Outros dois desenhos a lápis, do álbum da colecção Duarte de Sousa, presente no livro “Macau, Cidade do Nome de Deus na China” (1).

Pintura de 1831-1832 - Penedos do PataneNear the Campo
No livro, a legenda para este desenho: “Recanto do Campo de Patane junto do rio

Pintura de 1831-1832 - Ribeira do PataneThe Water course near the Campo
No livro, a legenda para este desenho: “Recanto do curso do rio, próximo do Campo de Patane

NOTA: O rio referido era a Ribeira de Patane que “passava” onde é agora o Bairro de Patane (Sá Lei Tâu) (3) indo desaguar no Porto Interior. Existia sobre esta ribeira, uma ponte antiga de madeira e bambu destruída por um tufão e reconstruída depois, pelo que ficou conhecida com Sân Kiu (新 橋mandarim pinyin: xin qiáo; cantonense jyutping: san1 liu4 – Nova Ponte). Esta ponte desapareceu com os aterros dessa zona permanecendo o nome do local (Canal de Sân Kiu) e creio a denominação de uma Travessa chamada da Ponte.
Recordar que já em 1632 existia o «Campo dos Patanes»; Pe. António Cardim (reitor do Colégio de Macau) referia, naquela época, um local “Penedos de Camões, junto do campo dos patanes

1) Álbum de Desenhos a Lápis Sobre Macau e Ilhas do Atlântico e Índico – 50 desenhos.
http://purl.pt/index/porCulture/aut/EN/933589_P6.html.
Ver anteriores “posts”
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/02/21/pintura-de-macau-de-1831-1832
(2) Sobre este autor e referência ao livro, ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/j-dyer-ball/
(3) Ver: “O Bairro do Patane” em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/11/09/o-bairro-do-patane/