Archives for posts with tag: The Canton Register
«Gazeta de Macao», I-n.º 26 de 18 de Julho de 1839. p. 96.

O navio francês «Alexandre», sob o comando do capitão D. Ponyalet, pertencente à empresa holandesa “Van Basel, Toe Laer & Co,” (1) deu entrada no porto de Macau, chegado de Manila, no dia 30 de Junho de 1839 («Gazeta de Macao», I-25 de 11-07-1839 p. 95). (2)

O mesmo anúncio com a mesma data é repetido no mesmo jornal, «Gazeta de Macao», I-28 de 1 de Agosto, de 1839, p. 104.

(1) A companhia holandesa sediada na Batavia “Van Basel, Toe Laer & Co,” tinha uma delegação em Cantão, no n.º 1 Dutch hong. Os sócios fundadores foram Magdalenus Jacobus Senn Van Basel (3)  e G. M. Toe Laer

Extraído de «The Chinese Repository», Vol V, From May 1836 to April 1837, p. 431

(2) O semanário «Gazeta de Macao» iniciou-se a 17 de Janeiro de 1839, editado por Manuel Maria Dias Pegado, irmão do deputado macaense e lente de Matemática na Universidade de Coimbra, lente da cadeira de Física na Escola Politécnica, Guilherme José António Dias Pegado. Já tinha existido uma «Gazeta de Macao» de 3 de Janeiro de 1824 a 13 de Dezembro de 1826. Esta nova série de 32 números terminou em 29 de Agosto de 1839 (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume IIm, 2015, p. 84)

(3) Magdalenus Jacobus Senn Van Basel (1808-1863), nascido na Holanda foi nomeado escrivão no consulado da Holanda em Cantão em 1826 e Vice-cônsul em Novembro de 1831. Estabeleceu a empresa «Senn van Basel & Toe Laer & Co» em Cantão a 12 de Junho de 1835 com os sócios G. M. Toe Laer e P. Tiedenan. Em 1848 foi nomeado “Collector General of Taxes”. https://www.werelate.org/wiki/Person:Magdalenus_Senn_Van_Basel_(1)

Extraído de «The Canton Register»,  Vol 8, n.º 26 de 30 de Junho de 1835 , p. 101.

Notícia de 5 de Abril de 1838, o chinês Kuo-si-ping, apanhado m flagrante delito de venda de ópio, “é enforcado em Macau por ordem dos mandarins …”

Extraído de« BPMT», XIII-14 de 8 de Abril de 1867, p. 78

O jornal «The Canton Register» de 1939, sobre os acontecimentos ocorridos em 1838, relata o mesmo episódio mas datando-o de 7 de Abril

Extraído do Suplemento ao «The Canton Register» Dezembro 29, 1835.

Notícia publicada em 22 de Dezembro de 1835 no “The Canton Register” (1) sobre a interferência do mandarim da Heung Shan/Casa Branca nos trabalhos de melhoramentos e aumento da extensão da praia na Praia Grande.
Recorda-se que os Mandarins tanto de Cantão como o da Casa Branca /Heong shan ou Heung san) interferiam muitas  vezes em Macau no que concerne às novas construções de estruturas nomeadamente às construções militares e outras construções  para novas estradas (2)

Vista da Praia Grande – 1834
George Chinnery
Sepsia sobre papel

(1) Extraído de “The Canton Register”, Vol 8, n.º 51, Dec 22 1835, p.202
«The Canton Register» foi o primeiro jornal (8 de Novembro de 1827) em língua inglesa na China, fundado pelos mercadores escoceses, James Matheson e seu sobrinho Alexander junto com o americano William Wigtman Wood, que foi o primeiro editor. Publicado no início de duas em duas semanas, era impresso em Cantão, mas depois transferido para Macau – de 1839 a Junho de 1843 – e a partir desta data impresso em Hong Kong. Terminou em 1936. Em 12-11-1835, surgiu o semanário “The Canton Press”, editado por Franklyn e depois por E. Moller. Este periódico passou também, em 1839, a ser impresso em Macau.
(2) – “12-05-1835 – Mais uma vez os Mandarins (o Suntó e o Juiz de Fora de Casa Branca) interferem com as construções militares e de estradas em Macau. Desta vez (v. 1829 e outras) pedimos e eles autorizam os concertos nas Fortalezas do Monte e da Guia, contando que nada se acrescente ao anterior. Por outro lado, mandam entulhar a estrada recentemente aberta por detrás da Guia.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Vol. 4, 1995.
Ver outras referências a este jornal neste blogue em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/the-canton-register/

Notícia do falecimento de Andrew Ljunstetdt (1) no jornal de língua inglesa publicada em Cantão (o primeiro jornal inglês publicado na China) “The Canton Register”, em 24 de Novembro de 1835. (2)
(1) Anteriores referências em_
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/andrew-ljungstedt/
(2) Anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/the-canton-register/

O jornal «The Canton Register» de 15 de Setembro de 1831,  (1) dá notícia da saga de 14 japoneses naufragados na costa de Manila e depois enviados a Macau. Se houvesse benevolência por parte do Senado, a quem pediram ajuda, deveriam seguir por terra até Nimpo (Ninghpó, Liampo) e dali de barco para o Japão. O Procurador do Senado Floriano António Rangel, resolveu, apesar da tirania do Japão, atender à situação dos náufragos, que foram enviados para Cantão seguindo caminho para o seu país. (2)

https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=mdp.39015080059747;view=1up;seq=5;size=150

(1) «The Canton Register» foi o primeiro jornal (8 de Novembro de 1827) em língua inglesa na China, fundado pelos mercadores escoceses, James Matheson e seu sobrinho Alexander junto com o americano William Wigtman Wood, que foi o primeiro editor. Publicado no início de duas em duas semanas era impresso em Cantão, mas depois transferido para Macau – de 1839 a Junho de 1843 – e a partir desta data impresso em Hong Kong. Terminou em 1936.
KING, Frank H.H.; CLARKE, Prescott (editores) – A Research Guide to China Coast Newspapers 1822 – 1911, pp. 41-44.
Um exemplar do semanário «The Canton Register», este de 1835 – Vol. 8, n.º 1, 6 de Janeiro de 1835. Editor: J. Slade.
https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=mdp.39015080059747;view=1up;seq=5;size=150
Neste número, apresenta um anuncio, em português, da “Jardine, Matheson % Co. “
(2) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995.

 Anúncio publicado no “The Canton Register”, n.º 21, Maio 26, 1835, em que a companhia “Macao Passage Boats” que fazia a ligação marítima entre Cantão e Macau publicitava os novos horários (a partir de 16 de Março de 1835) das partidas para e de Macau, nos dias indicados (“se o vento e o tempo permitissem”).
Preço: $15 patacas cada passageiro.
A chegada a Macau era pela Praia Grande por isso o passageiro era aconselhado a levar somente o necessário, como bagagem.
Nesse mesmo ano, em outro periódico “The Chinese Repository “(Vol IV – Out 1835) no seu “Art VII – Visits to Macao”, referia o seguinte:
Um “Guia Turístico” com referências muito pouco abonatórias para o Território: edifícios públicos velhos e decadentes, alguns em ruínas; muitos fortes e igrejas com referências ao clero numeroso; o colégio de S. José que já viu melhores dias; “Museu Britânico” (1) fechado;  a Gruta de Camões deserto …
No “Journal of Occurrences” do mesmo periódico “The Chinese Repository “(Vol IV , Aug 1835) , no artigo “Anchorage at Kumsing moon”, também fazia referência à  navegação dos barcos que navegavam entre Cantão e Macau, em todo o ano sem perigo de encalhar:
(1) Sobre este Museu Britânico em Macau, o primeiro museu na China, fundado por três membros da Companhia Inglesa das Índias em Macau, em 1829 e durou até 1834, altura em que terminou o monopólio comercial da Companhia das Índias britânica na China. Aconselho leitura das referências que se fizeram na imprensa de Macau aquando da apresentação da conferência “O primeiro Museu na China – O Museu Britânico de Macau (1829-1834)”, que o investigador Rogério Miguel Puga realizou na Fundação Rui Cunha, em 2012
http://ruicunha.org/frc/?p=1375&lang=pt-pt
http://www.cham.fcsh.unl.pt/ext/files/clipping/2012_Paragrafo.pdf
http://www.cham.fcsh.unl.pt/ext/files/clipping/2012_Hoje

Edital de 3 de Abril de 1835 (em inglês) na imprensa estrangeira “The Canton Register”, publicitando o início da Lotaria de Macau no dia 5 de Maio. Presidindo ao sorteio, os vereadores António Vicente Cortella (1) e Joze Vicente Jorge (2) Por cada extracção eram emitidos 400 bilhetes.

O edital está assinado por J.J. Barros, secretário da Câmara, governador de Macau Bernardo José de Sousa Soares de Andrea, José Baptista de Miranda e Lima, Presidente da Câmara, e os vogais: Floriano António Rangel, António Vicente Cortella, João Damasceno Coelho dos Santos e José Vicente Jorge.

(1) António Vicente Cortela (1789-1841 – filho de Inácio Baptista Cortella de Sousa e Albuquerque e Mariana da Silva Faria. Sócio da «Casa de Seguros de Macau», foi vereador da Câmara Municipal e em 1837, juiz de paz da freguesia de S. Lourenço.
(2) José Vicente Jorge, ver anteriores referências em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jose-vicente-jorge-1803-1857/

Notícia na imprensa estrangeira do grande incêndio da Igreja da Madre de Deus (S. Paulo), no dia 26 de Janeiro de 1835. (1) (2)

Igreja e Escadaria de S. Paulo (pormenor)
1834
George Chinnery (1774.1852)
Lápis e sépia sobre papel
POSTAL (18 cm x 12 cm) da Colecção Museu de Arte de Macau (MAM)

(1) «The Canton Register» Vol 8, n.º 5 , 1835.
(2) Ver referências anteriores da Igreja da Madre de Deus (S. Paulo), e Ruínas de S. Paulo, em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-da-madre-de-deus-s-paulo/
(3) Ver referências anteriores do pintor George Chinnery em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-chinnery/