PARA VENDA – Muito bom, e fino SABÃO de Fabrica Portugueza de Macao, para lavagem de roupa, a 12 Cattes por pataca; vende-se também a meudo até hum pão, que não pezará mais de meio catte, a 120 Sapecas ao catte. Quem quizer dirija-se a “Boa Vista” Caza N.º 4, ou a “Fonte de Lilao” Caza do mesmo numero, desde o dia 13 do corrente mez em diante às 9  horas A. M. a 5 P.M. não sendo Domingo, e dia Santo de guarda. Macao, 7 de Fevereiro de 1851.

Extraído de «Boletim do Governo da Província de Macau, Timor e Solor», Vol. 6. N.º12 de 8 de Fevereiro de 1851

A Fonte ou Bica de Lilau ficava na zona de Lilau que presentemente a via principal é a Rua de Lilau que vai da Rua da Barra e termina na Rua da Penha.
Quanto à «Boa Vista», zona/área anexa à de  Lilau, a principal referência é a Rua da Boa Vista que começa na Rua da Penha, entre a Travessa do Colégio e a Calçada da Penha, e termina na Rua Comendador Kou Hó Neng, ao cimo da Calçada do Bom Parto. Há inda hoje o Pátio da Boa Vista que está situado junto da Rua da Boa Vista , sobranceiro à mesma, ao lado da Calçada da Penha. Creio que ainda havia um Beco da Boa Vista.
Havia ainda uma «Praia da Boa Vista» na zona da Areia Preta “que era frequentada pela nata da sociedade macaense que se reunia ali em gárrulas e despreocupados piqueniques”.
TEIXEIRA, P. Manuel – Toponímia de Macau, Vol I, 1997