Archives for posts with tag: Thomaz de Villa Nova Ferrari

A propósito do encalhe da corveta «Duque de Palmella», ocorrido no dia 17 de Março de 1873, (1) no banco de Brito (perto do Vietname), em viagem de Hong Kong para Sião, El Rei de Portugal condecorou o Contra Almirante da marinha francesa, e governador de Saigão, Cavalheiro Dupré (2) com a grande cruz da real ordem militar portuguesa do S. Bento de Aviz.

Extraído de «BPMT», XX-27 de 4 de Julho de 1874., p. 105

Marie-Jules Dupré (1813 – 1881) Almirante francês que foi Governador da Reunião de 1865 a 1969 e Governador da Cochinchina de 1-4-1871 a 15-3-1874. https://en.wikipedia.org/wiki/Marie_Jules_Dupr%C3%A9

(1) Recorda-se que após este encalhe, o comandante da corveta “Duque de Palmela”, Thomaz de Villa Nova Ferrari, suicidou-se (afogamento) por assumir a culpa pois em carta de despedida afirmava “Para que não culpem ninguém pois o erro foi somente meu”. Ver postagem anterior em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/03/17/noticia-de-17-de-marco-de-1873-suicidio-do-comandante-da-corveta-duque-de-palmela/

Anteriores referências à corveta ”Duque de Palmela” em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/corveta-duque-de-palmela/

Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I – 27 de 25 de Março de 1873
Extraído de «Gazeta de Macau e Timor», I – 28 de 1 de Abril de 1873

NOTA: Thomas de Villa Nova Ferrari (1814 – 1873) – curso de Matemática da Real Academia de Marinha em 1931, guarda-marinha em 1833, 2.º tenente em 1843 ,em 1846 – Governador das Ilhas de Cabo Delgado, 1.º tenente em 1850, Capitão Tenente em 1859, atingiu posto máximo de Capitão-de-fragata em 1859. Embarcou em várias corvetas (entre elas, a sua última missão a Macau no «Duque de Palmela»), (1) escunas, brigues e fragatas. Maçon, iniciação antes de 1869. (2)
Anteriores referências à corveta «Duque de Palmela” (1) em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/corveta-duque-de-palmela/
(1) D. Pedro de Sousa Holstein (1781–1850), conde (1812), 1.º Marquês de Palmela (1823) e 1.º Duque do Faial (1833),  depois 1.º Duque de Palmela, concedido em vida (1833) e depois, em 1850, foi tornado de juro e herdade. Foi militar, político, diplomata e herói das Guerras Liberais. O Duque de Palmela foi o representante de Portugal na assinatura do tratado com a Inglaterra (Lord Aberdeen) sobre a abolição da escravatura, no dia 3 de Julho de 1842.
(2) VENTURA, António – A Marinha de Guerra Portuguesa e a Maçonaria. Nova Veja, Limitada,  2013, 247 p.