Archives for posts with tag: Rua de S. Lourenço
Extraído de «O Independente», Vol. I, n.º 15 de 11 de Dezembro de 1868, p. 129

A travessa do “Cortela” foi denominada depois por “Travessa Inácio Baptista” em homenagem a Inácio Baptista Cortela (1750- 1827), filho primogénito de Lourenço Baptista Cortela e de Esmeralda Soares. A Travessa desemboca na Rua de S. Lourenço, mesmo em frente da Residêncial Paroquial de S. Lourenço.

Existe também a Rua de Inácio Baptista (1) que começa na Rua de S. Lourenço, à entrada da Travessa do Hospital dos Gatos e termina na Calçada do Januário, entre as Ruas do Barão e das Alabardas. (2)

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rua-de-inacio-baptista/

(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Volume II, 1997, pp. 327-328. TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942, pp. 160

Extraído de «O Correio Macaense», Vol V, n.º 230, de 17 de Fevereiro de 1888

A Rua de Inácio Baptista começa na Rua de S. Lourenço, à entrada da Travessa do Hospital dos Gatos, e termina na Calçada do Januário, entre as Ruas do Barão e das Alabardas. Há uma Travessa com o mesmo nome.
Inácio Baptista Cortela de Sousa e Albuquerque nasceu em Macau a 31-07-1750 e faleceu a 2-09-1827. Filho de Lourenço Baptista Cortela e Albuquerque (1730 – faleceu a 05-10-1793, sendo sepultado na Igreja do Convento de S. Francisco) e de Esmeralda Soares (8-08-1721-faleceu a 09-04-1780 sendo sepultada no Mosteiro de Santa Clara)
Inácio Baptista Cortela casou com Mariana da Silva Faria de quem teve 13 filhos.
Foi depositário geral dos cofres de Macau e tesoureiro dos Defuntos e Ausentes durante 27 anos, proprietário e negociante na praça de Macau, sócio da «Casa de Seguros de Macau», vereador do Leal Senado (1823), cavaleiro da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa (1825) e cavaleiro da Ordem de Cristo (1) (2)
Anteriores referências à Rua de Inácio Baptista e à família Cortela
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/rua-de-inacio-baptista/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/antonio-vicente-cortela/
(1) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau Volume II, 1997
(2) FORJAZ, Jorge – Famílias Macaenses Volume I, 1996

Foi aprovada, por Decreto Régio de 12 de Março de 1847  e publicado no Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor de 10 de Dezembro de 1847,  a criação do Batalhão Provisório de Macau, em 17 de Outubro de 1846, pelo Governador João Maria Ferreira de Amaral,  destinado a auxiliar a Força de 1.ª linha.
Este batalhão foi criado pelo Governador Ferreira de Amaral  (e organizado com os moradores), após a revolta dos faitiões de 8 de Outubro desse ano, (1) para reforçar a força armada da Colónia que então o governador reconheceu ser insuficiente para defender a Colónia de possíveis ataques futuros.(2)(3)
A criação deste Batalhão não foi do agrado do Leal Senado que contrariava a política do Governador Amaral mas este proclamava em 22 de Dezembro de 1847 “ha de conservar-se o Batalhão Provisorio no pé em que está, porque o mui disciplinado batalhão d´Artilharia apenas pode suprir para o serviço ordinario, e só serão punidos os Cidadãos, que ou por mandrice, ou por pouco respeito à lei faltarem às reuniões.” (2)
O seu primeiro Major-comandante foi o macaense Francisco José de Paiva, que comandou o Batalhão até 13 de Dezembro de 1849, data do seu falecimento, aos 48 anos de idade. (4) O Batalhão ficou aquartelado no extinto Convento de S. Domingos.
A Relação dos Oficiais do batalhão que era composta por 4 Companhias, todos elas chefiadas por um Capitão,foi aprovado por Decreto de 13 de Dezembro de 1847.

O Estado Maior era formado por:
Major Comandante: Francisco José da Paiva
Tenente  Ajudante: Pedro Marques
Cirurgião-Mór: Joaquim C. da S. Telles
Alferes Porta bandeira: Luiz João da Silva

O Batalhão Provisório de 2.ª linha foi depois reorganizado em Dezembro de 1857 e passou designar-se Batalhão Nacional. Este Batalhão foi extinto em 1876, tendo os militares passado para o Regimento de Infantaria do Ultramar que se manteve até à sua extinção 1893.(5)
Francisco José da Paiva, nascido a 4 de Janeiro de 1801, na freguesia de S. Lourenço era filho de Francisco José de Paiva (natural de Vila do Mato, freguesia de Milhões, do Bispado de Coimbra) (6) e de Inácia Vicência Marques.
Joaquim José de Paiva, avô de Francisco, também natural de Vila do Mato viera de Portugal para Macau no século XVII tornando-se em breve um dos mais ricos comerciantes desta cidade, vindo a família Paiva a ser uma das mais poderosas de Macau. Estava casado com Maria Nunes também natural da Vila do Mato.
Francisco José da Paiva, foi nomeado Juiz ordinário de Senado em 1831, e Encarregado dos Negócios Sínicos, em 1836.(7)
Francisco José de Paiva andou envolvido nas lutas que se travaram em Macau entre constitucionais e absolutistas. Recebida em Macau a nova da revolução de 24 de Agosto de 1820, que proclamara a Constituição em Lisboa, apressaram-se alguns elementos a jurar aqui a Constituição, o que se realizou em 15 de Fevereiro de 1822.
Em 19 de Agosto de 1822, é eleita pelos constitucionais a nova Câmara, sendo escolhido Francisco José da Paiva para Procurador com 87 votos; esta Câmara cessou em 23 de Setembro de 1823 dia em que tomaram posse do Governo de Macau,  o Bispo Fr. Francisco de N. Sra. da Luz Chacim, o Major João Cabral de Estefique e o vereador do senado Inácio Baptista Cortela.
Francisco José de Paiva  foi nomeado em 1846,  o primeiro Cônsul de Portugal em Hong Kong. Foi agraciado com a comenda da Ordem de Cristo.
Fora das suas actividades como grande Homem Público, Francisco José de Paiva tomou parte importante na fundação da antiga «Casa de Seguros de Macau» de que foi, entre as pessoas particulares, o segundo maior accionista. (8)
Francisco José de Paiva casou com Aurélia Pereira (neta paterna do conselheiro Manuel Pereira) e tiveram 3 filhos: Francisco José de Plácido de Paiva (1836) Carolina Maria de Paiva (1839) e António Aurélio de Paiva (1843).

Seminário S. José 1929Igreja do Seminário 1929

Faleceu a 13 de Dezembro de 1849, sendo sepultado no Cemitério de S. Paulo. A lápide sepulcral  de Francisco José de Paiva foi depois transladada para a igreja do Seminário de S. José, onde está na parede debaixo do coro, à esquerda de quem entra do lado do Evangelho.(2)

Seminário S. José -Lápide de Francisco José PaivaTRADUÇÃO
Cristo, alfa e ómega, i. é. princípio e fim

“Aurélia Pereira de Paiva, viúva, com os seus filhos, Francisco José Plácido de Paiva, da Ordem de S. bento, e Carolina Maria de Paiva, pede, aflita, luz e descanso para Francisco José de Paiva, caritativo para com os pobres de Cristo, o qual nasceu em Macau, em 4 de Janeiro de 1801, e aqui faleceu em 13 de Dezembro de 1849, confortado com os sacramentos da Igreja”.

NOTA: Francisco José de Paiva tem o seu nome na toponímia de Macau: Travessa do Paiva (擺華巷), construída pelo Eng. Abreu Nunes em 1896, que começa entre a Rua Central e a Rua de S. Lourenço e termina na Rua da Praia Grande, ao lado do Palácio do Governo.
(1) “08-10-1846 – O Governador João Maria Ferreira do Amaral sufocou, prontamente a revolta dos faitiões (embarcações chinesas de passageiros e carga) que se tinham revoltado por ter sido lançado o imposto de uma pataca sobre essas embarcações, o qual fora proposto ao governo pelo Procurador da Cidade Manuel Pereira. “(GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau, 1954)
(2) TEIXEIRA, P. Manuel – Galeria de Macaenses Ilustres do Século XIX, 1942.
(3) E não tardou muito que os acontecimentos viessem demonstrar a veracidade desta afirmação, pois que, assassinado o Governador Amaral, em 22 de Agosto de 1849, e vendo-se a cidade ameaçada pela invasão china, o batalhão Provisório concorreu bastante para a memorável vitória de 25 de Agosto, segundo se vê, das seguintes palavras do Capitão Ricardo de Melo Sampaio (Boletim do Governo n.º 80 de 5 de Setembro de 1849) : “As forças do batalhão Provisório que me foram enviadas durante a acção concorreram bastante pela sua actividade e disciplina par que o resultado da luta nos fosse favorável, e sem algum acontecimento funesto a não ser um só ferido, não gravemente.(2)
(4) Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor, Ano V, n.º 89, de 10 de Janeiro de 1850:

NECROLOGIA

«Um dos golpes mais severos, que tem soffrido ultimamente esta nossa Cidade, é pela voz geral de todos, a falta do nosso mui digno, e mui chorado concidadão o Ilmo. Sr Francisco Jozé de Paiva, Commendador da Ordem de Christo, nomeado por sua Majestade Fidelíssima, Consul Portuguez em Hong Kong, e Commandante do Batalhão Provisório de Macao. – Elle já não é comnosco! No Cemiterio de Sm. Paulo, onde jaz, está esperando, como os outros que alli moram, o dia final dos seculos …(…)
…Alem d´outras prendas estimaveis, que possuia, fallava a sua lingua materna com pureza, e correcção , assim coomo diversas outras d´Europa, não ignorava o latim, sabia a Historia, e a Geographia, amava e cultivava a Musica e a literatura nacional e estrangeira, de que tinha bom conhecimento. Sua enfermidade foi longa; mas supportada com paciencia…
(5) CAÇÃO, Armando António Azenha – Unidades Militares de Macau, 1999.
(6) Francisco José de Paiva (pai do biografado, com o mesmo nome) nascido em 1758, em Midões,  faleceu em Macau (27-11-1822) sendo sepultado na Igreja do Convento de S. Francisco. Casado com Inácia Vicência Marques (faleceu a 2 -11-1848) que era proprietária do mato/monte do Bom-Jesus onde estava instalado o Carmelo de Bom Jesus. Tiveram  oito filhos.
Uma das filhas Maria Vivência da Paiva (irmã do biografado, Francisco José de Paiva que era o terceiro na linhagem mas varão) nascida em Macau a 22 de Julho de 1802.
casou com Albino Gonçalves de araújo proprietário do navio Conde de Rio Pardo de quem teve um filho, Albino Francisco de Araújo que nasceu em Macau na freguesia de S. Lourenço a 19-05-1824 e se suicidou em paris em 1873 com 51 anos de idade. este episódio relatei em:
“OUTRAS LEITURAS – 365 Dias com histórias da HISTÓRIA DE PORTUGAL (I)”
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/02/outras-leituras-365-dias-com-historias-da-historia-de-portugal-i/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/albino-f-paiva-araujo/
(7) “07-10-1836 -O Procurador Francisco José da Paiva escreve ao Mandarim da Casa Branca, pedindo para autorizar o restauro da Fortaleza da Barra, destruída com o último tufão e chuvas, alegando ser obra pública de grande necessidade.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)
(8) “29-11-1817 -Foi instalada a Casa de Seguros de Macau que devido ao seu poderio, era conhecido por Casa Forte. A sua primeira direcção, nomeada a 23 de Dezembro de 1817 ficou  assim constituída: Presidente, o Barão de São José de Porto Alegre; Vogais, Francisco José da Paiva e João de Deus Castro ....” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)

D. BoscoComemora-se este ano , 200 anos do nascimento do sacerdote católico italiano, João Melchior Bosco (1815-1888). Fundador da Pia Sociedade S. Francisco de Sales, (Salesianos) foi beatificado em 1929  e canonizado em 1934 pelo Papa Pio XI. Dom Bosco é o padroeiro dos Jovens.

Os primeiros padres salesianos chegaram a Macau, em 13 de Fevereiro de 1906, devido aos esforços do Bispo João Paulino de Azevedo e Castro. Foram eles, os padres Luís Versiglia, (1) Ludovice Olive e João Fergnani, acompanhados dos mestres de  oficinas Feliz Borsio, Luís Carmagnala e Gaudencio Rota. Fundaram o Orfanato da Imaculada Conceição, para as crianças chinesas. (2)
O primeiro prédio do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição foi aberto em 1 de Abril de 1906, no n.º 3 da Rua da Prata. Foi depois transferido para o edifício da Rua de S. Lourenço. Em 1923 foi inaugurado um novo edifício na Calçada da Paz que tinha a separá-lo do edifício da Rua de S. Lourenço, um jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora (inaugurado em 1 de Abril de 1934 (3)

Colégio D. Bosco 1952Colégio de Dom Bosco na década de 50 (século XX)

No campo do ensino e educação, além do Instituto Salesiano, outra obra de grande mérito dos Salesianos foi (e continua a ser) o Colégio D. Bosco. (4). Com a designação de Colégio D. Bosco, os rapazes do antigo Asilo dos Órfãos  (5) ficaram instalados em edifício próprio, sito na Estrada Ferreira do Amaral, em 1951, tendo o respectivo terreno sido concedido gratuitamente em 1940, pelo Governo à Associação dos Padres Salesianos, para erecção dum Colégio e Oratório Festivo para os rapazes europeus e macaenses.
Pedra Angular Colégio D. Bosco 1949Embora a primeira pedra de erecção do actual edifício fosse benzida e lançada pelo bispo D. José da Costa Nunes, em 1941, só a 6 de Fevereiro de 1949 (depois do conflito no Pacífico) o então bispo D. João de Deus Ramalho  benzeu a nova pedra angular a 6 de Fevereiro de 1949. Foto retirada de http://blog.lusofonias.net/?p=18931.
A inauguração do Colégio D. Bosco seria a 10 de Fevereiro de 1952.
(1) O padre Luís Versíglia (1.º superior dos seis primeiros salesianos em Macau), aluno de D. Bosco, bispo e vigário apostólico de Shiu-Chow, (6) morreu no dia 25 de Fevereiro de 1930, mártir da fé e caridade  juntamente com o padre Calisto Caravário também ele salesiano (MACAU, B. I., 1956)
(2) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau, 1954
(3) Referências anteriores ao Colégio D. Bosco e a acção sobretudo educativa dos Salesianos em Macau:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/salesianos/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/colegio-d-bosco/
(4) Hoje: Colégio Dom Bosco (Yuet Wah)
(5) O Asilo dos Órfãos passou em 24 de Julho de 1941, da administração da Santa Casa da Misericórdia para directa responsabilidade da diocese. O então, bispo D. José da Costa Nunes confiou os rapazes aos Salesianos, tendo sido instalados em 28 de Agosto de 1941, no antigo «Asilo de Mendicidade» sito na Rua Francisco Xavier Pereira e depois no Orfanato da Imaculada Conceição.
(6) Cháozhōu (潮州), transliterado como Chiuchow (pronúncia cantonense)  Chaochow ou Teochew (dialecto local); cidade no  leste da Província de Guangdong.

Promovida pela Congregação Salesiana realizou-se, no dia 24 de Maio de 1952, no Instituto Salesiano da Imaculada Conceição (1), a festividade em honra de Nossa Senhora Auxiliadora, (2) com uma missa campal no jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora (inaugurado em 1 de Abril de 1934) seguida de procissão.

MOSAICO IV 21-22 1952 Procissão N. Sra. Auxiliadora IUm aspecto da assistência, na cerimónia religiosa

MOSAICO IV 21-22 1952 Procissão N. Sra. Auxiliadora IIUm aspecto da procissão, na subida da Travessa do Paiva.

Fotos de “MOSAICO”, 1952.
(1) O primeiro prédio do Instituto Salesiano da Imaculada Conceição, em Macau, foi aberto em 1 de Abril de 1906, no n.º3 da Rua da Prata. Foi depois transferido para um edifício da Rua de S. Lourenço. Em 1923 foi inaugurado um novo edifício na Calçada da Paz que tem a separá-lo do edifício da Rua de S. Lourenço, um jardim onde se encontra o monumento à Nossa Senhora Auxiliadora.
Nossa Sra. Auxiliadora(2) “Nossa Senhora Auxiliadora é uma das formas de devoção da Virgem Maria, entre os católicos romanos. Nossa Senhora Auxiliadora, cuja devoção remonta à vitória da armada cristã em 1571, comandada por Dom João da Áustria que, invocando o auxílio da Virgem, afastou o perigo maometano da Europa. Em agradecimento, Pio V, incluiu na ladainha o título de Auxiliadora dos cristãos. A festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi promulgada por Pio VII, no ano de 1816, tão logo foi libertado do cativeiro a ele imposto por Napoleão Bonaparte e é comemorado em 24 de Maio.”  A Nossa Senhora Auxiliadora é a Padroeira da Austrália.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_Auxiliadora

Continuação da publicação das fotografias deste pequeno álbum (1)

“SOUVENIR DE MACAU” 

Souvenir de Macau 1910 Rua de S. Lourenço IRUA DE S. LOURENÇO

(à direita, as escadas para a Igreja de S. Lourenço e o poço que foi entulhado; à esquerda, o Instituto Salesiano)

“ST LAWRENCE
The next largest district in the City is called Bairo de St. Lourenco. This church of San Lourenco, it is stated, may have been rebuilt in A. D. 1618. and within the last few years again as the roof fell in a few years ago. It is a large church, with broad stone steps leading up to it, being on a higher level than the road below. A picture of the saint is behind the high altar with a crown and dove descending from heaven on him. Two madonnas, with swords sticking in their breasts, and other images and altars abound. There are two towers to it: one containing a clock and the other a peel of three bells.” (2)

“A data de 1618 foi dada em primeira mão por Ljungsted mas há um documento de 1576, que diz que S. Lourenço era já igreja paroquial nesse ano e, portanto antes de Filipe II (de Espanha que viria a ser Filipe I em Portugal em 1580) (3)

Souvenir de Macau 1910 Rua de S. Lourenço IIRUA DE S. LOURENÇO
(à esquerda, o muro da Igreja de S. Lourenço e o poço)

A Rua de S. Lourenço começa na Rua da Imprensa Nacional, ao lado da Rua da Prata, contorna a Igreja e a residência paroquial de S. Lourenço e vai terminar na Rua Central ao cimo da Travessa do Paiva.
A Rua de S. Lourenço tomou o seu nome da Igreja de S. Lourenço que ali fica. Os chineses chama-lhe Fong Son T’ ong Kai (Rua da Igreja do Vento Favorável)” (3)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/?s=souvenir+de+macau   
(2) BALL, J. Dyer – Macao: the Holy City,  the Gem of the Orient Earth, 1905.
(3) TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol. I, 1997.
Referências anteriores à Igreja de S. Lourenço, ver em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/igreja-de-s-lourenco/

25NOV1974 Bicentenário Chinnery ENVELOPE+SELOEnvelope, selo com o valor de 30 avos e carimbo comemorativos do Bi-centenário (1774-1974) (1) do nascimento do pintor George Chinnery (2) emitidos pelos C.T.T. de Macau

25NOV1974 Bicentenário Chinnery SELOForam emitidos 5 milhões de selos postais (Portaria n.º 625/74), da taxa de 30 avos, com as dimensões de 30 mm x 40 mm, tendo como motivo o auto-retrato do pintor, impressos nas cores amarelo, vermelho, azul, preto, castanho e violeta.

25NOV1974 Bicentenário Chinnery PORTARIAQuatro pinturas de George Chinnery foram reproduzidas em selos (cada: 3,5 patacas), lançados posteriormente em 21-03-1994 com a descrição “Macau visto por George Chinnery”

Os quatro quadros reproduzidos são:

CHINNERY - Mosteiro e Fortaleza de S. FranciscoAguarela em papel (sem data) – Mosteiro e Fortaleza de S. Francisco. Ao longe as colinas do Monte e da Guia

CHINNERY - Forte e Igreja de S. Francisco do Fortim de S. PedroAguarela em papel (sem data) – Forte e Igreja de S. Francisco do Fortim de S. Pedro

CHINNERY - Praia Grande do Fortim de S. PedroAguarela sobre papel  (c. 1833-38) – Praia Grande do Fortim de S. Pedro. Ao longe, a colina da Penha

CHINNERY - Paisagem com sampana-habitaçãoAguarela sobre papel (c. 1833-38) – Paisagem com sampana-habitação. Ao longe a Ilha da Lapa

(1) “A Rua de George Chinnery começa na Rua de S. Lourenço entre a Rua de Inácio Baptista e o Pátio da Casa Forte, e termina na Rua do Bazarinho, entre os prédios n.º 24 e 28. Chamava-se antes Rua do Hospital dos Gatos, sendo este nome mudado para o de Chinnery em 1974, bicentenário do seu nascimento
Quando chegou a Macau a 29 de Setembro de 1825, viveu alguns meses na Rua do Hospital, numa casa de Christopher August Fearon, empregado da East India C.º, mas logo no  ano seguinte arrendou o prédio n.º 8 da Rua de Inácio Baptista e ali viveu até à morte, ocorrida a 30 de Maio de 1852″. (TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau Volume II)
NOTA: Referências anteriores a este pintor em:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/george-chinnery/

          Vivia em Macau, na Rua de Felicidade, um velhinho chinês dos seus 64 anos de idade, já todo calvo e trôpego, chamado Lei Seng, sendo, porém, mais conhecido por Iok-Hei Mông, isto é, o “Tonto de Artigos de Jade“, alcunha que lhe adviera do facto da sua profissão de vendedor de artigos de jade e da sua avançada idade. Ou por pressentimento ou porque talvez tivesse motivos suficientes para suspeitar o que lhe iria acontecer, ao sair da casa, no dia 2 de Julho de 1883 – era já cerca de meio-dia e meia hora – para o seu costumado giro pelas ruas da cidade, advertira a mulher que, se não regressasse dentro de duas horas e meia, isto é, pelas 3.00 horas da tarde, o mandasse procurar. Levava consigo o seu inseparável saquinho que continha braceletes de jade e diversos outros objectos de atavio com que as damas chinesas costumavam ornamentar o penteado, todo no valor de $ 700.00.

Rua da Felicidade c 1900

RUA DA FELICIDADE c. 1900

         O homenzinho fora visto a caminhar pela Rua de S. Lourenço, mas como não regressasse a casa, na manhã seguinte, a sua família, seriamente inquieta, tratou de dar parte da ocorrência à Procuradoria, receosas como estava de a causa do desaparecimento ter talvez sido motivada sabe-se lá por algum tenebroso crime. Por seu lado, logo que lhe constou não ter o vendedor de jóias regressado à casa, o dono da ourivesaria que lhe tinha confiado as jóias para vender, desassossegado com tão misterioso desaparecimento e palpitando, também, alguma sinistra fatalidade, anunciou alvíssaras para aquele que lhe pudesse dar qualquer informação sobre o paradeiro do desaparecido. Entretanto, a Capitania do Porto remeteu à Procuradoria um saquinho contendo uma pulseira e mais alguns objectos insignificantes, que a vasa tinha deixado a descoberto na areia da praia do Chunambeiro, mesmo defronte do Palácio da Justiça, estando cortado na extremidade e manchado de sangue.

Chunambeiro c. 1890

CHUNAMBEIRO, SUL DA PRAIA GRANDE c. 1890

          Informada da participação do desaparecimento de Lei Seng e da descoberta do saquinho de jóias, que facilmente se identificou como sendo seu pertence, a polícia, dirigida pelo capitão comandante da 1.ª divisão da Guarda Policial, Caetano Maria Dias Azedo, iniciou com afinco as suas investigações, conseguindo averiguar que aparecera um indivíduo num “hão de penhor” (casa de penhores), com o fim de tentar empenhar um par de braceletes de jade por $ 150.00 e que o inquilino da casa N.º 19 da Rua do Padre António, a mais central da Freguesia de S. Lourenço, chamado Ung-Tak Tch´oi, um rapaz dos seus 19 anos, apenas, mais conhecido pelo alcunha de Mou-I-Tch´âi (Sem Orelha), mudara de residência, alugando uma casa na Rua da Felicidade, para o que pagara de pronto $ 25.00, quantia correspondente ao aluguel de um mês …(…) ………………………………………………….continua (1)

(1) GOMES, Luís Gonzaga – Páginas da História de Macau. Instituto Internacional de Macau, 2010, 358 p. ISBN: 978-99937-45-38-9

Extracto dum artigo da escritora Bella Sidney Woolf (Mrs W. T. Southorn) (1) de 1929

“Macao has this exotic attraction…(..)
In thid peaceful sunny spot the Portuguese founded a little replica of their homeland. There is a fascination in travelling a few hours and finding a foreign atmosphere. The names of the streets – the tree-shaded Praia Grande, Estrada da Flora, Rua de S. Lourenço – how they carry one cross thousands of miles. How sonorously ring the Portuguese words, Escola de Artes, Orfanato da Imaculada Conceição, Santa Casa da Misericórdia…(…)
Then in the swift run round the town in a car, the dream continues, for we wind in and out among those green-shuttered, white-washed houses, and we read more street names in Portuguese, and we swoop down upon the the Praia Grande, peopling its tree-shaded allée with bearded dons and dark-eyed damsels. The noble ruin of St. Paul´s looks  down upon the town, a memento mori in the midst of so much smiling beauty. The fine hotels rise up in worldly pride – schools, hospitals, shops flash past us.
And then we find ourselves in a peaceful garden under age-old trees with guarled roots and far-reaching boughs. Before us is the bust of Camoens, the sweet singer od the Lusiad, who in this spot. far from home and kindred, composed his world-famed verses…(…)
To me it stands for Macao, the Loyal City, glowing through the ages – vigorous and undaunted as the spirit of the men who founded her”

(1) Bella Sidney Woolf  (1877 – 1960), escritora inglesa, irmã de Leonard Woolf (escritor) e esposa (segundo casamento) de W. T. Southorn (2) que foi secretário Colonial do Governo de Hong Kong. Visitou Macau a convite do Governador Artur Tamagnini Barbosa (2º mandato) possivelmente entre 1926 e 1929.
É autora de 13 livros (referenciados na wikipédia (3)) entre ficção ( a maior parte são contos baseados na experiência da sua vida pessoal e relacionados com a sua estadia nas colónias britânicas) e histórias infantis.
(2) W. T. Southorn (Wilfrid Thomas Southorn 1879 – 1957) foi Secretário Colonial do Governo de Hong Kong (e substituto do Governador de Hong Kong, Sir Cecil Clementi em muitas ocasiões, de 1925 a 1930). Antes foi durante muitos anos Administrador Colonial em Ceilão (onde conheceu Bella Sidney Woolf) e depois,  Governador da Gâmbia.
(3) http://en.wikipedia.org/wiki/Bella_Sidney_Woolf