Archives for posts with tag: Tancares
Extraído de «O MACAENSE»,  I-1, 28FEV1882 p .4

Sapatião (chinês: siáu-tíng) – barco pequeno e ligeiro da China (DALGADO, Sebastião Rodolpho- Glossário luso-asiático)

Tancá – pequena embarcação chinesa a remos, geralmente tripuladas por mulheres (tancareiras) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tancares

TÁN KÁ KÂI 蜑家鷄 GALINHA DOS TANCARES

Nos tancares que faziam o tráfico dos rios, criavam-se também galinhas em gaiolas colocadas na proa. Essas galinhas estavam constantemente a ver a água do rio mas sem poderem bebê-la. Portanto este termo é empregado para se referir a qualquer coisa que é desejada e que está à mão mas que não pode ser possuída.” (1)

蜑家鷄mandarim pīnyīn: dàn  jiā jī; cantonense jyutping: daan6 gaa1 gai1

(1) GOMES, Luís G. – Tropos Usados na Gíria Chinesa. Mosaico V-27/28 de Novembro e Dezembro de 1952, p. 136

TANCAR – T´ÉANG-CHAI

(2) TancarT´éang-chai – barco de transporte de passageiros no porto – tem 14 côvados de comprimento, 4 de boca e 1 de calado. É coberto de toldos de esteira e destina-se a transporte de passageiros dentro do porto. É movido só a remos apoiados em toletes, por 2 ou 3 pessoas, gingando uma com remo maior que serve também de esparrela. O punho deste remo é aguentado por uma pequena retenida, feita em junco, a uma argola fixada a meio dum vau. Desta forma, o movimento do remo é equilibrado. CARMONA, Artur Leonel Barbosa – Lorchas, Juncos e outros barcos usados n sul da China,1985 p. 33.

Extraído de «BGM», IX- 42 de 21 de Setembro de 1863, p. 172

A Rua da Barca começa na Estrada de Adolfo Loureiro junto da Rua de Francisco Xavier Pereira e termina na Rua de João de Araújo, em frente da Rua da Pedra.

Luís Gonzaga Gomes escreveu em 18-05-1942 (1) o seguinte:   “Mas qual será a origem toponímica desta extravagante nomenclatura em sítio onde não existem vestígios de ponte (Travessa da Ponte Nova) ou de barcas (Rua da Barca). A necessidade de conquistar o terreno por meio de expropriações e de aterros, para construção de novas e espaçosas vias, e o consequente aformoseamento da cidade fizeram desparecer o que havia de mais pitoresco em certos lugares tipicamente chineses cuja existência é, no entanto, ainda recordada nos nomes por que são designadas certas ruas. Ora, uma das áreas consideradas das mais perigosas para a saúde da população da cidade era a que ficava em volta do Templo de Lin K´ai. (蓮溪廟). (2) É ela conhecida pelo nome de Sân- K´iu  (新桥) que significa – Ponte Nova – e um das ruas que serve esta zona é denominada Tôu- Sun-Kái, (渡船街) isto é, a Rua dos Tôu, ou das Barcas.

Se pudéssemos voltar algumas dezenas de anos atrás, isto é, antes da drenagem e do aterro desta zona, teríamos visto na realidade uma ponte de pedra, colocada entre as actuais ruas de João de Araújo e da Pedra. Esta última, chamava-se assim porque era ali que vivia um grupo de operários chineses dos mais pobres, cujo mister consistia no trabalho de lapidação de blocos de granito, utilizados em obras de cantaria ou na de pavimentação de lajeados. Quanto à ponte, foi esta primitivamente construída com bambus, mas como este material se deteriorava, obrigando a constantes reparações, substituíram-na mais tarde, por uma de pedra, custeada a expensas dos moradores do referido bairro. A ponte era imprescindível porque sem ela não lhes seria possível ir até ao Templo de Lin- K´âi venerar as divindades da sua devoção, visto o local onde se encontravam edificada tal casa de culto estar separada da outra margem por um riachozinho. (Regato de lótus)

Esta derivação do braço do delta que banha o Porto Interior, entrava na zona de Sân- k´iu nas alturas do edifício onde funcionou o Cinema U-Lók (娛樂) e, serpeando até ao templo onde formava um largo charco, seguia depois em direcção à antiga aldeia de Mong Há, através das ruas da Barca e da Ressurreição, para ir ligar – se outra vez ao delta, depois de ter regado com as suas barrentas águas a entrada do convento budista de P´ôu Tchâi-Sim-Un (普濟禪院) .(3)

Como a ponte não bastasse para o grande movimento das pessoas que por ela diariamente transitavam, muitos moradores deste bairro, para entrar na cidade, tinham de fazer a travessia do riacho em tán-ká (tancá) que nesse tempo costumavam varar em grande número nas duas margens. Ora, nessa época as estâncias de madeira e os estaleiros chineses estavam também instalados nesse local e, como ainda não existiam barcos a vapor, foi esse o período da sua maior prosperidade. Por isso, inúmeros tôu da navegação costeira entravam constantemente nesses estaleiros a fim de sofrerem as beneficiações de que careciam para o prosseguimento das suas viagens. Os chineses passaram então a chamar Tôu-Sun-Kái à rua que servia esses estabelecimentos e este nome passou para o português na sua tradução da Rua da Barca.” (1)

(1) GOMES, Luís Gonzaga – Curiosidades de Macau Antigo. ICM, 1996, ISBN-972-35-0220-8, pp. 41/42

(2) Templo Lin Kai  (蓮溪廟), na Travessa da Corda n.ºs 25-31 está  situado ao lado do Cinema Alegria do Bairro San Kio. Antigamente, havia um riacho chamado Lin Kai (Regato Lótus) que passava por Bairro San Kio. O templo foi fundado à margem direita do riacho, sendo denominado Templo Lin Kai. Este templo foi construído em 1830 e, mais tarde, os habitantes locais reuniram fundos para reconstruí-lo e ampliá-lo, o que aconteceu entre 1875-1908. Desde então o templo tem sido conhecido por “Templo Novo de Lin Kai” e é dedicado a 15 Deuses e deusas. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/templo-de-lin-kai/

(3) Templo de Pou Chai Sim Un (普濟禪院), também conhecido por “Templo de Kun Iam Tong”, na Avenida Coronel Mesquita. Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/03/26/postais-macau-artistico-vi/

Sobre o tancar e as tancareiras de Macau (1) – extraído do Capítulo VI (pp. 140-141) “Narrative of the Expedition of an American Squadron to the China Seas and Japan; Performer in the year 1952, 1953, 1954. Under the command of Comodore M. C. Perry, US Navy. Edited 1956 “ (2)

Tanka Boat, Macao

“The harbor is not suitable for large vessels, which anchor in Macao roads, several miles from the town. It is, however, though destitute of every appearance of commercial activity, always enlivened by the fleet of Tanka boats which pass, conveying passengers to and fro, between the land and the Canton and Hong Kong steamers. The Chinese damsels, in gay costume, as they scull their light craft upon the smooth and gently swelling surface of the bay, present a lively aspect, and as they looked upon in the distance, from the verandahs above the Praya, which command a view of the bay, have a fairy-like appearance, which a nearer approach serves, however, to change into a more substantial and coarse reality.” (p. 140)

Tanka Boat Girl
Chinese Woman and Child, Macao

(1)  https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/08/04/usos-e-costumes-tanka/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/02/03/leitura-as-tancareiras-i/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/02/07/leitura-as-tancareiras-ii/

(2) https://books.google.pt/books?id=DoVEAQAAMAAJ&pg=PA154-IA3&lpg=PA154. Outras referências desta viagem neste blogue: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/04/22/noticia-de-22-de-abril-de-1853-o-plymouth-em-macau/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/06/02/leitura-a-gruta-de-camoes-em-1852-expedicao-do-comodoro-m-c-perry-i/

“Na noite de 7 do corrente pelas oito horas, houve um incendio na povoação de Colo-an, defronte e a oeste da Taipa; queimaram-se de setenta a oitenta embarcações tancares que estavam em seco, e umas seis boticas, às quais se comunicou o fogo que principiou nos tancares”

Extraído do «Boletim do Governo da Província de Macau Timor e Solor», Vol. 6, 15 de Fevereiro de 1851

Extraído de «B.G.P. de M.T.e S., Vol II-N.º 11.

O mesmo incêndio foi relatado por outras fontes, já anteriormente publicados neste blogue:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/01/04/noticia-de-4-de-janeiro-de-1856-grande-incendio-do-bazar-chinez-em-macau
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/01/04/noticia-de-4-de-janeiro-de-1856/

Portaria n.º 103, de 15 de Novembro de 1952, publicado no BGPMTS (1) sobre a classificação das embarcações miúdas que faziam o serviço do mar, tanto no Rio de Macau , como na Praia Grande, bem como ao pagamento das licenças a partir de 1 de Janeiro de 1853.
(1) Extraído de «BGPMTS», VII – 17 de 7 de Dezembro de 1852.

Um poema da Professora Graciete Batalha, em “Língu Maquista” sobre o progressivo desaparecimento das lorchas nas águas de Macau, em finais da década de 80.

Ai mar di Macau sem Vela!

Onde foi teu velejá?
Qui saiã vela tam bela,
Cor di azul, rosa, amarela,
Deitando a sombra na mar! …

Hoje tancá nã qué vela,

Pressa, pressa, as lorchas nua …
Antigo passa tambela,
Em frente di eu-sa janela
As vela, em noite di lua ! …

Hoje nem lua nem estrela,

Nem sol vê elas passa …
Onde qui Macau é ela
Sem boniteza di vela
Sem borboleta na mar? …

             Gracieta Batalha (1)

Anteriores referências à Professora Graciete Batalha em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/graciete-batalha/
(1) Da Sampana ao Jactoplanador, Da Cadeirinha ao Automóvel. Correios e Telecomunicações de Macau, 1990, 114 p.

Poema “Jóia do Oriente” de autoria do então jovem 2.º tenente Leonel Cardoso, de Setembro de 1950, inserido num artigo intitulado “Recordação de Macau”, publicado na «Revista da Armada» de 1986 (1)

Lorchas, tancar, tancareira – imagens de Macau (foto do sargento-ajudante L. Manuel Horta)

N. R.: Glossário: «cabaia» – vestido usado pelas chinesas; «coolie» – assalariado chinês; «fan-tan» -jogo de azaar; «lorcha» – embarcação chinesa, à vela ligeira e pequena, usada especialmente em Macau; «pataca» – moeda de Macau; «pei-pa-chai» – versão chinesa da gueixa que actualmente já não existe; «sapeca» – dinheiro; «tancar» ou «tancá» – pequeno barco chinês a remos; «tancareira» – mulher que tripula o tancá ou tancar; «tin-tin» – ferro velho

(1) «Revista da Armada» n.º 179, Agosto de 1986, ANO XVI, pp. 16-17, pp. 270-271
https://www.marinha.pt/Conteudos_Externos/Revista_Armada/1986/index.html#p=270

“Enquanto os maridos vão à pesca, as tancareiras labutam por sua vez, engolindo à pressa as suas parcas refeições, habitualmente de arroz com peixe e hortaliça, não vá, entrementes, fugir-lhe qualquer freguês apressado.

MBI As tancareiras IIINo seu pequeno mundo – o seu tancar – nasce, cresce, vive e morre a tancareira à árdua labuta de ganhar, honradamente, o pão de cada dia, sempe com um sorriso nos lábios que lhe traz a alegria de viver

O trabalho é áspero e grosseiro e demanda esforço e perícia; mas a tancareira é hábil e a prática de muitos anos fá-la, em pleno labor, correr ou saltar dentro do tancar, sempre em equilíbrio, como se picasse terreno firme, ainda que a embarcação oscile pela ondulação continua.

MBI As tancareiras IVEm fila, sobre as águas do rio as tancareiras aguardam a chegada de passageiros, sobretudo daqueles que ávidos de sensações novas, nunca experimentaramo bailoçar rítmico destes pequenos  barcos que abundam  nas costas da China

Vida atribulada, incerta de proventos, rodeada de perigos e sacrifícios a jovem tancareira continua, sem relutância nem desfalecimento, como sua mãe já continuara de seus antepassados e seus filhos hão-de continuar, a missão que se habituou a desempenhar no decurso de vários anos. Quer transportando passageiros ou bagagem junto da costa de Macau, ou ainda em serviço para as ilhas da Taipa e Coloane, as tancareiras trabalham árduamente ao sol ou à chuva, sem vislumbres de fadiga, com afã insuperável, impulsionadas pelo fito dum mínimo de demora em cada serviço.” (1)

………………………………………………………………………….continua

(1) Texto e fotos retirados de Macau Boletim Informativo, 1953.