Archives for posts with tag: Serviços de Saúde
D. Lígia Pinto Ribeiro cantando no Teatro D. Pedro V

Realizou-se na noite de 14 de Abril de 1952, um concerto, no Teatro D. Pedro V, em benefício do Colégio D. Bosco de Artes e Ofícios, promovido pela senhora Lígia Pinto Ribeiro, (1) esposa do Dr. Aires Pinto Ribeiro, ilustre Chefe de Serviços de Saúde. (2) Acompanhou-a ao piano, o professor Harry Ore. (3)

O professor Harry Ore, na execução de um dos números do seu programa

A Sra. D. Lígia Pinto Ribeiro recebendo cestos e ramalhetes de flores das mãos dos alunos do Colégio D. Bosco

Os lugares de honra, no Teatro D. Pedro V, ocupados pelas altas individualidades da província

Fotos extraídos de «MOSAICO», IV-21/22 de Maio e Junho de 1952

(1) Lígia Edmunda de Morais Correia de Sá Pinto Ribeiro – ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ligia-pinto-ribeiro/

(2) Dr. Aires Pinto Ribeiro (1899) – Formado em Medicina pela Universidade do Porto, praticou nos hospitais do Porto, nomeado em 1925 médico do Quadro de Saúde Moçambique, onde esteve em diversas funções médicas até 1948, quando foi transferido para Macau para exercer o lugar de Chefe da Repartição Central dos Serviços de Saúde (4 de Maio de 1948). Em 1950 nomeado vice-presidente do Conselho do Governo e em 1951, tomou posse do cargo de Encarregado do Governo (18 de Abril até 23 de Novembro de 1951, data da chegada do Governador Almirante Joaquim Marques Esparteiro (1951-1957). Em 15 de Abril de 1955, nomeado Inspector Superior da Saúde do Ultramar pelo que deixou a chefia da Repartição Provincial dos Serviços de Saúde e Higiene de Macau, em 31 de Julho, seguindo para Portugal a 1 de Agosto. Ver anteriores referências em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aires-pinto-ribeiro/

(3) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/harry-ore/

Neste momento em que se fala tanto de vacinas, encontrei este pequeno opúsculo de Maio de 1989 sobre as alterações às normas de vacinação até então regulamentadas: “PLANO TERRITORIAL DE NORMAS DE VACINAÇÂO – DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÙDE” (1)

As novas «Normas de Vacinação» entraram em vigor a 1 de Junho de 1989.

(1) PLANO TERRITORIAL DE NORMAS DE VACINAÇÂO – DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE, edição em português e chinês, 1989, 30 páginas, 20 cm x 14 cm

CAPA + CONTRACAPA

Organizado pela 1.ª vez, por iniciativa da Direcção dos Internatos Médicos (DIM)  dos Serviços de Saúde de Macau, as “1.ªs Jornadas do Médico Interno” decorreram no Auditório da Escola Técnica dos Serviços de Saúde, de 23 a 25 de Novembro de 1995.

 O tema escolhido por esta Direcção tendo como participantes prioritários os médicos dos internatos complementares das diferentes especialidades (carreira médica de clínica geral; carreira médica hospitalar e carreira médica de saúde pública) e do internato geral, (1) foi “Urgências Médico Cirúrgicas

PROGRAMA DIA 23
PROGRAMA DIA 24
PROGRAMA DIA 25

(1) Decreto-Lei n.º 52/85/M, de 25 de Julho (criação do internato geral); depois aperfeiçoado pelo Decreto-Lei n.º 17/88/M de 7 de Março (criação da Direcção dos Internatos Médicos – DIM); este diploma foi revogado sucessivamente pelo Decreto-Lei n.º 65/88/M; Decreto-Lei n.º 68/92/M, de 21 de Setembro e parcialmente pelo Decreto-Lei n.º 8/99/M; e depois pela: Lei n.º 10/2010. Actualmente, após criação da “Academia Médica”, em 2018, esta instituição veio substituir a Direcção dos Internatos Médicos, ficando responsável pela formação profissional médica e pela organização, coordenação e supervisão dos internatos médicos. https://bo.io.gov.mo/bo/i/92/38/declei68.asp.

Foram inauguradas em Outubro de 1992, as novas instalações em edifício para isso construído junto ao Complexo Hospitalar, a Escola Técnica dos Serviços de Saúde com uma capacidade para 200 alunos, possuindo ainda biblioteca, vídeoteca, laboratórios e dois auditórios com um capacidade para 270 pessoas, dotados dos mais modernos meios audiovisuais.

Criada em 1964, a Escola Técnica tinha como objectivos a formação profissional básica de enfermeiros e de técnicos de diagnóstico e terapêutica, a formação pós-básica naquelas áreas e o aperfeiçoamento profissional dos mesmos técnicos através de acções de formação contínua e actualização.

Formando técnicos de saúde essencialmente destinados a satisfazer as necessidades dos serviços oficiais, a sua actividade articulava-se intimamente com o desenvolvimento daqueles. Assim, dado a grande expansão operada quer aos cuidados primários, quer nos cuidados hospitalares, a Escola viu grandemente aumentadas as necessidades de formação, particularmente em especializações em enfermagem

Além dos cursos de enfermagem geral e de técnicos de diagnóstico e terapêutica, a Escola ministrava cursos de especialização de enfermagem: saúde materna e obstétrica, saúde comunitária, Saúde infantil e pediátrica, médico-cirúrgica e reabilitação.

Estava já criado nesse ano o Curso de Administração de Serviços de Enfermagem e em 1994 iniciava-se o curso de Pedagogia Aplicada ao Ensino de Enfermagem

Informações das páginas 56-57 de «Serviços de Saúde de Macau», edição de Planeamento e Gestão de Recursos Humanos dos Serviços de Saúde de Macau, 1993, 57 p.

Saco de pano, de cor azul, (36 cm x 29 cm) dos Serviços de Saúde de Macau, da década de 90 (século XX) com o lema, em letras brancas (design num só lado)

CIDADES SAUDÁVEIS 健康的城市 (1)

Serviços de Saúde de Macau 澳 門 衛 生 司

 (1) 健康的城市 – mandarim pīnyīn: jiàn kāng de chéng shì; cantonense jyutping: gin6 hong1 di1 seng4 si5

Anteriores referências ao programa “cidades saudáveis”, ver em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/02/14/capa-macau-cidade-saudavel-ii/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2018/12/12/lembranca-gravata-macau-cidade-saudavel/ https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/07/25/porta-chaves-cidade-saudavel-vida-melhor/

Conclusão do relatório da descrição do temporal e dos estragos – ver anteriores extractos em (1) e (2) – do violento tufão de 27 de Julho de 1862 , que retirei do «Boletim do Governo de Macau».

“27-07-1862 – Perderam-se 40.000 vidas em Cantão, Hong Kong, e Macau, devido a um horrível tufão”(GOMES, Luís G. –  Efemérides da História de Macau, 1954)

Boletim do Governo de Macau, VIII-35 de 2 de Agosto de 1862, pp. 140-141

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/07/27/noticia-27-de-julho-de-1862-tufao/

(2) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2019/07/27/noticia-de-27-de-julho-de-1862-violento-temporal-ii/

Saco de pano. 36.5 cm x 30 cm, de cor verde com alças para ser usado à tiracolo. Lembrança dos Cuidados de Saúde Primários dos SSM – Serviços de Saúde de Macau, da década de 90 (século XX). Design  num só lado do saco, em letras brancas , com o lema:

COM SAÚDE, ALEGRIA DE VIVER! 活得健康 ,  活出姿彩 !(1)

S. S. M. Serviços de Saúde de Macau 澳 門 衛 生 司

No canto inferior direito, o logotipo dos Cuidados de Saúde Primários

(1) 活得健康活出姿彩 ! – mandarim pīnyīn: guō dé jiàn kāng , guō chū zī cǎi !; cantonense jyutping: wut6 dak1 gin6 hong1 ; wut6 ceot1 zi1 coi2 !

A revista «Século Ilustrado», na fase revolucionária depois de Abril de 1974, (1) publicou um artigo intitulado “Por que não fomos expulsos de Macau” de Manuel de Lima, sobre os acontecimentos em dezembro de 1966, durante a revolução cultural chinesa em Macau, o chamado “1-2-3”, relatados pelo entrevistado Dr. Danilo Barreiros. (2)

“Graves acontecimentos foram vividos em Macau nos últimos meses de 1966, época de oiro da «revolução cultural» de Mao Tsé Tung. Apenas o reconhecimento e a confissão de violências por parte do Governo terá evitado a expulsão e o massacre dos portugueses.”

A reconstrução de uma escola pelos habitantes chineses da ilha de Taipa foi obstruída pelas autoridades portuguesas, que enviaram para o local uma força policial, resultando feridos e detidos.

Os documentos fotográficos que se encontram neste artigo, são reproduzidos de uma obra intitulada «Luta contra as Atrocidades Sanguinárias do Imperalismo Portugês em Macau», de Setembro de 1967, publicação do «Aomen Ribao» («Diário de Macau»).

No Palácio do Governo, a detenção de manifestantes
Fora do Palácio do Governo professores e alunos manifestam-se contra a actuação da Polícia portuguesa

(1) «Século Ilustrado», n.º 1897 de 18 de Maio de 1974, pp. 47 a 53. Disponível em: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/OSeculoIlustrado/OSeculoIlustrado_N1897

 (2) “Danilo Barreiros que posteriormente exerceu as funções de delegado da Fazenda nas ilhas da Taipa e Coloane, de professor primário, do chefe de secretaria de Serviços de Saúde e cumulativamente, redactor de um jornal e uma revista “Arquivos de Macau” Foi também membro da Direcção da Delegação de Guerra da Cruz Vermelha, director e professor de uma escola de ensino secundário, particular, chefe e tesoureiro do Rádio Clube de Macau” (1) Leopoldo Danilo Barreiros (1910-1994) advogado e escritor de vários romances e ensaios, chegou a Macau em 1931. Casou em 1935, com Henriqueta, filha de José Vicente Jorge. Colaborou na Revista “Renascimento” (Macau, 1943-45). O seu filho Pedro Barreiros lançou uma biografia do seu pai no centenário do seu nascimento no dia 11 de Outubro de 2010. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leopoldo-danilo-barreiros/ https://jtm.com.mo/local/mundo-de-danilo-barreiros-em-imagens/

Outra capa, esta de plástico para folhas A4, de 31 cm x 22 cm, emitido conjuntamente pelos Serviços de Saúde e a Comissão para a Cidade Saudável de Macau (1)

“Com exercício físico e uma alimentação
equilibrada, ganharemos mais a saúde”

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2020/02/01/capa-macau-cidade-saudavel-i/

Extraído de «A Voz de Macau» de 5 de Julho de 1937

Fernando Nolasco da Silva nasceu na freguesia da Sé (Macau) a 15-06-1907 e faleceu em Paço de Arcos (Portugal) a 1-10-1993. Licenciado em medicina pela Universidade de Lisboa, especialista em oftalmologia. Exerceu medicina em Macau até 1939, ano em que se fixou residência definitiva em Lisboa. Filho de Luís Gonzaga Nolasco da Silva (1881-1954) (neto de Pedro Nolasco da Silva) e de Beatriz Emília Bontein da Rosa (1885-1959) (1)
No «Anuário de Macau» de 1938, está registado a actividade privada do Dr. Fernando Nolasco, no Largo de S. Domingos n.º 4, o mesmo endereço do consultório do Dr. Pedro Joaquim Peregrino da Costa, major médico, Director interino dos Serviços de Saúde e Higiene. Este médico, Dr. Pedro Peregrino da Costa tinha o consultório na Avenida Almeida Ribeiro, n.º 27, 1.º andar no ano de 1934 (Anuário de Macau, 1934).
No «Anuário de 1940/41» já não constava o registo do Dr. Fernando Nolasco e nessa morada (Largo de S. Domingos n.º 4) estava o consultório do Dr. António Alberto de Barros Lopes, médico de 1.ª Classe, chefe interino da Repartição Técnica dos Serviços de Saúde e Higiene e Director do Laboratório Bacteriológico.
(1) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses , Volume II, 1996.