Archives for posts with tag: Restaurantes
Dimensões: 5,6 cm x 3,5 cm x 0,8 cm
Rua de Pequim, S/N Lote 11E, Porto Exterior, Macau Telephone: (853) 781233
Good Moon Garden – 1/F Chinese Restaurant Ciao – 2/F – Italian Restaurant Rotunda – 26/F –Revolving Restaurant Lounge

O Hotel Grandeur ficava na Rua de Pequim, nessa altura ainda sem numeração: S/N Lote 11E, no Porto Exterior. Hoje, o hotel , mantém-se na Rua de Pequim n.º 199, com o nome de ” Metropark Hotel Macau” desde 2006.

Ver anteriores referências a Hotel e ao seu restaurante “Rotunda” em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2016/10/12/caixa-de-fosforos-restauran-te-rotunda/

Oferecido pelo Sr. Ho Yin, Presidente da Associação Comercial de Macau (1) e em homenagem ao Governador, Comandante Joaquim Marques Esparteiro, realizou-se, no dia 5 de Maio de 1952, um banquete, no restaurante “Golden Gate”, (2) onde se reuniram mais de 400 convivas.

Um aspecto da assistência, reconhecendo-se ao centro o Governador e Esposa, ladeados do Comandante Militar, Paulo Bénard Guedes (3) e de Ho Yin.
Outro aspecto da assistência antes do banquete
O sr. Ho Yin falando ao microfone
O Governador agradecendo a homenagem a ele prestada

Extraído de «Mosaico», Vol. IV, 21-22 de Maio e Junho de 1952.

(1) A Associação Comercial Chinesa de Macau foi fundada em 1913. Em 1950, Ho Yin (He Xian 何賢; 1908-1983) e Ma Man Kei (Ma Wanqi 馬萬祺; 1919–2014) foram escolhidos para presidente e vice-presidente, respectivamente. Ho Yin presidiu a sucessivos mandatos até à sua morte em 1983. Hoje denominado “ 澳門中華總商會-Associação Comercial Geral dos Chineses de Macau”

(2) Restaurante “Golden Gate” estava situado no r/c e sobre loja do Hotel Central. https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-centralpresident-hotelgrand-central-hotel/

(3) Brigadeiro Paulo Bénard Guedes (Comandante militar de 15 de Novembro de 1950, então ainda Coronel, até 14 de Maio de 1952) seria substituído nesse mês pelo Tenente Coronel António Cyrne Rodrigues Pacheco, que chegou a Macau a 10 de Maio.

Anverso e verso das caixas (5,5 cm x 3,5 cm x 0,8 cm)

 Duas caixas de fósforos iguais, do antigo “Restaurante Chiu Chow” (1) que ficava na Avenida Almeida Ribeiro n.º 69-71, 1.º andar – Andar Mezanine; Tel:3125

Anverso (em inglês)
Verso (em chinês) 潮州酒樓有限公司 (2)
Lateral com indicação da morada, em inglês
Interior das caixas, fósforos com as cabeças de cor vermelha

(1) Ver o restaurante “Chiu Chow” do Hotel Lisboa em: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-chiu-chow/

(2) 潮州酒樓有限公司 mandarim pīnyīn:  cháo zhōu jiǔ lóu yǒu wěn gōng sī; cantonense  jyutping: ciu4 zau1 zau2 lau4 jau5 haan6 gung1 si1

恭喜發財 – Kong Hei Fat Choi – Gōng Xǐ Fā Cái

Hoje festeja-se a entrada do novo ano chinês, ano do Búfalo  牛, de Metal  金 O elemento Metal na sua forma Yin , será o elemento principal deste ano, a principal fonte de energia.

Precisamente há 65 anos atrás, este dia 12 de Fevereiro, do ano de 1956, festejou- se a entrada do ano do Macaco /Fogo. Do «Macau Boletim Informativo» (1) retiro parte do artigo (não assinado) sobre as festividades do ano novo chinês desse ano.

“ … Houve feriados nas escolas e dispensas de serviço nas repartições pública s, desde a véspera do primeiro dia até ao terceiro da primeira Lua. A passagem do ano foi, desta vez, assinalada não só com os tradicionais festejos, como também com grandioso espectáculo de arte e folclore chinês e deslumbrante festival de fogo de artifício português. Desde os derradeiros dias da última Lua do ano findo, notava-se já, principalmente nos bairros chineses, extraordinário movimento de transeuntes, uns recém-chegados de Hong Kong e dos vizinhos portos chineses e outros aqui residentes, azafamados nos preparativos que precedem sempre esta festiva data, sem dúvida a mais importante do velho calendário chinês.

Segundo noticiou a imprensa desta cidade subiu a mais de 12.000 o número dos forasteiros vindos da colónia britânica, nesses dias, sendo de calcular que tenha também atingido cifra igual ou maior o número das vizinhas regiões chinesas que aqui vieram passar os feriados da quadra, dadas as recentes facilidades concedidas pelas respectivas autoridades.

Nos três últimos dias que imediatamente antecederam o dealbar do ano novo, realizou-se no Largo do Senado, em barracas construídas ad hoc, a tradicional venda de flores, que foi notavelmente concorrida, não obstante a crise que, presentemente, atravessa esta cidade.- É que, arreigado aos seus velhos usos e costumes, não há chinês, por mais pobre que seja, que não compre, nesta data, ou um ramo de pessegueiro ou um ramo de «tiu chong» (árvore de flores de campainha) ou ainda, um ramalhete de jacintos, crisântemos ou outras flores da estação. A venda prolongou-se até alta madrugada do primeiro dia do ano novo Desde o amanhecer do primeiro dia e durante os dias seguintes, ouviu-se, por toda a cidade, um incessante estralejar de panchões, número obrigatório nas grandes e pequenas demonstrações quer de alegria quer de tristeza, entre os chineses. Nunca nas ruas da cidade, em todo o ano, estiveram tão movimentadas.

Os salões de divertimentos do Hotel Central, os restaurantes e casas de pasto, os salões de dança, os cinemas e teatros e outros recintos de diversão ou de reuniões ou de reuniões sociais apresentavam o mesmo aspecto festivo e animadíssimo. Nos lares, nos pagodes e nos clubes, notava-se igualmente desusado movimento de gente. Já a afluência de forasteiros, já com o abandono das habituais fainas dos marítimos, dir-se-ia que a população citadina triplicara nesses dias. Por toda a parte se ouvia o permutar da clássica saudação «Kong Hei Fat Choi» (Parabéns, boa sorte), geralmente acompanhada do tradicional «lai si» (dinheiro envolto em papel encarnado)

No primeiro dia do novo ano, houve festiva recepção na sede da Associação Comercial de Macau, tendo, segundo uma velha praxe, na véspera a Companhia «Tai Heng», proprietária do Hotel Central, oferecido, no Restaurante «Golden City» do mesmo Hotel, um banquete chinês em honra do Governador da Província, assistindo também diversos funcionários e suas esposas..

(1) «Macau B. I.», III-61 de 15 de Fevereiro de 1956, p. 6.

CAPA DO PROGRAMA

Programa oficial do 31.º Grande Prémio de Macau, (28 cm x 21 cm x 0,5 cm; 105 p.) que se realizou nos dias 17 (sábado) e 18 (domingo) de Novembro (com circuito da Guia fechado nos dias 15 e 16 para treinos), edição trilingue da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau (Calçada do Tronco Velho, n.º 14-M (A,B), Edifício “Centro Oriental), em português, chinês e inglês. (1)

Do editorial (p.4):”São passados 31 anos desde que, pela primeira vez, se fechou parte de uma rua pública em Macau e se apresentou uma prova de corridas de automóveis. Ninguém, então estamos certos, poderia imaginar que aqueles humildes inícios nos levariam ao que é agora, em 1984, a primeira prova automobilística realizada na Ásia. Aquilo que era um troço de estrada fechada com setas, que assinalavam aos condutores a o caminho a seguir, evoluiu de forma a tornar-se no competitivo circuito da Guia, com3,8 milhas. Durante dois dias de treinos e dois de competição, o circuito da Guia, irá trazer-nos, mais uma vez, os melhores condutores de Fórmula 3 e de motas. Como espectáculo, drama, barulho e atmosfera, não há nada que se lhe compare em toda a Ásia. A recente abertura de alguns novos hóteis de primeira classe, permite que mais espectadores que anteriormente assistam à corrida deste ano. No hóteis, as dicotecas, clubes nocturnos e restaurantes aumentam grandemente a diversidade de divertimentos nocturnos. A maior parte dos hóteis apresentam cozinha e vinhos portugueses durante toda a semana. Além do mais, estão planeadas algumas diversões excitantes: concertos de música pop/jazz e espectáculos culturais, a realizar nas escadarias das Ruínas da Catedral de São Paulo, passagem de modelos, fogo de artifício e como mais uma novidade este ano, haverá uma corrida de triciclos que combinará a beleza das bailarinas do Crazy Paris com a «pedalada» dos representantes dos principais hotéis do território. Benvindos pois, não só ao Grande Prémio, mas também à semana de «fiera» em Macau … e DIVIRTAM-SE!”

CONTRACAPA

Neste ano as provas em competição foram:

MC Senior / MC Senior Race (12 voltas)

MCGP (15 +15 voltas)

Corrida Carros Iniciados / Novice Car Race (12 voltas)

Carros Clássicos /East Asia Classic Cars Race (6 voltas)

Corrida ACP / ACP Trophy Race (12 voltas)

Corrida Mitsubishi Colt-Jackie Chan / Mitsubishi Colt- Jackie Chan Race (6 + 6 voltas)

Corrida MC Iniciados / MC Novice Race (12 voltas)

Competição Super Carros Cassini / Cassini Super Car Challenge (10 voltas)

Corrida da Guia / Guia Race (25 voltas)

31.º Grande Prémio de Macau / 31 st Macau G.P. (15 + 15 voltas)

O “Programa” apresenta ainda além dos múltiplos anúncios de publicidade, alguns artigos sem referência aos autores dos mesmos, nomeadamente: “Macau: a capital asiática do automobilismo” (pp. 26-46); “O grande prémio de Macau” (pp.48-66; “Os jardins (e museus) de Macau” (pp.75-86); “As fortalezas de Macau”  (pp. 87-95) e “Comida exótica e deliciosa” (pp. 98-103)

RESTAURANTES PORTUGUESES E MACAENSES

No concurso de cartaz,logotipo e fotografia , forram vencedores – Cartaz: 1.º Tong Wai Hang;  2.º Ng Wai Kin ; 3.º Tsui Tak Meng – Logotipo: 1.º Luk Kong; 2.º Ko Pou Sang – Fotografia: 1.º Peter Chang ; 2.º Hong Kong; 3.º Romeo; Menção Honrosa: Wong Jak Yip

(1) Comissão Organizadora:

Presidente: Carlos José de Amorim Algeós Ayres;

Director Executivo: Joaquim José Mesquita da Silva Pereira;

M.A.M. de Carvalho, J. A. Lobo, A. Silva Moura, J.M.S.R. Tomé, D.M.E.S. Guilherme, J.F.S.A. Reis.

Delegado do A. C. P. – F. M. G. C. Marques

Delegado da F. P. M. – H. Senna Fernandes

Cartão (no interior do Programa”) (11,4 cm x 8,3 cm) “Com os cumprimentos da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau

“Naquele maravilhoso Outono de 1931, nada parecia abalar a confiança no futuro de Macau. A vida era baratíssima. Por exemplo, a firma Beatriz Berta de Sousa, sita na Rua Horta da Companhia, n.º 10, (1) vendia um litro de azeite de oliveira a $1.30, e a “Macao Store“, loja fornecedora de géneros alimentícios, na Avenida Almeida Ribeiro, anunciava em “A Voz de Macau” que “o preço do gelo para este ano é de 1 avo por libra“.

A livraria “Oriente Comercial Limitada” dava a conhecer aos seus fregueses as novidades literárias: “Lourdes”, de Brito Camacho, “Hollywood, capital de imagens“, de António Ferro, e “O Homem que matou o Diabo“, de Aquilino. O Porto Exterior ainda não era completa desilusão. Navios nacionais, o “Chinde” e o “Gil Eanes“, fundeavam, trazendo tropa e deportados políticos. Na ponte-cais de madeira, onde se acha o Clube Náutico, acostava o “Sagres” da Macau-Timor Line e da Macau-Mozambique Line. Os funcionários, que vinham da metrópole ou partiam, finda a comissão ou de licença graciosa, viajavam no “Porthos” da Messageries Maritimes e no “Derfflinger” da Mala Alemã Loyd, desembarcando ou embarcando em Hong Kong.

Quem quisesse um suculento e retinto prato português ia à “Aurora Portuguesa” (2) ou ao “Fat Siu Lau“. (3) Para um bom copo de leite e variados refrescos, havia a “Leitaria Macaense” (4) junto ao “Capitol”. Para um saboroso “kai si fán” (arroz de galinha) estava o restaurante “United States”, no rés-do-chão do Hotel Central, (5) em frente ao “Vitória”. E se se queria dançar, subia-se ao 6.º andar do mesmo hotel, onde estava o clube Hou Heng.” (*)

(1) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/2014/10/23/anuncios-de-casas-comerciais-do-ano-de-1941/ (2) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/aurora-portuguesa/ (3) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/restaurante-fat-siu-lau/ (4) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/leitaria-vacaria-macaense/ (5) Ver: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-centralpresident-hotelgrand-central-hotel/

(*) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau II, 1930-31  in Revista da Cultura, n.º 18 (II Série) Janeiro-Março de 1994, pp.183-216. Edição do Instituto Cultural de Macau.

Henrique de Senna Fernandes deixou estes apontamentos da inauguração do balneário – restaurante «Costa de Jade» bem como o ambiente de Macau de 1929: (1)

“Nesse ano, há um notável empreendimento do incipiente turismo macaense. A inauguração, em 21 de Setembro, do Balneário-Restaurante “Costa de Jade”, na baía de Pac On, na Taipa, hoje desaparecida com o aterro da praceta que se abre no termo da Ponte Macau-Taipa. Foi uma inauguração com a presença de centenas de pessoas transportadas pela lancha-motor “Jade”, de propósito construída para esse fim, nas Oficinas Navais. O embarque em Macau fazia-se pelo cais de pedra que havia na curva de S. Francisco. O local do Balneário era aprazível, a água do mar muito limpa e ainda não contaminada pelo lodo, e a mata exuberante dos Sete Tanques ficava-lhe mesmo em cima, com o suave ruído das suas águas a correr.

Naquele Outono esplendoroso de 1929, dizem os coevos, foi moda ir à “Costa de Jade“. Organizaram-se festas, jantares à americana, animados pela orquestra de jazz de João Franco. E quanto casamento dali não surgiu, aos acordes inspirados de “I’ll See You in My Dreams” (2) e à voz de tenor da “Ora Sorriento“, (3) em noites de luar, a toalha de prata chispando ao largo, os juncos de velas todas abertas, deslizando em silêncio, embebidos nas incansáveis fainas da pesca!

Como sabiam divertir-se os nossos maiores! O optimismo reinante, a boa disposição e a vida fácil e barata desviavam as atenções de trágicas realidades. Os acontecimentos internacionais não pareciam tocar naquele mundo. A guerra civil na China, entre o Governo Central e os senhores da guerra (warlords) era encarada como coisa de somenos. Todos estavam habituados, desde pequenos, àquelas questiúnculas internas, a esse sangrento extravasar de ódios e ambições que depauperavam e enxovalhavam um grande país.

Por mais espantoso que isso possa parecer, não há nos jornais da época uma notícia acerca da Terça-Feira Negra de Outubro, (4) onde se deu o “crash” da Bolsa de Nova Iorque. Nem há notícia dos suicídios e da crise que este facto gerou, dando origem à Depressão. Hong Kong e Macau estavam muito longe, a prosperidade era uma coisa certa e não havia motivos para alarme.”

(1) FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-1936). Revista de Cultura, N.º 23 (II Série), Abril/ Junho 1995. Instituto Cultural de Macau, pp. 133-170. http://www.icm.gov.mo/rc/viewer/30018/1706

(2) “I’ll See You in My Dreams” canção de 1924 de Isham Jones, e letras de Gus Kahn, Originalmente gravada por Isham Jones com a orquestra de Ray Miller Orchestra. Tornou- se muito popular com muitas versões. Foi título de filme, em 1951, “I’ll See You in My Dreams”, musical biográfico de Gus Kahn.

Uma das versões por DORIS DAY em:

(3) Creio tratar-se de “Torna a Surriento”, canção popular napolitana gravada por muitos cantores tenores e não só (ouvir a versão inglesa por Elvis Presley “Surrender”, de 1961)

Versão de Luciano Pavarotti:

Versão de Elvis Presley:

(4) A Quinta-feira Negra (Black Thursday) refere-se ao dia 24 de outubro de 1929, quando ocorreu o «crash» da Bolsa de Valores de Nova Iorque. O «crash» desencadeou a uma crise econômica da história dos Estados Unidos, alastrando para outros países ocidentais, para uma Grande Depressão, que durou 12 anos.

“O ano de 1933 vive sob os efeitos da depressão económica derivada da guerra sino-nipónica de 1931-32. O sentimento nacional chinês está profundamente atingido; no entanto, recrudescem as lutas intestinas entre os warlords. Os japoneses, por outro lado, não desistem dos seus intentos de expansão, perante a inércia da Inglaterra, França e Estados Unidos. Os periódicos de Macau fazem-se eco da carestia de vida e queixam-se do aumento geral dos preços em tudo. Contudo, essa carestia de vida era perfeitamente suportável e para nós, hoje, totalmente ridícula. Se não, vejamos:

Uma viagem a Hong-Kong, no “Sui Tai” ou no “Sun An”, custava, em 1a classe (cabine), $2,00 por pessoa. E a Cantão, no “Seng Cheong”, também em 1a classe (cabine), $2,50. Não era necessário passaporte ou salvo-conduto, nem se conhecia esta terrível instituição conhecida por Serviços de Imigração.

O preço corrente dum fato de verão – calça e casaco – andava à roda de $7,00 (nota). Na “Loja Luso-Japonesa” de J. Manuel da Rocha, à Rua do Campo, vendia-se vinho da Bairrada, tinto, a $4,50 e, branco, a $5,50, por uma dúzia de garrafas. No “Oriente Comercial, Lda.”, à avenida Almeida Ribeiro, uma caixa de 24 meias-garrafas de espumante adamado custava $36,00. Um cate de batatas para a tropa era adquirido a 4 avos e, se fosse ao quilo, eram 5 avos. Nas mercearias, uma lata de chouriço Isidoro custava $1,11.

No “Fat Siu Lau”, um bife com ovo estrelado e batatas fritas pagava-se por 25 avos (prata), e um prato substancial de arroz chau-chau por 10 avos. Os comensais da Pensão e Botequim “Aurora Portuguesa” pagavam pelos pequeno-almoços, almoço e jantar, $22,00 (nota), por mês. A “Casa do Povo”, um dos melhores restaurantes de comida portuguesa que existiram em Macau, orçava pela mesma barateza. Eis a ementa de 16 de Abril, Sábado:

Almoço especial (das 12 às 15 horas) Sopa: Canja de galinha 1. Feijoada 2. Lombo recheado 3. Presunto e ovos 4. Pastelinhos de carne 5. Arroz de camarão 6. Pudim 7. Fruta 8. Chá ou café $1,00 (nota)

Jantar especial Sopa à Juliana 1. Peixe com molho de tomate 2. Coelho guisado com batatas 3. Galinha assada com ervilhas 4. Croquetes com azeitonas 5. Arroz à Jardineira 6. Pudim 7. Fruta 8. Chá ou café $1,00 (nota)

Extraído de FERNANDES, Henrique de Senna – Cinema em Macau III (1932-36) in Revista da Cultura, n.º 23 (II Série) Abril/Junho de 1995, pp.151-152. Edição do Instituto Cultural de Macau

Caixa de fósforos (5,5 cm x 3,5 cm x0,7 cm) com design igual em ambos os lados do restaurante “滿福樓 Emperor Court” (1) do Hotel ”New World Emperor”, situado na Rua de Xangai 上海街,n.º 15. Tel: 781-888 (2) e Fax: 782-287)

O Hotel “New World Emperor” tem 21 andares, com 398 quartos; o restaurante “Emperor Court”, está no 1.º andar.

(1) 滿福樓: mandarim pīnyīn: mǎn fú lóu; cantonense jyutping: mun5 fuk1 lau4

(2) Actualmente o telefone é: 28781888 e o fax: 2878 2287

Caixa de fósforos (5,5 cm x 3,4 cm x 0,8 cm) publicitando dum lado, o restaurante San Kwong (design, fundo verde co o logo do restaurante e as letras, a vermelho), situado na Rua da Praia Grande, n.º 11.

新亢宂酒楼 (1)
澳門 南灣街十一號 (2) 電話: 81618, 8237

Do outro lado da caixa, publicita-se o “Lounge Grand Prix” (design: fundo preto com letras brnacas)

(1)  新亢酒楼mandarim pīnyīn: xīn kàng jiǔ lóu ; cantonense jyutping: san1 kong3 j zau2 lau4

(2)  澳門 南灣街十一號mandarim pīnyīn: ào mén nán wān jiē shí yī hào; cantonense jyutping: ou3 mun4 naam4 waan1 gaai1 sap6 jat1 hou4