Archives for posts with tag: Praia do Manduco

“Junto à embocadura do rio, existia uma povoação de pescadores que trocava o peixe, recolhido no alto mar, por arroz e legumes cultivados por agricultores que viviam para além dos muros da cidade, no local hoje conhecido por Bairro de Mong-Há.
Um dia, quando os pescadores andavam na faina, foi visto um grande cardume de peixe, nadando e saltitando em alta velocidade, em direcção às nove ilhas. Desde logo, os pescadores concluíram que qualquer coisa de anormal provocara aquele súbito movimento colectivo.
Minutos mais tarde, o céu cobriu-se de nuvens escuras e um forte vendaval veio colocar em perigo a maioria dos juncos de pesca, devido às gigantescas ondas que se formavam . Numa luta desesperada contra as forças da natureza, os pescadores tentaram chegar à Ponta da Cabrita, na ilha da Taipa, mas algumas embarcações foram de encontro aos enormes calhaus que havia naquelas bandas.

Pormenor Macau Taipa Ponta Cabrita 1934Pormenor de um Mapa de 1934 onde se assinala a localização da Ponta Cabrita
(arrasada para construção do aeroporto de Macau)

Quando o vendaval começou a abrandar, por entre as negras nuvens que cobriam o firmamento, os pescadores depararam-se coma  presença de um vulto sobre o mar, semelhante à imagem de uma mulher, que, de braços abertos e girando em tornos dos quatro pontos cardinais , parecia ordenar fim ao temporal.
De facto, assim aconteceu: de repente, o Sol tornou a brilhar sobre o azul do firmamento, como se nada tivesse acontecido, deixando os homens do mar boquiabertos.
De regresso a Macau, os pescadores ancoraram na Praia do Manduco e imediatamente foram agradecer à deusa A-Má, a quem atribuíram ele bondoso milagre que lhes poupara a vida, acendendo pivetes e oferecendo bons acepipes, como manda a tradição.

Pormenor Mapa Macau Siac 1929Pormenor de um Mapa da Colónia de Macau, de 1929
Sinalizada a zona de Macau Siac, já com os aterros efectuados.

Nessa mesma tarde, os pescadores reuniram-se numa residência, a fim de trocarem impressões sobre o acontecimento, tendo a maioria concluído que tinham tido a mesma visão.
A partir de então, resolveram destinar parte do lucro da venda do pescado para a construção de um novo templo (Macau-Siac) que foi, entretanto, erguido no topo de um pequeno outeiro existente nas proximidades do reservatório de água.
BARROS, Leonel – Tradições Populares, Macau. Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM), 2004.
Sobre o Templo de Ma Kau Seak /Macau-Siac, e a Ponta de Cabrita, ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/07/15/o-pagode-de-macau-seac-jaime-do-inso-1929/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/ponta-cabrita/

No livro “Tellurologie et Climatologie Medicales de Macau”, estão publicados quatro mapas da região de Macau. Um dos mapas foi já reproduzido em (1). Hoje mais um deles, – MACAU (Relief du Sol) – com a descrição do relevo do solo e subsolo.

MAPA do Relevo de Macau 1921 Tellurologie et ClimatologieEste mapa (escala de 1/50.000) foca o relevo do solo da cidade de Macau, em 1921, estando assinaladas as colinas e a Ilha Verde.

 “Le squelette de Macao est granitique. Les noyaux éruptifs sont indiqués par ses collines. Les rochers et la colline de Mong-Ha, celle qui est appelée Montanha Russa, les collines de Dona Maria, Guia, San Jerónimo, de Patane ou de la Grotte de Camoens, San Miguel, San Paulo do Monte, Santo Agostinho et Penha, – sont como les points d´ossification du squelette… (…)
L´isthme réunit cette terre à l´île de Hiong-Chan – et voilà formée la presqu´ile de Macao.
Un autre noyau, Ilha Verde (35 m. de alt), un peu plus isolé, est resté aussi sous línfluence dynamique du fleuve, et on a vu de nos jours l´oeuvre de la liaison naturelle au plus proche noyau, Mong-Ha, laquelle a été aidée par l´homme.
Les collines de Macao peuvent être divisées en deux groupes, délimités par la continuité qu´on remarque en chacaux d´eux. Appartenant au premier groupe, je citerai: Mong-Ha, Montanha Russa, Dona Maria, Guia, San Jerónimo, – dont la ligne d´enemble est une courbe sensible de concavité vers l´Ouest, les plus hautes cotes de niveau étant à Mong-Ha (59 mètres) et à Guia (76 à 99 mètres). La ligne du second groupr, courbe aussi en partie et envelippée par celle-là, évoque, en sa planification, la forme d´un bâton pastoral, dont la crosse est formée par les collines de Camoens, San Miguel, San Paulo do Monte, – se prolongeant selon l´axe de la presqu´île jusqu´à son extremité, passant para la Sé, Santo Agostinho, San Lourenço, Bom Jesus et Penha, et la cime atteignant les cotes plus élevées à San Paulo do Monte (40 m) et à Penha (70m).
Les terrains bas de Tap-Seac, Long-Tin-Chin, Mong-Ha, Sa-Kong, San-Kiu et Patane, oú coulent les eaux et les ruissellements des ravines voisines, sont développés en une grande superficie sub-urbaine, entre les deus courbes. Tap-Seac a un facile accés vers la mer, entre da Sé et San Francisco, et les autres terrains qui , naguère n´étaient que des marécages, ont été comblés aux dépens de l´aplanissement des colines de Mong-Há et San Miguel, et ils sont convenablement drainés et amplement libres vers le fleuve.
La zone base de la ville se développe dans la concavité de la courbe de rayon plus petit, en quartiers riverains qui s´appelent Tarrafeiro, Matapao, Bazar, et qui sont continués par les terrains marginaux de Praia Manduco et Barra.
Au dehors de la courbe plus grande on remarque, au Nord, les terrains bas de l´isthme et la plage Areia Preta. Dans le rest de la courbe, la petite plage de Cacilhas, exceptée, il ný a pas dáutres terrains bas, puisque le versant de la Guia coule vers la mer en pente brusque.” (1)
NOTA: o negrito é da minha autoria.

(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/06/01/leitura-tellurolo-gie-et-climatolo-gie-medicales-de-macao/

Foi inaugurado a 1 de Setembro de 1954, o Mercado Municipal de S. Lourenço, projectado por Chan Kwan Pui, um dos mais importantes arquitectos de Macau do século XX. Estava situado na Rua da Praia do Manduco.

MBI II 1954 Mercado de S. LourençoEste mercado, apesar da oposição do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) e da Protecção do Património Histórico e Cultural de Macau (1), foi demolido em 2006, para construção de um novo edifício que foi inaugurado a 9 de Dezembro de 2009. (2)
O edifício do novo mercado de S. Lourenço tem sete pisos, três dos quais subterrâneos, dedicados a estacionamento. O mercado ocupa dois andares, tendo ainda uma biblioteca, um centro de actividades sociais, uma área de restauração e no topo do edifício, uma zona verde.
(1) http://umquartocomvista.blogspot.pt/2006/07/mercado-de-s-loureno-provisrio.html
(2) Artigo da jornalista Raquel Carvalho em:
http://arquivo.jtm.com.mo/view.asp?dT=333803012
Foto de MACAU Boletim Informativo, 1954.

Dentro da rubrica “AS NOSSAS GRAVURAS”, a “Revista Illustrada de Portugal e do Estrangeiro” “OCCIDENTE” (1) publicou uma gravura (“segundo uma photographia”) intitulada “ÍNDIA PORTUGUEZA – MACAU”, com a seguinte “descripção para melhor intelligencia do leitor
POSTAL DE ÍNDIA-MACAU 1890
Representa a nossa gravura a parte ocidental da cidade, principal centro de commercio, vendo-se também o seu magnifico ancoradouro no braço do rio Cantão. 
A vista que publicamos é tirada do alto da Penha; para a direita avista-se na distancia um ponto escuro que é a gruta de Camões, as montanhas que se veem ao fundo pertencem a Anção ou a Hiamxan (2) da ilha de Ngão-men, a maior do Golpho em que desagua o Cantão; para a esquerda avista-se por ordem primeiro a praia de Manduco, a Praia Pequena ao lado da qual está a povoação chineza denominada Bazar, (2) segue-se a praia do Terrafeiro. 
A pequena ilha que se vê a meio do rio é a ilha verde, que até 1762 foi propriedade dos jesuítas e onde hoje está o seminário. 
A parte principal da nossa gravura representa o centro commercial da cidade onde os edifícios são mais importantes.”
NOTA: Por desconhecimento geográfico ou falta de atenção do revisor, a legenda da “foto” está intitulada

“ ÍNDIA PORTUGUEZA – MACAU” 

A mesma “foto” foi republicada na mesma revista mas em 1897, já com a legenda:

 “ MACAU – CIDADE DO SANTO NOME DE DEUS”

POSTAL DE MACAU Publicado 1897
(1) “OCCIDENTE” n.º428 (1890)
(2) Heung-san 香山 – mandarim pinyin: xiang shan; cantonense jyutping: hoeng1 saaan1 ), a área ao sul do Delta do Rio das Pérolas na Província de Guangdong. Ver https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/21/noticia-de-1743/
(3)“O bazar é exclusivamente habitado por Chinas e fica a O. da fortaleza do Monte, na parte que se liga à aba do outeiro e extende-se à margem do porto interior, vulgarmente conhecido pela denominação de «rio de Macau». É cortado por uma infinidade de ruas estreitas e bêcos sem sahida, que constituem verdadeiros labirynthos. A qualquer hora do dia grande multidão de Chinas percorre estas vias publicas, os quaes no giro dos seus negócios fervilham de todos os lados,
O bazar é o centro commercial dos Chinas em Macau.” É lá que estão estabelecidos os mercados da carne de vaca ou de porco, das aves, do peixe, do arroz, dos legumes, hortaliças, fructas, etc.” (1)

Reuniram-se em assembleia vários moradores de Macau que elegeram uma comissão, composta de João Damasceno Coelho dos Santos, coronel João Ferreira Mendes, José Bernardo Goularte, José Maria da Fonseca, Francisco Justiniano de Sousa Alvim, Pedro Marques e José Joaquim Rodrigues Ferreira, para organizar uma sociedade de subscritores para a construção de um teatro. Até então todos os espectáculos de realizavam em «vistosos teatrinhos» (1) que se armavam na encosta de Mato-Mofino, que deita  sobre a Rua da Praínha; na porção do terreno da Praia do Manduco, depois ocupada pelo jardim do Barão de S. José de Portalegre; na Assembleia Filarmónica, (2)  que existia no largo de Santo António; no edifício do Hospital da Misericórdia; na residência do Juiz de Direito Sequeira Pinto; no «retiro campestre» de Santa Sancha, etc. teatrinhos esses que eram desarmados, uma vez dissolvidos os grupos de amadores que os animavam. Pensou-se, primeiramente, em instalar o teatro no edifício do Hospital S. Rafael. Tal ideia foi logo abandonada, pedindo a comissão ao governo o terreno do campo de S. Francisco, junto da rampa que conduz à entrada do quartel, pretensão esta que foi indeferida, sendo oferecida a cerca do extinto convento de S. Domingos. A Comissão, não gostando do local, requereu e obteve a 2 de Abril, o terreno do largo de S.º Agostinho (3). Correndo imediatamente a subscrição, em Macau e Hong Kong, o edifício do Clube e do Teatro D. Pedro V ficou quase concluído em Março de 1858, devido aos esforços do Cirurgião-Mor da Província, António Luís Pereira Crespo, Pedro Marques e Francisco Justiniano de Sousa Alvim. O risco e a direcção das obras foram da autoria do macaense Pedro Germano Marques (4) (5).

Teatro D. Pedro V 1907Fachada do Teatro D. Pedro V em 1907  (Foto de Man Fook)

Ao edifício delineado por Pedro Marques foi dado o nome de Teatro D. Pedro V, soberano então reinante; mas a actual fachada foi delineada pelo Barão de Cercal em 1873  (6) e restaurada em 1918 por José Francisco da Silva.
Situado no Largo de Santo Agostinho, em Macau, é um dos primeiros teatros de estilo ocidental na China.
Os Estatutos da Sociedade do Teatro D. Pedro V, foram aprovados a 20 de Abril de 1859 pelo Governador Isidoro Francisco Guimarães (o projecto de Estatuto apresentado pelo Secretário da Comissão Directora, Francisco Justiniano de Sousa Alvim tinha já sido publicado no Boletim Oficial de 6 de Novembro de 1858 ) (7) 
Em 2005, o teatro tornou-se um dos locais do Centro Histórico de Macau a figurar na Lista do Patrimônio da Humanidade da UNESCO.

Teatro D. Pedro V 1999Teatro D. Pedro V (伯多祿五世劇院) em 1999 (8)

(1) Em 1839, foi construído o teatro luso-britânico pelo arquitecto macaense José Tomás de Aquino.
(2) A 30 de Junho de 1853, deu-se uma récita nas casas da Filarmónica, em favor dos Expostos deste cidade.
(3) “26-11-1860 – Por Portaria Régia desta  data foi confirmada a concessão feita pelo governo provincial do terreno onde se edificou o Teatro D. Pedro  V. ” (7)
(4) Nasceu em 1799, exerceu o cargo de escrivão da Câmara (não era arquitecto nem engenheiro, mas tinha engenho e arte) e faleceu viúvo, a 15 de Dezembro de 1874, com 75 anos. Está  sepultado na Igreja de S. Agostinho (7)
(5) GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(6) “17-03-1865 – Incendiou-se, pela madrugada, o Teatro D. Pedro V, mas o fogo foi rapidamente extinto, tendo apenas ardido parte duma janela. ” (5)
30-09-1873 – Reabriu, restaurado, o Teatro D. Pedro V, com Estatutos aprovados por Portaria de 10 de Fevereiro deste ano”  (7)
(7) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p (ISBN 972-8091-10-9)
(8) http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8d/Dom_Pedro_V_Theatre_in_Macau.jpg