia – Eduardo Cyrillo Lourenço
22 – O patois de Macau – Pedro Nolasco da Silva
23 – O pagode da Barra – António Joaquim Basto
24- A Porta do Cerco – Arthur Tamagnini Barbosa
25 – O Porto Interior de Macau – A. Talone da Costa e Silva

Projecto do Monumento a Vasco da Gama

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/avenida-vasco-da-gama/
(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/monumento-a-vasco-da-gama/
(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jardim-de-vasco-da-gama/
(4) O “Jornal Único” publicou-se, num único número, no dia 20 de Maio de 1898, com óptima apresentação e interessante colaboração, em comemoração do 4. º Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia por vasco da Gama (GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)
Impresso nas Tipografia « N. T. Fernandes e Filhos» e «Noronha & Ca», 1898, 65 p.
Disponível para leitura em:
http://purl.pt/32511
(5) Dois poemas inéditos de Camilo Pessanha publicadas na revista Contemporânea, 3.ª Série, n.º1, de Maio de 1926.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/24/poesia-dois-sonetos-ineditos-de-camillo-pessanha/

Exemplar com encadernação de época – lombada em pele e papel

Livro intitulado «南指話教 (1) Texto Chinez da Bussola do Dialecto Cantonense adaptado para as Escolas Portuguezas de Macau» por Pedro Nolasco da Silva, (2) de 1912, impresso por “Guedes & Co., Ld., Printers”, (21 cm x 12,5 cm). São 75 textos em chinês como lições, para a aprendizagem do chinês (cantonense). São 130 folhas (páginas com texto num só lado)
A tradução portuguesa do texto foi publicada em volume separado.
Prólogo (2 páginas) datado 1 de Janeiro de 1912 e assinado 伯 多禄 (2)( nome chinês de Pedro Nolasco da Silva
(1) 南指話教mandarim pīnyīn: nán zhǐ  huà  jiāo ;  cantonense jyutping: naam4 zi2 waa2 gauu1
(2) Pedro Nolasco da Silva -1908

伯 多禄- mandarim pīnyīn: bǎi duō lù; cantonense jyutping:  baa3  do1 luk6

Ver anteriores referências em:
https://www.google.com/search?q=nenotavaiconta+pedro+Nolasco+da+Silva&oq=nenotavaiconta+pedro+Nolasco+da+Silva&aqs=chrome..69i57j69i64.10614j1j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

Pequeno opúsculo de 16 páginas (dimensões: 21,5 cm x 15. 5 cm), de 1905, contendo o sermão proferido pelo padre António José Gomes (1) na cerimónia do lançamento da primeira pedra /reconstrução da Egreja de S. Paulo em Macau (2)

CAPA – bastante manuseada e com uma grande mancha na parte inferior esquerda ( letras a vermelho)

SERMÃO
Pregado dentro das ruínas da egreja da
Immaculada Conceição
VULGARMENTE CHAMADA DE S. PAULO
EM MACAU
Por ocasião do lançamento da primeira pedra para a reconstrucção
d´este antigo e histórico templo
Destinado a futura egreja Parochial de Santo Antonio
No dia 4 de Dezembro de 1904
Anno Jubilar da Immaculada Conceição
Pelo Missionario
P.e António José Gomes
Doutor em Theologia
Parocho da freguesia de Santo Antonio
MACAU
Tipographia Mercantil
1905

“…Senhores: o que nos resta, pois, fazer d´esta ruina?
“Conserva-la, dizem alguns, conservar esta ruína, remover todo este lixo, gradear este recinto e pôr aqui uma vigia”.
Senhores, isto não basta. Há muitos anos que uma tal resolução deveria ter sido tomada. Hoje, depois de tantos annos de profanação a mais ignóbil e vergonhosa, é mister recorrer à mais completa das desaffrontas  e à mais solemne das reparações!
“Conservar isto como ruína, dizem alguns, e basta. É uma obra d´arte antiga, é uma preciosa relíquia do passado, é uma pagina brilhante da historia de Macau; conserve-se, pois, como está, como monumento archeologico.”
Quem fala d´este modo, meus senhores?
Falam aqueles que nunca subiram essas escadas, aquelles  que talvez hoje pela primeira vez entram dentro d´este recinto, aquelles que há trinta, quarenta e mais anos não visitam esta ruína!
E são estes pretensos admiradores de monumentos archeologicos que falam em conservar esta ruina! Elles que a votaram sacrilegamente a todas as profanações as mais odiosas! Conservar esta ruina, quando tanto se tem feito pela derruir! Conservar esta ruina sagrada ao pé d´um templo idolatra! Conservar esta preciosa relíquia da arte christã no meio d´um foco de peste, d´essa montureira que se estende por ali abaixo, com centenares de suínos a refocilarem-se dentro e fóra d´ella! Conservar a mais bela ruina de Macau, a mais bela ruina do Oriente, no meio d´um bairro, talvez o mais sujo e repelente, que existirá sobre a face da terra!
Oh! Não, nunca! Venha mais depressa uma horda vandálica, sacrílega e brutal, e derrua tudo! Saccudam essas columnas, fundam esses bronzes, revolvam esses alicerces, varram essa mole de granito, rasguem essa pagina gloriosa da historia de Macau, apaguem esse pharol inexistingivel da fé dos nossos maiores! Façam tudo isso, se podem!
Mas se não podem, se o vandalismo em arte e o sacrilégio em religião os faz recuar, se o dedo oculto de Deus sustenta essa mole de granito, então nada mais resta que reedificar….”

CONTRA CAPA com as letras vermelhas de difícil visualização
Qualquer donativo que seja oferecido em troca d´este
Opusculo reverterá em benefício da reconstrução
De S. Paulo e podem ser enviado ao auctor
Parochia de Santo Antonio
China Macau

Na última página, com letras pouco visíveis:

IMPRIMATUR
Macai die XVI Januari 1905
JOANNES PAULINUS, Episcopus Macaonensis

(1) O Padre António José Gomes, fundou em Macau a «Obra do Pão dos Pobres», em 1903, agregada à Paróquia de Santo António. Nomeado em diversas ocasiões encarregado do Governo Eclesiástico de Macau durante as ausências do Bispo D. José da Costa Nunes (1920 a 1941). Editor do jornal diário “A Pátria” (2) em 1926, substituindo Francisco Xavier dos Remédios.
(2) “01-07-1923 – Aparecimento do semanário “A Pátria” que, em 1 de Dezembro de 1925, passou a publicar-se diariamente. Cessou a publicação, em 30 de abril de 1928.” Jornal de inspiração cristã, ligada à Igreja, tinha a redação no Seminário de S. José e era impresso no Insituto Salesiano.
(GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954) e (SILVA, Beatriz B. –Cronologia da História de Macau,  Vol. 4)
Ver anteriores referências em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/padre-antonio-jose-gomes/
(2) Ver anteriores postagens – “Notícia de 4 de Dezembro de 1904 – Programa do lançamento da primeira pedra (I) e (II) em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/12/04/noticia-de-4-de-dezembro-de-1904-programa-do-lancamento-da-primeira-pedra-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/12/04/noticia-de-4-de-dezembro-de-1904-programa-do-lancamento-da-primeira-pedra-ii/

Programa para o cinema “Capitol” para os dias 28 a 30 de Novembro de 1952, o emocionante filme “The Real Glory” (“A Verdadeira Glória”), com sessões às 14.30, 19.30 e 21.30.

Impresso na Tipografia Soi Sang

Produção “Samuel Goldwyn Productions” para a “United Artists” (embora neste folheto surja o emblema de “RKO Radio”), no ano de 1939, e direcção de Henry Hathaway, filmado em estúdios (“Samuel Goldwyn Studios” – Hollywood e na represa/reservatório da Califórnia) apesar do enredo do filme estar situado nas Filipinas. (1)
Com os actores Gary Cooper, (2) David Niven e Boderick Crawford.
(1) O filme enquadrado no protótipo do filme colonialista ou lutas coloniais (como o outro filme de H. Hathaway, de 1933, “The Lives of a Bengal Lancer”– “Lanceiros da Índia”, também com Gary Cooper), estreou-se nos EUA nas semanas após a invasão da Polónia pelos alemães. Baseado numa novela de Charles L. Clifford de 1937, sobre a rebelião dos “Moros” (uma das etnias das Filipinas) durante a ocupação das Filipinas pelos Americanos (após a guerra entre a Espanha e a América). Como os “Moros” foram aliados dos EUA na Segunda Guerra Mundial contra os japoneses, o filme foi “proibido“ pela distribuidora americana da sua exibição mundial em 1942.
Actualmente mantém-se o conflito dos “Moros” islâmicos com o Governo filipino na Ilha de Mindanao.
(2) Para quem viu o filme, lembrar-se-á á da luta entre Gary Cooper e o malvado Datu encarnado por Vladimir Sokoloff.
Próximo filme, outro “emocionante filme” com produção (uma das melhores películas) da “Republic Pictures”, de 1940, do género “cowboys”
Dark Commnand” (“Comando Negro”) com John Wayne, Walter Pidgeon, Roy Rogers (chamado o rei dos “cowboys”), Claire Trevor. Dirigido por Raoul Walsh
O filme recebeu duas indicações ao Oscar.