Archives for posts with tag: Teatro Capitol

Mais um “emocionante filme” da «M.G.M» (com prejuízo financeiro) estreado em Macau, no dia 2 de Novembro de 1957, “The Vintage” (“A Vindima”; “Vindima Trágica” em Portugal, 29 de Outubro de 1957),

Filme de 1957, drama/crime, dirigido por Jeffrey Hayden com os actores Pier Angeli, Mel Ferrer, John Kerr, Michèle Morgan e Theodore Bikel. Argumento de Michael Blankfort, baseado numa novela de Ursula Keir. Música composta e dirigida por David Raksin. O solo de guitarra é do actor e cantor Theodore Bikel

Interessante os lemas anunciados no cartaz:

“First love can be the most dangerous! “

“The man she flirted with was a killer”

“Was this wife too friendly with strange under his roof?”

Trailer do filme;

BREVEMENTE  — “This Could Be the Night” é também um filme comédia/drama, de 1957, da «MGM» (prejuízo comercial e financeiro) dirigido por Robert Wise com os actores Jean Simmons, Paul Douglas. E Anthony Franciosa (estreia deste actor), baseado nos contos de Cornelia Baird Gross.

“Naquele maravilhoso Outono de 1931, nada parecia abalar a confiança no futuro de Macau. A vida era baratíssima. Por exemplo, a firma Beatriz Berta de Sousa, sita na Rua Horta da Companhia, n.º 10, (1) vendia um litro de azeite de oliveira a $1.30, e a “Macao Store“, loja fornecedora de géneros alimentícios, na Avenida Almeida Ribeiro, anunciava em “A Voz de Macau” que “o preço do gelo para este ano é de 1 avo por libra“.

A livraria “Oriente Comercial Limitada” dava a conhecer aos seus fregueses as novidades literárias: “Lourdes”, de Brito Camacho, “Hollywood, capital de imagens“, de António Ferro, e “O Homem que matou o Diabo“, de Aquilino. O Porto Exterior ainda não era completa desilusão. Navios nacionais, o “Chinde” e o “Gil Eanes“, fundeavam, trazendo tropa e deportados políticos. Na ponte-cais de madeira, onde se acha o Clube Náutico, acostava o “Sagres” da Macau-Timor Line e da Macau-Mozambique Line. Os funcionários, que vinham da metrópole ou partiam, finda a comissão ou de licença graciosa, viajavam no “Porthos” da Messageries Maritimes e no “Derfflinger” da Mala Alemã Loyd, desembarcando ou embarcando em Hong Kong.

Quem quisesse um suculento e retinto prato português ia à “Aurora Portuguesa” (2) ou ao “Fat Siu Lau“. (3) Para um bom copo de leite e variados refrescos, havia a “Leitaria Macaense” (4) junto ao “Capitol”. Para um saboroso “kai si fán” (arroz de galinha) estava o restaurante “United States”, no rés-do-chão do Hotel Central, (5) em frente ao “Vitória”. E se se queria dançar, subia-se ao 6.º andar do mesmo hotel, onde estava o clube Hou Heng.” (*)

(1) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/10/23/anuncios-de-casas-comerciais-do-ano-de-1941/ (2) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aurora-portuguesa/ (3) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-fat-siu-lau/ (4) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leitaria-vacaria-macaense/ (5) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-centralpresident-hotelgrand-central-hotel/

(*) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau II, 1930-31  in Revista da Cultura, n.º 18 (II Série) Janeiro-Março de 1994, pp.183-216. Edição do Instituto Cultural de Macau.

Estreia a 8 de Agosto de 1957, no Teatro Capitol, do filme “Designing Woman” com as três sessões diárias habituais, com uma correção no folheto: início da 2.ª sessão,  alteração para as 19.45. (devido à extensão do filme: 118 minutos)

“Um Amor em Duas Beldades” (em Portugal: “A mulher modelo”)  filme da “M.G.M.”, de 1957, uma comédia romântica, em “CinemaScope” dirigido por Vincent Minnelli, com os actores Gregory Peck, Lauren Bacall (2) e Dolores Gray. Venceu um Óscar, na categoria de melhor argumento original, em 1958. https://en.wikipedia.org/wiki/Designing_Woman

BREVEMENTE:  “HOLD BACK TOMORROW” – Filme de 1955 da “Universal-International” do realizador Hugo Haas (argumento do próprio) com os actores John Agar e Cleo Moore (dupla que, em 1954, contracenou em “Bait” do mesmo realizador) https://en.wikipedia.org/wiki/Hold_Back_Tomorrow

(2) Lauren Bacall, que substituiu a actriz Grace Kelly (primeira escolha) participou neste filme no período em que o seu marido o actor Humphrey Bogart já se encontrava doente (doença cancerosa), falecendo este em 14 de Janeiro de 1957, quatro meses antes da estreia do filme nos Estados Unidos. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/14/folheto-de-cinema-teatro-capitol-xiii-lauren-bacall/

Trailers do filme:

Verso do folheto apresentado na postagem anterior de cinema, em 26 de Julho (1), em que apresenta, a começar em 29 de Julho de 1955, “um excitante filme da M. G. M.”

Rogue Cop”, é um filme de 1954, do gênero policial em estilo “noir”, dirigido por Roy Rowland, argumento de Sydney Boehm e baseado numa novela de William P. McGivern. Actores: Robert Taylor, Janet Leigh, George Raft, Steve Forrest e Anne Francis O filme foi indicado ao Oscar de 1955 para melhor fotografia em preto e branco (John F. Seitz). https://en.wikipedia.org/wiki/Rogue_Co.

BREVEMENTE: “Os Cavaleiros da Távora Redonda”, filme de 1953, produção da M. G.M (primeiro filme deste estúdio britânico da M. G. M., em “CinemaScope”) e realizado na Inglaterra e Irlanda. Dirigido por Richard Thorpe (segundo filme duma trilogia que este realizador dirigiu para este estúdio, sempre com o actor Robert Taylor: “ Ivanhoe” (1952) e “The Adventures of Quentin Durward” (1955). O elenco principal: Robert Taylor como Sir Lancelot, Ava Gardner como Rainha Guinevere, Mel Ferrer com Rei Artur, Anne Crawford como Morgan Le Fay, Stanley Baker as Modred e Felix Aylmer as Merlin. https://en.wikipedia.org/wiki/Knights_of_the_Round_Table_(film)

A começar em 26 de Julho de 1955, no Teatro Capitol (e até 28 de Julho), o filme “Uma produção tecnicolorida da U. I.OS FORAGIDOS” (“Four Guns to the Border”)., espectáculo para maiores de 18 anos.

Poster do filme de  Reynold Brown

“Four Guns to the Border” é um filme de 1954, dirigido por Richard Carlson com os actores: Rory Calhoun, Colleen Miller, George Nader, Walter Brennan e Nina Foch. É uma história típica de “western”, baseado num argumento (ficção) de um assalto falhado de um quarteto “de foragidos” a um banco em “Cholla”, em 1881, envolvendo na sua fuga “apaches”, xerifes, bandidos, fronteira mexicana, hospedaria/estalagem e uma ingénua com o seu pai  “emigrantes”.

Em 1955, George Nader (1921 – 2002) pela sua actuação neste filme, ganhou o “Globo de Ouro” como o artista masculino mais promissor, mas a sua futura vida artística não viria a confirmar. https://en.wikipedia.org/wiki/Four_Guns_to_the_Border

NOTA. O verso deste folheto será apresentado no próximo dia 29 de Julho.

A começar a 6 de Julho de 1957, no Teatro Capitol o “emocionante filme em Cinemascópio e tecnicolorido”, espectáculo para maiores de 18 anos: “O Céu em teu Amor” (em Portugal “As Virgens de Wimpole Street) “The Barrets of Wimpole Street

O filme de 1957, da “Metrocolor CinemaScope”,  “remake” da versão anterior de 1934 (1) do mesmo diretor, Sidney Franklin (seu último filme). Ambos os filmes são baseados na peça inglesa de sucesso de 1930, “As Barretts de Wimpole Street” de Rudolf Besier (uma história do romance real entre os poetas Robert Browning e Elizabeth Barrett). O argumento do filme de 1957 é creditada a John Dighton, embora Sidney Franklin tenha usado exatamente o mesmo argumento do seu primeiro filme. O filme, ambientado no início do século 19, tem como actores principais, Jennifer Jones, John Gielgud  e Bill Travers (2) https://pt.qwe.wiki/wiki/The_Barretts_of_Wimpole_Street_(1957_film)

BREVEMENTE: O filme “Ten Thousand Bedrooms”, já está publicado neste blogue. Ver em (3)

(1) A anterior versão deste filme, é de 1934, do mesmo realizador, Sidney Franklin com os actores Norma Shearer como Elizabeth Barrett, Frederic March como poeta Robert Browning e Charles Laughton como  pai de Elizabeth, Edward Moulton-Barrett. O filme foi indicado para o Oscar de Melhor Filme e Norma Shearer foi nomeada para o Oscar de Melhor Actriz. https://pt.qwe.wiki/wiki/The_Barretts_of_Wimpole_Street_(1934_film)

(2) Trailers do filme de 1957

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/07/12/noticia-de-12-de-julho-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-l-ten-thousand-bedrooms/

Anúncios de filmes para os dias 5 e 6 de Julho nos cinemas “Capitol” (“O melhor e mais elegante Cinema de Macau – Otima maquina e ótimos filmes, europeus e americanos”) e “Apollo” (“ O mais moderno Cinema de Macau, exibindo os melhores filmes europeus e americanos”), publicados no jornal «A Voz de Macau», do dia 5 de Julho de 1937.

Crack-Up” é um filme americano a preto e branco, de 1936,  dirigido por Malcolm St. Clair. Peter Lorre desempenha um entusiasta aeronaves inofensivo, meio confusa, que é na verdade um espião implacável desesperado para colocar as mãos sobre os planos para uma aeronave experimental. Otros actores: Brian Donlevy, Helen Wood, Ralph Morgan e Thomas Beck. https://en.wikipedia.org/wiki/Crack-Up_(1936_film)

Trailers em:

Trapped by Television” é um filme Americano a preto e branco,  de 1936,  dirigido por  Del Lord  com os actores Mary Astor e Lyle Talbot. https://en.wikipedia.org/wiki/Trapped_by_Television

Trailers em:

Proxima Mudança: “One Way Ticket” , filme americano (drama prisional) de 1935, da “Columbia Pictures”, dirigido por Herbert Biberman com os actores Lloyd Nolan, Peggy Conklin e Walter Conolly. https://en.wikipedia.org/wiki/One_Way_Ticket_(1935_film)

Folheto de cinema do Teatro Capitol (composto e impresso na Tipografia “San Chong Trading & Co”; 1000 exemplares) do dia 19 de Abril de 1957, do “espectaculoso filme tecnicolorido” “Friendly Persuasion” (“Persuação Amigável”; em Portugal: ”Sublime Tentação”). Preços: $ 0.60, $ 0.80, $ 1.10, $1.50, $ 1.80.

Um filme de 1956, do gênero faroeste/drama, durante a guerra civil americana, ambientado em 1862 na família Birdweel, uma família de quakers (pacifistas) , no estado de Indiana.

 Um filme de ““Allied Artists Pictures Corporation”, dirigido por William Wyler, (1) com os actores Gary Cooper  (Jess Birdwell), Dorothy McGuire (Eliza Birdwell) e a estreia no cinema de Anthony Perkins (Josh Birdwell) (2) (3)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Friendly_Persuasion

O filme é uma adaptação de um romance de 1945, de Jessamyn West que colaborou no argumento de Michael Wilson. (4)

O filme “O Belo Sexo” (The Oposite Sex)”, estrearia neste cinema a 1 de Junho de 1957

(1) O produtor e diretor William Wyler ao fim de oito anos conseguiu que o seu projeto fosse aprovado, tendo a  “Allied Artists Pictures Corporation” (anteriormente conhecido como Monogram Pictures Corporation) concordado para um orçamento de US $ 1,5 milhões. Foi o primeiro filme de William Wyler na cor para um estúdio comercial, custando no final mais de US $ 3 milhões, pelo que “Allied” vendeu os direitos de distribuição estrangeira para MGM para levantar mais fundos. O filme arrecadou US $ 4 milhões nas bilheterias norte-americanas em 1956.

 (2) Foi o segundo filme de Anthony Perkins (19321992) (imortalizado por seu papel como Norman Bates no filme Psycho (1960) de Alfred Hitchcock) depois de sua estréia no filme de 1953, “The Actress”. Anthony Perkins ganhou um Globo do Ouro (1957)  por este filme, como melhor actor promissor

NOTA: O compositor e orquestrador Dimitri Tiomkin compôs as músicas para o filmecom letras de Paul Francis Webster. A canção título “Friendly Persuasion (Thee I Love)” foi gravado por Pat Boone e tornou-se a canção mais comercial desse ano (1956.)  

(3) Na 29ª edição do oscar (1957) o filme foi nomeado para 6 Oscar: Melhor Filme, Melhor Diretor (William Wyler), Melhor Ator Secundário (Anthony Perkins), Melhor Música – Canção (Dimitri Tiomkin e Paul Francis Webster), Melhor Argumento adaptado (sem nome) (4), e Melhor Gravação de Som ( Gordon R. Glennan e Gordon E. Sawyer ). O filme ganhou o “Palme d’Or” (Palma de Ouro) no Festival de Cannes, 1957 .

(4) Michael Wilson (1914-1978) não aparece nos créditos do filme pois nessa época o argumentista fazia parte da lista negra de personalidades de Hollywood, consideradas comunistas. Somente na década de 1990 (1996) é que o nome de Michael Wilson foi acrescentado nos créditos da película. Uma semana antes de indicações ao Oscar do ano, a AMPAS Conselho de Governadores introduziu uma regra negando um Oscar para quem se recusou a falar com um comitê do Congresso dos Estados Unidos, tendo a “Writers Guild of America” protestado contra a nova regra sem sucesso. Eles deram a Michael Wilson um “Writers Guild of America Award” para “Melhor Drama Escrito americano”. Michael Wilson, entre muitos argumentos seus ou colaborando com outros, escreveu “The Bridge on the River Kwai” (1957), “Lawrence of Arabia” (1962), “The Sandpiper” (1965), “Planet of the Apes” (1968), e “Che!” (1969).

Trailers do filme:

Não terá sido uma estreia pois o filme é de 1936, por isso, uma reposição no Teatro Capitol para o dia 10 de Abril de 1957, um espectáculo para maiores de 18 anos de idade. Sessões às 14.30, 20.00 e 22.00 horas com a apresentação prévia dos habituais documentários (este da M.G.M.) e reclamos de próximos filmes.

Folheto de cor esverdeada, composto e impresso na Tipografia”San Chong Trading & Co” – 10 de Abril de 1957 – 1000 EX.

“San Francisco” é uma drama – musical de 1936, da M- G-M., dirigido por Woody S. van Dyke (com uma colaboração do director D. W. Griffith) e argumento de Robert E. Hopkins e Anita Loos (e ainda a colaboração de Eric von Stroheim), baseado no terramoto da cidade de S. Francisco em 18 de Abril de 1906. O êxito financeiro do filme (2) baseou-se na trilogia dos actores contratados, Clark Gable, Jeanette MacDonald, (3) e  Spencer Tracy e as canções popularizadas (4) por  Jeanette MacDonald,  

(1) Durante 2 semanas entre 27 de Março e 11 de Abril de 1957, o Teatro Capitol apresentou, ás quartas e quintas-feiras,  reposições de filmes  por isso os folhetos de cinema desse período apresentam na frente e no verso, o argumento de dois filmes.

No verso deste folheto, anunciava a próxima reposição em 17 de Abril de 1957 do filme “O Médico e o Monstro” (“Dr. Jekyll and Mr. Hyde” versão de 194) que apresentei na  postagem de 17-04-2018. https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/04/17/noticia-de-17-de-abril-de-1957-folheto-de-cinema-teatro-capitol-xxxviii-o-medico-e-o-monstro/

 (2) As últimas imagens do filme, as ruínas fumegantes após o terramoto, são uma montagem da cidade de S. Francisco mas da década de 30. Nomeado para 5 “Óscar” – somente obteve um: “Melhor Gravação de Som” para Douglas Shearer.

Jeanette Anna MacDonald (1903 – 1965), em 1934

(3) Jeanette MacDonald teve outro grande filme nesse mesmo ano de 1936 “Rose Marie”, também, dirigido pelo mesmo realizador W.S. van Dyke, contracenando com o actor/cantor Nelson Eddy

(4) A canção título do filme “San Francisco” (música de Bronisław Kaper e Walter Jurmann, letras de Gus Kahn) que é cantada no filme seis vezes por Jeanette MacDonald, tornou-se um dos hinos da cidade.

Trailers do filme:

Henrique de Senna Fernandes nas suas memórias: (1)
“Em princípios de Março (8 de Março de 1935), as atenções de Macau concentravam-se na visita do aviso “Gonçalves Zarco” que, em viagem de soberania, mostrava ao Oriente o que era a proclamada Renovação da Marinha de Guerra Portuguesa. Era um navio de guerra novo que trazia a estas paragens a bandeira das Quinas, preenchendo uma lacuna deixada pelo velho cruzador “Adamastor”, que regressara a Lisboa um ano e tal atrás, para ser abatido. A visita fora esperada com orgulho e nervosismo, pois todos queriam admirar essa “moderna unidade de guerra”. Em 8 de Março, Sexta-Feira, Macau engalanava-se para a receber. Diz “A Voz de Macau“, em termos líricos:
“Às 13:30 horas, avistou-se o ‘Gonçalves Zarco’, ao longe, todo cinzento e cuja elegante silhueta se desenhava altiva no horizonte, primeira unidade naval das que o ilustre Chefe do Governo, Dr. Olivera Salazar, mandou construir em Inglaterra e veio até nós, os portugueses do Extremo Oriente, que comovidamente a contemplávamos, como se contempla amorosamente o torrão da Mãe-Pátria”.
As unidades da Marinha Privativa da Colónia dirigiram-se ao largo para fazer a escolta. Comandava-as a lancha-canhoneira “Macau”, onde se encontrava o Capitão dos Portos, 1° tenente Samuel Vieira. Atrás seguiam com altivez as lanchas “Demétrio Cinatti”, “Talone” e “Coloane”, os rebocadores “Neptuno” e “Berta”, dois motores da Capitania dos Portos, as lanchas n° 5 e 6 e duas lanchas mandarinas. A incorporar no cortejo figuravam também a lancha “Luntsing” das Alfândegas Chinesas e outras lanchas e motores particulares. Nessa “esquadra” iam funcionários civis e militares; muitas senhoras; escoteiros de Macau; Banda Municipal; pessoal civil e militar das ilhas de Taipa e Coloane; representantes de “A Voz de Macau” e dos periódicos chineses; representantes do comércio e indústria desta cidade; Leal Senado, Clero, etc.
As boas vindas foram dadas por meio de apitos e queima de panchões das lanchas. Ao entrar no canal, o “Gonçalves Zarco” deu a salva da ordenança, sendo respondido pela bateria de artilharia da Fortaleza da Guia. Então os juncos de pesca que se encontravam no porto, embandeirados, salvaram também o aviso ‘Gonçalves Zarco’ com as suas peças de carregar pela boca e queimando inúmeros panchões”.
Nunca em Macau assistimos a tão grandiosa recepção, imponentíssima, majestosa”, diz o articulista do “A Voz de Macau“. No Porto Exterior e na encosta da Guia, havia lágrimas em muitas pessoas, o patriotismo a tocar-lhes na corda sensível.
“Gonçalves Zarco”, sob o comando do então capitão-de-fragata Manuel Cardoso Quintão Meireles, (2) teve um acolhimento inesquecível. A hospitalidade de Macau, sempre fidalga, não regateou esforços para obsequiar os 133 homens, entre os quais 120 oficiais. Para muitos, depois de uma tão longa viagem pelo Oriente, Macau foi uma autêntica Ilha dos Amores. Voltando ao cinema, a inauguração do Apolo constituiu um rival para o Capitol. Já não estava sozinho em campo e, por isso, os filmes passaram a ser melhores do que quando se achava o único em campo. Com o desaparecimento do Vitória, o Apollo ficou com o exclusivo das películas da MGM, da United Artists e da Paramount. O Capitol reteve os filmes da RKO e da FOX”
(1) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-1936)
(2) Trata-se, se não me engano, de Manuel Carlos Quintão Meireles (1880 – 1962), oficial da Marinha que combateu na I Guerra Mundial e em 1926, participou no golpe militar, tornando-se ministro dos Negócios Estrangeiros no segundo Governo de José Vicente de Freitas. Em 1951, foi candidato da oposição moderada às eleições presidenciais desse ano, mas acabou por desistir. (LOFF, Sofia Ferreira Manuel in
http://resistencia.centenariorepublica.pt/expo/index.php/bibliografias/52-meireles-manuel-carlos-quintao
Anteriores referências ao Aviso «Gonçalves Zarco»
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aviso-goncalves-zarco/

NOTA: Documentário de 1936 da Cinemateca Digital onde se vê um desfile naval na frente ribeirinha de Lisboa, de vários Avisos, entre eles, o aviso de 2ª classe Gonçalves Zarco
http://www.cinemateca.pt/Cinemateca-Digital/Ficha.aspx?obraid=8425&type=Video